Fátima, Futebol, Fado e Fogo


A morte ergueu-se da terra escura e caminhou implacável por entre a rectidão austera das árvores que aguardaram o fim com dignidade e sacrifício, fornecendo oxigénio até ao derradeiro segundo. Levou tudo à frente como uma besta cega, surda e muda. Famílias, floresta, animais, casas, carros. Sem fazer distinções entre bons e maus, ateus e religiosos, crianças e adultos; como as epidemias medievais que varriam localidades inteiras, deixando para trás a sombra do desamparo, do vazio e da revolta.

Após a breve euforia nacional com o trio divino: a visita do Papa (Fátima); a vitória da Selecção Nacional (Futebol); não é bem Fado, mas o primeiro lugar na Eurovisão (Fado), enfrentamos uma inesperada e catastrófica quadratura com o Fogo que nos derrubou o ânimo e lançou no cadafalso da melancolia tipicamente portuguesa.

Apontam-se responsáveis, especula-se e acusa-se como no tempo da caça-às-bruxas, onde a falta de verdade, a manipulação da informação e a indignação nos intoxicam o discernimento. Os doutores da peste envergam actualmente, em lugar das lúgubres máscaras com o bico longo, máscaras anti-fumos e fardas de Bombeiro, do INEM, da Protecção Civil, fazendo o que podem até à exaustão, perdendo tantos deles também as suas vidas.

Se outrora a causa das epidemias era a falta de higiene e de redes de esgotos, hoje a diferença não é tanta assim, se avaliarmos bem. É notório que os hábitos de asseio melhoraram consideravelmente, contudo a higiene dos valores humanos encontra-se pela hora da morte, começando na putrefacção dos interesses económicos associados aos incêndios e na corrupção associada à plantação de eucaliptos, e terminando nas fétidas reportagens sensacionalistas onde se explora gratuita e escandalosamente a desgraça alheia para fazer disparar os gráficos de audiências.

O esgoto encontra-se a céu aberto, senhoras e senhores, é vê-lo e cheirá-lo. Todos os anos o enfrentamos sem solução à vista. Andamos sempre às voltas com os mesmos assuntos, com as mesmas reacções, como uma criança num carrocel comandado por alguém que não vemos, permanentemente surpreendida apesar de estar num círculo que se repete ad nauseam.

Esta semana, o arcano A Morte leva-nos numa viagem rocambolesca e reveladora às agruras da existência, em busca do silêncio e de um caminho que se não vê — mas que tem que aparecer algures no meio das cinzas.

Nada faz sentido. Não há justiça. Invente-se um país novo. Se faz favor, alguém que desligue a ficha deste carrossel para que possamos sair dele.

Hazel
Consultas em Oeiras e online

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1637
foto: Pexels, licença CC0

«Faz-me impressão o trabalho. Ô-o-ô.»


Estava aqui a pensar escrever uma história em torno de um preguiçoso convicto e dedicado, verdadeiro profissional no exercício do ócio; uma narrativa lenta, sem ritmo, onde nada aconteceria e o dito preguiçoso estaria inerte desde a primeira à última linha. Um monumental tédio que começaria com um pachorrento arrastar de chinelos pelo chão peganhento da cozinha e uma mão macia e indolente que se estenderia para abrir a gaveta das tralhas.

Todas as cozinhas têm uma gaveta dessas, para onde se atiram parafusos que aparecem caídos no chão até que se descubra aonde pertencem, uma bisnaga de pomada para as picadas de insecto com a tampa mal enroscada, algumas molas da roupa, rolhas de cortiça, tampas órfãs de caixas Tupperware, jornais velhos para limpar os vidros e — ora, ali está ela — uma corda.

Enfastiado com a própria existência, tencionaria suicidar-se num Domingo à tarde com a televisão a transmitir um daqueles documentários sobre a vida sexual dos primatas e a tábua de engomar aberta no centro da sala. A corda para se enforcar encontrar-se-ia mesmo ao fundo da gaveta, emaranhada.

«Que maçada, ter de tirar tudo cá para fora. 
Depois faço isso. Suicido-me para a semana.»

Prosseguiria existindo, com preguiça de viver e de morrer, numa casa cheia de pó, frascos vazios ao fundo da banheira-revestida-de-sarro — , comida fora de prazo no frigorífico, um calendário de há dezassete anos pendurado na cozinha e um relógio parado.

