"Alto! Pára tudo. Onde vai com tanta pressa?"

Alto! Pára tudo. Onde vai com tanta pressa?”, pergunta o polícia-sinaleiro. 

“Vou para onde a vida vai, corro no seu encalço”, responde o condutor, afogueado e desatento. 

“Então, e não percebe que é você que a leva?”, remata o primeiro.

Este poderia perfeitamente ser um diálogo filosófico travado entre qualquer um de nós, sempre tão absorvidos pelos nossos próprios assuntos - para não referir os que ainda encontram tempo e energia para se ocuparem de temas alheios como se de seus se tratassem - e um polícia-sinaleiro dotado de olhos de lince e de uma lucidez cristalina que, do alto do palanque, consegue ver tudo o que se passa à sua volta.

Quando vamos depressa demais ou nos distraímos do nosso percurso, o apito da vida faz-se soar. E obriga-nos a parar. Sentimo-nos arreliados e frustrados, afinal, íamos na brasa atrás da mítica e inalcançável cenoura, alegremente inconscientes de que nos estávamos a tornar um perigo para nós mesmos e para os outros. Esquecemo-nos que o excesso de velocidade e a distração podem causar colisões ou mesmo atropelamentos; de sentimentos, da saúde, dos sonhos, do respeito.

A vida manda-nos parar quando menos queremos, mas quando mais precisamos. Tira-nos a carta de condução e deixa-nos fora de circulação por uns tempos para obrigar-nos a reencontrar-nos, a escolher outros caminhos mais construtivos e felizes, e deslocar-nos numa velocidade mais adequada à nossa capacidade de aprendizagem e superação. Afinal, se formos depressa demais, também não conseguimos apreciar a paisagem nem ler os sinais que se nos deparam pelo caminho.

A proposta da carta 4 de Espadas para esta semana é, justamente, parar para pensar e para ver tudo de outro ângulo, com um maior distanciamento. Tentar dormir mais horas, cuidar da saúde física, mental e emocional, manter uma alimentação saudável e equilibrada, meditar e aproveitar para redefinir prioridades. 

Se não lhe parece prioritário fazer nada disto, então está desesperadamente a precisar de fazê-lo. Feche os olhos e observe-se a partir de dentro:

O que é que realmente importa para si? 
O que o faz feliz? 
O que lhe causa insatisfação? 
O que gostaria de fazer, mas tem receio de não conseguir, de não estar à altura da tarefa?
Que sonhos deixou por realizar? 
Porque se sente tantas vezes cansado? 
Quais são os seus objectivos? 
Onde anda a desperdiçar o seu tempo? 

Faça estas perguntas a si mesmo e acrescente todas as que quiser. O apito está a tocar. Páre, em nome da verdade!

Hazel

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, 28 Janeiro

Hoje é o teu dia, filho

Crédito foto
Há 11 anos atrás, nasci mãe, pela vinda do meu filho.

Querido L., meu bebé que cheirava a flores e a caramelo, abençoado pelas Fadas que abriram o nevoeiro espesso como algodão-doce na A5 para deixar passar o mesmo carro que ainda temos hoje, de quatro-piscas ligados e águas que vertiam como um tapete de cristal que se estendia para a tua chegada.

Hoje, usas o perfume do Batman e gostas de cozinhar. O teu professor disse-me que andaste a atirar aviõezinhos de papel na aula. Apetece-me ralhar por isso, mas adoro-te e também te quero abraçar. E é nesta fronteira fina como um fio de cabelo de anjo que vive o infinito universo do amor incondicional para onde me levaste há 11 anos atrás, e de onde nunca mais saí...

Obrigada, filho.
Hazel

Carta ao Sindicato dos Suportes de Rolo de Papel Higiénico


Protesto! Sou um suporte de rolos de papel higiénico e quero trabalhar!
Nesta casa onde vivo, ninguém me respeita nem considera. Sou o objecto mais desprezado de todos. Parece que não me reconhecem utilidade. Passo semanas na companhia do mesmo rolo de cartão com apenas uma (1!) única folha esfarrapada de papel higiénico colada, que alguém deixou ficar para não ter de colocar um rolo novo. E assim fico abandonado, neste local de maus odores e vista para as nádegas e pendurezas que por aqui passam.

Um dia, a porta da casa-de-banho estava entreaberta e, daqui do meu cantinho, nos azulejos entre a sanita e o bidé, consegui espreitar pela porta também meio aberta da outra casa-de-banho do lado, onde morava outro suporte de rolos de papel higiénico igual a mim, que era muito meu amigo, e o único que compreendia e partilhava as mesmas queixas que eu.

