Quem quer brincar comigo?

Sabem quem faz anos já na semana que vem? Esta vossa escriba. A-ha...
Anotem aí nas vossas agendas: 5 de Maio!

Nunca gostei particularmente de fazer anos, sempre me senti desconfortável com isso.

Mas este ano quero que seja diferente. Vou obrigar-me a mim mesma a gostar de fazer anos.

O nosso aniversário é a data mais importante da nossa vida. Qual Natal, qual 25 de Abril, qual dia da Implantação da República, qual carapuça.

Se não tivéssemos nascido, nenhum desses feriados existiria para nós, por isso, o dia mais importante a celebrar é o do nosso nascimento.

E eu decidi que quero passar a gostar de fazer anos, porque isso significa que gosto de existir.

É certo que estarei um ano mais velha e cada vez mais a constatar o peso da lei da gravidade. Fora isso, que se resolve com um bom soutien push up, cada vez gosto mais de mim; gosto dos meus cabelos brancos (contando que não venham a nascer lá na zona mais a Sul, hã?); gosto das rugas que me aparecem ao pé dos olhos quando me rio; e, acima de tudo, da minha personalidade: as qualidades e os defeitos vão apurando*...

... *quer isto dizer: quem já gostava de mim, cada vez me vai amar mais, e quem não gostava de mim, ui, ui, ui, fuja, pois estou cada vez pior! ahahahah

Vou exprimir a minha gratidão ao Universo por esta existência, e celebrar o meu aniversário durante todo o mês de Maio, com uma brincadeira a que chamo "Sagrado Feminino".

Quero resgatar a feminilidade nas mulheres que me lêem e acentuar a minha própria; durante o mês inteiro de Maio só vou vestir saias e vestidos. Todos os dias, vou tirar uma fotografia a mim mesma e colocar aqui na barra lateral - onde está o espelho vazio, vêem?

Agora pergunto: Quem quer brincar comigo...? ;)

As regras:
- Vestir saias ou vestidos durante o mês de Maio inteiro;
- Tirar uma fotografia todos os dias e colocá-la na barra lateral do seu blogue;
- Não é obrigatório linkar as outras participantes, mas seria simpático fazê-lo. Eu colocarei o link das participantes que entrarem no "Sagrado Feminino" por baixo da minha foto diária - só têm que me dizer que querem participar.

Nota: Isto não é um concurso de beleza, desfile de moda, nem publicidade às marcas de roupa, mas apenas uma forma de aproximar as mulheres naquilo que as une: a feminilidade.

Gostava de poder contar com a vossa participação. Senão... oh, brinco sozinha! :)

O meu coração está partido por não poder incluir os leitores masculinos... ah, crueldade...!
Mas, esperem lá: quem é que tem que aturar o fadário da depilação, da TPM e da M, das dores de parto e ainda por cima nem sequer pode fazer chichi de pé? São as mulheres.
Pronto, já não tenho o coração partido.

Bem, resta-me desejar que haja muitas leitoras a celebrar o "Sagrado Feminino" comigo.
A 1ª foto sai já no próximo Sábado, dia 1 de Maio!

Salada de couve-roxa

Para quem gosta de receitas simples, económicas, e cheias de virtudes e significado:


Compre uma couve-roxa inteira (as pré-cortadas já perderam uma grande parte dos seus nutrientes), lave e corte-a em juliana.

Coloque num recipiente de vidro e tempere com um pouco de sal refinado, vinagre e azeite.
Seja generoso com o vinagre; coloque bastante. O vinagre conserva, mantém a cor e evita a oxidação.

Esta salada pode ser guardada por vários dias no frigorífico depois de temperada, tendo o cuidado de tapar o recipiente.

É perfeita para acompanhar todos os pratos, sejam eles de carne, peixe ou até mesmo misturar com outras saladas diferentes.

E é tão bonita, não é?

Os benefícios da couve-roxa na saúde:
Combate e previne a anemia, a diarreia e o escorbuto.
É cicatrizante, diurética, depurativa, descongestionante e vermífuga.
Acalma o coração e purifica o sangue.

