Crónica de um funeral vivido pelo morto

quinta-feira, junho 08, 2017


A maçaneta da porta gira devagarinho e todos dão um passo atrás. Mal respiram, os cretinos, com medo que o camarada aqui da sala ao lado se tenha levantado do caixão. Afinal era o padre que tinha ido à casa-de-banho contígua, deixando-os à espera enquanto foi enviar para inglório e fétido destino final o almoço feito pela sua discreta afilhada.

Nem lavou as mãos e agora está a dar um passou-bem ao artolas do Artur. Bem feito, que esse caloteiro ficou a dever-me dinheiro. Agora é que vejo bem daqui de cima, que grande calva de Santo António tem este magano. Vinte anos de amizade e nunca tinha reparado; o tipo é um homem grande — embora não seja grande homem.

Lá vem a minha sogra, toda de preto-corvo por fora e laranja-euforia por dentro, directa ao esquife como uma seta para me pespegar os lábios franzidos na testa fria-e-húmida da saliva de tantos beijos carregados de obrigação e fingimento.

Rais’parta a velha, deixou-me sujo de batom. Oh Alzirinha, anda cá e limpa-me a testa, não me deixes ir assim para a eternidade. Bem lhe ponho a mão no ombro, mas ela aconchega o casaco arrepiada com as correntes-de-ar e não me vê. Coitadinha, com a camada de sedativos que tem em cima, se olhar para o que resta de mim até me deve confundir com o forro de veludo.

Vou puxar os pés ao Artur esta noite, quando se for deitar. Que desplante, a deitar os mirones à minha Alzirinha, cheio de gulodice. Não só lhe puxo os pés como lhe dou um esticão no fecho-éclair das calças para lhe entalar o farfalho, conta com isso, pá. Cá está o Barata, bom homem. Obrigado pelas rosas brancas, amigo. Um espinho crava-se-me nas mãos, mas não sinto nada.

“Cristo, o Bom Pastor, o conte entre as suas ovelhas.” A voz do Padre, recitando o Ritual das Exéquias por este lobo-feito-ovelha absolvido pelos rigores da morte, ecoa nas paredes frias sem que ninguém lhe preste atenção. As mãos trémulas cobrem-me o rosto com um pano branco como se eu fosse um presente-surpresa para oferecer ao-de-lá-de-cima, que nunca me atendeu os pedidos. Há-de apanhar um susto quando me vir com esta marca de batom na testa. “Por onde andaste? Na má vida, entregue às devassidões do Satã?”, indagará, rodeado de anjinhos rechonchudos, sem sexo nem malícia.

Adeus, amigos. Lá vem a tampa. Até que enfim arranjaram tempo para me visitar. Desculpem não ter bebidas para oferecer. Vou ter saudades vossas, grandes cabrões. Que bom ver-vos todos. Até o sacana do Artur. Toma conta da minha Alzirinha e cuidado aí com a velha, que já matou este com o marisco estragado.

Esta semana, o arcano 5 de Copas recorda-nos que somos todos cadáveres adiados, já o dizia Ricardo Reis, pleno de lucidez. Vamos morrendo um pouco a cada golpe do destino, e às vezes damos por nós a caminhar como os vivos, a trabalhar como eles, e até poderíamos sentir-nos como os vivos, não fosse a pedra de gelo que nos entorpece o coração para nos evadirmos de certas agruras que o acometem.

No entanto, em boa verdade vos digo, nunca nos encontramos tão agarrados à vida como quando vemos a morte com os próprios olhos e percebemos que afinal estávamos vivos — mas não tínhamos dado conta.

Hazel
Consultas em Oeiras e online

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1635
foto: AmberAvalona, licença CC0

PODERÁ TAMBÉM GOSTAR DE LER

0 COMENTÁRIOS

Obrigada pelo seu comentário ♥