Contudo, fiquei tristíssimo. Ele já não estava lá. Alguém o deitou fora e, no seu lugar, estava - imagine-se - uma cesta de palha. Que pouca-vergonha. A delambida da cesta de palha, cheia de atitudes de lambisgóia com auto-proclamada importância, tinha um rolo de papel higiénico inteirinho dentro. É justo?

Receio muito pelo meu futuro. Cada vez que um par de nádegas se senta perto de mim, fico a pensar se serão as últimas que verei. E se um dia também serei substituído como foi o meu colega da casa-de-banho do lado. Protesto, pois, então! Quero trabalhar!

Os rolos de papel higiénico rodam com tanta alegria quando a sua folha é puxada para limpar entrefolhos obscuros e narizes ranhosos. Foi para isso que nasci.
Por favor, deixem-me trabalhar! Assinado: O suporte de rolos de papel higiénico.

Hazel

O Silêncio do Inverno


Hoje o tempo encontra-se tão musgoso quanto os muros centenários de Sintra. A chuva cai sem pressa, teimosa e lânguida, enquanto a humidade se alastra pelas paredes e tectos transbordantes de água e sedentos de Sol. Deixou de se ouvir o canto dos pássaros, agora recolhidos sabe-se lá onde. Parece que vai chover para sempre.

A chuva ensina-nos a ser pacientes. A saber esperar. A ajustar-nos. Espero, mas não sei o quê. Ajusto-me a algo que ainda desconheço. Nada anseio. Nem tenho saudades de nada. Estou a ocupar exactamente o meu espaço no mundo, nem um milímetro para a frente, nem para trás. O centro de gravidade perfeito.

Estamos na estação do silêncio. Da quietude e do olhar no vazio, esse lugar onde repousamos a alma das inquietações que não têm razão de ser, como o são todas as inquietações.

Oiço a voz do Inverno no vento que viaja como um dragão uivante através dos ramos das árvores e nas gotas de água espertas e brincalhonas que batem contra os vidros das janelas. Escuto a sabedoria da velha mulher de cabelos de teia-de-aranha e mãos calejadas, com a paciência das sementes que aguardam no interior da terra.

Nunca pensei dizê-lo, mas passei a gostar do Inverno. Talvez porque deixei de tentar esticar os últimos raios de Sol até não conseguir mais, numa luta onde os dias escuros sempre fazem cheque-mate.

Aprendi a amar o vazio, o silêncio, a espera e até mesmo o frio. E, por amá-los, encontrei a plenitude no primeiro, a sabedoria no segundo, a serenidade no terceiro e a força no último.

De cabelo molhado pela chuva,

Hazel

Coisas fixes que já quase toda a gente fez, menos eu.


Eu nuncaaaaaa...

... fui às festas dos santos populares de Lisboa. Mas gostava. Sardinhas, vinho e bailarico incluídos!

... dancei à chuva. Acho que há previsões de precipitação para daqui a duas semanas.

... fui ao Porto. Já estive várias vezes para ir, mas houve sempre algum imprevisto. Será que o Porto não me quer? Riscado! Feito em 30 de Maio de 2016.

... ​comi percebes. Os "understands" são esquisitos e, aparentemente, difíceis de encontrar, mas deliciosos, segundo aqueles que já provaram. Parecem patinhas de monstros marinhos, que se chupam. iaics!, que macabro. Mas não se pode ficar na ignorância.  Riscado da lista! Feito em 5 de Maio de 2016.

... fingi ser uma turista e visitei Lisboa. No Verão, de chapéu de palha e máquina fotográfica pendurada ao pescoço, pelas colinas, elevador da Bica e com passeio de eléctrico.

... fui à Feira da Ladra. Logo eu, que gosto tanto de ver tralhas e velharias. Quero mesmo ir, antes de eu própria me tornar uma velharia.

... fiz uma aula de Ballet. Mas ainda é tempo de experimentar. Não sei é fazer um carrapito com o cabelo.

... fiz Yoga na praia ao nascer do dia. Nem Yoga, nem nada, agora que penso bem!

... lavei o cabelo num rio. Nesta, não devo ser a única a dizer nunca. Mas é algo romântico que sempre quis experimentar (até levo o shampoo e condicionador comigo! Ah!).

... fui a uma reunião da Tupperware. Vamos manter isto assim.

... fui a um cinema drive in. Isso faz-me sempre lembrar os filmes americanos, onde os jovens imberbes faziam marotices no banco de trás do carro enquanto "viam" o filme. E quem está aqui a julgá-los. Eu não.


Fazei também a vossa lista, senhoras e senhores. E sonhai sonhos pequeninos; pois é nos pequenos momentos que encontramos a felicidade.

Regressarei a este post para riscar os itens da lista que concretizar!

À espera da chuva (ou dos percebes - whatever comes first),
Hazel