Porque não?

Adorem ou odeiem-na, atrevo-me a partilhar mais uma ideia com a "assinatura Hazel"... ;)

Não é tão bom, quando chegamos a casa, encontrar o que nos faz sentir bem e nos remete ao conforto?

O mesmo se aplica ao que vestimos. Só devemos usar roupas que nos façam sentir vivos, vibrantes.

Não liguem à moda! Não liguem às "tendências"!
Não se submetam a ditaduras!

Tenham a vossa própria identidade.

Peguem naquele acessório especial, que vos faz sentir bem, e cometam a ousadia de usá-lo em vós mesmos e também na vossa casa.

Ora... porque não? Quem embarca na minha loucura?

A cozinha da Hazel...

... ou seja, minha!

A minha casa conta histórias. Os objectos falam com quem os observa com os olhos do coração, conversam entre si, e alguns são tão trocistas que até riem baixinho quando passamos por eles.

Venha conhecer alguns deles...



Se desconhece o conceito "Shabby Chic", cá está um bom exemplo:


<- Nota que em algumas partes da cadeira de verga a tinta branca já saiu?
Pois isso é "Shabby Chic"!
(trad. livre: "Desmazelado-Chique"!)

Consiste em assumir as imperfeições dos objectos e o ar desgastado; em não ter tudo novo e perfeito; em apreciar o encanto e beleza das marcas do tempo e do uso.

Não podia deixar passar sem fotografar a barra alfazema desta almofada! Como uma cor sugere tão bem um cheiro... consegue senti-lo?

É uma almofada de quarto que passou para a cozinha, por não ter par e por ser demasiado bonita para ficar escondida numa gaveta.






Olha a vela a condizer!













Este relógio dos Três Porquinhos é-me muito querido.

Comprei-o quando era solteira, há uns 98 anos atrás, a um vendedor ambulante.

E cá está ele, ainda a funcionar na perfeição e a reconfortar-nos com a sua presença mágica.








Tive, durante muitos anos, uma revista de viagens guardada por causa desta foto.

Até que finalmente me lembrei de agarrar numa tesoura e recortá-la para poder vê-la todos os dias, porque me faz bem.

Faz-me sorrir, traz-me boa-disposição e lembra-me que a vida não deve ser levada assim tão a sério.
Não é divertida?

É uma velha cubana, vestida com cores alegres, a fumar charuto, e feliz da vida. Quero ser assim quando for da idade dela. Com ou sem charuto. :)




<- Vê onde coloquei a foto da cubana? Aqui mesmo por cima do fogão, para vê-la enquanto cozinho.



















Boneca de porcelana trazida de Paris.

Infelizmente, passou a minha meninice guardada na caixa, para não se estragar. Por isso, está assim: nova e enfadada.

Pois deitei a caixa fora e restitui-lhe a liberdade! - Ouviste, bonequita? Estás livre!


É realmente muito bonita e delicada.

Tenho que pensar num nome para ela. Alguma sugestão?

Espero que tenham gostado da visita guiada pelo coração da minha casa, a cozinha.

Casa quente e acolhedora no Inverno

Já houve dias de frio em que entrei em casa com a sensação de entrar num frigorífico.

O L. nasceu em Janeiro (mês mais invernoso que possa existir), e a minha grande preocupação nos meses anteriores foi transformar esta casa num lugar quentinho e acolhedor.
E consegui! Até dispensámos o aquecedor.

Como os dias de frio se avizinham, aqui vão alguns truques para que também aqueça a sua casa de forma natural:

- Sofás em tecido!

Nunca-jamais-em-tempo-algum compre sofás de pele; são frios e desconfortáveis no Inverno (e no Verão, colam-se ao corpo).

- Almofadas e mantas!

Mesmo que coloque as mantas apenas penduradas no braço do sofá, vá por mim, são mais um elemento para ajudar a aquecer a sua casa. E fica tão acolhedor, não fica?

- Paredes pintadas em tons quentes!

A cromoterapia funciona. Este tom laranja-claro é um autêntico casaquinho de malha que vestimos à nossa sala, e que nos "abraça" nos dias frios de Inverno.

- Cortinas de tecido!

Claras, para deixar passar o Sol.
Logo de manhã, abra as cortinas e deixe que o Sol invada e aqueça a sua casa durante o dia inteiro.

