27/09/2014

Estar no mundo, mas não lhe pertencer

Ser mulher é muito difícil.
Se sou simpática e sorridente, julgam-me subserviente.
Se fico séria, julgam-me arrogante.
Se visto uma roupa com decote, julgam-me provocadora.
Se me tapar muito, julgam-me puritana.

[Estive quaaase para terminar cada uma das frases anteriores com a palavra "bardamerda".
Assim:
Se sou simpática e sorridente, julgam-me subserviente. Bardamerda.
Se fico séria, julgam-me arrogante. Bardamerda.
Se visto uma roupa com decote, julgam-me provocadora. Bardamerda.
Se me tapar muito, julgam-me puritana. Bardamerda.]

Com o passar dos anos, o mundo começou a querer impôr outras exigências. [Bardamerda?]

Aos 37 anos, o mundo estranha que eu tenha o cabelo tão comprido.
E, pior, que o use sempre solto.

Já era o momento para cortá-lo e encaixar-me, assim, na formatação da mulher que se aproxima da meia-idade e, portanto, precisa de ser prática e deixar-se de romantismos e idealismos.

Aos 37 anos, o mundo estranha que eu continue a rir-me e mantenha a delicadeza que sempre me caracterizou. Já era tempo de me tornar mais sisuda, mais pesada.

Aos 37 anos, o mundo, que tanta necessidade tem de catalogar as pessoas, fica confuso comigo, não sabe onde me colocar, porque não sou igual às outras mulheres da minha idade. Em todas as idades por que passei, sempre fui a peça de puzzle que não encaixava em puzzle algum.

Quando entrei na idade adulta, tentei ser igual aos outros, tentei ser o que o mundo esperava que eu fosse, castrando os meus próprios sonhos e ambições. Não fui feliz.

Porque eu não era eu. Levei muitos anos até perceber que, para ser feliz, tenho de ser eu mesma; diferente, rebelde, incompreendida e incompreensível. Injustificada e injustificável. Amada, mal-amada, criticada ou elogiada. Mas eu, sempre eu.

Por isso, rio-me na cara do mundo quando este me olha com estranheza.
E nada digo, porque não preciso de explicar-me a esse monstro abstracto, essa sombra das multidões projectada na parede, que escraviza as mulheres tornando-as todas iguais umas às outras, e diferentes de si mesmas.

Sou como sou. Sou quem eu quero ser.

24/09/2014

Ritual de Banimento Nocturno

São tantos os emails que recebo de pessoas que vivem com medo que alguém lhes tenha "rogado uma praga", "lançado mau-olhado" ou feito um "trabalho de bruxaria", que resolvi escrever este post na esperança de trazer alguma claridade e dissipar as sombras do medo.

Nós somos antenas. Aquilo que emitimos é aquilo que atraímos. Sempre que se focar no medo e na ideia de que os outros conspiram contra si, é isso que vai atrair. Os seus receios vão mesmo materializar-se, mais tarde ou mais cedo. 

Eleve a sua vibração, procure com todas as suas forças viver com alegria, com verdade, auto-confiança e amor (começando pelo amor-próprio). Não existe escudo energético mais poderoso. "És eternamente responsável por aquilo que cativas...", dizia Saint-Exupéry. 
Quase sempre, somos nós que nos auto-sabotamos e achamos que são os outros.

Ainda assim, se acredita mesmo que alguém lhe anda a enviar más energias, deixo-lhe este ritual de banimento para fazer à noite:


Ritual de Banimento Nocturno
(para fazer numa noite de Lua Minguante antes de se deitar)

Acenda 13 velas brancas (podem ser tealights) junto à banheira.
Encha a banheira com água quente e coloque um saco de Banho de Purificação (para não ficar a achar que estou a tentar vender alguma coisa, deixo como alternativa colocar, em vez disso, 7 colheres cheias de sal grosso). Diga o seguinte encantamento: 

O que foi feito, foi feito
Que seja agora desfeito.
Pela luz da Lua Minguante que tudo varre
Limpa-me de todo o lixo e toda a sujidade

Que este feitiço vire tudo do avesso
E me liberte de teias e amarras
Quando eu entrar nesta água sagrada
Que a minha alma seja purificada.

