Devoção


No dia que atravessou o portal dos mistérios, encontrou, do outro lado da bruma, um segredo que transportou consigo por toda a vida.

Um segredo impossível de contar, porque não existia linguagem que permitisse sequer verbalizá-lo. Era esse o segredo que guiava o seu caminho, como um ponto de luz difusa que se segue na escuridão.

O segredo que tornava possível o impossível, a chave-mestra que abria todas as portas, trancas, fechaduras, alçapões e cadeados.

Que penetrava até a mais ínfima partícula da alma humana, como um enigmático manto de veludo que desliza silenciosamente pela pele nua, rendida, em devoção a uma força superior.

Ela sucumbiu à sua presença mágica, e perguntou: "O que se espera de mim?"
Os ventos sopram. Os Deuses falam. E ela escuta, envolta em Luz.

Shhhh...

Hazel

A Origem do Dia dos Namorados


O dia 14 de Fevereiro, conhecido actualmente como "Dia dos Namorados", é uma celebração Pagã associada ao início da época de acasalamento na Natureza.

Na Roma antiga, dava pelo nome de Lupercalia, a festa em honra de Lupercus, o Fauno (Pã, na Grécia) - divindade regente das florestas e de todos os seus habitantes.

Eu não estive lá para ver, mas dizem que era assim que se passava:

Os sacerdotes escolhidos sacrificavam ritualisticamente dois bodes e um cão. O sangue que escorria da adaga sacrifical era embebido em lã, que tinha sido previamente molhada em leite e, com a mesma, ungiam a testa, o que induzia a estados de euforia.

Vestiam o couro dos animais, ou usavam-no em torno da cintura para tapar os órgãos genitais, encarnando, assim, o espírito do senhor das florestas. Cortavam longas tiras de pele aos animais sacrificados e usavam-nas para chicotear o povo.

Corriam para açoitar os jovens na flor da idade, sedentos de sexo (que não deviam oferecer muita resistência, os doidivanas!), as mulheres inférteis, para estimular a fertilidade, as grávidas, para aliviar as dores de parto, as púdicas e frígidas, para despertar a libido, e todos os que apanhassem pelo caminho. Era a loucura.

Espantavam-se os maus espíritos, purificavam-se as pessoas, as casas e as ruas, e estimulava-se a saúde, a sexualidade e a fertilidade. Those were the days. 

Vá-se lá saber como, as vergastadas acabaram por dar lugar, séculos mais tarde, à oferta de ursinhos de peluche fofinhos, postais com frases pirosas, caixinhas de bombons de chocolate em formato de coração e lingerie comestível.

Agora, meus passarinhos, toooooda a gente odeia o Dia dos Namorados, dizem que é comercial, que a data irrita, que os casalinhos são entediantes, que isto, que aquilo. 

No outro dia, quando pedi ao senhor do talho que cortasse a carne de vaca em tiras para o strogonoff, ocorreu-me oferecer uma caixinha com tiras de carne, em honra dos bons e velhos tempos em que se corria desnudo e bramava de prazer e de dor ao mesmo tempo.
Não havia caras de enjoadinhos. Ai não gostas do ursinho de peluche? Toma lá! 

Olhem, ainda não decidi. Um chocolate ou uma tira de carne.

Indecisa,

Hazel

A cura com Reiki enquanto dormimos

Uma das muitas aplicações dos símbolos de Reiki consiste em desenhá-los com caneta na almofada de dormir para que, durante o sono, que é o momento em que nos regeneramos, cada um deles vibre e cure a nível físico, emocional, mental e espiritual.

É uma solução simples e prática que recomendo, em particular, para aqueles que têm pesadelos, ansiedade, sono agitado e/ou insónias, sejam bebés, crianças ou adultos.

Os símbolos devem ser desenhados sobrepostos e activados apenas por alguém que tenha sido sintonizado em Reiki II ou III. Se não for o seu caso, mas tiver algum amigo que o seja, peça-lhe que os desenhe e active na sua almofada. Coloque a capa da almofada como faz normalmente, e está pronto. Convém reactivá-los regularmente e, se desejar, pode mesmo desenhá-los directamente no seu colchão. 

