Viagem à Terra do Diabo — Parte 2

quarta-feira, novembro 16, 2022

← Continuação da crónica anterior: Viagem à Terra do Diabo – Parte 1

OS PÉS DA VOSSA ESCRIBA avançam pela penumbra das ruas antigas. Perante os seus olhos emerge a ponta reluzente do pirilau do Cabrão (Diabo). 

A aldeia é decorada com pentáculos (estrela de cinco pontas que representa o equilíbrio dos elementos: água, fogo, terra, ar, éter).

O aroma reconfortante das castanhas assadas trepa pelas ruas 
em braços de fumo ondulantes e convidativos.

Vinhais, terra do Diabo, é também terra de castanheiros, árvore sagrada para os Druidas, símbolo de perseverança e abundância. 

No Outono transbordam ouriços e castanhas caídos das árvores junto às estradas que serpenteiam pelas serras. A vossa escriba não resistiu e trouxe alguns sacos com castanhas. Para investigação, claro está.

A festa é por ali, entrem à vontade — indica-nos um homem que enverga uma capa escarlate e chifres protuberantes com a admirável autoridade, naturalidade e satisfação de quem finalmente pode vestir aquilo que lhe apetece sem ter de lidar com julgamentos.

O ritmo folgazão dos bombos e gaitas-de-foles ecoa pelas encostas, rasgando o silêncio montanhoso à volta da aldeia de Cidões, num ritual que redesperta os velhos deuses telúricos do profundo sono secular.

O Canhoto.

A pilha de ramos e troncos reunida pela população arde no centro da aldeia, pronta para queimar o Cabrão no fim da festa. Ao lado, é cozinhada a Cabra, a sua mulher, em caldeirões. Diz a tradição que a lenha não arde se não tiver sido roubada. 

Os músicos e saltimbancos tocam e dançam à volta da fogueira, em torno da qual caminhamos no sentido anti horário para desfazer os males, e no sentido horário para trazer a abundância.

Aquecem-se os ânimos com o Ulhaque, bebida espirituosa de origem Celta, típica de Cidões. Contém bagaço, medronhos, infusão de ervas e outros ingredientes secretos, extraídos das encostas do Rio Tuela. É degustado gelado e promete ter um fino sabor. Digo “promete” porque não cheguei a provar, oh que diabo!

A poção do Druida.

Acompanhado pelas três faces da Deusa Tríplice (Mãe, Donzela e Anciã), o Druida esconjura a má sorte, os malefícios e o mau-olhado. 

Com o fogo como ingrediente principal, dentro e fora do caldeirão, prepara a Queimada, uma poção mágica de limpeza e protecção para o corajoso que a beber.

A chegada do Diabo. 

Este magano que dizem esconder-se atrás das portas, chega ataviado a rigor, fazendo-se transportar com grande alarido num carro de bois puxado por homens. 

Lança o terror sobre a população, representando assim os medos, a escuridão, as dificuldades da vida e a submissão do homem aos vícios e instintos.

Trava–se uma batalha entre o Druida e o Diabo, numa encenação do eterno conflito entre Bem e Mal, Luz e Trevas, Verão e Inverno. O confronto das polaridades gera o caos. E do caos renasce a harmonia e o equilíbrio universal.

Ao longo da noite, seguindo os diabólicos velhos costumes, os rapazes jovens roubam os vasos de flores que enfeitam as casas, rodam as cadeiras de pernas para o ar, desarrumam tudo e viram a aldeia do avesso.

As lendas do passado são-nos teatralizadas pelos próprios filhos da terra para que não sejam esquecidas. Devemos prestar toda a atenção, são as últimas vozes das almas antigas que ecoam. 

Festa da Cabra e do Canhoto marca a época do fim das colheitas, 
o término do ano velho e o início do ano novo pagão. 

A egrégora de velhos deuses pré-cristãos cultuados neste ritual ancestral, em tão remota e discreta aldeia tem as suas raízes deveras bem entranhadas na terra. 

Assim como os castanheiros, que proliferam na região, parecem ser divinamente protegidos resistindo às intempéries ao longo dos anos, também as divindades pagãs encontraram forma de se manter vivas e de resistir aos ventos inquisitórios que varreram da memória colectiva o culto da Terra-mãe.

Acredito que enquanto houver fumo de castanhas assadas no fim dos Outonos, regozijam-se os Deuses e os genii loci (os espíritos do lugar), proporcionando-nos estes, em retribuição, um Pequeno Verão dentro da estação fria e chuvosa.

O sensor-hiper-sensível da vossa escriba concluiu que há algo de muito especial e impossível de traduzir por palavras acerca da Aldeia de Cidões

O local parece ter uma Consciência per se, inteligente, activa, astuta, que é nutrida pela população, e que a nutre de volta, não deixando que morra a aldeia, os costumes, a coesão — e, em última análise, a Consciência, para onde tudo retorna.

O Cabrão.

Atirando com as botas de investigação por cima da cabeça, dou por concluída a diabólica jornada respondendo a algumas dúvidas que recebi por telepatia:

Onde fica Cidões?
Cidões é uma pequena aldeia de dezoito habitantes que pertence ao município de Vinhais, Bragança, região de Trás-Os-Montes.

Quantos quilómetros de Lisboa a Cidões?
Cerca de 500 quilómetros.

E do Porto a Cidões?
Cerca de 220 quilómetros.

E de Faro a Cidões?
Cerca de 730 quilómetros.

Vale a pena ir lá?
Hell yes. Sem dúvida que, pelo menos uma vez na vida, vale a pena ir à “Terra do Diabo”. Nada é o que imaginamos encontrar. Esta é uma experiência que devemos vivenciar procurando sentir e compreender o significado subliminar de tudo, sem nos condicionarmos pelas aparências ou pelo preconceito. É um testemunho histórico irrefutável e um privilégio imenso fazer parte desta viagem no tempo.

O Diabo existe?
Certamente que sim. O Diabo é tão real quanto as emoções sombrias do ser humano; quanto a força opositora que mantém vivo o fluxo do Universo. O Diabo é a mais crua e autêntica alegoria criada pelo Homem.

Deus vai castigar-me se eu for à Festa da Cabra e do Canhoto?
Vai. Deus nos livre dos seus seguidores. A Festa da Cabra e do Canhoto é para pessoas não-chatas, que não têm medo de sorrir, de se divertir, de Viver. 

A poção “Queimada” do Druida, é mesmo mágica?
A vossa escriba investigou profundamente (até ao fundo da caneca de barro, bem-entendido), e afiança-vos que faz ficar com a voz mais grossa e o álcool etílico passa a parecer uma bebida para bebés. 

Paga-se entrada?
A entrada é livre. As bebidas e petiscos são justa e merecidamente pagos.

Quando haverá a próxima Festa da Cabra e do Canhoto?
Na Noite das Bruxas, 31 de Outubro.

Links úteis:

💚 Agradeço ao Luís Castanheira, organizador da Festa, referido na Parte 1 desta crónica-em-dois-capítulos, pelo caloroso acolhimento e pelo simpático e divertido convite para ajudarmos a acender as velas da festa na ponte de Cidões. 

Nas labaredas do Diabo,

Hazel
Consultas em Cascais, Oeiras, Cacém, Santarém e online
Tarot | Reiki | Reprogramação Emocional | Terapia Multidimensional | Regressão

PODERÁ TAMBÉM GOSTAR DE LER

0 COMENTÁRIOS

Obrigada pelo seu comentário ♥