Obsessão

terça-feira, outubro 08, 2019


Roubei uma colher de sopa. Está escondida debaixo do meu colchão. Quando vêm mudar os lençóis, coloco-a atrás da sanita. Esta colher, que tenho há duas semanas, é o meu passaporte para a liberdade.

Na parede junto à cama há um ponto de maior fragilidade onde todos os dias escavo com a colher, lenta e pacientemente, para que o meu cárcere — que sou eu — não descubra o plano de fuga. Para não levantar suspeitas, vou comendo a terra e o estuque. Não sabe pior que salada de beterraba crua. Mas fui apanhado.

Sacudi a terra da cara com duas lambadas que dei a mim mesmo, peguei-me por um braço e lancei-me para a solitária. De castigo por ter tentado fugir de mim, para reflectir sobre o crime que me levou à clausura. Um crime que neguei, como todos os culpados que procuram desesperadamente a absolvição que não merecem, e escapar à condenação.

A obsessão é uma prisão onde o cárcere e o carcereiro são a mesma pessoa. Encontro-me aprisionado em mim mesmo. Condenado por crime nenhum, cumpro pena por tempo indeterminado.

No julgamento, o juiz era eu. O advogado de acusação era eu. O advogado de defesa era eu. Os jurados eram eu. O guarda que segurava as algemas à porta do tribunal era eu. E o réu, cabisbaixo, mortificado pelas penas que caíam de si para si — era eu.

Tudo me assombra o pensamento em imagens fractais, como uma sala de espelhos e vidros recortados, na solidão da solitária, onde apenas um raio de luz tímido me traz companhia e um fio de lucidez.

A minha sombra espalha-se parede acima até se diluir na penumbra. Estendo-lhe a mão. Olhamo-nos nos olhos. Perdoamo-nos.

Abatido de cansaço, encolho-me deitado no chão de pedra fria à espera da manhã, com a sombra sentada ao lado a velar-me o sono.

O despertador pousado na mesa-de-cabeceira acorda-me ao raiar dos primeiros alvores. Os vizinhos conversam debaixo da minha varanda.

— Sonhaste esta noite?
— Sonhei, mas não me lembro sobre o quê — respondo à minha mulher.

Saio de guarda-chuva aberto, a caminho do trabalho. Atrás de mim, sem que eu note, caminham as sombras desdobradas pela estrada fora: o carcereiro, o juiz, os jurados, os advogados, o guarda.

O arcano O Diabo projecta-nos as sombras mais secretas na parede, numa dança diabólica de tempos e contratempos estonteantes que, ora nos seduzem o ego, ora o deitam por terra. 

Por mais que tentemos agarrar-nos à verdade absoluta como se da nossa colher de sopa se tratasse, é precisamente a capacidade de questionar, de duvidar, de aceitar luz e sombra sem negar nenhuma que nos trará a libertação da clausura do ego.

Hazel
Consultas em Carcavelos, Oeiras e online
Tarot - Reiki - Regressão - Reprogramação Emocional
Marcação: casa.claridade@gmail.com

PODERÁ TAMBÉM GOSTAR DE LER

0 COMENTÁRIOS

Obrigada pelo seu comentário ♥