Lua dos Mortos

Na Lua dos Mortos, honramos os nossos ancestrais, recordando-os, não com tristeza, mas com gratidão pelo tempo que passaram nas nossas vidas e pelas lições que nos ensinaram.

É chegado o tempo de nos reunirmos em torno no fogo reconfortante com os entes queridos, deixando um espaço livre para os que já partiram se juntarem a nós.

A vida é feita de sucessivas mortes e renascimentos. E esta etapa fala de morte.
De despedidas. De purificação. De abandono. Preparámo-nos para isto na lua anterior, e agora é chegado o momento de deixar ir tudo o que não queremos mais na nossa vida.

Juntemo-nos com aqueles que amamos em volta do caldeirão, e queimemos pedaços de papel onde escrevemos o que queremos deixar para trás. Deixe para trás tudo o que for negativo.
É agora o momento!

Em torno do caldeirão,

Hazel

Relógios parados = vida parada!


"A máquina do tempo existe.
Serve para fazer os pespontos dos segundos no tecido do tempo. 
O relógio é a máquina de costurar o tempo."
Eno Teodoro Wanke

Os relógios encontrados entre os destroços causados pelas bombas atómicas que atingiram Hiroshima e Nagasaki, estavam parados, e todos marcavam 8:15 horas, a hora exacta do lançamento.

Nos filmes de terror/thrillers, aparece com frequência imagens de relógios parados como um mau presságio, representando a morte.

Os relógios servem para medir o tempo: quando os ponteiros param, a energia que outrora estava em movimento pára também - e tudo estagna.

Dê uma volta em sua casa e verifique todos os relógios que tem, sejam estes de pulso, de cozinha, de cuco, digitais ou de corda. Acerte-os e ponha a andar todos os que estiverem parados; coloque pilhas novas, dê corda, mande reparar os que estiverem avariados, ou deite-os fora!

Se tiver relógios avariados que não tenham reparação, mas não quer deitar fora por terem valor sentimental, tenha noção que ao preservá-los está a manter energia estagnada na sua vida, que o prende ao passado. É mesmo isso que quer?

O tempo para viver é agora. Vamos pôr os relógios a andar!

Beijos tic-tac,

Hazel

Quando alguém não acredita em Fadas, morre uma.


No restaurante da vida, podemos escolher da ementa os pratos que desejamos.
Uns, preferem lambuzar-se com bolo de chocolate e morangos, enquanto outros dão-se por satisfeitos com um peixinho cozido com batatas (ou não).

São os sentimentos que moram dentro de nós e os seus impulsos eléctricos que conferem vida e poder às circunstâncias que nos rodeiam.

Se acreditamos em magia, vê-la-emos manifestar-se.
A magia para si é um disparate? Viva uma vida sem magia. É uma escolha sua.

Se acreditamos em nós mesmos, superamos todos os obstáculos. Somos invencíveis.
Se acreditamos que alguém nos pode fazer mal, vai mesmo fazê-lo.
Se acreditamos que vamos falhar, vamos mesmo falhar. Redondamente.
Se acreditamos que um amuleto nos vai proteger, ele funcionará.
Se acreditarmos que nunca vamos ser felizes, realmente, nunca o sereremos.

Mas o que é isso de "acreditar"? Não querendo desprestigiar a mente, mas é aquilo que sentimos nas nossas entranhas que dá poder à manifestação. É visceral.
Acreditar não é uma decisão racional, mas uma postura energética.
Não é com o pensamento que se acredita, mas com cada célula do nosso corpo, com toda a alma, com todo o coração, com 'ganas'!

Os livros de auto-ajuda não funcionam para a maior parte das pessoas, que acabam por arrumá-los na estante com um sentimento de frustração e desapontamento - não que os autores estejam errados. Mas porque a certeza nos resultados, a fé em nós mesmos e todas as técnicas ensinadas, simplesmente não chegam. O motor de arranque tem que vir do coração, dos sentimentos, da emoção. Não do intelecto.
A Rainha em "Alice no País das Maravilhas" resume tudo: "Off with their heads!"

As Fadas existem, sim, mas apenas para aqueles que acreditam nelas.
A verdade de cada um existe na medida daquilo que o nosso olhar e o nosso coração conseguem alcançar.

Aquilo em que acredita, bem lá no fundo do si mesmo, é aquilo que vai acontecer.
Imagine a sua alma como um poço profundo. Incline-se lá para dentro e espreite.
Encontra Fadas, ou apenas água escura?

Ainda vai a tempo de salvar as Fadas na sua vida. Só tem de acreditar nelas... e atrever-se a lambuzar-se com um suculento bolo de chocolate e morangos.

Beijos feéricos,

Hazel

Ensinar um gato a usar a sanita em 8 passos


Aramis, meu bom gato. A tua vida vai mudar radicalmente. Tu, que és tão espertinho. Tu, que és tão simpático. Tu, que te julgas humano e só gostas de beber água se for de um copo.

