E tudo se resolveu... com um pau.

Ainda mal o dia tinha nascido, e os nossos sapatos já iam a sair de fininho.

- Onde é que vocês julgam que vão?, perguntei eu.
- Ora, vamos comprar o sofá novo!, respondiam, em coro, os sapatos.

Umas pestes...

- Já para a sapateira e bico calado!!

Estivemos quase-quase-quase a acompanhar os nossos sapatos na caminhada para a loja, quando surgiu o comentário-travão:

Analuciana disse: "Nos folhetos de vendas que por vezes nos aparecem no correio, com ideias práticas, aparece 1 coisa que te daria jeito.
É como se fosse um cabo de vassoura, do comprimento do sofá.
Pões a capa e pões o tal cabo de vassoura entre o assento e as costas.
É confuso assim explicado, mas é como se o cabo de vassoura entalasse o tecido/capa."

Até bati com a mão na testa; como é que não pensei nisso antes?!

Agarrei num pau grosso e comprido e entalei-o na horizontal onde aponta a seta vermelha na foto.

Testámos e aprovámos. Funciona!
Quando nos sentamos, a capa já não escorrega para o chão e o sofá mantém-se sempre arrumado.

Para as leitoras que tinham o mesmo problema que eu, e já vão de sofá às costas a caminho do lixo, voltem para casa, que a solução está no pau. ahahahah

Muito obrigada, Analuciana!
O nosso já-não-tão-esculhambado sofá ainda fica por aqui mais uns tempos.

Comunicado

Há uma guerra a decorrer.

De um lado do campo de batalha, estão senhores de colarinho branco e gravata. Desconhece-lhes a existência de coração, e as suas armas são o dinheiro e o poder. São fortes, silenciosos, e manuseiam as armas com destreza.

Há um enorme pelotão, a que chamo
"Os Indiferentes", e são eles que constituem a grande força dos senhores do colarinho branco.

Do lado oposto, temos alguns combatentes de vestes coloridas, sorriso e um coração puro.
As suas armas são a razão e a justiça. Estão em menor quantidade, infelizmente.
Por isso, pedi reforços.

E quando falo em "reforços", refiro-me a reforços a sério. Em grande.
Desta forma, escrevi e enviei as fotos de Sintra para as seguintes entidades:

Presidente da República Portuguesa
Gabinete do Primeiro-Ministro
Presidente da Câmara Municipal de Sintra
Ministério do Ambiente e do Ordenamento do Território
Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente
UNESCO
Quercus
Liga para a Protecção da Natureza
Grupo Parlamentar do Partido Ecologista "Os Verdes"
Grupo Parlamentar do Partido do Bloco de Esquerda
Grupo Parlamentar do Partido Popular
Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Grupo Parlamentar do Partido Socialista
Grupo Parlamentar do Partido Comunista Português
TVI
SIC
RTP
Jornal Expresso
Público
Correio da Manhã
Jornal da Região
Revista Visão
Revista Time Out
Programa "Nós por cá"

Todas estas entidades estão, neste momento, em poder das fotos que tirei em Sintra.

Depois de todo este esforço, que consumiu tanto do meu tempo e energias, vou relaxar um pouco, regressar ao estado zen, e deixar a magia acontecer.

Agradeço a todos os leitores que apoiaram e continuam a apoiar a preservação das (restantes) árvores de Sintra. Bem-hajam pela vossa sensibilidade.

Na foto: "A Vitória da Luz sobre a Obscuridade", de Hans Makart.

Beleza à moda antiga

[Sempre ouvi dizer que os segredos de beleza só as mães contam às filhas. Ora essa, eu discordo.
Porque não haverão as outras mulheres de ter direito de sabê-los e ser bonitas também?
Principalmente, se estas forem minhas leitoras, hã? :)]

Pasmem-se: à excepção da água de rosas, não sou grande fã de produtos de beleza.
Não significa que não goste de me embonecar. Também não sou assim tão pré-histórica!

Não os compro porque depois não os vou usar. Falta-me a paciência, e tenho uma certa resistência em colocar em mim algo cujos ingredientes (químicos) desconheço.

Por isso, quando acordo com pele de couve murcha, recorro aos métodos antigos, que são os mais baratos, ecológicos, saudáveis e eficazes.

E como eu acho que a beleza deve estar ao alcance de todas, aqui vão os ingredientes para uma máscara facial altamente nutritiva:
- 1 recipiente pequeno
- 1 ovo
- 1 pedaço de algodão

Parta o ovo, e deite a clara numa taça (a gema pode depois aproveitar nos cozinhados).

