O Grande Livro das Plantas de Interior


Publicação de 1982. O livro que toda a dona-de-casa esmerada e airosa tinha de ter.
Um clássico que sempre vi pelas casas portuguesas, junto de outros tomos da literatura doméstica, como o "Livro de Pantagruel", "O Grande Livro dos Lavores", os da Filipa Vacondeus e, escondida no meio deles, a revista "Maria" - a tal que todas compravam, mas nenhuma admitia, aham...

Eu não sou dona-de-casa. Sou dona-de-mim. Nem sou esmerada, mas sou um bocadinho airosa. E adoro plantas! Nunca o tive, mas sempre desejei, que o livro é velhinho, mas bom!

Hoje, encontrei-o à venda em 2ª mão. Peguei nele lentamente com as duas mãos, com a devoção de quem pega numa relíquia sagrada. Até acho que os meus pés se elevaram um bocadinho do chão, enquanto um coro de anjinhos barrocos entoava AAAAHHHH...

O tão desejado livro das plantas, ali, à minha espera. Custou 2€. E aqui está ele, ao meu colo. Não fosse amanhã acordar com a cara espalmada, e estava quase capaz de o usar como almofada, só para não me separar de tão precioso tesouro.

Em suspiros,
Hazel

7 plantas resistentes e fáceis de ter em casa

Se não tem um jardim, ou mesmo uma varanda, sonha com um pouco de Natureza dentro de casa, mas acha que é impossível, isto é para si!

Reuni as 7 plantas mais resistentes que conheço. Todas sobrevivem dentro de casa, desde que haja um pouco de luz natural, água e amor. São tão resistentes, que quase poderíamos chamar a esta lista "o Chuck Norris do reino vegetal". Vejamos as instruções:

1. Clorofito (chlorophytum comosum)

Não deve ser exposta a luz directa, ou as folhas ficam queimadas. Requer regas frequentes e abundantes.
Se tiver gatos, terá de pendurá-la num lugar alto, pois eles adoram comer as suas folhas!
2. Violeta (saintpaulia ionantha)

Requer luz indirecta.
As regas devem ser regulares, mas não abundantes.

Não regar a planta directamente; a água deve ser colocada no prato por baixo do vaso.



3. Dracaena (dracaena deremensis)

Também dispensa luz directa. As regas devem ser regulares, mas pouco abundantes.
4. Jibóia (epipremnum aureum)

As folhas ficam queimadas se estiver sob luz directa. As regas devem ser frequentes e abundantes. Sobrevive também apenas em água, sem terra.

Como é uma trepadeira, deve ser usada uma estaca para que ela possa apoiar-se.

5. Lírio-da-Paz (spathiphylum wallisii)

Manter protegido de luz directa.
Requer regas frequentes e abundantes.

Além das regas, ela fica muito feliz se receber umas borrifadelas de pulverizador com água.



6. Yucca (yucca sp.)

Necessita de luz directa de uma janela.
As regas devem ser regulares, mas não abundantes.
Convém deixar a terra secar um pouco entre regas.






7. Espada-de-São-Jorge (sansevieria trifasciata)

A mais resistente de todas. Tolera luz directa, assim como meia-sombra. Resiste a regas abundantes, assim como a regas espaçadas.

Se deixar morrer uma Espada-de-São-Jorge... o melhor para si são mesmo as plantas de plástico!

Dois conselhos que se aplicam a todas as plantas: sempre que houver folhas ou flores secas, corte-as com uma tesoura, para que os nutrientes cheguem ao resto da planta.

Quando as folhas tiverem pó, limpe-as com um pano húmido (há quem use leite, mas a água é suficiente para limpar as plantas), de ambos os lados, para que as plantas consigam respirar. A excepção é a violeta, que tem folhas frágeis e peludas; neste caso, basta retirar o pó usando cuidadosamente uma escova de dentes velha.

Se seguir as minhas instruções, não há como falhar!

