Ideia para guardar rebuçados

Cozinha de família que se preze tem que ter um pote ou frasco com rebuçados.*
Eu guardo-os na "dona galinha", esta cesta de verga.

(Gostaria de vos apresentar a cesta cheiinha de rebuçados, para a foto ficar mais bonita, mas nesta casa habitam uns certos ratinhos gulosos que estão sempre a fazer desaparecer os doces. Quem gosta muito destes ratinhos é o nosso dentista...)Foi uma ideia muito fácil de colocar em prática:

Aparafusei um camarão* na parte inferior dos armários da cozinha, atei uma fita azul na cesta, para fazer de alça, e pendurei.

Simples e acolhedor. Ideia 100% Hazel!
Bom fim-de-semana!

Tradução para os leitores do Brasil:
* rebuçados = balinhas
* camarão = gancho (Nós, portugueses, somos estranhos, sim; temos o camarão de comer e o camarão de pendurar coisas . Vá-se lá entender. )

Ouvindo histórias...

Trago uma encantadora novidade para pais, tios e avós.

Acompanhe os seus filhos (ou sobrinhos! ou netos!) numa visita a uma pequena biblioteca virtual, onde os livros estão vivos, e contam histórias.

Não é necessário registar-se. Basta escolher um livro, clicar nas setas para virar as folhas e nos quadrados "Ler + Giro" que aparecem em cada página, para que o livro conte a sua história. Não se esqueça de ligar o som!

A Biblioteca é AQUI (clicar).

Boas leituras!

A planta mágica, que nunca morre

Chama-se Rosa de Jericó. É uma planta antiquíssima, muito preciosa, e com propriedades únicas. Para começar, tem o dom da vida eterna...

Nos tempos antigos, era passada, como herança, de geração em geração.

Sem água, seca completamente, e enrola-se sobre si mesma, adquirindo o formato de uma maçã.

Pode estar assim, neste estado de hibernação, durante meses, anos... e, quando colocada numa taça com água, ressuscita milagrosamente.

Costumo manter a minha Rosa de Jericó em estado de hibernação durante o Inverno, e, no Verão, coloco-a em água. Em menos de uma hora, os seus ramos abrem totalmente.

Esta planta percorre quilómetros pelos desertos, de onde é originária, levada pelo vento.

Diz a lenda que Jesus, quando caminhou durante 40 dias e 40 noites pelo deserto sem comer nem beber, foi graças a esta planta viajante, cujos ramos gotejavam o orvalho da manhã, que sobreviveu.

Foi-lhe, por isso, concedido o dom da vida eterna.

É um poderosíssimo amuleto que confere protecção divina a quem o possuir. Abençoa a casa onde estiver com saúde, paz, felicidade e prosperidade. Filtra as más energias e afasta pessoas mal-intencionadas.

Quando a água começa a ficar turva, significa que está impregnada de energias negativas, e deve ser renovada.
Mesmo em estado de hibernação, a Rosa de Jericó mantém todas as suas capacidades protectoras.
Assombroso, não é?

Coisas da terra

Onde o vento faz a curva, descobrimos uma terra-fantasma esquecida no tempo...

Enquanto as massas fazem romarias às praias e centros comerciais, nós caminhamos na direcção oposta. É no silêncio do campo que encontramos paz e satisfação.

Ali, descansamos os olhos dos placards publicitários; os ouvidos, dos barulhos dos carros; os pulmões, da poluição.
Nestes passeios, reencontramo-nos a nós mesmos, ganhamos forças e equilibramos energias.

Adoro as coisas da terra! São as mais saborosas e belas. Abençoadas.
A Mãe-Natureza foi mais do que generosa connosco; estas foram as suas dádivas, colhidas pelas minhas mãos.
Pêras, maçãs, limões, amoras-silvestres, feijão-verde, milho... (foto tirada ontem à noite)

Entretanto, o feijão-verde já foi transformado numa cremosa e nutritiva sopa; uma das maçarocas de milho, consumida, e a outra desfolhada e pendurada na parede da cozinha (para que sempre haja abundância e prosperidade nesta casa); a fruta, colocada em cestos de vime.