(Para quem costuma vir às minhas consultas, terapias e eventos, pode trazer a sua almofada, terei todo o gosto em desenhar os símbolos!).

Abraço de Luz,

Hazel

7 passos para recuperar o Desejo Sexual


Os assuntos do amor não devem esperar. São sempre urgentes.
Ai que aflição. Tudo para anteontem. Mas o que se passa?, perguntais.

Ora, sem grandes rodeios, o que se passa é que tenho recebido um volume excepcional de mensagens de pessoas que se lamentam por ter perdido o desejo sexual (não vos preocupeis! Nem debaixo de tortura revelaria as vossas identidades!).

A Sexologia não é a minha especialidade - como eu adorava que fosse, era tão sexy poder dizer "Sou Sexóloga." Dizer, não. Suspirar. Mas as pessoas escrevem-me. E falam comigo. Esperam que eu tenha a resposta para todos os problemas. Até esses. Fico enternecida por me considerarem a vossa BFF (best friend forever), por isso vou fazer aquilo que uma best friend forever faz: ajudar. Ou tentar, pelo menos.

Agora, cada uma de vós vai pensar: "Ai. É para mim que ela está a escrever isto."
Todas as mulheres acham que são as únicas e sentem um certo embaraço por isso.
Mas foram mesmo várias mulheres que me escreveram. Vááárias!

Assim, para si, mulher que lê este blog, trago algumas sugestões para que possa recuperar a libido e redespertar a leoa adormecida. Gruauuu. Mas é para colocar em prática, não para inventar mais desculpas, nem para adiar para o dia seguinte, a semana seguinte, a vida seguinte.

1. Desistir da pílula anticoncepcional. Isto tinha de vir em primeiro lugar, porque é mesmo importante. A pílula é o espírito de uma freira carmelita septuagenária que se toma sob a forma de comprimido e que coloca cintos de castidade nas hormonas desvairadas. Há outros métodos anticoncepcionais que se podem escolher.

2. Dormir nu. É verdade que está frio, e há sempre o risco de haver um terramoto e terem de fugir para a rua a meio da noite. Ainda assim. São menos pijamas para lavar, a pele respira, está comprovado que faz bem à saúde e há uma maior proximidade, if you know what I mean.

3. Deitar cedo. Deitar cedo. Deitar cedo. Tenho que escrever várias vezes. Deitar ceeeedo. Quem se deita tarde, já vai cansado. Vocês sabem...

4. Um dia sem cuecas. Não sei onde foi que li a expressão "sexta-feira sem calcinha".
Um dia por semana em que se pode prescindir dessa peça de roupa. Uh, que lufada de ar fresco. Shhh... ninguém precisa de saber. É segredo.

5. Alimentos ricos em ferro. A carência de ferro causa anemia, apatia, falta de vitalidade e... desinteresse sexual. Vale também beber água solarizada laranja e vermelha, ou fazer Reiki com maior incidência no coração e chakras inferiores.

6. Deitar fora as cuecas deprimentes. Espreitem lá a vossa gaveta das cuecas com atenção. Quase todas cremes ou brancas? A maior parte com os elásticos "relaxados"? Algumas de gola alta, parecidas com as cuecas da avó? Livrem-se disso! Fora! Xô!

7. Entre si e a casa, escolha-se a Si. Este é o problema da maior parte das mulheres.
A auto-crítica. Se não têm a casa a brilhar, o que irão os outros pensar? Entre lavar a casa-de-banho e depilar as pernas, qual é a escolha que fazem sempre? A-ha...
Ninguém, mas ninguém mesmo jamais irá elogiar o quão reluzente estava a vossa banheira.

Agora, meditem nisto tudo sem se criticarem a vós mesmas e vão ser felizes.

Sob os auspícios de Vénus,

Hazel