Directamente da minha selva em vasos, para o mundo,
Hazel

A minha floresta pessoal

Ela chegou ontem, triste e tímida, de cores apagadas, mas foi recebida de ramos abertos pelas restantes.

Apesar de estar em processo de redução de tralha em casa, as plantas não estão incluídas. Sempre haverá espaço para mais uma. Nunca serão demais!
São as minhas guardiãs e amigas, por quem tenho tanto carinho.

De onde veio este feto/ samambaia?
Do lixo. Como quase toda a minha floresta, salvo raras excepções.

Longa vida à minha nova companheira de viagem! E que as suas folhas verdes cresçam radiantes na certeza de que chegou a bom porto e a partir de agora será sempre amada e protegida.




Embrenhada na floresta,

Poinsettia

Encontrada ontem no lixo.

É uma poinsettia, também conhecida como "planta-do-Natal". Veio trazer cor e alegria ao meu jardim-de-apartamento, que se está a reconstruir aos poucos. São os ciclos da vida...

A última poinsettia que tive, passou algum tempo sem mim, e não sobreviveu. Talvez porque fiquei triste com a perda, gosto de pensar que o Universo me quis compensar, trazendo-me esta nova amiga num dia de chuva e incertezas. Pois, mensagem recebida...

Muito grata, Senhor Lixus!

Beijos de vermelho escarlate,

Flor-de-Maio, porque não te chamas Flor-das-Fadas?

É que bem podia ser esse o seu nome, dada a beleza das suas flores. Parecem pequenas Fadas, com os seus vestidos cor-de-rosa.
Ou sou eu que hoje acordei fru-fru?

O seu nome técnico é (preparem-se para se cuspirem todos a tentar pronunciá-lo):
Schlumbergera truncata.

Mas é vulgarmente conhecida como Flor-de-Maio, Cacto-da-Páscoa, Cacto-de-Natal ou Flor-de-Seda.

Propaga-se por estaca. Ou seja, tira-se um grupo de 2 ou 3 dos seus segmentos e coloca-se na terra. Fácil, hã?

Todas as minhas plantas têm uma história de vida muito atribulada, mas esta foi diferente.
Para variar, não a apanhei no lixo. A sério!

Ah! A minha fama de apanhadora de coisas do lixus é tal, que agora ninguém acredita.
Quando mudei para a casa onde vivo actualmente, encontrei-a abandonada no cantinho da varanda, muito triste, cabisbaixa e empoeirada.

Limpei-a, trouxe-a para a cozinha e fui cuidando... até que ela me presenteou assim.
As flores são mesmo a forma da Natureza celebrar a vida.
Quase posso ouvir a flor-de-Maio gritar "iupiiiii!! weeeeeee!!!"
























Dançando com as Fadas,



As plantas também comem

... e não me refiro às plantas carnívoras. :)

De vez em quando, as plantas gostam de receber uma pequena dose de nutrientes.

Mas sem exageros! Uma vez, de 4 em 4 semanas, ou quando se lembrar, pode oferecer alguns "petiscos" às suas amigas verdes, sem precisar de gastar um tostão a comprar adubos.

Tudo o que precisa está mesmo aí, em sua casa.
E o mais provável é andar a deitar no lixo preciosos nutrientes que as suas plantas iriam adorar.

Ora, vejamos:

1. Borras de café.

2. Restos de leite (sim, as plantas também gostam de leite! Pode deitar nos vasos os restos que ficam no fundo dos copos - mesmo que tenham café).

3. Cascas de ovo moídas e respectiva água da cozedura.

4. Água da cozedura dos legumes.

5. Chá (não deite fora os pacotes de chá usados; abra-os e aproveite as ervas para misturar com a terra dos seus vasos).

Se quiser ousar - let's go crazy! - também pode oferecer um menu holístico às suas plantas, colocando cristais de quartzo hialino sobre a terra e música new age a tocar. Elas vão gostar. Pelo menos, nunca ouvi as minhas queixarem-se...

