O Ladrão de Estrelas


Esta tarde de Domingo, um ladrão de estrelas esgueirou-se silenciosamente pelas escadas do meu prédio, matreiro e rasteirinho ao chão como um gato vadio quando avista a presa, e roubou a estrela que esteve durante muitos meses pendurada na minha porta de entrada.

Oh Senhor Ladrão de Estrelas, porque fez isso? 

A minha porta, que é uma porta sensível, está inconsolável, despida, solitária. Era apenas uma simples estrela, como as que se penduram nas árvores de Natal; não era valiosa - mas era nossa.
Para consolo da minha porta que chora lágrimas de orvalho, assegurei-lhe que irei fazer uma nova estrela para ser sua amiga e confidente.

Cuide com amor a estrela que levou sem pedir permissão. Que ela o guie no caminho para a felicidade (entendo que não seja feliz, caso contrário, porque necessitaria de surripiar uma estrela indefesa, alheia?).

Quando - e se - encontrar a sua própria luz, por favor, devolva a nossa estrela.

Um pouco triste,

Hazel

P.S. - Seja antes um Ladrão de Beijos. 
Deve ser mais emocionante roubar beijos que estrelas. 

Cileide, Sarah e Liam


"Minha mãe vai se aposentar e ela gostaria de morar em Portugal. Ela te acompanha no seu blog há muito tempo. Você pode mandar um abraço para ela?"

A maior recompensa por escrever e partilhar nas páginas desta casa-livro virtual nove anos da minha existência é a amizade que foi surgindo com pessoas maravilhosas que, de outra forma, dificilmente teria tido oportunidade de conhecer, por estarem longe, seja noutras cidades de Portugal, seja do outro lado do oceano - no Brasil.

Fiz um vídeo em resposta à mensagem da família Cileide, Sarah & bebé Liam, que pediram o meu endereço, para onde enviaram uma caixa com presentes embrulhados em papel, alegria e carinho. Um raio de Sol brasileiro para aquecer o Inverno português.

Porque será que todos os brasileiros têm uma caligrafia leve, bonita e feliz, como se as letras dançassem? Amor em cada letra. Adoro!

Muitas graças pelos vossos generosos presentes e pela vossa amada presença.

Hazel

Em busca do tesouro esquecido


O olhar insinuante e furtivo de Ofélia é, reflectido em mim, apanhado de flagrante pelos olhos matreiros do cavalheiro sentado na mesa atrás e, de imediato, ela fecha-me e atira-me para o fundo da bolsa, de onde retira um leque perfumado, que abana com petulância. O seu peito de pomba, empoeirado com pó-de-arroz, palpita como se o espartilho lhe empurrasse o coração para perto da boca.

Concede-me a honra desta dança?, arrulha o indivíduo ao seu ouvido. O vestido rodado parecia flutuar pelo salão, roçando nos outros vestidos de cores pastel, que deslizavam entre notas musicais, rendilhados e sussurros.

Saí do compartimento da bolsa bordada sempre em grandes ocasiões: lábios retocados com discrição em bailes onde se decidiam destinos apenas com a cumplicidade de um olhar; lágrimas comovidas em casamentos, que eram educadamente secas com lenços monogramados; o tule preto que se puxava com circunspecção do chapéu num ou noutro funeral.

No quarto de Ofélia, as paredes rosa-escândalo não raras vezes me viram abandonar em suspiros aos Nocturnos de Chopin entre as fiadas de colares de pérolas perfumadas com eau de toilette e a escova de prata com cerdas de crina de cavalo branco, sobre a penteadeira de madeira marchetada.

Quando fazia um passeio pelo campo acompanhada do cavalheiro dos olhos matreiros, Ofélia deixou-me cair para o chão sem que desse conta. Passei o Outono e o Inverno entreaberto debaixo das folhas castanho-dourado dos plátanos. Conheci a doçura do orvalho que escorria por mim todas as madrugadas, o cheiro da terra molhada e o despertar dos pássaros -, a mais bela sinfonia.

Um caracol fez de mim abrigo e, durante muitos dias, partilhámos a solidão e o silêncio. Ofélia, os bailes e os colares de pérolas pareciam-me agora tão distantes e pequeninos em comparação com a grande alegria que foi para mim conhecer este outro pedaço do mundo.

Ao romper da Primavera, uma mulher com um chapéu de abas largas caminhava à sombra dos plátanos sem quase fazer barulho, tendo como única companhia duas borboletas de asas brancas. Estendeu as mãos, que me descobriram por entre as ervinhas verdes. Os seus olhos sorridentes, reflectidos em mim, tinham sulcos que pareciam bigodes de gato. Eram sinceros, bondosos.