Quando passo na rua, reparo que as outras janelas têm quase sempre as cortinas corridas - assim, o Sol não entra.
Talvez se perca um pouco em privacidade, mas ganha-se muito em conforto.

Depois do pôr-do-Sol, volte a fechar as cortinas, para manter a temperatura.

- Caixas das persianas isoladas!

Observe a foto. Consegue ver, ali por cima da janela, a caixa da persiana forrada de corticite?

Este é o ponto mais vulnerável das casas, por onde se perde muita temperatura. Para isolar, compre alguns metros de corticite (vende-se em rolos e é barato), desaparafuse a tampa, corte a corticite à medida com um x-acto*, e cole com cola de contacto.

Todas as minhas janelas têm 3 camadas de corticite sobrepostas coladas nas tampas das persianas. O calor mantém-se cá dentro, além de isolar muito bem os sons vindos da rua.
Aconselho vivamente, se deseja aquecer realmente a sua casa.

É muito fácil de fazer; lembro-me de ter feito isso quando estava de barrigão (e com um forte instinto de ninho), e sem a mínima dificuldade.
(para os curiosos: aquela "coisa" ali pendurada é apenas um pedaço de gengibre, para atrair boas energias)

- Móveis!

Casas vazias tornam-se desconfortáveis e frias.

Coloque os móveis, preferencialmente, nas paredes a Norte (a zona mais fria), e disponha-os de forma que não impeçam a entrada da luz solar.

Os livros, além de serem excelentes isoladores acústicos, também mantêm a temperatura. Este cantinho da sala é onde o L. se senta a mexer e remexer nos seus livrinhos, que estão nas prateleiras mais baixas, e onde nos sentamos no tapete a jogar e fazer puzzles com ele.

- Tapetes!

Bem sei que é mais uma coisa para aspirar, mas não há como um tapete debaixo dos pés para nos sentirmos quentes e confortáveis num serão de Inverno.

Além de aquecerem (porque o frio também vem do chão), isolam o som.

*Trad. Brasil: X-acto = estilete

Um bocadinho da minha sala

Um dia, ainda me lembro de mudar a sala para a cozinha, a cozinha para a casa-de-banho, e a casa-de-banho para o quarto.

O caso é bicudo, vão por mim.
Eu explico: imagine que eu decido mudar um único candeeiro de lugar - isso é sempre o começo de uma revolução decorativa...:

... eu coloco o candeeiro em outro canto, a seguir mudo a mesa, viro o sofá, desvio a estante, e quando dou por isso, já mudei a casa inteira. Uma coisa de loucos. Só por causa de 1 (um!) candeeiro.

Ontem tive uma dessas crises sado-masoquistas, e passei a tarde a jogar xadrez comigo mesma, usando os móveis quase todos da casa.

Depois de ter feito o merecido cheque-mate, e enquanto não volto a jogar novamente, satisfaço um pouco da curiosidade aos mais bisbilhoteiros [eu tenho Statcounter - sei as pesquisas que fazem aqui... oh oh]; aqui vai o cantinho da televisão (nota-se que o objectivo é escondê-la com as plantas*?):



Alguns destes livros têm mais de 100 anos. Gosto de colocar estes testemunhos do passado em lugares de destaque - porque não? Acho um encanto aquelas folhas amarelas.

*As plantas têm a capacidade de filtrar as radiações electro-magnéticas que os aparelhos eléctricos emanam, e, assim, protegerem-nos dos seus efeitos nocivos.

Nota: Se vencerem o desafio que vos lanço, na próxima semana, mostro mais fotos.
O desafio é: tenho um macaco na sala; onde está?

Castanhas de Sintra

A Serra de Sintra tem surpresas e mistérios escondidos ao virar de cada árvore.
São muitos os que a visitam; mas poucos os que verdadeiramente a apreciam.

Acho que aquilo de que mais gosto na Serra é o facto de haver mais árvores do que pessoas.
As árvores escutam e observam-nos silenciosamente. Os seus ramos cantam baixinho ao sabor do vento. Recarregam-nos as energias, e sempre, sempre retribuem a nossa amizade.

É no meio da Natureza que por vezes encontro o meu conforto e amparo. A Mãe-Natureza é já a única mãe que tenho...