Beijos verdes,



A minha floresta dentro de casa

Inês Fontes disse...
"Hazel, voltei para te fazer um pedido, posta pra gente foto atualizada da sua floresta. De quantos exemplares ela é composta atualmente? Vou adorar vê-la."

A última contagem que fiz foi em Janeiro.

Desde então, vieram mais plantas que salvei do lixo, algumas morreram [por muito chocante que isto nos pareça a todos... às vezes também me morrem plantas!], e outras ofereci.

Ora, com tantas entradas e saídas, tenho actualmente...
........ 41 vasos! ahahahaha



Estão distribuídos pela casa.
Fotografei os principais grupos de verde.


<- Estas vivem no meu escritório.
Bem-dispostas e alegres, como se vê. :)

Falando em escritório, aqui está ele.
É nesta cadeira que me sento e falo convosco. O Aramis está a ler os vossos comentários. :))

Estou rodeada de plantas, é certo.
Gosto assim.


<- Outra parte do escritório.


Na sala.

Quase todas as plantas que tenho foram salvas do lixo. Só uma pequeníssima percentagem delas foram oferecidas ou compradas.

Uma violeta.

Ora adivinhem lá de onde veio esta violeta tímida e raquítica...

Em cheio. Do lixo, pois claro.

O vaso está encharcado, deve ter apanhado as chuvadas desta noite.

Está maltratada. Por isso, todos passavam por ela, mas ninguém a quis.

Vou cuidar dela, e há-de fazer-se uma bela planta, cheia de flores. Então, todos a vão elogiar. Alguns, desejá-la-ão secretamente.

Mas ninguém merece a beleza que ela tem a oferecer, senão aqueles que a viram bela mesmo antes de o ser. Tomati e embrulhati.

Aiiiiii, o que é que me deu hoje?
Olhem, acordei assim. A pensar na vida.

Nas plantas feias e moribundas olhadas com desprezo pelos que passam, que salvo do lixo.
Algum tempo depois, tornam-se lindas e verdejantes. Então, já todos as cobiçam.

No gato escanzelado e sujo que apanhei na rua, e agora fez-se bonito e exuberante. Todos admiram a sua beleza, muitos gostavam de um assim. Entretanto, os seus companheiros de rua continuam lá. À espera que alguém olhe para eles.

E em mim mesma, que no dia em que me sair o euromilhões, sou bem capaz de ter um monte de pessoas caídas de pára-quedas a relembrar-me o quanto sou generosa...
e querida... e fofinha... e bem-cheirosa... e mãos largas. Ah! Raça de gente!

Feto-espada salvo do lixo

Pois tinha eu acabado de comentar que "gosto tanto de fetos, mas nunca tive nenhum", quando, exactamente no mesmo dia, encontro este lindo e enorme feto-espada* no lixo.
Ele há coisas do diabo... Ora, assim, não posso deixar de comentar também que:

Nunca tive uma casa no campo, com muitas árvores de fruto e cravos cor-de-rosa.
Nunca tive pestanas encaracoladas.
Nunca tive um sofá branco do IKEA.
Nunca tive uma avenca.
Nunca tive eau de toilette alfazema da L'Occitane.
Nunca tive os meus contos infantis publicados.
Nunca tive um bilhete de avião para dar a volta ao mundo.
Nunca tive juízo! ahahahah Risca esta!
Nunca tive um convite da Martha Stewart para visitar a casa dela.
Nunca tive cabelos naturalmente desembaraçados.
Nunca tive uma banheira vitoriana. Uh-huuu...

Sempre quero ver o que o Senhor Lixus, esse maroto, vai fazer agora. Hum!

* No Brasil, chama-se "samambaia".

Tenho para oferecer...


... esta planta assinalada com o círculo vermelho.

É mais um dos meus recentes salvamentos do lixus.
Está limpa, saudável, sem pragas e com filhotes.
Precisa de estar no exterior para receber bastante Sol.

Numa casa sem jardim e sem varandas, não consigo ter luz suficiente para atender às suas exigentes necessidades, pelo que me pareceu mais adequado dá-la a quem tenha mais condições do que eu.