Tinha um emprego, no entanto: era funcionário público no Registo Civil, onde tratava dos cartões de cidadão. O expediente fechava às 16:00, mas às 12:00 já não havia senhas para os utentes, que reclamavam sem que isso o afectasse. Eles não entendiam a sua necessidade de repouso.

O preguiçoso era preguiçoso porque era mais fácil assim. Estava seguro. Era como se nunca tivesse saído do útero materno. Chegou a apaixonar-se algumas vezes, mas as relações dão trabalho para se conquistar e ainda mais para se manter. Tentara declarar os seus sentimentos à Inês e à Isabel (tinha uma inexplicável fixação por mulheres com nomes começados por I), mas chegava imperdoavelmente atrasado aos encontros — quando comparecia.

Não morreria virgem. Era, porém, um desastre nas artes de alcova, onde a outra interveniente teria de estar o tempo todo em-cima-do-acontecimento para que este acontecesse — se é que me entendem.

Que vontade de espetar alfinetes nas nádegas desse lamentável mandrião para acicatá-lo, não fosse o indivíduo uma personagem inventada que ganhou vida nas páginas de um caderno velho arrastadamente manuscrito a Bic laranja, numa tarde quente passada na varanda onde um enxame de moscas esvoaçava como pensamentos dispersos.

Esta semana, o arcano Cavaleiro de Ouros espreita languidamente por entre os cobertores desejando que ninguém o mace. A preguiça é um luxo; como qualquer outro, severamente criticado, mas maliciosa e secretamente cobiçado. Resta-nos perdoar (guardar ressentimento dá mais trabalho).

Ainda bem que não escrevi esta história. Daria muito trabalho e hoje tenho que ir ao Registo Civil — levantar o meu cartão de cidadão.

Hazel
Consultas em Oeiras e online
Email: hazelclaridade@gmail.com

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1636
foto: Wokandapix, licença CC0

Crónica de um funeral vivido pelo morto


A maçaneta da porta gira devagarinho e todos dão um passo atrás. Mal respiram, os cretinos, com medo que o camarada aqui da sala ao lado se tenha levantado do caixão. Afinal era o padre que tinha ido à casa-de-banho contígua, deixando-os à espera enquanto foi enviar para inglório e fétido destino final o almoço feito pela sua discreta afilhada.

Nem lavou as mãos e agora está a dar um passou-bem ao artolas do Artur. Bem feito, que esse caloteiro ficou a dever-me dinheiro. Agora é que vejo bem daqui de cima, que grande calva de Santo António tem este magano. Vinte anos de amizade e nunca tinha reparado; o tipo é um homem grande — embora não seja grande homem.

Lá vem a minha sogra, toda de preto-corvo por fora e laranja-euforia por dentro, directa ao esquife como uma seta para me pespegar os lábios franzidos na testa fria-e-húmida da saliva de tantos beijos carregados de obrigação e fingimento.

Rais’parta a velha, deixou-me sujo de batom. Oh Alzirinha, anda cá e limpa-me a testa, não me deixes ir assim para a eternidade. Bem lhe ponho a mão no ombro, mas ela aconchega o casaco arrepiada com as correntes-de-ar e não me vê. Coitadinha, com a camada de sedativos que tem em cima, se olhar para o que resta de mim até me deve confundir com o forro de veludo.

Vou puxar os pés ao Artur esta noite, quando se for deitar. Que desplante, a deitar os mirones à minha Alzirinha, cheio de gulodice. Não só lhe puxo os pés como lhe dou um esticão no fecho-éclair das calças para lhe entalar o farfalho, conta com isso, pá. Cá está o Barata, bom homem. Obrigado pelas rosas brancas, amigo. Um espinho crava-se-me nas mãos, mas não sinto nada.

“Cristo, o Bom Pastor, o conte entre as suas ovelhas.” A voz do Padre, recitando o Ritual das Exéquias por este lobo-feito-ovelha absolvido pelos rigores da morte, ecoa nas paredes frias sem que ninguém lhe preste atenção. As mãos trémulas cobrem-me o rosto com um pano branco como se eu fosse um presente-surpresa para oferecer ao-de-lá-de-cima, que nunca me atendeu os pedidos. Há-de apanhar um susto quando me vir com esta marca de batom na testa. “Por onde andaste? Na má vida, entregue às devassidões do Satã?”, indagará, rodeado de anjinhos rechonchudos, sem sexo nem malícia.