Em termos espirituais:
O roxo é uma cor divina, que transmuta as energias negativas em positivas.
Traz paz, sabedoria, criatividade, protecção psíquica, etc..
Imagine comer, literalmente, esta cor maravilhosa...

Surpresa boa

Gosto que quem me visita saia daqui enriquecido. Seja com uma gargalhada que deu a ler as minhas tolices e que tornou o seu dia mais colorido, uma música que estava a tocar e o fez sentir-se bem, ou com alguma coisa que aprendeu. Faço isto por paixão e sem esperar nada em troca.

E é assombroso quando alguém me escreve a dizer que o ajudei muito sem o saber e que, de alguma forma, melhorei a sua vida.

Jamais uma pessoa que gosta de escrever na solidão - mais solitária do que eu, só mesmo a bicha-solitária - imaginaria um retorno desses.

A Lídia Pinho, de Tondela, e leitora da Casa Claridade, quis partilhar todo o seu carinho, enviando-me um saquinho cheio de presentes. Fiquei muito sensibilizada. Obrigada, Lídia.
(A Lídia enviou o seu número de telefone, e tomei a liberdade de lhe ligar, para agradecer e conversar um pouco com ela - foi uma surpresa, não foi, Lídia??)

Os presentes! Dois gorros liiindos em crochet feitos pela Lídia, um sapo em resina muito engraçado, um pendente muito bonito com o anjo Haziel, uma deliciosa compota de abóbora (o frasco, entretanto, já vai pela metade!) um saquinho com alfazemas, várias fotografias da Lídia e da zona onde vive, e uma cartinha que me encheu a alma.

Com toda a minha humildade e gratidão... bem-haja, Lídia!

Aproveito para voltar a agradecer a todas as pessoas que me têm oferecido presentes - Margaret, Marian, Andrea Albernaz, Lieve Tobback, Maria José, Daniela e Lídia Pinho - e a todos os restantes leitores que me presenteiam com os vossos comentários maravilhosos.

Despertar a paixão

Hoje, os que aqui entrarem, vão sair de fininho sem dizer nada, com aquele ar de "nãããão... este post não se aplica a mim... ora essa... quem, eu? Sou uma bomba sexual. Gruauu!"

Há! Claro que todos os meus leitores, todos, todinhos, são versados nas artes da alcova. Longe de mim insinuar o contrário.

Hoje, 6ª feira, dia regido por Vénus, e por isso, propício ao amor e aos prazeres, deixo algumas dicas para reacender a chama do desejo. Hu-la-lá!

Nem sei bem como tratar o assunto, que mais parece uma brasa a saltitar-me nas mãos, sem escandalizar ninguém nem parecer uma irmã carmelita.

Querido leitor que-é-claro-que-não-precisa-destes-conselhos-para-nada, tire partido da época primaveril, sintonizando-se com a egrégora da Mãe-Natureza que palpita de vida após uma longa e fria hibernação.
Reacenda o desejo com pequenas alterações no lugar que lhe corresponde: o quarto.

Livre-se das cores frias no seu quarto, que arrefecem os ambientes e não só.
A cor-rainha para o que se pretende é, efectivamente, o vermelho, que simboliza o Fogo e a Paixão. Se detesta vermelho, substitua-o por laranja, a cor correspondente ao chakra sexual.

Não precisa de pintar o quarto inteiro de vermelho, mas pode distribuir estrategicamente velas, lenços, um leque vermelho, ou outros objectos decorativos desta cor.

Queime incenso de sândalo, canela, almíscar, noz-moscada ou baunilha. Qualquer um destes é afrodisíaco (e muito agradável).

Retire a televisão, computador ou outros aparelhos eléctricos do quarto; além de criarem um campo electromagnético prejudicial à saúde, também interferem negativamente com essas actividades.

Se tiver um altar no quarto, aconselho também a colocá-lo noutra divisão da casa.

Traga cristais para o seu quarto.
Os mais apropriados: quartzo rosa e rodocrosite. Ambos estimulam o Amor e a Paixão.

Ainda está aí alguém, ou já saíram todos a correr para comprar velas vermelhas e cristais? ;))

Recebi um presente!

[Adivinhem quem tem uma máquina fotográfica nova, que funciona e tudo?
Muito obrigada aos senhores da Worten e da Kodak por aceitarem a troca. Foram uns fofinhos!]