Quando te vi assim, sentadinho no trono, tive uma ideia: vou ensinar-te a usar a sanita dos humanos. Vou mesmo!

Não preciso de referir as vantagens de treinar um gato a usar a sanita. Mas vou referi-las na mesma, então quem é que manda aqui?

1. Acaba-se "aquele" cheiro que a caixa das areias às vezes liberta na casa;

2. Preservamos o meio-ambiente e poupamos dinheiro, pois deixamos de precisar de comprar areia;

3. Deixamos de ter a tarefa desagradável de limpar a caixa das areias.

Se está curioso sobre como vou ensiná-lo, aqui está um vídeo muito útil:


Aqui estão os 8 passos:

1 - Colocar a caixa das areias do gato ao lado da sanita.
2 - Todos os dias, ir gradualmente subindo a caixa colocando listas telefónicas ou outra coisa qualquer por baixo, até acabar por ficar da mesma altura da sanita.
3 - Colocar a caixa das areias em cima da sanita.
4 - Substituir a caixa das areias por uma bacia redonda cheia de areia que se coloca em cima da sanita.
5 - Colocar a bacia dentro da sanita, mantendo a areia.
6 - Fazer um buraco no fundo da bacia e colocar areia à volta.
7 - Aumentar o tamanho do buraco da bacia.
8 - Retirar a bacia de dentro da sanita. E temos um gato treinado!

Desejem-nos boa sorte. O treino começa... hoje!
Alguém se atreve a embarcar nesta aventura connosco e treinar o seu gato?

UPDATE EM 21/11/2012:
Estava tudo a correr tão bem... e na última etapa do treino... foi o desastre total.

Todos os tapetes da casa sujos de xixi e o cocó fazia no chão ao lado da sanita.
Estivemos quase lá. Quaaaase!
Portanto, desisti do treino, com muita pena, e voltámos à velha caixa das areias.
Voltámos, é como quem diz, quem a usa é o gato, não eu!
Eu tenho cá para mim que ele até conseguia fazer tudo certinho, mas decidiu assim porque gosta de ver esta sua súbdita sentir emoções fortes. Affff....!
Mas não desistam. Há gatos e gatos. Pode ser que o vosso seja mais... hmmm... flexível! 


Beijos felinos,

Hazel

Guia dos Sonhos - M


Maçãs - Sonhar com maçãs bonitas e doces é um prenúncio de sorte nas relações, de amor e sensualidade. Se estiverem podres, forem ácidas ou se caírem para o chão, indica desentendimentos e decepções nas relações com outras pessoas.

Machado - Representa poder e a capacidade de cortar com situações negativas. Usá-lo indica triunfo sobre os obstáculos. Ser ameaçado por machados simboliza medos e/ou iminência de situações ameaçadoras.

Magnólia - Harmonia e moderação nas relações sociais.

Mãos -  Sonhar com mãos feridas ou que perde os dedos, augura prejuízos e perdas nas relações. Mãos fortes e saudáveis representam capacidade de evoluir nos diferentes planos da existência.

Mar - Em geral, o mar representa a chegada de uma nova fase. Se o seu estado for sereno e as águas límpidas, indica serenidade. Caso esteja agitado e as águas se apresentarem escuras, prenuncia conflitos, inquietações, dificuldades.

Matar - Sonhar que mata alguém indica que vai conseguir libertar-se da influência nefasta de uma pessoa controladora e pouco escrupulosa na sua vida.

Mel - Representa sucesso, alegrias, saúde.

Mendigo - Está a descurar um aspecto da sua vida, esteja atento. Alimente a sua auto-estima, para não cair na armadilha de sentir-se desvalorizado em relação aos demais. Acredite em si mesmo.

Mesa - Se estiver vazia, indica insatisfação, angústia, solidão. Se estiver posta para uma refeição, é um bom augúrio; viverá uma fase de sentimentos de grande satisfação e de aceitação social e familiar.

Mocho - O mocho representa sabedoria, sensatez, discrição e prudência. Sonhar com ele é um conselho para estar atento aos seus atributos e segui-los.

Morrer - Sonhar com a sua morte não representa uma morte física, mas o fim de uma etapa nefasta na sua vida, em que já não existe mais evolução espiritual, e o começo de uma nova fase, em que renascerá fortalecido e terá novos horizontes para contemplar e crescer.

Índice (clique nos itens):

- Guia dos Sonhos - L 
- Guia dos Sonhos - M
- Guia dos Sonhos - N
- Guia dos Sonhos - O
- Guia dos Sonhos - P
- Guia dos Sonhos - Q
- Guia dos Sonhos - R
- Guia dos Sonhos - S
- Guia dos Sonhos - T
- Guia dos Sonhos - U
- Guia dos Sonhos - V
- Guia dos Sonhos - X
- Guia dos Sonhos - Z
- Introdução


Beijos sonhadores,


Hazel