Lua Azul


Chama-se Lua Azul à segunda Lua Cheia que acontece dentro do mesmo mês. Este momento especial acontece apenas uma vez em cada período de dois anos e sete meses.

Os atributos relacionados com a Lua Cheia, como a intuição, feminilidade, capacidades psíquicas, ligação com o divino, etc., estão no ponto máximo durante a influência da Lua Azul, onde qualquer trabalho mágico será exponencialmente poderoso.

Beijos lunares,



Viver de Corpo e Alma


Amor. Desprezo. Gratidão. Raiva. Compaixão. Angústia. Serenidade. Medo. Alegria.
Tristeza. Desejo. Repulsa. Admiração. Ciúmes. Devoção. Ressentimento. Êxtase. Ira.

Tudo isto são diferentes emoções, diferentes estados de espírito. Crus, genuínos, humanos.

Espiritualidade não é fazer ioga, queimar incenso e abraçar árvores. Estar sempre zen, amar tudo, amar todos, viver num constante estado de leveza como se flutuasse no éter.
É bonito. Mas incompleto.

O Ego e as suas manifestações têm sido muito mal considerados. Porquê matar o Ego, e reprimir as emoções negativas?
Se alguém lhe der uma bofetada, vai oferecer a outra face? Sei de uma certa lenda sobre alguém que o fez e não acabou muito bem...

Quem nada sente, e a nada reage... só pode estar morto!
A Espiritualidade trata de saber viver todas as emoções que surgem, reconhecê-las e aceitá-las sem julgamentos, sem culpa, sem auto-crítica. As bonitas e as "menos consideradas".

Alguém lhe fez mal? Fique zangado, sim. É um direito seu, ora.
Que me perdoem os entusiastas do "perdão imediato", mas a ordem natural implica que todas as acções sempre tenham reacções.
Uma pessoa pode esbofeteá-lo eternamente se você nunca reagir.

É legítimo que sintamos emoções negativas. Não as bloqueie. Abrace-as com o mesmo entusiasmo que abraçaria uma grande alegria. Permita-se sentir.

Dê tempo. Tempo para que as emoções negativas se consumam e extingam.
A sua alma, fustigada pelo veneno da raiva ou qualquer outra emoção negativa é como uma rua fétida, suja de urina de cão e de expectoração escarrada por pessoas de maus modos.

E depois vem o cansaço, e o desajuste das emoções causadas por uma situação que já não existe mais. Resta-lhe a si reconhecer o momento e não se apegar a esse veneno.
Deixe que essa rua escura e malcheirosa seja lavada por uma valente chuvada fresca e com cheiro a novo. Deixe que as emoções se esvaiam. Não se prenda a elas. Laissez tomber...

Siga estes 3 R's:

- Renasça das cinzas.
- Reconcilie-se consigo mesmo e com o Universo.
- Reestabeleça a harmonia.

Espiritualidade não é castração emocional. É liberdade, sentimento, aceitação.

Beijos Yin e Yang,

Hazel

A voz medonha do "Thriller"


Quando era gaiata, tinha um medo que me pelava daquela voz que falava no fim do "Thriller" do Michael Jackson. Quem não tinha?

O dono da tal voz aterrorizadora chamava-se Vincent Price (1911-1993). O actor norte-americano participou em inúmeros filmes de suspense e de terror. Ficou conhecido como "O Mestre do Macabro".

Agora que temos um rosto para associar àquela voz perturbadora, já não asssusta tanto. Ou assusta?

A letra é da autoria de Rob Temperton e foi escrita à pressa dentro de um táxi em Nova Iorque, a caminho do estúdio. Ei-la:

"Darkness falls across the land
The midnight hour is close at hand
Creatures crawl in search of blood
To terrorize yawls neighbourhood

And whosoever shall be found
Without the soul for getting down
Must stand and face the hounds of hell
And rot inside a corpses shell

The foulest stench is in the air
The funk of forty thousand years
And grizzy ghouls from every tomb
Are closing in to seal your doom

And though you fight to stay alive
Your body starts to shiver
For no mere mortal can resist
The evil of the thriller."

A minha sugestão para a noite de Samhain:

Junte os amigos à frente do computador e aprendam a coreografia do "Thriller". É um plano divertido (e grátis!) e para todas as idades. 
Não há um limite de idade para nos divertirmos. 
E quem achar que há é um chato! 


Beijos e muito moonwalking,

Hazel

5 dicas - Roupeiros sem Humidade e Perfumados!

Para manter os roupeiros livres de humidade e daquele "cheiro a fechado":

1. Deixe, sempre que possível, as portas abertas durante o dia para arejar e entrar luz;

2. O arroz tem a capacidade de absorver humidade. Coloque vários saquinhos cheios de bagos de arroz pendurados no varão (ponha também no fundo do roupeiro, lá nos cantinhos);

3. O giz também! Pendure vários paus de giz atados numa fita (não é preciso ser giz colorido!);

4. Junte o útil ao agradável! Perfume o roupeiro e mantenha as terríveis traças afastadas pendurando alguns sacos cheios de alfazema (ou alecrim);

5. Mantenha as suas roupas em circulação. Use-as todas! Não deixe que fiquem a ganhar pó. Aquilo que não veste há mais de 1 ano, doe. Não só estará a abrir espaço para novas roupas, como a libertar o roupeiro, permitindo que o ar circule melhor.