Ainda há gente boa neste mundo, é o que vos digo...

Como, por exemplo, a minha leitora Daniela, de Coimbra, que é tão querida, que decidiu enviar-me um presente pelo correio. Assim do nada, sem ser Natal nem dia da Criança. :))

Eu fico toda emocionada com estas coisas. Perdoem se pareço lamechas, mas a verdade é que derreto-me toda com estas demonstrações de carinho.

A Daniela juntou vários materiais, que reciclou, e criou este quadro tão alegre.
Com o meu nome e tudo! Uhuuu! :))

Segue já um beijinho, via internet, para a Daniela!

Fico surpreendida e enternecida com o carinho que os leitores têm por mim. Obrigada. Saibam que é mútuo.

Neste saquinho vinham sementes de gindungo (no Brasil, chama-se pimenta, e em Portugal, piri-piri, ou malagueta - corrijam-me com carinho, se estiver errada).

Obrigada, Daniela, pela carta/papiro enrolada com fita de seda roxa e pelas tuas doces palavras que adorei ler e reler...
... pelo quadro tão giro que hei-de pendurar num cantinho especial...
... e pelas sementes, que vou semear na Lua Nova. Adorei tudo!

E agora, esta escriba cheia de miminhos vai estender a roupa com um sorriso nos lábios. :))
Hoje... até sou capaz de aspirar o chão da casa inteira sem reclamar. ahahah

Há algo que vocês não sabem sobre mim. E não é bonito.

Eu sou a pessoa mais cuidadosa do mundo. Vocês sabem.
Não se nota logo? Sou uma autêntica frou-frou, toda delicadinha com tudo aquilo em que toco.

Por isso, não consigo compreender como é que as coisas se me avariam espontaneamente. Tremenda injustiça!

No início, achava que a culpa era de uma marca ou de outra.
Mas agora estou mesmo convencida que a culpa é só MINHA.

Para verem que não estou a dramatizar, aqui vai o inventário das principais avarias inexplicáveis só dos últimos 3 anos:

- 2 microondas
- 2 computadores portáteis
- 2 máquinas fotográficas digitais
- 1 telemóvel
- umas 6 varinhas mágicas (mixers, para os leitores do Brasil)
- 1 televisão
- 1 aparelhagem de som
- 1 depiladora
- 1 orgão electrónico
- 1 DVD
- 1 termoventilador
- 1 projector de imagens nocturno
- 1 relógio
- 1 monitor

Todos estes aparelhos são de marcas diferentes. Uns foram caros, outros, baratos.
A única coisa que têm em comum é a pessoa que lhes mexe: a terrível "eu".

A última avaria foi a máquina fotográfica digital que comprei há apenas 2 semanas (porque a anterior avariou-se-me nas mãos!), e também já não funciona.
Sou eu a grande culpada.

Não percebo porque isto me acontece. Mas chateia-me.
Queria fazer um post que tinha planeado, mas não tenho como tirar fotografias.
Lamento muito, leitores.

Se alguém arranjar uma explicação para este fenómeno que me acontece, por favor, chegue-se à frente, e diga de sua justiça, pois eu não entendo.
Sou uma assassina não-intencional de aparelhos eléctricos.

Resta-me alertar-vos: quando me virem passar, escondam os vossos aparelhos, pois tudo o que é eléctrico avaria em contacto comigo. Bah...

"Eu sou fantástica!"

[A-ha... vejo que estão muito atentos às respostas que dou na caixa de comentários. E fazem muito bem.]

Uma leitora perguntou-me o que tinha a dizer sobre o tema da depressão.
O objectivo de vos responder na mesma caixa de comentários onde fazem as perguntas é que todos possam beneficiar da minha resposta. E assim aconteceu.

Entretanto, recebi alguns emails a perguntar onde está o post em que falo sobre a depressão.
Pois o post é este que está a ler neste momento. :))

A depressão é como um véu que nos cobre, e impede de ver a beleza do mundo e disfrutar da grande festa que é a vida.

É uma amnésia que nos faz esquecer da alegria de viver, e da gratidão que devemos sentir simplesmente pela nossa existência.