Molhe bem o algodão na clara de ovo e espalhe por todo o rosto. Ponha bastante.
Agora, deixe secar. Vai sentir a sua pele toda esticada e repuxada, de tal forma que até parece que se vai transformar num extraterrestre - é normal! ahahaha

Quando a clara de ovo estiver bem seca na sua pele, lave o rosto com água fria.
O efeito que vai sentir é de uma pele rejuvenescida, suave e nutrida.

A clara de ovo é riquíssima em colagénio, o composto n.º 1 dos cremes anti-envelhecimento.

Sintra... a desaparecer

Começo por pedir desculpas a quem visita este blogue, pois o post de hoje mostrará imagens tristes, mas que é importante divulgar, para que as pessoas tomem conhecimento do absurdo que se está a passar em Sintra, Património Mundial.

As fotos abaixo foram tiradas por mim, mas não têm a marca d'água da Casa Claridade, para que todos os interessados as levem e divulguem livremente, se assim o entenderem.

Para quem conhece Sintra, ao chegarmos a este entroncamento, vira-se à direita, na direcção da estrada "Pé da Serra".
Ao longo do percurso...
Mais à frente, do lado esquerdo da estrada, deparamo-nos com este triste espectáculo.
Esta área, que outrora estava cheia de árvores e tinha um caminho estreito, começou gradualmente a desertificar-se.
Ao fundo, um atrelado de camião cheio de troncos de árvores cortadas.
Estão aqui centenas de troncos de árvores.
No Verão passado, foi feito um carregamento igual a este.
Todos os Verões, aos poucos, vão desaparecendo cada vez mais árvores.

Esta zona, que era verdejante, ficou VAZIA. Desolador.
Sem comentários...
Pela largura deste tronco, percebe-se que esta árvore era muito antiga.
Voltamos à estrada principal, e prosseguimos.
No cruzamento mais à frente, deparamo-nos com este outro deserto.
Em poucos meses, as árvores simplesmente desapareceram.
No mesmo cruzamento, do lado oposto, vê-se um atrelado vazio; presume-se, a postos para receber mais árvores que serão abatidas... até quando? Como é que se trava isto?

Termino este post com muita tristeza.

Tenho para oferecer...


... esta planta assinalada com o círculo vermelho.

É mais um dos meus recentes salvamentos do lixus.
Está limpa, saudável, sem pragas e com filhotes.
Precisa de estar no exterior para receber bastante Sol.

Numa casa sem jardim e sem varandas, não consigo ter luz suficiente para atender às suas exigentes necessidades, pelo que me pareceu mais adequado dá-la a quem tenha mais condições do que eu.

Ofereço-a a quem preencher os seguintes requisitos:


1. Ter uma varanda ou um quintal onde a possa alojar;
2. Prometer tratá-la bem e nunca a deitar para o lixo;
3. Ter assinado a Petição;
4. Residir na área da grande Lisboa;

A primeira pessoa que preencha todos os requisitos acima indicados, e deixe aqui um comentário, recebe esta amiga verde! A entrega fica por minha conta.

Magia de Júpiter para a evolução financeira

Hoje é 5ª feira, o dia da semana regido por Júpiter, e estamos em Lua Crescente.

A energia planetária de Júpiter em movimento directo, e em conjunção com esta fase lunar é a mais auspiciosa para rituais de prosperidade.

Não perca a oportunidade, pois se a deixa escapar, só daqui a cerca de um mês se voltam a reunir tão afortunadas condições!

O lugar mais apropriado para excercer a influência de Júpiter é aquele de onde provém o sustento: o local de trabalho.

Pegue numa folha de papel branca e recorte-a num círculo.
Com um marcador vermelho, desenhe cuidadosamente o símbolo planetário de Júpiter.
(guie-se pela imagem acima)

Cole o papel numa parede junto a si, no local onde trabalha.

Está feito!
Dê as boas vindas à energia de Júpiter, que traz Sorte e Fortuna!

Sede de passarinho

Onde será que os pássaros vão beber água quando o calor do Verão seca os rios e as fontes?

Resposta: na minha janela. :))

No Verão, tenho sempre uma taça com água do lado de fora da janela para saciar a sede dos viajantes alados. Eles são muito inteligentes e observadores.

Num instante, passam palavra [penso que a expressão mais correcta deveria ser "passam pio"] e rôlas, pombos e pardais vêm à "fonte da Hazel", que todos os dias tem água fresca.

<- Ali está o meu fiel rolinho!