Sei de umas cabras que se vão deliciar a comer os fios do feijão-verde (que, normalmente, as pessoas deitam para o lixo), e de um certo menino que se vai divertir muito a alimentá-las... Desperdício zero. Máxima diversão.
(e só de pensar que vivemos num apartamento!...)

A fonte das fadas

Era uma vez uma menina com sardas e cabelos encaracolados que foi raptada por uma velha maquiavélica, desdentada e de pele encarquilhada.

A velha deu-lhe uma peneira, e disse-lhe que libertá-la-ia quando a menina conseguisse trazê-la cheia de água da fonte das fadas, sem entornar uma gota.

A menina, muito triste, caminhou descalça, floresta fora, seguida por duas borboletas brancas.

Chegada à fonte, colocou a peneira por baixo da queda de água. Mas esta saía pelos furos. Desesperada, chorou.

Junto à fonte das fadas vivia um sapo pequeno e verde, que a observava com os seus olhos esbugalhados.

- E agora, sapo? Nunca mais volto para casa...

O sapo saltou para cima de uma pedra enorme e lisa, que estava cheia de musgo espesso, e olhou a menina como que a dar-lhe um sinal.

- Claro... musgo!

Com as mãos, a menina arrancou o musgo da pedra, e, cuidadosamente, forrou o fundo da peneira. Voltou a colocá-la debaixo da queda de água, e, desta vez, encheu-se.

A menina foi libertada.
A velha morreu engasgada com a água.
O sapo não se transformou num príncipe; mas foi levado para um lago cheio de nenúfares, onde encontrou uma bela rã e se apaixonou.
E a fonte das fadas continua a deitar água fresca e cristalina.

(As coisas que me ocorrem a propósito deste prato antigo, com velas e forrado de musgo...!)

Vista-se de céu... e dance!

Estamos, precisamente, no intervalo entre a Lua Negra e a Lua Nova.

Nesta fase, a Lua não reflecte o Sol, e encontra-se no seu estado natural...: à sombra.

As noites são agora completamente escuras.

Esta lua traz a energia dos términos, da eliminação de problemas, bloqueios, negativismos. É o fim de um ciclo.

Tiremos partido disso. Esta noite, vista-se de céu e ...

(Vestir-se de céu é usar a mesma roupa que tinha quando nasceu: nenhuma!)

... dance, e liberte as más energias que tenha acumuladas. Dance nu e com convicção, sem passos pré-definidos; deixe-se guiar pelo instinto.

Com música do seu gosto, ou seguindo os compassos do seu próprio coração.

Expulse os negativismos. Abra a janela e dance...!

Guia dos Sonhos - V


Vacas - Representam segurança material. Sonhar com vacas gordas simboliza prosperidade. Se forem magras, pressagia escassez financeira. Se forem de cor clara e/ou tiverem bezerros, terá riqueza acrescida. Se estiverem doentes, enraivecidas ou mortas, a segurança financeira está em risco.

Vampiros - Sonhar que se é um vampiro revela desejos escondidos de vingança. Ver um vampiro representa problemas nas relações. Sofrer o ataque de um, pressagia conflitos com a pessoa amada.

Vapor - Confusão. Discussões.

Vassouras - Afastamento de pessoas indesejáveis, sem que haja problemas.

Velas - Acesas, são um bom presságio; indicam novidades e evolução em todos os campos. Apagadas, representam dificuldades.

Velório - Dificuldades de relacionamento com a pessoa amada, com fortes hipóteses de ruptura.

Veneno - Grandes medos (de perder alguém querido, ou de morrer).

Vento - Mudanças repentinas.

Verde - É muito auspicioso sonhar com a cor verde. Poderá haver lugar a novas amizades, um novo romance, ou negócios lucrativos.

Vermelho - Grande paixão. Sucesso em todas as áreas.

Vermes - Se sonhar que está a expelir vermes pela boca (ou por qualquer outro orifício), significa que ver-se-à livre de pessoas próximas que estão a prejudicá-lo.