Ofereço-a a quem preencher os seguintes requisitos:


1. Ter uma varanda ou um quintal onde a possa alojar;
2. Prometer tratá-la bem e nunca a deitar para o lixo;
3. Ter assinado a Petição;
4. Residir na área da grande Lisboa;

A primeira pessoa que preencha todos os requisitos acima indicados, e deixe aqui um comentário, recebe esta amiga verde! A entrega fica por minha conta.

Plantas da inveja

Espada-de-São-Jorge, comigo-ninguém-pode, arruda, alecrim, guiné, pimenteira...
Eis as plantas mais conhecidas pelas suas capacidades de protecção contra as más energias.

Diz-se que quando se recebe visitas invejosas, a comigo-ninguém-pode chora, a pimenteira seca, a arruda murcha...

Também já ouvi que "dá azar ter espadas-de-São-Jorge dentro de casa"- não é verdade.

Não posso confirmar a veracidade do efeito mortífero das visitas invejosas nas plantas. Semelhante fenómeno ainda não aconteceu às minhas plantas. Não quero com isto dizer que sejam crendices sem fundamento.

Talvez as minhas plantas se tenham mantido a salvo porque apenas convido para a minha casa pessoas que nos queiram bem; não só salvo as plantas, como a nós mesmos, hã?

Resgatei esta comigo-ninguém-pode do lixo ontem.
Já lhe dei os meus "primeiros-socorros", para ficar apresentável para a fotografia. :)
Provavelmente, foi atirada para o lixo porque alguém achou que tinha ficado "contaminada" por alguma visita invejosa. Ou porque está feia.

Caros leitores, não cometam este erro. As plantas são seres vivos, parte integrante da Natureza, e merecem o nosso respeito.

Todas as plantas trabalham a nosso favor.
Graças a elas, temos oxigénio para respirar. As plantas purificam-nos o ar, filtram as más energias, protegem-nos dos campos electromagnéticos, embelezam-nos as casas e os jardins, curam as nossas doenças (sabia que a aspirina é produzida a partir da casca do salgueiro?), enriquecem os nossos cozinhados... basta conhecê-las.

É um crime deitá-las para o lixo.

A minha floresta particular vai aumentando, e a todas dou as boas-vindas.
São as minhas grandes e fiéis companheiras, guardiãs silenciosas, amigas de verdade.

Espero que este post sirva para salvar muitas plantas que estavam a um passo do contentor do lixo, aí pelo mundo fora.

Plantas em casa - conselhos para iniciantes

Acho a expressão "plantas de interior" muito engraçada. É que, na realidade, não há plantas de interior. As plantas pertencem todas ao reino da Natureza.

Algumas espécies são mais sensíveis aos raios solares, por isso, no seu habitat natural, desenvolvem-se à sombra de outras maiores e mais resistentes. São essas as plantas de meia-sombra (as tais que as pessoas chamam "plantas de interior"; porque adaptam-se à luz filtrada característica do interior da casa).

Na foto abaixo, encontram-se algumas plantas que preferem/adaptam-se facilmente à meia-sombra. Os seus nomes:
- spathiphylum wallisii (lírio-da-paz)
- chlorophytum comosum (clorofito)
- yucca sp. (yucca)
- epipremnum aureum (planta jibóia)
- sansevieria trifasciata (espada-de-São-Jorge)
- dracaena deremensis (dracaena listrada)


Se tiver várias plantas, opte por agrupá-las. São muitos os benefícios:

- Fica mais bonito; 😀
- Desenvolvem-se de forma mais harmoniosa;
- Criam um microclima próprio, aproveitando melhor a humidade;
- Libertam mais oxigénio, purificando o ar da sua casa;
- Em termos energéticos, formam uma maior barreira contra os campos electromagnéticos (gerados pelos aparelhos electrónicos), reduzindo os seus efeitos negativos.

Se queria ter plantas em casa e não sabia por onde começar, agora já não há desculpas!