Observou-me e deixou-me ficar. Não precisava de tesouros. Nos seus olhos, o Sol brilhava a partir de dentro. Um baile de flores que dançavam com a brisa morna cobriu-me totalmente. Nunca me senti tão feliz.

O arcano Nove de Ouros inspira-nos a olhar para dentro e descobrir tesouros perdidos, esquecidos ou mesmo abandonados. Já temos tudo o que precisamos, aqui, agora. Dentro de nós. Quem duvidar, que procure bem.

Hazel
Consultas em Oeiras e online
Email: hazelclaridade@gmail.com

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1620
foto: imediacreatives.it

9 anos a escrever sem parar

Tive outrora um vizinho, um senhor já com muita idade que morava numa casa estreita e espantosamente alta; parecia um ponto de exclamação ao fundo da rua. Ao longo da vida, foi sempre acrescentando e construindo, conforme as economias lho permitiam. A peculiaridade da sua casa surpreendia quem passava. Achava-se que ele era meio louco, porque podia parar, não precisava de continuar a esticar mais a casa, mas ele fazia-o quase como uma obsessão. Já não sabia viver de outra maneira.

Um dia, deixei de ouvir as batidas das ferramentas nas paredes. O silêncio instalou-se. O senhor construiu até ao último sopro de vida. A casa continua de pé, habitada pelo vento que se esgueira pelas frestas, os ecos das pancadas nas paredes e a hera que não pede licença para serpentear ao longo dos muros. Penso que o compreendo. Também não sei para que escrevo - senão dar sentido à minha existência.

Há nove anos, nasceu este blog. De alguma inexplicável forma, dá-me serenidade pensar que, por muitas voltas e reviravoltas que o mundo dê, uma parte de mim mora sempre aqui, nesta Casa Claridade, onde os alicerces e as paredes são feitos de frases, e os tijolos, que fui pacientemente colocando, um por um, são as palavras que escrevo.

Consultei as estatísticas há uns dias, e senti-me grata por saber que esta casa teimosa e exclamativa foi visitada mais de quatro milhões de vezes desde que nasceu. Agradeço-vos por terem a paciência de lerem o que escrevo e pela proximidade que se cria entre nós. Escuso-me por alguma vírgula mal colocada, como quem pede desculpas pela desarrumação às visitas.
Mas o sofá é confortável e o chá foi feito com amor.

Muitas graças a todos.

Hazel

Festival de Balonismo em Coruche


O 1º Festival Internacional de Balonismo irá realizar-se de 28 de Março a 2 de Abril em Coruche, a cerca de 45 minutos de Lisboa, e contará com mais de trinta balões de ar quente vindos de vários países do mundo, alguns com formas especiais, como o pelicano que virá do Brasil, ou a coruja de Las Vegas, EUA. 

Durante seis dias, os visitantes deste festival de entrada gratuita poderão observar a vila ribatejana a partir do céu, assistir ao Night Glow, um espectáculo de luz e som onde os balões irão sincronizar os seus queimadores com o ritmo da música; haverá artesanato e actividades para toda a família e a presença de restaurantes tradicionais da vila e street food, à volta da Praça de Touros.

Este evento, onde a sustentabilidade é um factor de relevância, irá contribuir para a plantação de árvores de espécies autóctones na Herdade dos Concelhos, no município, que serão colocadas na terra durante o mês de Outubro. Quem comprar uma árvore terá acesso a uma viagem de vôo livre em balão de ar quente. Parte do valor das vendas reverterá a favor da Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza.

A segurança e a qualidade dos vôos são uma prioridade para a Windpassenger, empresa com mais de 30 anos de experiência na prática de balonismo, que possui todos os certificados, seguros e licenças da EASA (European Aviation Safety Agency), sob a direcção de operações do piloto responsável pelos vôos, Guido Van Der Velden dos Santos. Este evento é patrocinado pela Rubis Gás, Câmara Municipal de Coruche e Paladin.

O custo de cada árvore/viagem de vôo livre será 159€. Os vôos estáticos serão gratuitos.
As reservas podem ser feitas através do site do Festival Internacional de Balonismo.

 De olhos postos no céu, Guido Van Der Velden dos Santos, o piloto responsável pelos vôos.




NOTA DE AGRADECIMENTO:
As fotos que não contêm a marca d'água da Casa Claridade são da autoria de Joana Batista - Viajar em Família, a quem agradeço por ter registado a maravilhosa experiência de voar de balão!

Com a cabeça no ar,

Hazel