É assim que gosto de ter pássaros; não sou eu que os tenho, mas eles que me têm a mim.

Ponto da situação

Queridos Leitores,

Estive, durante os últimos dias, afastada do computador. Não porque tenha ficado zangada devido ao desinteresse de muitos de vós em relação à Petição, hã?, mas porque estive a participar em alguns eventos e, o pouco tempo que sobrou, escolhi passá-lo em família.

Mas... já estou de volta! É com agrado que constato o número de assinaturas a crescer, embora, infelizmente, demasiado devagar tendo em conta a urgência dos acontecimentos.

Estou a tomar algumas medidas que, logo que seja oportuno, divulgarei.

O meu profundo agradecimento a todas as pessoas que tiveram sensibilidade e humanismo para apoiar esta causa, assinando a Petição e divulgando-a.

Um agradecimento especial aos blogues abaixo indicados pelo apoio na divulgação da Petição:
- A Violeta Dança
- Sissamar
- SPA
- Lost in Japan!
- Tudo que me faz bem
- Ateliê Gaaya
...................................................- Renata Gayet
...................................................- De casa nova
...................................................- Tanta coisa!
...................................................- Casa Mágica
...................................................- Musgo do Campo
...................................................- Ideias debaixo do telhado
...................................................- Flora da Serra
...................................................- Energia de viver
...................................................- Japão em Fotos
...................................................- Estórias e Histórias
...................................................- Cora
...................................................Mundo em vida
...................................................- Porque me apetece
...................................................- Maraoluar
...................................................- Tesouros e Sabores
...................................................- Ser Estranho Ser
...................................................- Aprender e Organizar
...................................................- Caos Mundial

Longe de estarmos perto de um final feliz, porque as árvores, tal como as pessoas que nos são queridas, são insubstituíveis (e ainda mais quando se trata de árvores centenárias), tomei conhecimento de que no próximo mês de Novembro será levada a cabo a maior acção de reflorestação jamais realizada no nosso país.

A responsável por isto é a Organização Plantar Portugal.
Deposito a minha esperança e ofereço as minhas bênçãos a este movimento de voluntários, ao qual a nossa família se irá juntar.

Na foto: uma espada-de-São-Jorge que salvei do lixo há poucos dias.

A si, leitor silencioso...

... que todos os dias aqui entra para ver as novidades, como quem se esgueira por casa alheia envergando a capa da invisibilidade, e depois sai, convicto de que ninguém soube da sua presença, oiça isto:

PAMMM!

Que este murro na mesa abane violentamente as suas estruturas, e o desperte dessa inércia e estado auto-hipnótico!!

Acorde!!! Está na hora de agir.

Teve preguiça de ler a Petição? Aqui tem um resumo dos pontos mais desconcertantes:

"foram abatidas do ano passado até agora várias tílias centenárias, deixando o espaço completamente desolado

[...]
as podas que têm sido efectuadas nas árvores mais não fazem do que deformá-las e criar pontos de fragilidade por onde irão apodrecer e obrigar, mais cedo ou mais tarde, ao seu abate
[...]
foram abatidos há poucas semanas dois cedros que não aparentavam qualquer problema fitossanitário ou de bloqueio da visibilidade do trânsito
[...]
Na estrada de Sintra para Colares têm sido abatidos plátanos enquanto que outros têm sido sujeitos a podas radicais que alteram o seu centro de gravidade e que os farão cair com qualquer vento menos moderado
[...]
Na Estrada de Sintra para a Pena e para o Castelo várias são as árvores cortadas ao longo do percurso, sem que a população saiba porque razões se fizeram tais abates
[...]
Na Estrada de Chão de Meninos para Sintra também se procedeu a um desbaste de árvores deixando desolado um local anteriormente verdejante e exuberante de vida."

O assunto é grave e muito urgente.

São largas centenas de leitores silenciosos que entram neste blogue diariamente sem manifestar a sua presença; imaginem a força e o poder que podem gerar se quiserem.

Para demonstrar o meu respeito pelo vosso silêncio, fechei os comentários deste post.
Continue, leitor silencioso, a envergar a capa da invisibilidade enquanto assim o desejar.

Mas, por favor, assine a Petição.

Francamente!!

Ó meus queridos leitores, tenho uma pergunta importante a fazer-vos:

- Como é que os meus contadores registam 125.000 pessoas a lerem-me no Brasil e 52.000 em Portugal, mas apenas 100 leitores assinaram a petição contra a poda radical e abate de árvores em Sintra?

