Um cadeirão de orelhas para "chamar de meu"

O que esta vossa escriba, que é uma criatura que aprecia coisas macias, bonitas e confortáveis (não tenho culpa), adorava ter um cadeirão de orelhas, como o do Archie Bunker. Mas são caros... até mesmo os que vi à venda em segunda mão tinham um preço proibitivo.

Então, na passada 6ª feira, quando cheguei a casa, ei-lo ao lado do contentor de lixo. Acreditem se quiserem. Lindo, limpo e novo.

Obrigada, vizinhos que passam a vida a remodelar as casas e a deitar o vosso fantástico lixo fora! Vocês são rock n' roll!

Só queria que vocês vissem: a vossa Hazel, a caminhar cheia de dignidade pela rua, como uma pessoa "normal", daquelas que não ligam às coisas que estão ao lado do lixo, sabem?

E, cá por dentro, eu dava pulinhos de alegria, fazia a dança da chuva e soltava gritinhos agudos!! hahahahah Tudo com a máxima discrição, claro.

Pois, aqui, está ele, directamente do Lixus. Já com as energias limpas (vai que ele pertenceu a alguém que "se finou"). O Aramis aprovou.

Diz miau ao mundo, Aramis. 
- Miau.




Sentada no trono vermelho,



5 anos de blog!


Esta semana, a Casa Claridade completou 5 anos!

Cinco representa o equilíbrio, a harmonia.
O número de pontas de um pentagrama.
A quinta-essência. A perfeição.

A união de polaridades, do céu e da terra, do Yin e do Yang, do macrocosmos com o microcosmos.

O Arcano 5, no Tarot, correspondente ao Hierofante - o Divino, A Bondade, o Conhecimento.

Na Gematria, o 5 corresponde à letra H, a primeira letra do meu nome, Hazel.
O número da Luz, da transformação, da liberdade.
Os Cinco Princípios do Reiki.
O 5º chakra, laríngeo, associado à capacidade de comunicação com os outros e com a nossa essência superior. A purificação.
O dia do meu nascimento. E o mês do meu nascimento (também).

Agradeço, com todo o coração, a todos vós que lêem a Casa Claridade, e aos meus guias de luz pela orientação, inspiração e protecção.

Bem-hajam!

Mulher que vislumbra o infinito


Pintar é, para mim, uma forma de fazer magia, em que fico fora do espaço e do tempo, suspensa no éter da criação de uma nova realidade. É um acto de prazer absoluto. 

Mais um desenho pendurado na parede. Outros virão. 

No meio dos lápis-de-cor,



Como escolher uma cadeira de trabalho segundo o Feng Shui


Devia ter escrito no título "Como escolher uma cadeira de poder", porque é mesmo disso que se trata. O lugar onde nos sentamos está associado à estabilidade, à segurança, à nossa ligação com o mundo da matéria e, por conseguinte, às bases na criação de prosperidade.
Não é por acaso que os Reis recebiam os seus súbditos sentados no trono.

Algumas regras básicas de Feng Shui a ter em conta quando escolher a sua cadeira de trabalho (poder):

- O encosto da cadeira deve ser alto o suficiente para cobrir todas as suas costas. 
Nunca deve ficar a meio, ou causará uma sensação de desapoio;

- Os pés devem ser estáveis. Se a cadeira estiver manca, estará em desequilíbrio, não apenas físico, mas também energético. Tome providências para repará-la;

- Uma cadeira "de poder" tem sempre braços que, segundo o Feng Shui, representam o apoio do Tigre e do Dragão;

- Não deve estar empoeirada, rota ou descosida;

- Deve ser proporcional ao tamanho da mesa. Uma cadeira grande com uma mesa pequenina não estão em harmonia;

- As melhores cores são: vermelho (poder), verde, laranja e amarelo (dinheiro), castanho (terra, estabilidade), azul (comunicação).

Directamente da minha cadeira de poder,  😀

Hazel

Que é que tens? Nada.


Quando nascemos, não trazemos um mapa no bolso que nos indique a direcção certa a seguir na vida. Nem tão-pouco vimos com bolsos onde guardar o pretenso mapa, porque não trazemos roupa. Na prática, não trazemos nada para este mundo.