Hazel

Agente Hazel dá conta de Missão Impossível

Nem era para ter tirado esta foto. Não parecia que esta planta fosse sobreviver, quase achei que não valia a pena fotografar. Mas segui a minha intuição e fotografei.

Salvei-a do lixo no dia 9 de Janeiro, há pouco mais de um mês.

É um cacto-do-Natal. Ou flor-de-Maio, como também é conhecida.

Vinha muito maltratada e cheia de beatas de cigarro. Seguramente, estava na entrada de algum prédio, onde a usavam como cinzeiro. Feios!

Mas a temível agente Hazel (ha!), que combate os mauzões que desprezam as plantas, viu-a e salvou-a do indesejável camião do lixo.

Acartei, cheia de valentia, com o vaso para dentro do Hazel-car, e em casa limpei e tratei-a o melhor que soube.

Juntei-a à minha floresta encantada, e deixei passar os dias...

Após 1 mês, esta planta que chegou meia moribunda, e que tanta gente diz que não consegue cultivar em casa, e que não consegue que dê flor... faz-me uma surpresa destas!


Embora continue melindrada, a coloração está a regressar leeeeentamente ao seu tom normal e encheu-se de flores lindas... :))

A agente Hazel dá uma palmada amiga no seu próprio ombro e diz, orgulhosamente:

- Missão cumprida!

O Gigante verde

Não, ainda não estou chalupa. Eu também reparei que há poucos dias saiu uma foto quase igual a esta. Eu sei. Também leio o meu blogue, sim? LOL*

Deu-me muito trabalho alojar este gigante verde neste canto, por isso nem pensem que vou colocá-la num sítio diferente "só para a foto".

Hazel cansada de acartar com vasos. Hazel com mãos sujas de terra. Hazel falar assim porque Hazel treinar para Jane.

Pronto, já temos onde pendurar a primeira liana. Este gigante verde tem mais de 2 metros de altura.

Linda, frondosa, saudável, antiga e, no entanto... abandonada no lixo!

Mais uma que encontrei tristemente caída no chão, e teve uma segunda oportunidade para viver, passando a fazer parte da minha selva pessoal.

Agora, com licença, que vou ensaiar o meu grito de Jane:
AAAAAHHH-AAAA-AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!

O meu Amor pelas plantas

[Se não tomo cuidado... esta casa qualquer dia transforma-se numa selva, e eu em Jane, pendurada em lianas. Bem, estou disposta a correr o risco.]

Lembro-me que, há um tempo atrás, agarrava num garrafão de 5 litros e ia à Serra de Sintra enchê-lo de água na fonte do Sol. Dava para regar as minhas plantas todas por duas vezes.

Actualmente, 1 garrafão de água não chega nem para metade delas. E tenho de usar água da torneira para terminar a rega.

Mas como pode não chegar? Foi quando me lembrei de contar quantos vasos tenho. Só por curiosidade.

Um... dois... três... quatro... cinco (...) quarenta!
40 vasos. QUARENTA. Dentro de um apartamento.

Um tsunami de clorofila!

Mas que hei-de eu fazer? Adoro plantas. Apanho todas as que vejo no lixo, recupero-as e depois tornam-se minhas fiéis amigas. Elas ouvem-me. Elas protegem-me. Elas alegram-me.

Fazem tanto por mim que, sim, é verdade, prefiro ir buscar água da serra para regá-las, que lhes é bem mais saborosa e nutritiva, do que usar a da torneira.

E nunca são demais. Embora concorde que talvez já sejam muitas.
Vou marcar no calendário, e daqui a 1 ano faço nova contagem, para ver quantas plantas estarão então a viver connosco. Só por curiosidade.

Talvez venha a ter de fazer esse post pendurada numa liana.

Já está uma menina crescida

Que riqueza de vasinho que me cabe na mão, com a planta verde e espevitada a saudar os que passam...!

E até já tem umas ervitas não-identificadas que nasceram espontaneamente para lhe fazerem companhia.

Esta planta é tudo o que resta daquela dracaena grande que eu tinha salvo (post aqui).