É porque não moram em Sintra que acharam que não valia a pena assinar?
Pois eu também não moro em Sintra. E assinaria qualquer petição para ajudar a salvar as árvores de qualquer lugar do mundo.

São necessárias, no mínimo, 4.000 assinaturas para que a petição possa ser entregue.
E ainda nem 700 tem.

Aos que assinaram, muito obrigada, em nome da Mãe-Natureza.
Aos que ainda não assinaram, façam o favor de assinar, pois isto diz respeito a todos.

Estou triste com o vosso desinteresse pela situação.
Precisamos de todos vós para salvar estas vidas...

Furar conchas... o segredo!

Durante longos e obscuros anos, fechei-me nas catacumbas desta casa em busca do segredo para fazer furos em conchas como quem procura o elixir da vida eterna.

De cabelo em pé e olhos raiados de sangue, furei como uma louca com o berbequim, que escaldava e me deixava nervosa com medo de furar um dedo em vez da concha.
Não resultou.

Tentei com facas tão afiadas como a espada de um samurai, acompanhadas de gritos agudos e estridentes. Não resultou. Recorri à minha visão-laser. Ainda menos!

Após muitas experiências frustradas, num dia em que o Sol brilhava com mais intensidade, finalmente descobri o grande segredo.

Na euforia da descoberta, fiz espanta-espíritos de conchas como uma máquina desgovernada. Toda a gente me perguntava como é que eu conseguia furá-las.

Ah! Então queriam que lhes desse ali, num segundo, a solução de algo que me levou anos, conchas partidas e dedos cheios de cortes a conseguir? Hã, hã?
O segredo é meu! SÓ MEUUU!!!, pensava eu, enquanto respondia delicadamente:
"Um destes dias ensino-te."

Ora, hoje acordei uma mãos-largas. É hoje que vos ensino tudo sobre furos em conchas.
Vamos lá. Para furar uma concha, o habilidoso leitor vai necessitar de:

- uma concha!
- martelo
- um prego forte
- um pano dobrado

Coloque tudo no chão, dobre o pano bem dobrado por baixo da concha, e martele o prego com jeitinho até furar.

Bah. Lá acabei por contar...

Os espanta-espíritos de conchas agora vão tilintar por todo o lado até já não os podermos ouvir. Se é para viver num mundo mais bonito e zen... que seja!

De martelo na mão,
Hazel

Ritual do Vento

Fuuu....... Está vento, frio, e estamos em Lua Minguante.

É o dia perfeito para fazer um ritual com a ajuda dos ventos que correm o mundo, e sob os auspícios da Lua que vaza as marés.

Vá para um sítio alto e ventoso, coloque um punhado de sal grosso na sua mão e, com toda a sua energia, concentre-se naquilo que quer afastar da sua vida.


Levante o braço, abra a mão, e deixe o vento varrer o sal para longe de si.

Respire fundo, encha o peito de ar, e sopre com força para limpar o resto de sal que ficou na sua mão.

Bata com as mãos uma na outra, para limpar e espantar as energias. Está feito!

Vá-se embora sem olhar para trás.

Poupe dinheiro enquanto preserva a Natureza

Aqueles que mais se empenham em preservar os recursos da Mãe-Natureza são também os que mais poupam o seu dinheiro.

A Ecologia está ao alcance de todos. Basta um pouco de boa-vontade e criatividade.
Mais do que uma "moda" ou um "estilo de vida"... é um dever.

Partilho convosco alguns dos meus hábitos diários. Espero inspirar-vos.

1. Mesmo desligados, os aparelhos eléctricos ligados na tomada consomem electricidade!

Por isso, uso extensões eléctricas com interruptor nas zonas do computador e da televisão.
Sempre que não estamos a utilizar estes aparelhos, desligamos o botão da extensão, cortando, assim, a passagem de electricidade.

Para quem não tem extensões com interruptor, pode sempre optar por tirar as fichas das tomadas.
Há sempre solução!



2. Preferimos sempre lenços de tecido para nos assoarmos.

Quando estão sujos, colocamos na máquina de lavar, e podem ser reutilizados ad eternum!

Já pensou em fazer o mesmo?


3. Quando vamos tomar duche, e esperamos que a água do chuveiro aqueça, usamos um garrafão de água de 5 litros [com o gargalo cortado] para aproveitar toda essa água que, de outra forma, seria desperdiçada.

Até a água aquecer, gastam-se exactamente 5 litros.

A nossa família, composta por 3 criaturas que tomam duche todos os dias, com este insignificante hábito, poupa... 450 litros de água por mês!
E... 5.400 litros por ano!