Viagens - Mudanças positivas na sua vida.

Vidros - Problemas antigos serão brevemente resolvidos. Inimigos serão afastados.

Vinagre - Desilusões com amigos ou a pessoa amada.

Vinho - Saúde, felicidade e longevidade.

Visita - Receber uma visita representa um aumento da intensidade da sua vida social.

Voar - Grandes realizações. Os seus sonhos estão prestes a concretizar-se.

Vómitos - Problemas de saúde para pessoas próximas.

Vozes - Ouvir vozes de pessoas falecidas significa que deve tomar cuidado com intrigas. Ouvir a própria voz, ou de pessoa amiga, representa protecção divina. Esteja atento aos conselhos que irá receber; poderão ser-lhe de grande utilidade.

Vulcão - Deverá ter cuidado no seu dia-a-dia, para evitar acidentes.

Índice (clique nos itens):

- Guia dos Sonhos - L
- Guia dos Sonhos - M
- Guia dos Sonhos - N
- Guia dos Sonhos - O
- Guia dos Sonhos - P
- Guia dos Sonhos - Q
- Guia dos Sonhos - R
- Guia dos Sonhos - S
- Guia dos Sonhos - T
- Guia dos Sonhos - U
- Guia dos Sonhos - V
- Guia dos Sonhos - X
- Guia dos Sonhos - Z
- Introdução

Até à vista, querido Rolinho



Percebi que estava pronto para voltar a rasgar o azul dos céus quando começou a atirar-se contra os vidros das janelas e a voar junto ao tecto.

Foi hoje, num Domingo de manhã, um dia regido pelo Sol, que o libertei.

Que os Deuses te protejam, sussurrei, quando me despedi dele com um beijo.

Ficou durante vários minutos na palma da minha mão. Até pensei que afinal não queria voltar a ser livre. Levantei mais o braço e esperei pacientemente.

De repente, ele voou. Voou alto. Atravessou a rua toda, e pousou no topo da árvore mais alta. Não te deixes agarrar por ninguém.

Volta para a minha janela sempre que precisares.

Obrigada por teres confiado em mim.
Boa sorte, passarinho...

Colheita de Verão

Chamem-lhe coincidências, se preferirem. Sorte. Ou sintonia.

Depois das bênçãos dos figos e das amoras, este Verão fui presenteada com mais um gesto de carinho da Mãe-Natureza: uma pereira centenária... escondida nas profundezas da Serra de Sintra, que se revelou aos meus olhos.

Eis a colheita que fiz, e partilho convosco. Pêras! Sem pesticidas, nem qualquer outra interferência (des)humana.
Apenas com as águas das chuvas, o Sol, e a magia de Sintra... Vão saber a estrelas!

E, enquanto os ramos da árvore se moviam como braços que se abrem num gesto de boas-vindas, pelo vento, agradeci. Contemplei. E prometi voltar.

Costumamos levar sacos de plástico quando nos embrenhamos pelos caminhos de Sintra. Neles, recolhemos (para depois deitar num contentor) o lixo que os auto-proclamados "amantes da Natureza" deitam para o chão (garrafas, latas, maços de tabaco...) numa atitude de completo desrespeito para com a Natureza e o ser humano civilizado.

E, às vezes, a Mãe-Natureza decide retribuir estas nossas pequenas cortesias. Como aconteceu hoje. Obrigada pela recompensa.

Açúcar de alfazema


Como faço açúcar de alfazema?, perguntaram-me.

Existem muitas variedades de alfazema.

Em Portugal, as duas espécies mais comuns são a lavandula dentata e a lavandula angustifolia (officinalis). Vêem-se, por vezes, em jardins municipais.

Para o açúcar, uso a lavandula angustifolia, porque tem um odor mais agradável e duradouro.



A receita:
Para um pequeno pote de açúcar como o da foto (que já está quase vazio!), bastam 3 ou 4 flores de alfazema. Com as mãos, desprenda as flores do tronco e junte-as ao açúcar.

Tape, e deixe repousar por 6 semanas.