Nesta cesta estão alguns ouriços de um castanheiro que encontrei em Sintra.

Desenganem-se os que pensam que são fofinhos. Isto pica que se farta.

Mas lá que são bonitos, são (para quem não sabe, as castanhas nascem dentro dos ouriços)...

Estas castanhas foram das mais deliciosas que já provamos. Todas alegre e dolorosamente (picam, lembram-se?) colhidas por mim.

Aproveito para me antecipar às más-línguas e informar que não colhi as castanhas de propriedade privada, mas de terrenos públicos. A Serra de Sintra é muito grande e eu conheço-a bem.
Sei em que zonas da Serra existem deliciosas amoras, refrescantes pêras, figos e... mais não conto!

Resolvi transferir para outro lado o musgo que outrora decorava este prato, e decorá-lo com os ouriços.

Tentei acender as velas para a foto ficar mais bonita, mas o pavio já está muito fundo, e queimei os dedos quando tentava lá enfiar os fósforos!

Nota mental: comprar um isqueiro daqueles compriiiiiiiidos, de cozinha.


Os Seres Encantados que vivem comigo

Alguém consegue adivinhar de que são feitos estes maravilhosos seres mágicos?
Ah... vou ali e já venho! Bem podia esperar sentada que acertassem!

<- Primeiro, esta. Será uma bruxa ou uma fada? Voa com graciosidade pelas paredes. Reparem no detalhe do pézinho levantado. Tem umas vestes esvoaçantes e um estranho e compridíssimo chapéu.


Olhem como é simpática e sorridente!
Ri-se baixinho, quando passamos por ela.









Esta já não é tão simpática.
É mais do género tímido.
Aprecia o recolhimento e a solidão.

É a ninfa deste vaso, que apenas emerge com as brumas da manhã.









Misteriosa e silenciosa...

Um raro sorriso sumido, escondido pelas plantas.



(A propósito, aconteceu um fenómeno muito engraçado com esta planta - ficou verde!
Antes era vermelha. Vejam aqui.)




Bem, vou revelar agora de que são feitos estes seres: de magia...!

A bruxa (ou fada) voadora é uma folha seca de uma maçaroca de milho que colhi este Verão.
E os cabelos da ninfa do vaso são apenas as barbas do milho envoltos numa noz.

Foi tudo obra da Mãe-Natureza, a verdadeira e grande artesã.
Eu, pouco fiz; apenas desenhei os seus olhos e bocas com canetas de colorir.

Misteriosos e mágicos - Baús na decoração

Não sei... Se calhar, fui um pirata noutra encarnação, e talvez daí advenha o meu fascínio por baús antigos. Não me canso de contemplá-los.

Chego a inventar histórias para crianças com baús. A atracção parece-me mútua, pois eles por vezes chegam até a "tropeçar" em mim na rua, como aqueles que achei no lixo.

Tal como tenho paixão por livros, fitas de seda e tantas coisas mais, assim tenho por baús; eles têm tantas utilidades!

Podem servir de apoio lateral a um sofá. Coloca-se em cima um candeeiro, umas fotos e uma caixa de madeira para os comandos da televisão-que-quase-nunca-ligamos, e temos um recanto simpático.
Dentro, guardo... não sei se deva dizer... bem, eu digo, mas é segredo, está bem?
Está lá escondido o meu fato de Pai Natal!... Shhhhh... segredo absoluto!

Aqui, outro baú meio escondido no meio deste pequeno matagal de plantas envasadas.
Guarda as mantas e almofadas que colocamos nos sofás durante o Inverno.
Em cima, uns vasinhos, pinhas e um queimador de incenso.

E este, com aquele encanto de peça antiga... Lá dentro, estão os brinquedos com que o L. menos brinca (Também gosto de alcofas de palha. Vêm esta aqui ao lado? Guarda os brinquedos da praia - sim, eu sei que me dispersei, pois o tema são "baús" e não "alcofas" - perdoais?).

Ninhos à janela - aprenda a reaproveitar cascas de ovo

Num dia de muito vento, encontrei estes ninhos caídos no chão, por baixo de uma árvore.

Os pássaros são os artesãos da Natureza; reaproveitam pauzinhos, cordas, e até pedaços de plástico que apanham no chão, para construir os ninhos. Até a Mãe-Natureza recicla...