Mude os seus hábitos. Veja-se como a sua melhor amiga (e seja-o!).
Goste de si mesma. Isto é a base para tudo.
Se não gostarmos de nós, não conseguimos ajustar-nos no mundo.
Não estamos bem em lugar algum. Ninguém nos suporta (nem nós mesmos).

Existe uma receita antiga; todos os dias, olhe-se no espelho, e diga:
- Eu sou fantástica!

Todos os dias mesmo, sem falhar. Com convicção e um sorriso rasgado a acompanhar.
A depressão há-de dissipar-se e esse véu há-de acabar por voar com uma rajada de vento.

Diga que é fantástica, e aja como uma mulher fantástica.
Viva com alegria, inunde a sua vida de cor, de luz e de música.
Liberte-se de tudo que lhe faça sentir mal, sejam roupas, objectos, falsas amizades ou familiares mal-intencionados.

Toda a gente julga que vai viver para sempre, mas esta é a grande verdade:
Esta vida é apenas uma, e pode acabar a qualquer momento! Todos temos prazo de validade.

Seja loucamente feliz, e a quem não quiser acompanhá-la na caminhada, cite-me, dizendo:
- Abram alas, e deixem passar uma mulher fantástica e cheia de pressa para viver! :))

Guia dos Sonhos - P


Pai - Símbolo de protecção e afecto, mas também de autoridade. A interpretação poderá variar consoante o contexto em que esta figura aparecer e as sensações (agradáveis ou desagradáveis) que lhe produzir. Em todo o caso, indica sempre fortes mudanças.
Se foi um sonho negativo, considere-o um aviso para mudar o seu comportamento.

Paisagem - Se for agradável, ampla e luminosa, indica boas perspectivas para breve.
Em contrapartida, se for escura, pressagia a aproximação de um período menos bom.

Pancadas - Representam obstáculos e dificuldades. Se forem dadas numa porta, indicam más notícias. Se bate em alguém, pressagia conflitos e possíveis problemas legais.

Pantera - É um aviso; este animal representa a astúcia, mas também a traição. Deverá ter cautela com as pessoas com quem se relaciona. Se no sonho caça a pantera, indica que, indepentemente dos problemas que surgirem, conseguirá vencer as dificuldades.

Pão - Simboliza os meios de subsistência. Comer pão fresco e branco, indica sucesso material e emocional. Se estiver duro ou bolorento, irá atravessar uma fase de problemas nas áreas profissional e familiar. Comer pão quente pressagia problemas de saúde.

Partir - Representa sempre um desejo profundo de abandonar a situação actual, e começar uma nova etapa. Este é um momento auspicioso para tomar decisões.

Parto - Avizinham-se grandes realizações; período de sucesso. Se a pessoa que sonha estiver grávida, é um bom presságio - tudo correrá bem.

Pedras - Representam problemas e dificuldades. Carregá-las, significa grandes esforços. Comê-las ou ser atingido por elas, indica fracassos, humilhações e pouca sorte.
Por outro lado, achar pedras preciosas, pressagia prosperidade.

Perfume - Se sonha com um perfume agradável, é um bom augúrio. Sentir-se-á apoiado e terá êxito nos seus projectos. Se o cheiro for desagradável, significa que vai desiludir-se com algumas pessoas cujo apoio julgava receber. De qualquer das formas, e embora com alguma dificuldade, concretizará os seus objectivos.

Pérolas - Tristezas, decepções.

Perseguição - Independentemente de perseguir ou ser perseguido, este sonho indica sempre angústia e insatisfação.

Pessoas - Sonhar com muitas pessoas à sua volta indica timidez, dificuldade em assumir quem é, por receio do que os outros possam pensar.

Ponte - Atravessar uma ponte representa a arrancada para uma nova e melhor fase.

Porta - Se estiver fechada, os seus desejos serão desatendidos, e encontrará fracasso.
Em contrapartida, se estiver aberta, o significado é oposto: sorte, felicidade e aceitação.

Precipício - É sempre um mau augúrio. Representa o insucesso, os problemas e a ruína.
Caso se veja afastar-se do precipício, significa que aos poucos voltará ao ponto de partida, e retomará o seu caminho.