[Só para terem noção, 5.400 litros de água daria para encher 40 (sim, quarenta!) banheiras.]

Aproveitamos essa água para encher o autoclismo (basta tirar a tampa que está em cima, e vazar lá para dentro) e para lavar o chão. E tudo o que precisamos são apenas 2 garrafões com o gargalo cortado.

Trazemos água das fontes de Sintra para regar as nossas plantas.


4. Uso alcofa ou sacos de tecido para fazer as compras no supermercado.
Guardo-os no porta-bagagens do carro, para tê-los sempre à mão quando preciso, e não correr o risco de me esquecer deles em casa.

Quando vamos à Farmácia ou a lojas onde compremos artigos de tamanho reduzido, recusamos os sacos de plástico, e trazemos as compras nas mãos.




5.Tudo o que possa ser reciclado, guardamos até surgir oportunidade de passarmos por um ponto de reciclagem. A saber:

- Rolhas de cortiça - colocamos nos depósitos para rolhas que existem à entrada dos hipermercados;
- Aparelhos eléctricos avariados - deitamo-los nos "Pontos Electrões" que estão nos estacionamentos dos hipermercados;
- Óleos alimentares - despejamos em frascos de vidro; quando estão cheios, colocamos nos "Oleões";
- Plástico, Metal e Papel - deitamos no ecoponto;
- Pilhas - no Pilhão;
- Medicamentos fora de prazo - entregamo-los nas Farmácias, onde são depois recolhidos para ser devidamente tratados.

E mesmo assim, temos noção de que ainda fazemos pouco.
Gostaria de conhecer novas ideias. Conte-me os seus hábitos ecológicos+económicos!

Sagrado Feminino - 31 dias, 31 fotos!

O prometido é devido, e bem sabem que sou uma escriba de palavra. [Bom trocadilho, hã? Palmada no meu próprio ombro!]

Nem imaginam a trabalheira que tive a juntar estas fotos todas. Mas o que é que eu não faço pelos meus leitores-minhas riquezas...?

[Para ver as fotos maiores, é só clicar nelas, para abrirem e ampliarem.]

Ei-las todas! 31 dias em fotografias (aproveito para contar alguns pormenores engraçados):

Foto 1 e Foto 2 - Estava lá ao fuuuundo, cheia de vergonha de aparecer.

Foto 3 - Ao 3º dia, perdi a vergonha! Ah, dentro do cesto estavam molas da roupa.

Foto 8 - Adoro o meu chapéu-de-chuva vermelho! Só porque tem um botãozinho que o faz abrir sozinho. Caprichos... Tenho-o há mais de 10 anos, foi oferta de uma perfumaria na compra do Maroussia (era o perfume que eu usava na época).

Foto 9 - Este vestido está cruelmente ratado pelas traças na parte de baixo. Mas de longe não se nota. E vocês também não vão contar a ninguém.

Foto 11 - É um vestido + uma saia. A saia é a mesma que aparece nas Fotos 19 e 29. A-ha...

Foto 13 - Duas saias! A saia castanha (de baixo) aparece também por baixo na Foto 28.

Foto 15 - Fiquei muito triste por ninguém ter elogiado o meu avental. E eu que tenho tanto orgulho nele... Nem os chinelinhos roxos... Shuif!

Foto 16 - Usei esta saia como toalha para camilha durante muito tempo. ahahaha
Vejam-na aqui.
Foto 21 - Chamo a estas sandálias brancas "sandálias-cócó", porque sempre que as calço arranjo forma de pisar cócó de cão com tamanha azelhice que este até se mete pelo meio dos dedos dos pés. Iarc! Várias vezes estive para desistir delas. Esta foi a primeira vez em que as calcei e não pisei bosta. Upa!

Foto 24 - Comprei esta saia amarela numa loja de indianos (tenho paixão pelos tecidos e cores deles), para usar quando estava grávida. Foi um bom investimento (e custou uma pechincha!).
Leitoras grávidas, invistam em saias destas, pois poderão usá-las para sempre!

Foto 27 - Quando saí de manhã com o vestido verde, os operários das obras na rua pararam de trabalhar, como fazem sempre que passa uma mulher, e disseram: "Verde é esperança."
Ora essa... Antigamente, diriam %$&$!§. Os tempos estão a mudar.

Foto 30 - Este vestido é o mesmo que está da Foto 4.

Foi tão divertido celebrar o mês de Maio desta forma. Obrigada por me terem acompanhado.
Agradeço a todos os leitores que deixaram comentários por terem-no sempre feito com tanta gentileza. Bem-haja.