Como já não havia hipótese de recolocar os ninhos nos ramos da árvore, trouxe-os para casa.

Ficaram a decorar o parapeito da janela.

E os ovos? São de galinha. Estão ocos, porém, com a casca inteira.

As cascas de ovos servem para muitas coisas - não devemos considerá-las lixo.

O segredo para retirar o ovo sem partir a casca é simples; com a ponta de uma faca, dê umas pequenas batidas nas duas extremidades do ovo, até fazer um buraquinho de cada lado.

Depois, sopre com força por um dos buracos e o ovo vai sair todo pelo outro buraco.
Sempre que faço panquecas, ovos mexidos, bacalhau à Braz e outros pratos que não seja necessário separar as claras das gemas, aproveito assim as cascas dos ovos.

E já tenho um cesto cheio delas para pintar quando vier a Páscoa...!

Ideia para guardar rebuçados

Cozinha de família que se preze tem que ter um pote ou frasco com rebuçados.*
Eu guardo-os na "dona galinha", esta cesta de verga.

(Gostaria de vos apresentar a cesta cheiinha de rebuçados, para a foto ficar mais bonita, mas nesta casa habitam uns certos ratinhos gulosos que estão sempre a fazer desaparecer os doces. Quem gosta muito destes ratinhos é o nosso dentista...)Foi uma ideia muito fácil de colocar em prática:

Aparafusei um camarão* na parte inferior dos armários da cozinha, atei uma fita azul na cesta, para fazer de alça, e pendurei.

Simples e acolhedor. Ideia 100% Hazel!
Bom fim-de-semana!

Tradução para os leitores do Brasil:
* rebuçados = balinhas
* camarão = gancho (Nós, portugueses, somos estranhos, sim; temos o camarão de comer e o camarão de pendurar coisas . Vá-se lá entender. )

Casa com cheiro de Natureza

Perfume a casa toda sem gastar um cêntimo... é a minha proposta de hoje.

Os aromatizadores que existem à venda, geralmente, são prejudiciais para as vias respiratórias, caros, gastam-se depressa, e nem sempre agradam a todos os gostos.

3 ideias saudáveis, ecológicas, económicas, e que todas as suas visitas irão apreciar:

Perto de algumas praias, no Verão, sente-se um cheiro exótico e envolvente a caril. É um odor delicioso, único, que, no Verão passado, quis "agarrar", e trazer para casa.

É esta planta, a erva-do-caril (helychrisum italicum), a responsável por este aroma, que me faz lembrar a junção de praia e campo, o Verão, o Alentejo, o calor e alegria.

Este ramalhete, há um ano pendurado na entrada da sala, ainda cheira bem.

O caril propriamente dito é uma mistura de várias especiarias moídas, tais como gengibre, cominhos, açafrão, cravinho,..; e esta surpreendente planta consegue reproduzir o mesmo odor dessa mistura.

Para além de perfumar a casa, as suas folhas podem ser usadas para aromatizar cozinhados.

Fiz este saquinho de tule, e enchi-o de frutos de eucalipto (não sei se têm algum outro nome, mas refiro-me àquelas bolinhas que os eucaliptos deitam e cheiram maravilhosamente bem).

Está pendurado na janela para que o Sol aqueça e active as bolinhas de eucalipto; e estas libertem o seu perfume.



Para além dos frutos do eucalipto, as suas folhas também têm um perfume delicioso.

Estes ramos, que pendurei aos pés da cama, exalam um odor muito agradável, contínuo e discreto. O nosso quarto cheira a floresta!

O eucalipto é uma árvore mágica, com capacidades protectoras, que renova as energias, mantém os ambientes limpos e purificados, e elimina energias negativas.


Os recursos da Mãe-Natureza são infindáveis... não é?

A nova sede da Casa Claridade

Há algum tempo que eu queria uma secretária nova, mas não uma dessas modernices que por aí se vêm à venda. Preferia uma peça antiga, com história e encanto. Com gavetas. Única. E também queria que fosse barata, já agora. Ora... porque não?

Impossível de encontrar, dizem-me?
Nada é impossível para quem acredita, respondo.

