O Exercício da Indiferença



Tento esconder o ramo que se assoma de dentro da manga do casaco, empurrando-o de forma desajeitada antes que alguém veja. Espero que ninguém tenha reparado. 

Um restolhar igual ao que se escuta quando caminhamos pelos bosques no Outono persegue-me enquanto fujo do café, trapalhona e à pressa, deixando um rasto denunciador de folhas secas caídas pelo chão. 

Não contem a ninguém, por tudo o que há de mais sagrado, mas o que se passa é que me nasceu uma árvore. Não num vaso, nem numa floreira — , mas em mim

Começou por um raminho tímido e tenro que me brotou mesmo no centro do coração, espreitando à volta como quem não entende que estranhas voltas deram os ventos para levarem a semente que lhe deu origem a tão profundo solo. 

Os meus olhos escancararam-se de espanto. E agora, que fazer? 
Abri a gaveta da cozinha e peguei numa tesoura decidida a cortá-lo e guardar só para mim este segredo absurdo até ao último dos meus dias. 

Quando a lâmina encostou no ramo, perdi a coragem. Um ramo tão pequenino, quase sem raiz, que mal poderia trazer ao mundo. Que culpa teve por nascer logo no meu coração. Acarinhei a pequenina árvore como um bebé. Tomei-a como minha. 

A sede tornou-se mais intensa no correr dos dias. Uma sede específica que não poderia ser saciada com água-da-torneira. Tinha que vir das nascentes. Ou da chuva. Água viva, fresca, que se move continuamente nos influxos da Natureza. 

As raízes começaram a mergulhar-me pernas abaixo até aos pés. A árvore foi crescendo, com os ramos a serpentearem-me em torno das costas, a espreitar atrevidos de dentro do decote e a revelarem-se de baixo das saias como uma embaraçosa cauda com folhas. 

Tenho pássaros e ninhos nos ramos que me enchem os cabelos. Dois frutos suspendem-se em brincos nas orelhas. Pelos meus olhos espreita a alma da árvore. Viro-me para o Sol, danço ao vento e no silêncio da meia-noite consigo ouvir a seiva correr-me nas veias como um rio, e pulsar como o bater do coração.

Esta árvore que um dia quis cortar por não saber o que fazer com ela, tornou-se maior que eu. São muitos os dias que passo abrigada sob os seus ramos a escutar as lições que me vai ensinando na mansidão do seu silêncio verde. 

Com ela aprendi o Exercício da Indiferença

Nada externo pode perturbar uma árvore. Não existe sequer a diferença entre o bom e o mau, pois ambos são indiferentes, logo, iguais.

Quando vieram as tempestades, levaram-me as folhas, mas sobraram os ramos.
Quando quebraram os ramos, restou o tronco.
Quando o tronco ardeu, ficaram as raízes.
Quando as raízes secaram por falta de água, permaneceram as sementes dos frutos — e delas nasceu novamente a árvore, que anda comigo escondida por baixo da roupa, sob a pele, para todo o lado onde vou.

Uma árvore é-o de dentro para fora. Logo, através da ligação com o interior, o cerne, o exterior é todo ele um reflexo de paz. 

Note-se que Indiferença não é ausência de compaixão. Pelo contrário. Significa que, haja o que houver, continua a existir sombra fresca, oxigénio, pássaros e ninhos, folhas, flores e frutos, e as sementes que caem no solo e permitem o constante ciclo morte - renascimento - vida - dádiva - morte - renascimento. 

A Indiferença é a janela da Paz que permite que a dádiva da vida seja contínua. É o equilíbrio entre o movimento e as forças, uma dimensão sem começo nem fim, que transcende as leis do espaço-tempo. O caminho para alcançá-la é a renúncia ao atrito, e a percepção da unidade com a realidade interna. 

Plácido como a árvore, o arcano A Temperança leva-nos à arte da auto-observação amadurecida no silêncio e à compreensão dos mistérios interiores para sublimar intempéries passadas, com a limpeza de uma boa chuvada: sem dor nem trauma. 