Prisão - Sentimentos de culpa e de desajuste nas áreas social e familiar.

Índice (clique nos itens):

- Guia dos Sonhos - L
- Guia dos Sonhos - M
- Guia dos Sonhos - N
- Guia dos Sonhos - O
- Guia dos Sonhos - P
- Guia dos Sonhos - Q
- Guia dos Sonhos - R
- Guia dos Sonhos - S
- Guia dos Sonhos - T
- Guia dos Sonhos - U
- Guia dos Sonhos - V
- Guia dos Sonhos - X
- Guia dos Sonhos - Z
- Introdução

À noite...


Todos os dias, quando o Sol se põe, cumpro o ritual de preparar a casa para a chegada da noite.

As energias mudam...
Os raios de Sol despedem-se, levando consigo a azáfama dos pequenos acontecimentos do dia, e eis que surge a tranquilidade e serenidade da noite.

As luzes acendem-se, e os fios do fumo do incenso serpenteiam pelas divisões da casa, perfumando-as.

A música toca baixinho. A maior parte das vezes, esta que está a ouvir agora; a da Casa Claridade. :)








Em tempo: as lâmpadas que utilizo são das economizadoras, amigas do ambiente.

O prazer de viver em casa

Nada disto faz falta, na realidade.
Mas que estes pormenores, que nos fazem sentir "em casa", tornam o nosso lar mais simpático e acolhedor, ah, isso ninguém pode negar...

Deixo-o bisbilhotar alguns dos meus, mas vamos combinar: depois, quero conhecer os seus!

Pequenas taças com guloseimas espalhadas pela casa.
(antes que perguntem: nem a planta nem as frutas são de plástico, hã? É tudo verdadeiro! :))

Um sino pendurado junto à porta da cozinha.
- Tlim! Tlim! Tlim! Meninos, para a mesaaaaaaa! - Sim, é para isto mesmo que serve.


Um rádio na cozinha, para ouvir música enquanto cozinhamos. Tem outro sabor...

Revistas de decoração ou banda-desenhada* (atende-se a todos os gostos!) no armário do W.C..
(além do prazer de lê-las num lugar onde ninguém nos chateia, ainda podem vir a ser úteis um dia em que falte o papel higiénico - LOL)
Cadeiras nos quartos para pousar as roupas que despimos antes de ir dormir.
(agora vão ficar a pensar que andei o dia todo vestida só com um lenço verde... hé!)

São estes detalhes que nos fazem sentir o doce there's no place like home.
E agora gostava de conhecer os seus! Conte-me tudo, tudinho...

(*) banda-desenhada = histórias de quadrinhos (trad. Brasil)

Num dia nublado...

Até na ponta do nariz tenho terra.
Isto de ser-se jardineira num apartamento não é nada fácil, vocês sabem lá.

Este clorofito também foi salvo do lixo. Lindo, grande, saudável, e desprezado.

Deixo aqui um ultimato ao Sr. Universo, que é unha-com-carne com o Sr. Lixus:

- Ó meus Senhores, isto já começa a ser demais. Nesta casa, existem mais de 40 vasos. Assim não pode ser.

Se querem que eu continue a salvar as plantas abandonadas deste mundo, transformem a minha casa em pastilha elástica(*) para que eu possa soprá-la e fazer as paredes crescerem.

Hã, vai contra as leis da física?

Sendo assim, vou fazer um grande sacrifício, só porque sou uma pessoa cheia de boa-vontade, e aceitar uma casa nova, com um jardim grande onde possa realojar todas as plantas.

Já agora, que essa casa tenha o lava-loiças em frente à janela da cozinha.
Que também seja perto da praia.
Que tenha árvores de fruto e um baloiço.
Que o chão dos quartos seja em madeira.
Que o WC tenha uma banheira antiga. U-hu!
Que tenha esconderijos e um alpendre.
E uma lareira simpática.

Não precisa de ter plantas.
Essas... levo eu!

Voltando aos clorofitos. Dividi-os por dois vasos e coloquei junto à entrada.
Até que me lembre de outro lugar. Aqui, nada é definitivo; nem as antigas cortinas da cozinha, que ficaram queimadas do Sol, e estão agora a forrar os vasos (de plástico... buhh).