Há umas 2 semanas atrás, encontrei exactamente aquilo que tinha traçado na minha mente.
Ia levar o L. à escolinha, quando, no fundo da minha rua, a vejo lá. No lixo.

Bingo!
Estava em perfeitas condições, com excepção do tampo, que estava bastante riscado; nada que uma boa lixadela não resolvesse.

Esta mãozinha que vêm na foto é do meu pequenino L., que quis ajudar, e trabalhou lado-a-lado com a sua mamã. E lixou mesmo a sério.

Depois de eliminar os riscos, em vez de envernizar o tampo, decidi encerá-lo.

A cera para madeiras tem inúmeras vantagens:

- é muito barata;
- é mais rápido de aplicar e de secar do que o verniz;
- cheira bem;
- basta usar um trapo velho (em contrapartida, com o verniz, o pincel depois fica inutilizado e acaba sempre por ir para o lixo);
- não há perigo de pingar ou de salpicar;
- pode entrar em contacto com a pele - depois, é só lavar normalmente...

Ora aqui está, depois de cerca de duas horas de trabalho árduo, porém compensador, a nova sede da Casa Claridade...

Vivó Sr. Lixus! Consegui! (clique na foto para ampliar)

A casinha dos sorrisos

Se pensa que a sua casa começa do lado de dentro da sua porta, saiba que está enganado...

Uma casa começa no lado de fora da porta de entrada. Decore-a! Não esteja à espera do Natal para pendurar uma tímida guirlanda...

Se a sua porta de entrada estiver vazia e impessoal, parece que não vive lá ninguém.
Experimente decorá-la e verá como se sentirá reconfortado sempre que regressar ao seu lar.

Apesar de ser a única pessoa no prédio a decorar a porta, sei que os meus vizinhos não deixam de sorrir e apreciar as minhas decorações. E o carteiro. E as visitas. E até os chatos dos pregadores de religiões que insistem sempre em voltar, apesar de estar farta de dizer que sou um caso sem salvação. lol!

Também as boas energias sentem a mesma simpatia e atracção...

Esta casinha de madeira é a minha última paixão. Nada mais é do que uma cabana de presépio que achei desprezada no lixo. Vi-lhe tanto potencial, que tinha tanto para dar, que resolvi salvá-la e transformá-la em algo único e especial.

Com apenas 1 (uma!) rolha de cortiça e uma faca, esculpi três bonecos pequeninos, e colei-lhes pedaços de tecido e de lã, para fazer de roupa e cabelo. Desenhei-lhes olhos e boca, e ganharam vida. Representam a nossa família.

Acrescentei frutos de eucalipto, uma pena, 7 grãos de milho (para atrair prosperidade), uma fita vermelha... Ainda não terminei (falta fazer as rôlas!), mas o principal já lá está.

Sem gastar um cêntimo. Sem poluir a Natureza. Com reciclagem. Com Amor. Com Magia.
Espero que gostem e se inspirem.

(Eu sei que está a sorrir. Vê como é verdade, que esta casinha desperta sorrisos?)

E fez-se magia

Para pessoas livres de regras e preconceitos, e que apreciam o encanto da simplicidade...

Finalmente, desci às catacumbas desta casa, onde guardamos as decorações natalícias, em busca desta iluminação da árvore de Natal, que sempre achei que ficaria melhor na parede.

Não é para me gabar (é para me gabar, sim senhora!) mas, em apenas 10 minutos, desliguei o quadro da electricidade, cortei a ficha da iluminação com uma tesoura, descarnei os fios, acertei o tamanho de um deles, e refiz as ligações com a caixa de derivação que já existia na parede. It's good to be good...

Confesso que houve momentos em que duvidei que uma iluminação de Natal pudesse ser instalada da mesma forma que um candeeiro, e acabasse por não acender, mas, como sou uma taurina teimosa - a culpa é do signo, não minha - continuei, e... fez-se luz!

Porque numa casa onde há magia (e gente doida) pode encontrar-se de tudo.

Já temos luz no escrinásio!!

O truque das cores + agradecimento

Já disse que não aprecio paredes brancas?
Porque, a menos que exista muita perícia decorativa, as divisões brancas tornam-se frias, impessoais, tristes e sem expressão.
E, quando não bate o Sol, o branco deixa de ser branco, e, na realidade, vê-se cinzento.