Sob os ramos,

Hazel
Consultas em Carcavelos, Massamá, Oeiras, Santarém e online
Tarot - Reiki - Reprogramação Emocional - Regressão
Marcação: casa.claridade@gmail.com



Foto: Fernando Gonçalves / Produção: Ana Luar Vaz / Modelo: Hazel Evangelista 

Siga aquele Táxi


"Vai ficar com medo de sofrer para o resto da vida? Então, mas não é o medo de sofrer também uma forma de sofrimento?"

Nisto, o condutor do táxi Mercedes interrompeu-se e guinou para a direita desviando-se do carro cinzento-tédio que apareceu inesperadamente pela esquerda sem respeitar prioridades.

A expressão pacífica e enigmática de sábio-das-montanhas diluiu-se à medida que o seu rosto se agudizou em tensão perante o quase-embate.

São dezasseis euros. As notas e moedas deslizam em silêncio para a mão áspera do taxista conhecido por adivinhar o futuro dos passageiros.

A porta abriu-se com um rangido e todo o céu parece também apartar-se enquanto as nuvens se afastam.

As botas castanhas caminham para fora do veículo, reflectidas nos pequenos lagos espelhados de água da chuva e colocam-se em bicos-de-pés, acercadas pelos ténis verde-musgo, num abraço daqueles em que os corações encostam directamente um no outro.

— Correu bem a viagem? Deixa, que eu levo a tua mala.

Se foram felizes para sempre não sabemos. Mas tiveram a coragem de tentar.

O arcano Sete de Paus confronta-nos com as sombras dos medos que-não-têm-razão-de-ser, para nos ensinar que sofrer de medo é uma forma de antecipar um sofrimento que pode nunca acontecer. É viver uma realidade paralela, pessimista e ilusória.

Corra o risco. O que há a perder, senão o sofrimento que já tem por medo de sofrer?

Hazel
Consultas em Carcavelos, Massamá, Oeiras, Santarém e online
Tarot - Reiki - Regressão - Reprogramação Emocional
Marcação: casa.claridade@gmail.com

Obsessão


Roubei uma colher de sopa. Está escondida debaixo do meu colchão. Quando vêm mudar os lençóis, coloco-a atrás da sanita. Esta colher, que tenho há duas semanas, é o meu passaporte para a liberdade.

Na parede junto à cama há um ponto de maior fragilidade onde todos os dias escavo com a colher, lenta e pacientemente, para que o meu cárcere — que sou eu — não descubra o plano de fuga. Para não levantar suspeitas, vou comendo a terra e o estuque. Não sabe pior que salada de beterraba crua. Mas fui apanhado.

Sacudi a terra da cara com duas lambadas que dei a mim mesmo, peguei-me por um braço e lancei-me para a solitária. De castigo por ter tentado fugir de mim, para reflectir sobre o crime que me levou à clausura. Um crime que neguei, como todos os culpados que procuram desesperadamente a absolvição que não merecem, e escapar à condenação.

A obsessão é uma prisão onde o cárcere e o carcereiro são a mesma pessoa. Encontro-me aprisionado em mim mesmo. Condenado por crime nenhum, cumpro pena por tempo indeterminado.

No julgamento, o juiz era eu. O advogado de acusação era eu. O advogado de defesa era eu. Os jurados eram eu. O guarda que segurava as algemas à porta do tribunal era eu. E o réu, cabisbaixo, mortificado pelas penas que caíam de si para si — era eu.

Tudo me assombra o pensamento em imagens fractais, como uma sala de espelhos e vidros recortados, na solidão da solitária, onde apenas um raio de luz tímido me traz companhia e um fio de lucidez.

A minha sombra espalha-se parede acima até se diluir na penumbra. Estendo-lhe a mão. Olhamo-nos nos olhos. Perdoamo-nos.