Senhor Universo e Senhor Lixus, estamos conversados! Humpf!

(*) pastilha elástica = chiclete de bola (Trad. Brasil)


Em tempo: "Mamã... não devias ter posto essa fotografia da terra no chão...", disse o L.. :))

Plantas da inveja

Espada-de-São-Jorge, comigo-ninguém-pode, arruda, alecrim, guiné, pimenteira...
Eis as plantas mais conhecidas pelas suas capacidades de protecção contra as más energias.

Diz-se que quando se recebe visitas invejosas, a comigo-ninguém-pode chora, a pimenteira seca, a arruda murcha...

Também já ouvi que "dá azar ter espadas-de-São-Jorge dentro de casa"- não é verdade.

Não posso confirmar a veracidade do efeito mortífero das visitas invejosas nas plantas. Semelhante fenómeno ainda não aconteceu às minhas plantas. Não quero com isto dizer que sejam crendices sem fundamento.

Talvez as minhas plantas se tenham mantido a salvo porque apenas convido para a minha casa pessoas que nos queiram bem; não só salvo as plantas, como a nós mesmos, hã?

Resgatei esta comigo-ninguém-pode do lixo ontem.
Já lhe dei os meus "primeiros-socorros", para ficar apresentável para a fotografia. :)
Provavelmente, foi atirada para o lixo porque alguém achou que tinha ficado "contaminada" por alguma visita invejosa. Ou porque está feia.

Caros leitores, não cometam este erro. As plantas são seres vivos, parte integrante da Natureza, e merecem o nosso respeito.

Todas as plantas trabalham a nosso favor.
Graças a elas, temos oxigénio para respirar. As plantas purificam-nos o ar, filtram as más energias, protegem-nos dos campos electromagnéticos, embelezam-nos as casas e os jardins, curam as nossas doenças (sabia que a aspirina é produzida a partir da casca do salgueiro?), enriquecem os nossos cozinhados... basta conhecê-las.

É um crime deitá-las para o lixo.

A minha floresta particular vai aumentando, e a todas dou as boas-vindas.
São as minhas grandes e fiéis companheiras, guardiãs silenciosas, amigas de verdade.

Espero que este post sirva para salvar muitas plantas que estavam a um passo do contentor do lixo, aí pelo mundo fora.

Cabelos macios e hidratados

Até uma mulher pré-histórica que corta o próprio cabelo em casa e não usa unhas compridas - como esta que vos escreve - tem conselhos de beleza a dar. Iu-huuu!

Este vai para si, leitora (ou leitor - ora, porque não?) que tem cabelos longos, mas estão sempre secos e embaraçados.

Aquele creme hidratante para o corpo (ou até mesmo o do rosto) que tem aí no seu armário da casa-de-banho, sabe...?
Esse mesmo! Vá lá buscá-lo!

Deite um bocadinho na palma da sua mão, espalhe com a outra e passe pelas pontas do cabelo. Simples e económico.

(não substitui o condicionador, é só um complemento para usar quando o cabelo está seco)

Gosto de...

Vestidos antigos e sapatos de bailarina.
Chocolate e alperces.
Brincos e livros.
Cheiro a mar e o calor do Sol.
Caixas de música e novelos de lã.
Xailes e leques.
Bules de chá e gelado de café.
Sumos de frutas e incenso.
Conchas e penas.
Lápis e blocos de apontamentos.
Velas e candelabros velhos.
Dormir e sonhar.
Lençóis com flores e perfume de alfazema.
Roupas brancas e chapéus de palha.


O barulho do vento e cortinas a voar.
Plantas e silêncio.
Gaivotas e andar de avião.
Cores e abat-jours.
Ler e escrever.
Malmequeres e lírios (mas prefiro os cravos).
Baús e chaves enferrujadas.
Veludo e linho.
De mim e de si, que me lê.

Varinha de condão

Não vivo em Portugal. Nem no Brasil. Nem neste mundo, sequer. Quando passo a soleira da porta de casa, entro num livro de histórias.