Depois, está pronto para consumir. Maravilhe-se com o perfume, cada vez que abrir o pote...
O açúcar ficará com o odor e as propriedades da alfazema (eu uso o meu para adoçar o chá).

Consegui...

Estava ferido e muito fraco quando o encontrei. Procurei um veterinário, que receitou antibiótico e anti-inflamatório, mas não deu garantias de que conseguisse sobreviver.

Passei mais de uma semana a administrar-lhe os medicamentos com uma seringa, pelo bico. Dormiu ao lado da minha cama. Abria-lhe o bico para o alimentar e dar-lhe água várias vezes por dia. Limpei-lhe a ferida regularmente com Betadine diluído.

Coloquei cristais curativos no ninho improvisado. Falei com ele. Dei-lhe beijinhos. E todos os cuidados que pude. E... consegui!

Cá está ele, vivinho da silva, e manda cumprimentos.
Nunca o prendi nem coloquei em gaiolas.
Tem estado sempre livre e solto, como devem os pássaros estar.

Construí-lhe este poleiro com troncos que apanhei na praia, para estar perto da janela.
Passa o dia todo no seu tronco, de onde nos observa muito atentamente. Olha-nos mesmo nos olhos, como se nos entendesse. Já come sozinho, é dá pequenos vôos.

Habituou-se de tal forma ao contacto humano, que acha que as pessoas são todas o máximo (mal sonha ele com as sopas de pombo que por aí se fazem...).

Bem, este amigo está seguro aqui. Se um dia voltar a conseguir dominar o azul do céu, é para lá que regressará. Até lá, tem sido um excelente hóspede.

Peço desculpa, se a imagem chocar alguém.
Foto do ferimento, tirada quando o encontrei.

Neste momento, já desapareceu tudo.
Está totalmente curado.

Fotos das férias

Percebemos que estamos a ficar velhos quando deixamos de usar toalha de praia, e passamos a usar cadeiras...

Uma paisagem alentejana. Adoro aquele dourado seco das ervas no Verão.

No Alentejo, as casas são assim; baixas, brancas, e com uma barra azul junto ao chão.
O branco serve para manter as casas frescas, e a barra azul, uma vez disseram-me que serve para afastar os insectos. Mas não acreditei (nem sei porque estou a repetir!).

Ilha do Pessegueiro. Onde dizem que, há muitos anos, um homem morreu por amor...

Para não dizerem que nunca apareço.

O meu querido L., feliz da vida, a correr pela praia.

Lindo, não é?

Esta é a mais especial de todas. Foram umas férias bonitas.

Combater insónias

A insónia invadiu o meu sono.

Para aqueles que também vêm as horas passar, prestem atenção, pois vou traçar um plano para que Morfeu nos embale docemente nos seus longos e lânguidos braços:

1. Arrume e limpe o seu quarto. Não acumule tralha! Um quarto arejado, limpo e organizado é meio caminho andado para uma noite descansada;

2. Coloque uma pedra bem grande (pode ser uma das que se encontram na praia) debaixo da cama, para o "ancorar", e permitir um sono mais profundo;

3. Colha alfazema (lavandula officinalis), e pendure um ramo na cabeceira da cama. O seu perfume induz a um sono tranquilo;

4. Coloque uma taça com sal grosso ou cânfora debaixo da cama, para que os negativismos, preocupações, angústias, etc., sejam absorvidos, e o ambiente fique leve e purificado;

5. Durante o dia, enquanto não estiver ninguém no quarto, queime um incenso de alfazema. O odor é uma delícia, além de limpar e renovar as energias;

6. Antes de dormir, beba um chá de erva-cidreira (melissa officinalis) ou de camomila (matricaria chamomilla), para relaxar;

7. Passe os seus pés por água antes de ir para a cama. Pode até usar água fria, se quiser. Os pés, que estão junto ao chão, contactam com as energias inferiores (e, muitas vezes, transportam-nas)...

Depois de tudo, dê uma boa sacudidela na sua almofada para espantar as noites mal-dormidas e prepare-se para dormir... ZZZZZZZZ...