Entre na banheira e molhe o corpo inteiro (cabeça incluída). Diga 3 vezes:

Que todos sejam perdoados e apaziguados
E todo o mal seja desfeito com o Sol da manhã.

Mantenha-se na banheira até que a água arrefeça. Depois seque-se, apague as velas e durma tranquilo. Amanhã é um novo dia.

Envolta em Luz,


22/09/2014

Oração de protecção contra um cão ameaçador

Ontem, lembrei-me de duas orações muito antigas que me foram ensinadas pela minha mãe depois de, em criança, ter sido mordida por um cão quando vinha da escola.
Ainda hoje me dói a nádega direita só de me lembrar.

Procurei pelas orações no google, e não encontrei nada. Desconheço as suas origens, que me parecem meio cristãs. Embora eu não seja cristã, tenho muito apreço pela velha sabedoria popular e gosto de dar o meu contributo para que ela não se perca no nevoeiro da memória.

São duas orações; uma para cães, outra para cadelas. Conforme aprendi, caso sejamos ameaçados por um cão, nunca devemos fugir ou virar-nos de costas para ele, mas olhá-lo nos olhos, simular o gesto de que lhe vamos atirar uma pedra e dizer em voz alta, com autoridade:

"Tente mão, cão!
Entre ti e mim está São Salomão!"


Ou, caso se trate de uma cadela:

"Tente mão, cadela!
Entre ti e mim está Santa Madalena!"

Lembro-me que a minha mãe garantia que os cães se afastavam. Nunca testei, OK?
Acredito que, mais do que a oração em si, é a postura de autoridade e confiança que poderá afastar o animal ameaçador. Mas as palavras, em si, o velho folclore, também têm o peso da ancestralidade, de uma intenção que foi repetida continuamente ao longo do tempo, criando, assim, um efeito mágico que a ciência não consegue explicar e desvaloriza.
Eu diria que, no fundo, é um pouco de cada...

Honrando a memória da minha ancestralidade,

14/09/2014

Meditar em que posição?

A postura para meditar é um dos principais obstáculos que leva as pessoas a desistirem da meditação.

Se alguma vez se sentou para meditar, poucos minutos depois, começou a ficar com dores nas pernas/costas, e desistiu com um sentimento de frustração, achando que a meditação "não é para si"...

... então, é mesmo para si que estou a escrever.

Meditação vem do latim "meditatio", que significa virarmo-nos para dentro de nós mesmos.

Para meditarmos, temos de estar confortáveis e com a coluna direita. Isto significa estarmos sentados durante um médio ou longo período de tempo sem que nenhuma parte do nosso corpo doa. Todas as almofadas que precisarmos para isso são bem-vindas!

Não recomendo que medite deitado, a menos que se trate de uma meditação guiada, ou o mais provável é que acabe por adormecer. Queremos meditar, e não dormir, mantendo-nos lúcidos e despertos, mesmo de olhos fechados ou semicerrados.

A prática da meditação é uma prática de auto-conhecimento e, consequentemente, de evolução pessoal. Não há implicação de qualquer tipo de crenças religiosas.

Para meditarmos, precisamos de ter humildade e consciência. E isso começa logo na noção dos nossos limites. Para quê forçar o nosso corpo a estar 1 hora com as pernas na posição de lótus, sujeitando-nos a dores lacinantes nos joelhos e na coluna?

Não precisamos de - nem devemos - tentar impressionar ninguém com a nossa flexibilidade (ou falta dela!). A flexibilidade surge primeiro na mente. Onde está a verdadeira flexibilidade quando decidimos forçar as nossas pernas a dobrarem-se numa posição dolorosa?

A meditação é interna, íntima, silenciosa. É o encontro connosco, então, não temos de obedecer a nenhuma "moda" ou imposição. Se conseguir sentar-se em posição de lótus sem qualquer dor, faça-o. Mas se não for esse o seu caso, faça o que é possível para si.
Aceitando-se como é, sem se forçar a si mesmo a ser algo que não é.
A pressa e a ambição causam danos na alma, no ego... e nas articulações!

As mais profundas e bem-sucedidas meditações que fiz foram sentada numa cadeira confortável. À maneira ocidental que, guess what, é o que eu sou.

Olhe agora para esta foto com as posturas de meditação, não de cima para baixo, mas de baixo para cima.