Beijos perfumados,



Uso Mágico da palavra "Abracadabra"

Abracadabra! - O que significa esta palavra, popularizada no cinema, nos desenhos-animados e até mesmo em canções pop americanas? ("Abracadabra" - Steve Miller Band)

Existem referências à palavra "Abracadabra" que datam de II EC.
Por ser tão antiga, não há uma tradução exacta e absoluta, embora a teoria mais comum é que provém do hebraico, significando "Eu crio enquanto falo".
Ou, na versão original: אברא כדברא.

É uma palavra que tem sido ao longo dos séculos usada para fins mágicos; como talismã, escrita em forma de pirâmide invertida, para curar doenças, afastar a morte, banir diversos tipos de malefícios e aflições, para protecção, etc..

As referências mais antigas apontam para que tenha sido criada por Quintus Serenus Sammonicus (1) para curar a febre, afastar a peste e banir demónios e má sorte.

Escrevia-se num pedaço de papel na forma de pirâmide invertida, que se usava pendurado com linho junto ao pescoço durante nove dias e depois atirava-se por cima do ombro para uma corrente de água que fluísse para Leste.

Era grafada nas portas das casas para manter a peste longe.

Mais tarde, no séc. XIX, o ocultista e iniciado na Ordem Hermética Golden Dawn, Aleister Crowley, atribuiu-lhe novos conceitos mágicos e introduziu a versão “Abrahadabra” (substituindo o “c” por um “h”), que considerou como a sua verdadeira forma, definindo-a como “A Palavra de Poder”, a chave do Aeon (2), que representa “A Grande Obra Completa”.

Do ponto de vista gemátrico (3), Abrahadabra soma 418, a fusão do Macrocosmos com o Microcosmos, a união do princípio sagrado feminino com o princípio sagrado masculino, a Manifestação.

Cada letra corresponde a um significado: A, a Coroa. B, a Baqueta (varinha). D, a Taça. H, a Espada (o falo). R, a Rosa-Cruz (a vagina), e as restantes, Amoun, o Pai, Thoth, o Seu mensageiro, e Ísis, Hórus e Osíris, a tríade humana divina.

Actualmente, verifica-se uma banalização desta palavra, devido ao seu uso (e abuso) nos espectáculos de ilusionismo, passando a ser usada em referência a soluções simples e rápidas: "Abracadabra, e ficou tudo resolvido". Mas “Abracadabra” encerra um universo de mistérios e significados secretos.

No centro superior do nosso tórax (mesmo em cima do coração) encontra-se a glândula timo - do grego "thymus", que significa "energia vital". Uma das várias funções deste órgão linfático no nosso organismo é manter a imunidade produzindo células de defesa contra vírus, bactérias, fungos, vermes, etc..

Quando estamos muito emocionados e colocamos a mão no peito, sobre o coração - é exactamente neste local que se encontra o timo, que corresponde ao planeta Vénus, regente dos assuntos do Amor.

Esta glândula é relativamente grande quando somos crianças, e vai diminuindo ao longo da nossa vida, ficando muito pequena quando morremos. Durante os dois primeiros anos de vida, o timo cresce a uma maior velocidade, devido ao Éter da Vida que o leite humano contém (existem ramificações das artérias mamárias entrelaçadas com as que nutrem o timo), desta forma, as crianças alimentadas com leite humano têm um timo maior do que as alimentadas com leite animal, e possuem mais vitalidade.

Quando estamos felizes, o timo expande-se, e quando estamos angustiados, enfurecidos ou doentes, pode reduzir até metade do seu tamanho. A sensação de “aperto no peito”, muitas vezes, é um sintoma do timo contraído.

Segundo Samael Aun Weor (4), a vogal "A", quando pronunciada correctamente, tem o poder de fazer vibrar a glândula timo. “Os sábios da antiguidade”- segundo o ocultista - entoavam o mantra "Abracadabra" para conservar a glândula timo activa durante toda a vida. Pronunciavam-no 49 vezes, sempre prolongando o som "A". 49 é o quadrado (a matéria) de 7 (a espiritualidade).

Até aos dias de hoje, a palavra “Abracadabra” é pronunciada nos círculos mágicos para manifestar no mundo da matéria uma intenção, para fins curativos, sagrados e contemplativos.

(1) Sábio Romano, tutor de Geta e Caracalla, autor de “De Medicina Praecepta Saluberrima”, um compêndio de receitas médicas escrito em poesia no séc. II EC.

(2) Ciclo de cerca de 2000 anos na filosofia Telémica.

(3) Gematria é a antecessora da Numerologia. Existe há mais de 3300 anos e consiste na análise de palavras e associação das letras a um valor numérico, relacionando, assim, diferentes palavras que tenham o mesmo número gemátrico. Cada letra funciona como uma “antena” para captar uma forma de energia específica. O conjunto de letras é o código para conectar a uma determinada força energética.

(4) Ocultista, fundador do Gnosticismo Samaelino.

O mantra "Abracadabra" pode ser utilizado para tantos fins...:

Para ser feliz.
Para ajudar a curar doenças e estados depressivos.
Para estimular o sistema imunitário.
Para protecção contra toda a espécie de negativismos.
Para dissolver o medo, a ira, a inveja, os ciúmes.
Para activar o nosso poder pessoal.
Para ter sorte.
Para concretizar um projecto.
Para feitiços.
Para viver mais tempo.

Adoro quando a ciência e a Magia se tocam!
Abrahadabra!

Beijos mágicos,


Hazel