Abatido de cansaço, encolho-me deitado no chão de pedra fria à espera da manhã, com a sombra sentada ao lado a velar-me o sono.

O despertador pousado na mesa-de-cabeceira acorda-me ao raiar dos primeiros alvores. Os vizinhos conversam debaixo da minha varanda.

— Sonhaste esta noite?
— Sonhei, mas não me lembro sobre o quê — respondo à minha mulher.

Saio de guarda-chuva aberto, a caminho do trabalho. Atrás de mim, sem que eu note, caminham as sombras desdobradas pela estrada fora: o carcereiro, o juiz, os jurados, os advogados, o guarda.

O arcano O Diabo projecta-nos as sombras mais secretas na parede, numa dança diabólica de tempos e contratempos estonteantes que, ora nos seduzem o ego, ora o deitam por terra. 

Por mais que tentemos agarrar-nos à verdade absoluta como se da nossa colher de sopa se tratasse, é precisamente a capacidade de questionar, de duvidar, de aceitar luz e sombra sem negar nenhuma que nos trará a libertação da clausura do ego.

Hazel
Consultas em Carcavelos, Oeiras, Massamá, Santarém e online
Tarot - Reiki - Regressão - Reprogramação Emocional
Marcação: casa.claridade@gmail.com

MetAMORfose


Do caos, a limpidez.
Da limpidez, a luz.
Da luz, a verdade.
Da verdade, o amor.

Do vento nas asas, o vôo planado.
Do vôo planado, a liberdade.
Da liberdade, a vida.
Da vida, a morte.

Da morte, a eternidade.
Da eternidade, o divino.
Do divino, o amor.

Do amor, o Amor.

Hazel

"Nada importa."


Serão dois. Um, com a compilação das crónicas e de outros textos inéditos que nunca saíram do meu caderno. O tal que vos devo há muitos anos.

Mas é sobre o outro que penso hoje. Aquele com que espero horrorizar-vos. Quinhentas páginas em branco. Na última folha, uma singela frase:

"Nada importa."

Excêntricos, visionários, filósofos, lunáticos e aqueles que-têm-preguiça-de-ler talvez aplaudam a audácia.

Os restantes, poderão fazer aviões e barquinhos de papel, arremessá-lo para a lareira, ou levar à mesa como base para as panelas fumegantes. Quiçá se lancem protestos e acusações de insolência, de desrespeito para com o leitor, de obscenidade, excesso de rebeldia e atrevimento.

No primeiro, escrevo tudo o que alguma vez desejei ler.

No segundo, escrevo aquilo que todos procuramos sem verdadeiramente querer encontrar: a verdade sobre o Universo. Servida num prato limpo, branco, honesto. Sem tristeza associada, ou qualquer sentimento que não o de paz absoluta.

Nas páginas em branco, os leitores são escritores. São livres para nelas redigir o diário das suas vidas, receitas de culinária, listas de compras no supermercado, fazer desenhos, ou enumerar todos os insultos alguma vez inventados e dirigi-los à autora das folhas brancas, em justo e isento protesto. A escolha é de cada um. Cada página, uma nova decisão. O que fazer com ela, com todas as possibilidades que a vida nos oferece a cada nascer-de-dia?

Façam o que fizerem, no fim de contas, na última página do livro da vida, todos chegaremos juntos — ou separados — à mesma conclusão: nada importa.

Oh sim, eu posso fazer isso.

Hazel 

P.S. — Uma das mais valiosas regras da escrita consiste em nunca subestimar a inteligência do leitor, que, sei, compreenderá que todo este texto é uma metáfora.
Este post scriptum serve apenas para tranquilizar os que vieram aqui parar por engano. 😃 Sinto-me tentada, mas não vou publicar um livro com uma só frase.
Já foi tão divertido imaginar a situação como se esta tivesse efectivamente ocorrido.

Foto: Vítor Vargas / Produção: Ana Luar Vaz / Modelo: Hazel Evangelista