Porque, na meditação, assim como na vida, é uma ilusão acharmos que vamos logo conseguir subir para o topo da escadaria sem ter de passar por todos os degraus.

Experimente as posições que aparecem na linha de baixo. E avance para a linha do meio apenas e quando se sentir confortável. Se isso nunca acontecer, não faz mal. Também está certo assim.

Somos como somos. Não temos de ser como mais ninguém, a não ser nós mesmos.

Lembre-se: humildade e consciência. Sem isso, não há meditação possível.

Confortavelmente sentada,

03/09/2014

Receita - Licor de Merda

"O LICOR DE MERDA" é um produto de alta qualidade, cuja fórmula pertenceu no final do século XX ao Frade maluquinho BASKU GONSALBES. É extraído a partir de diversas merdas de confiança, sujeito portanto a criar depósito com a idade. Recomenda-se que seja servido com o cuidado indispensável para não turvar."

É isto que diz o rótulo na parte de trás da garrafa do emblemático Licor de Merda.

Eu cresci intrigada com o Licor de Merda, que existe desde 1974, e recebeu tão inesperado nome por brincadeira do criador da receita, para que as pessoas pudessem "brindar devidamente" ao governo da época.

Afinal, que "merdas de confiança" seriam essas que entravam na composição de um licor tão apreciado, e que só consegui degustar depois de ultrapassar a repulsa pelo nome merdoso?

Esta vossa escriba, que se interessa pelos assuntos mais diversos, vestiu um fato com máscara de protecção anti-merdas, capacete, galochas e luvas de borracha, e foi investigar.

Não foi uma investigação de merda, devo dizer. Au contraire, concluí que as tais merdas são até benéficas para a saúde, desde que bebidas com moderação, como outra merda qualquer. Para os mais ousados, das catacumbas do tempo esquecido, a receita do Licor de Merda:

- 1 litro de leite
- 500 gr. de açúcar
- 150 gr. de cacau em grão
- 1 vagem de baunilha aberta ao meio
- 1 pau de canela
- 2 rodelas de laranja
- 2 rodelas de limão
- 1 litro de aguardente

Colocar todos os ingredientes num recipiente que permita vedar bem. Mexer e tapar. 
Manter o recipiente fechado durante 20 dias, mexendo diariamente com uma colher de pau. 

Findos os 20 dias, filtrar 2 vezes através de papel de filtro para café, colocado num coador. 
Com 2 papéis de filtro diferentes, haja higiene a fazer o Licor de Merda!
Verta para garrafas, coloque um rótulo a dizer "Licor de Merda", para afugentar os que têm nojo do nome, e sirva!

Agora, escolha uma das seguintes opções:

1) Oh, Hazel, mas é mesmo a sério? Vai ficar bom?
2) Recuso-me a fazer ou a beber algo com o nome "merda".
3) Mal posso esperar por beber essa merda!
4) Que merda! Nunca mais volto aqui!
5) Vou fazer Licor de Merda e enviar uma garrafinha à Hazel.

Beijos licorosos,

01/09/2014

As lições da Roda da Fortuna :: olhar para o próprio umbigo


A carta de Tarot "Roda da Fortuna" ensina-nos que a vida é como um moinho de água.
Para que haja movimento, ou seja, para que a vida ande para a frente, é preciso que haja momentos em que temos de desapegar-nos, de deixar ir, esvaziar. Sem oferecer resistência.

E no vazio que surgiu, criou-se espaço para viver novas experiências e aprendizagens, para a nossa evolução - se aceitarmos aprender as lições que o girar da roda nos trouxe.
Caso contrário, se nos recusamos a aprender e focamo-nos no que já não conseguimos manter, apenas sentimos sofrimento, perda e medo.

Lutar contra o movimento da roda, impedi-la de girar, seria o mesmo que impedir a vida de prosseguir. Seria morrer, continuando vivo. Que doloroso.

A grande lição da roda é que o Equilíbrio sempre existe. Sempre que está cheia de água de um lado, está vazia do outro. E vice-versa. Não vou dizer para olhar só para o lado que está cheio quando o outro esvazia. Isso tornar-nos-ia dependentes dos outros para estarmos bem. O conceito de "copo meio-cheio, copo meio-vazio" é uma falácia.