Adeus, amigos. Lá vem a tampa. Até que enfim arranjaram tempo para me visitar. Desculpem não ter bebidas para oferecer. Vou ter saudades vossas, grandes cabrões. Que bom ver-vos todos. Até o sacana do Artur. Toma conta da minha Alzirinha e cuidado aí com a velha, que já matou este com o marisco estragado.

Esta semana, o arcano 5 de Copas recorda-nos que somos todos cadáveres adiados, já o dizia Ricardo Reis, pleno de lucidez. Vamos morrendo um pouco a cada golpe do destino, e às vezes damos por nós a caminhar como os vivos, a trabalhar como eles, e até poderíamos sentir-nos como os vivos, não fosse a pedra de gelo que nos entorpece o coração para nos evadirmos de certas agruras que o acometem.

No entanto, em boa verdade vos digo, nunca nos encontramos tão agarrados à vida como quando vemos a morte com os próprios olhos e percebemos que afinal estávamos vivos — mas não tínhamos dado conta.

Hazel
Consultas em Oeiras e online

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1635
foto: AmberAvalona, licença CC0

Comer em Silêncio


O silêncio, observado por comunidades religiosas no mundo inteiro, tem por finalidade concentrar toda a atenção no acto da alimentação, sem dispersão de energia.

Assim, a digestão requer uma menor actividade na área do plexo solar, tendo como resultado uma considerável economia energética e nervosa de que os exercícios contemplativos e meditativos precisam para que sejam genuinamente frutíferos.

Shhh,

Hazel
Foto: worak, licença CC2.0

Plantas do demo


Debrucei-me para a frente sem vergonha nenhuma dos vizinhos e apanhei os dois vasos que alguém deitou para o contentor do lixo na curva à entrada da minha rua. Um com túlipas cor-de-rosa, o outro com jacintos lilases. Ah que belas flores. Obrigada, vizinhos!, pensei com desfaçatez. Cheia de amor e cuidados, trouxe as novas hóspedes para casa e instalei-as junto com as extrovertidas begónias, a orquídea pachorrenta que tem preguiça de florir e as saintpaulias pequeninas e vivaças. Foi um festim. Nunca há plantas demais aqui em casa — ou onde quer que seja. Se fosse eu a mandar nisto, ordenava que o mundo fosse completamente forrado de relva para que as pessoas pudessem andar descalças.

Reguei-as durante dias, semanas, meses, encantada com as inverosímeis cores das suas pétalas e a inacreditável longevidade das flores. Inacreditável, disse eu, e disse bem, pois nenhuma das flores dava sinais de estar cansada de viver. Seria gratidão vegetal? Poderia ser da luz, da água? Ou de mim? De sobrolho franzido, suspeitei que talvez pudesse ser de mim. Não por deter algum particular talento para imortalizar plantas, mas devido a uma astigmática inaptidão para desconfiar delas.

Com grandes sentimentos de culpa por cometer tamanha atrocidade com as folhinhas eternamente verdes — impossivelmente verdes, essa é que é essa — tentei partir-lhes um pedaço para testar. Nada aconteceu. Tentei com mais força. Ainda nada.

Incrédula, puxei uma pétala e constatei, com grande espanto, que andei meses (meses, senhores, meses!) a regar duas plantas artificiais que só podem ter sido fabricadas pelas mãos engenhosas do Belzebú, e que me enganaram, não só a mim, mas também ao meu gato que também lá foi tentar mordiscar uma folha sem qualquer sucesso. Podia sentir o gerânio da marquise a rir-se de mim em todas as flores, trocista. A hortelã virava as folhas para lá, com descrédito.

Após a escandalosa descoberta, superei o preconceito que sempre tive com plantas artificiais. Fiquei com elas na mesma (fazer o quê?), sem saber o que me espera depois disto. Um galo de Barcelos, um ‘naperom’ sobre a televisão, uma couve Bordallo Pinheiro?

Esta semana, o arcano 10 de Espadas leva-nos a avaliar com atenção aquilo que nos rodeia e a tomar consciência da quantidade de plantas que existem por aí sem vida e que continuamos a alimentar convictos que ainda podemos recuperá-las. Quem diz plantas, diz projectos. Ou relações. Ou sonhos. Vamos pensar nisso. Agora, com licença, que vou ali encher o regador na torneira da banheira.

Hazel
Consultas em Oeiras e online
Email: hazelclaridade@gmail.com


Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1634
foto: vaso das túlipas cor-de-rosa que, entretanto, já mudou de lugar 😊