No entanto, essa é a cor mais usada, porque as pessoas acham-na "segura".

Aqui em Portugal, a maior parte das casas são brancas. Acho isso chato.

Muitas pessoas também gostam de cor, mas o máximo que ousam é pintar as paredes de... creme. Ah! Pura covardia...

Vamos lá. Haja coragem!
Não é tão complicado como julgam.

Acabemos com o mito:
- as cores não cansam passado um tempo; o que cansa é ter sempre os objectos no mesmo lugar - mas isso podemos trocar à vontade!

Se já ganhou audácia para abandonar o branco acinzentado, e deixar a cor vestir a sua casa, mas não sabe qual escolher, o seu problema está resolvido. Siga o meu esquema:

CORES QUENTES:
- diminuem visualmente o tamanho das divisões, tornando-as mais acolhedoras;
- favoráveis para qualquer orientação solar;
- óptimas para salas e quartos de casal;
- tons mais escuros apenas para divisões amplas.

CORES FRIAS:
- ampliam visualmente o tamanho das divisões;
- proibidas em divisões orientadas a Norte e Este, por receberem menos Sol (tornar-se-iam frias e desconfortáveis);
- favoráveis para quartos de criança, por serem calmantes;
- desfavoráveis para quartos de casal (arrefece tudo...).

- Dica infalível -
Compense a cor das paredes com algum branco nos objectos. Use-o em cortinas, móveis, sofás ou nos arcos das portas, para iluminar os ambientes e contrastar com as paredes.

Veja o exemplo na foto - esta é uma zona de passagem, que sempre foi escura, mas que ganhou leveza e luz devido à cor em contraste com o branco.

A mais bonita cama do mundo...

... está no meu quarto!

Finalmente, encontrei a cama perfeita; linda, romântica, alta, mágica e com uma cabeceira que não magoa as costas quando leio.

Estou deveras feliz, queridos leitores. Mereço esta cama. É muito importante para mim.

Partilho convosco esta alegria e sentido de gratidão.

Obrigada, Universo... pelas tuas recompensas, que tanto valorizo.

Desejo a todo o mundo uma noite muito feliz. Até amanhã...

Decorar a porta de entrada gratuitamente

A maior parte das portas de entrada que vejo não tem decoração alguma; são tão impessoais, que parece que ninguém vive lá.

Há quem não coloque nada na entrada, com receio de ser roubado, o que é um motivo válido, mas que não considero impeditivo.

Então, temos um desafio interessante:
Como fazer uma decoração agradável e acolhedora... sem gastar dinheiro? (assim, se a perdermos, o prejuízo é mínimo)

Solução: A nossa porta de entrada está sempre decorada, como já antes mostrei, usando apenas os recursos da Mãe-Natureza e da reciclagem.

O truque para uma entrada acolhedora é simples: um vaso de cada lado da porta (nem com as plantas gastei, pois foram recuperadas do lixus), e uma plaquinha de boas-vindas.

Gostaram da placa? Façam também! Eu ensino:
- Recorte, com tesoura de ziguezagues, um pedaço de uma embalagem de cartão (usei uma de cereais), e, no lado inverso, escreva "Bem-vindo!" com caneta-de-feltro.
- Cole-a com fita-cola (no Brasil chama-se "durex"! - espreite este post, a propósito desta palavra...) a um palito de espetadas, e aí temos a maravilha da reciclagem...

E então? Não ficou simpático? Capaz de despertar sorrisos a quem chega?

Sabe muito bem, quando subimos a escada, sermos recebidos pela placa de boas-vindas e as plantas. Sentimos que chegámos à nossa casa. "A nossa casa..." - muito boa, a sensação.

A nossa biblioteca

Este Sábado à noite, passámos um serão louco... tão louco, que ainda estamos a recuperar do cansaço...; andámos a reorganizar os nossos livros! (estavam a pensar em quê?)

Algum dia tinha que ser. Acrescentámos mais uma estante à sala, pois apesar de termos doado bastantes livros à Biblioteca Municipal, continuávamos sem espaço para todos.

A chegada da nova estante implicou desviar a outra uns centímetros para o lado e, para isso, foi preciso retirar os livros todos. Cada prateleira tem 2 filas de livros (uma à superfície, e outra por trás), portanto, temos o dobro de livros do que aqueles que estão à vista. Ufff!