Então, para onde olhamos? Como lidar com a perda? Ou com o medo da perda, quando estamos bem lá no alto da roda, transbordantes de água fresca a reluzir ao Sol?

Sabendo que não somos aquilo que temos à nossa volta. É tudo uma ilusão. Não somos o nosso emprego, as relações, os objectos, os cursos, as emoções, as preocupações...
Nós - a nossa essência - somos o eixo da roda. Aquilo que está no centro.
É para lá que devemos olhar, com consciência. Às vezes, olho para o meu próprio umbigo, para me recordar disso. Eu sou o eixo. O que está dentro, e não o que está fora. 
E a paz restabelece-se.

Isto quer dizer que, afinal, nada importa? O nosso emprego, relações, objectos, cursos, emoções...? Claro que importa. Tudo deve ser vivido intensamente. Não há tempo a perder com relações fúteis, conversas negativas, sentimentos menores, tentar corresponder às expectativas dos outros... Porque o tempo é limitado e, antes que a roda dê uma nova volta, temos de aproveitar, e devorar a vida... sem nos perdermos do eixo.

Isto aplica-se a todos, sem excepção. Quer acreditem ou não no Tarot. :)

No vídeo, um moinho de água para observar... e meditar.



No centro da roda,



29/08/2014

Limpezas de Verão - Se não me faz feliz, não me faz falta

A casa é um ser vivo que respira através das janelas abertas. As cortinas corridas ondulam com o vento, lambendo as paredes numa cadência pachorrenta, como se falassem.
São os últimos dias do Verão a fazerem-se anunciar, relembrando que o Outono se aproxima ao longe, devagar, mas em passo seguro.

É agora o momento de iniciar as Limpezas de Verão. Fazer uma revisão profunda em todas as áreas da vida. Separar o trigo do joio, o que é para manter, o que é para alterar, o que é para eliminar. Fazer o "RESET".

No trabalho, na internet, no computador, na casa, nas gavetas e armários, nos relacionamentos, nas emoções, nas memórias, na saúde, nos hábitos, na vida toda.

Sintonizada com a Natureza, que se renova ciclicamente, também eu me preparo para mais uma renovação.

Quem quiser acompanhar este processo, mas não sabe por onde começar, ou tem tendência para se dispersar, eis o meu plano de limpezas de Verão. Temos até ao Equinócio de Outono (23 de Setembro)!

- Devolver o que não me pertence. Objectos que me emprestaram, ou que alguém se esqueceu em minha casa e ficou à espera que nos encontrássemos de novo para devolver. Se não é meu, é energia alheia que ficou parada em minha casa.

- Roupa, malas e sapatos que não usei nos últimos 2 anos. Se não usei, é porque não me faz falta, e só está a ocupar espaço e a impedir a circulação de energia.

- Loiças que não utilizo, livros que não me interessam, CDs que nunca oiço, maquilhagem que não uso, objectos estragados ou avariados. Tudo fora!

- Tapetes, lençóis, panos da loiça, toalhas de mesa, cobertores, mantas, tudo o que está em quantidade excessiva e apenas impede as gavetas de deslizarem sem esforço.

- Móveis sem utilidade prática, aparelhos que nunca são usados, telemóveis e carregadores velhos.

- Papelada, facturas antigas já pagas, agendas e jornais velhos, apontamentos que já estão ultrapassados e não fazem falta.

- Ficheiros no computador, programas instalados inúteis, publicações, fotos e "amigos" no facebook que apenas publicam conteúdo violento/negativo.

- Actividades que requerem tempo e energia e onde não sinto que haja uma justa compensação.

- Relacionamentos insatisfatórios.

- Alimentos fora de prazo na despensa e no frigorífico.

- Medicamentos fora de prazo, frascos vazios de produtos de higiene.

- Tralha inútil no porta-bagagens e dentro do carro.

-----------------------------------------------------------

Absolutamente tudo será passado a pente fino pelos seguintes critérios:

1. Usei nos últimos 2 anos?
2. Faz-me mesmo falta?
3. Causa-me sentimentos negativos?

-----------------------------------------------------------

É possível que eu venha a acrescentar mais itens a esta lista.

E qual será o destino das minhas tralhas inúteis?
Algumas serão vendidas, outras dadas.

A varrer,

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...