Tanto as pontas que cortei como o tronco principal não sobreviveram, restando apenas este rebento que tinha nascido na base, junto à raiz.



Para recordar:

Cá está ela. Foto tirada quando a trouxe para casa.

Foi o grito deste bebé que eu ouvi...

Pobre planta!

Foi abandonada num terreno baldio em frente à minha casa.
Está lá há mais de 1 semana, à espera de morrer ou que alguém se compadeça do seu estado e a salve. E eu tenho estado a controlar... para ver se mais alguém repara nela.

Felizmente, de vez em quando lá chove, e ela mata a sede.

Há poucos dias, houve, realmente, quem se compadeceu, mas do vaso. Levaram o vaso e deixaram a planta. Bah!

Chega de esperar. Ontem atravessei a rua e fui buscá-la, porque os meus vizinhos são demasiado importantes para se baixarem e apanharem uma desgraçada de uma planta caída no chão e que, ainda por cima, está feia e meio morta.

Mas se fosse uma nota de 5 euros... bem, adiante.

Vou agora tratar dela, envasá-la, cortar os ramos que estão podres, e colocar em água as pontas, que ainda lutam pela vida.


As fotos estão escuras, peço desculpa. O Sol hoje foi passear ao Hemisfério Sul.


<- Olhem aqui um rebento a nascer junto à raiz... Volto já, com fotos do "depois"... Esperem aí................................................... Update:
Ora, cá estou de volta.

Coitada, com os troncos cortados, mais parece o chapéu do Asterix.
Mas há-de sobreviver, e ainda receberá muitos elogios pela sua beleza.

As pontinhas que consegui safar estão aqui neste copo em água, para ganharem raiz.

Mais uma para a minha floresta de interior.
Agora, com licença, que vou limpar o chão da cozinha.

Todos a achavam feia...

Os protestos que eu ouvi quando a enfiei no carro para trazer para casa... Ui!

Sim, é mais outra planta salva do lixo.

Toda a gente disse que ela era feia. Até o L.!
Mas eu achei-a linda, invulgar, selvagem, exuberante...

Desta vez, fotografei todo o "processo de magia":

<- Foto tirada à chegada.



Aqui, a limpeza.

Não foi fácil tirar todas as sujidades e folhas secas, mas contei com a ajuda do L., que adorou trabalhar lado-a-lado com a sua mamã.







O resultado final!

Foi limpa, regada, borrifada e mimada.

À falta de um vaso mais bonito, utilizei um velho saco do pão às riscas que nunca uso, para tapar o que tem agora.

Ficou um mimo.
Sempre adorei vasinhos à janela.

São a alegria da casa!





E agora, quem a acha feia?

Quando olho para ela, parecem pernas de estrelas-do-mar.
Também têm a mesma sensação?

É maravilhosa.
Todas as plantas o são.

Não existem plantas feias...!
Concordam agora?

A "Medusa"

Esta planta faz-me lembrar a Medusa.

Mais uma salva do lixo.

Estava suja, ressequida e maltratada.

Mas viva!

Não sei o seu nome, mas creio que é uma suculenta.

Alguém sabe como se chama?



Nesta foto, depois de uma boa limpeza e rega, e já instalada num cesto de verga.

Mais uma para se juntar à minha interminável colecção de plantas recuperadas do lixus...

Salva do lixo

Mais uma náufraga que gritou por mim, e consegui descobrir num sítio onde jamais seria vista.

É incrível as coisas que conseguimos "ver" sem usar os olhos.

Às vezes, acho que as plantas são como as pessoas; quando estão feias e maltratadas, ninguém lhes liga, e são rejeitadas como se de um lixo se tratasse.

E quando estão bonitas e radiosas, de repente, já começam a ser visíveis e desejadas.

Em boa verdade vos digo... esta planta será grande, forte e linda. Eu já a vejo assim.

Dêem-me apenas alguns meses, e verão o mesmo que eu (aguardem pelo post!).

Agora, deixem-me exercer a minha magia...