Se pensa que a força inspiradora que faz esta casa-livro flutuar e viajar por cima das nuvens sou eu, está enganado. Quem dirige é o L.. Ele sabe o caminho. E os ventos obedecem-lhe.

Nas páginas deste livro de encantar onde vivemos, a sopa de cenoura chama-se sopa de Sol. Às couves-de-Bruxelas, chamamos couves da horta dos Gnomos.

As cortinas dançam nas janelas abertas, ao som de uma melodia inaudível, mas cujas vibrações fazem o chão pulsar e propagam-se até aos nossos corações, que batem na mesma sintonia.

A magia manifesta-se na mais ínfima pequenez... e todos os cantos escondem segredos sussurrados pelos objectos.

Logo, não deveria ter ficado tão admirada quando o meu pequeno grande escritor encaixou uma estrela, tirada de uma iluminação de Natal, num pauzinho de algodão doce, e disse:

- Toma, mamã, fiz este presente para ti. É uma varinha, porque tu és a minha Fada.

Mas fiquei admirada. E emocionada. E encantada. E orgulhosa. E... ah...
Foi o presente mais bonito e significativo que recebi.

Viva o lixo da rua do Rei!

Não é segredo que a serra de Sintra é a minha segunda casa.
Conheço-lhe os recantos mais secretos; sei onde se podem colher as amoras mais doces; onde há figueiras, pereiras, tangerineiras, castanheiros... Até um lugar onde por vezes aparecem fantasmas silenciosos e observadores eu conheço. uuUUUuuuuu...

Mas não sabia - pasmem! - onde vivia D. Duarte Pio, o Rei (que seria, se vivêssemos numa monarquia).

... agora já sei!

Não, não fui visitá-lo, mas aos seus amáveis vizinhos, que foram muito gentis em convidar-nos.
Muito obrigada, O. e M..

Claro que não deixei de apreciar o exterior dos aposentos de Sua Alteza. Ainda me pareceu ter visto o seu bigode por detrás das cortinas... ou seria uma aranha gigante? :))

E encontrei esta linda e antiga estátua angelical no lixo da sua rua. Tinha que ser. Acho sempre coisas!
Preciso de dizer que a adorei?

Eu sei... é algo fantasmagórica, eu sei... ainda gosto mais! ahahahah


Este bocadinho de Sintra antiga, que ia ter um destino inglório, está neste momento no meu escritório, no meio das plantas.
Viva o lixo da rua do Rei!

P.S. - Escusam de perguntar, que não vou revelar o nome da rua.
Tranquilizai-vos, Sua Alteza, que não tereis multidões a espreitar-vos pelos portões.
O segredo está bem guardado! (nunca se sabe, ele pode ser meu leitor, hã) :))

Harmonizar energias


Vamos harmonizar as energias da sua casa, de acordo com o Feng Shui, procurando corrigir problemas que talvez lhe passem despercebidos.

Dirija-se para a porta de entrada. Este é o lugar mais importante, por onde passa a maior parte do fluxo energético, por isso é o ponto de partida. Feche os olhos por uns segundos, e depois abra-os; olhe em volta como se fosse a primeira vez que aí está.

Calmamente, percorra a casa toda, divisão por divisão. Identifique as causas de desarmonia, e corrija-as. Leve uma caneta e um papel consigo, para anotar aquilo que não puder resolver de imediato.

O que é que causa desarmonia?

- revistas e jornais velhos, papelada acumulada
- plantas murchas ou com folhas secas
- rachas e buracos nas paredes
- torneiras que pingam
- lâmpadas fundidas
- roupa suja ou descosida
- lixo acumulado na cozinha
- quadros tortos
- objectos partidos/avariados
- frascos de shampôo/perfume vazios
- maus cheiros
- fios eléctricos emaranhados e expostos
- portas e gavetas emperradas
- alimentos fora de prazo
- agendas e calendários desactualizados
- desarrumação, tralha acumulada

Há alguns anos que estudo o Feng Shui e pratico as suas regras, e tenho, tantas vezes, testemunhado os seus maravilhosos resultados.

Contudo, as mudanças não se produzem de forma imediata e drástica. Por vezes, pode levar meses até que sintamos o seu efeito na nossa vida.

Hazel