Vivemos uma vida inteira na ilusão de que possuímos alguma coisa. Que temos uma conta bancária, uma casa, um nome próprio, o cabelo embaraçado, uma família, uma profissão, as nossas mágoas, as nossas vaidades, planos para o futuro, os sapatos com a sola gasta, as nossas crenças, as janelas por lavar...

E todos nos apontam um caminho, tentando criar o tal mapa que não trazemos à nascença: "Faz isto, faz aquilo, fizeste mal, devias ter feito assim".
Muitos, deixam que sejam os outros a traçar o mapa das suas vidas.
Que, tantas vezes, não vai muito além do caminho de casa para o trabalho e do trabalho para casa. Outros, mais ousados, recusam os mapas que lhes tentam entregar, e vão à aventura, estrada fora, sem destino, correndo todos os riscos que se possa imaginar. Ninguém os entende. Serão loucos?

Na sua loucura, talvez sejam mais sensatos do que os sensatos que não saem da segurança do sofá que já faz uma cova no sítio onde se sentam.
Afinal, no fim da caminhada, quando morremos, desfaz-se a ilusão da posse.
Não temos nada. Nem a nós mesmos. Nunca tivemos.
É por isso que não trazemos mapa à nascença.
Mas, já que aqui viemos, que façamos uma caminhada o mais bela e prazerosa possível.

Reflexão do dia.

Foto: Da janela da minha casa, ontem às 20:00.

Poinsettia

Encontrada ontem no lixo.

É uma poinsettia, também conhecida como "planta-do-Natal". Veio trazer cor e alegria ao meu jardim-de-apartamento, que se está a reconstruir aos poucos. São os ciclos da vida...

A última poinsettia que tive, passou algum tempo sem mim, e não sobreviveu. Talvez porque fiquei triste com a perda, gosto de pensar que o Universo me quis compensar, trazendo-me esta nova amiga num dia de chuva e incertezas. Pois, mensagem recebida...

Muito grata, Senhor Lixus!

Beijos de vermelho escarlate,

Oração para pedir Inspiração

A oração é um dos veículos que existem para comunicarmos e nos sintonizarmos com os nossos Deuses, os nossos Guias - ou o que lhe queiram chamar.

Nem sempre uma oração tem de estar associada à súplica, ao desespero, à culpa ou ao medo incutido pelas instituições religiosas. Nada disso!

Fazer uma oração é como pegar no telefone para falar com os Deuses - que me perdoem os de ideologia mais rígida e tradicionalista, mas eu gosto de ver as coisas de forma simplificada.

Orar é falar. E falar é uma capacidade que todos temos, independentemente de qualquer religião.

Partilho esta bela e antiga oração para pedir inspiração, que li alto hoje de manhã, antes de começar a trabalhar. Ponha um incenso a queimar, respire fundo e leia:

Oração para pedir Inspiração

"Peço aos espíritos amigos e simpáticos, principalmente os entendidos no assunto, que me dêem inspiração para iniciar, prosseguir e terminar o trabalho que proponho realizar, relativo a (dizer o nome do que se pretende fazer).

Que as ideias aflorem na minha mente em concordância com a tarefa; que influências estranhas não perturbem a disciplina, a ordem e o bom andamento da obra e, no final, a sua conclusão venha a coroar ou premiar os esforços que envidei no sentido de realizar, criar e terminá-la com relativa perfeição, objectivo ou utilidade em benefício de pessoas necessitadas na sua criação."
in "O Livro do Exorcista", Editora Novalis
Beijos inspirados,



Loiça partida, um sorriso nos lábios

Nunca parti tanta loiça como nos últimos tempos. Copos, pratos, taças, tigelas, you name it!

Só fico chateada por 5 segundos. Depois, surge uma sensação de alívio. Não que eu não goste das minhas coisas ou não precise delas.

Mas porque compreendo que o Universo, na sua infinita sabedoria, está em constante renovação e trá-la para a nossa vida nos momentos certos.

Quando algo se partir em sua casa, não fique triste. E nem sequer pense em colar os cacos. Os antigos diziam, e com razão, que cacos são desgostos.
Quem cola cacos, fica preso no passado, e recusa viver.

Assim, por cada peça de loiça que sem querer se parte, eu agradeço. É. Agradeço.
Primeiro, fico grata pelo tempo que me serviu. Depois, fico grata ao Universo por estar a abrir espaço para o oxigénio circular. Ar novo. Puro. Renovação. Movimento.
A vida a ser vivida.

A varrer cacos do chão e a assobiar,