Deu mesmo muito trabalho, mas valeu a pena. Finalmente, temos espaço para todos os livros, filmes, CD's, DVD's, etc..

Nas prateleiras mais baixas, colocámos os livros do L., que está felicíssimo por tê-los todos ordenados. Tenho sempre o cuidado de, quando crio um recanto aqui em casa, reservar uma parte dele para que o L. tenha lá o seu lugar e as suas coisas.

Lá está a sua cadeirinha e também uma almofada no chão, para quem se quiser sentar descontraída e confortavelmente.

Adorámos o novo recanto da sala! Ficam algumas fotos, para inspirar quem ande a pensar em reorganizar a sala!

Conheça as regras de Feng Shui no que diz respeito a estantes, que publiquei num dos meus posts antigos: clique aqui, para ler.

Reciclagem de abat-jour velho

Vejam que engraçado este abat-jour antigo que o Sr. Lixus me ofereceu!



Não resisti; gosto de reaproveitar o que me venha parar às mãos, e transformar em algo único.

"Único", significa fora do comum e que não existe nas lojas, por ser uma criação fruto da minha inspiração (significa também que é bem provável que eu seja a única pessoa a gostar!).





Tenho muita fé naquilo que faço, mesmo que nem sempre receba aplausos sentidos.

Desde que uma vez vi um conceituado designer fazer candeeiros com pedaços de esponjas de banho (!!)... concedo-me a mim mesma a ousadia e o direito de fazer as coisas mais extravagantes que a minha inspiração me dita!

Cá está ele:
Desculpem-me aqueles que o odiarem.... mas eu acho-o lindo!

É diferente de todos os que já transformei, mas igualmente mágico.

Tem penas, pedaços de tecido, e uma fita do Senhor do Bonfim da Bahia (Margaret, é das que me enviaste para Portugal. Obrigada, mais uma vez!).

Inspirem-se, e conheçam também o candeeiro cintilante, o abat-jour das fitas coloridas e o abat-jour romântico <- clicar nos nomes!

Ideias para decoração do quarto

Não gosta do seu quarto? Acha-o feio, ou desinteressante? Talvez eu possa ajudar.

Quando comprámos a nossa casa, o quarto de casal era branco, comprido, e tão deprimente como uma enfermaria. Foi a primeira divisão a ganhar cor. Cada detalhe tem sido, ao longo do tempo, alterado/personalizado de acordo com os nossos gostos.

Tire os sapatos, pois é território sagrado, e faça favor de entrar...

Crie um recanto agradável junto à janela (para se sentar a ler um livro, colocar a roupa à noite...). Não é preciso muito; basta uma cadeira bonita com uma almofada.

Tapetes grandes e macios nos dois lados da cama. Porque, para mim, não existe maior luxo do que andar confortavelmente descalça pelo quarto. E haja velas...!

Para que possa ver-se enquanto se veste, tenha um bonito espelho, tendo o cuidado de respeitar as regras do Feng Shui (o lenço de seda branco não está ali só para ficar bonito; serve para tapar o espelho sempre que vamos dormir - saiba porquê aqui). Já os sacos de pano branco, esses sim, estão ali só para "fazer bonito"!

Mala escura muito antiga debaixo do espelho.

Se tem um quarto suficientemente espaçoso para dar largas à criatividade, compre um stencil bonito, e crie alguns efeitos num pedaço de parede. Mas pense e planeie bem, antes de pegar no pincel. Os exageros nunca caem bem.

Cole estrelas fluorescentes no tecto para que tenha um céu estrelado por cima de si sempre que apaga as luzes. Pois... isto não é só para crianças. A magia não tem idade.

Tenha coisas que lhe são queridas perto de si. Um desenho do seu filho, presentes especiais que lhe tenham oferecido, um bom livro, e - não dispenso! - uma bonita base para copos. Esta, é um elefante esculpido em pedra. Muito útil para pousar a caneca de leite, ou chá, que às vezes bebo antes de dormir.

Reparou que em nenhuma foto aparece a cama? Não é por acaso. Quis mostrar que o quarto não serve só para dormir. É um sítio para se estar.

Veja mais fotos e ideias para quarto de casal aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.