Brinquedos antigos

Quem é que se lembra deste post...?
O boneco antigo que vinha dentro do baú foi escrupulosamente limpo e esteve durante cerca de 1 ano na minha sala (é... o tempo voa!).

Mas, coitado, toda a gente tinha medo dele! Diziam que parecia assombrado.
Até que um dia peguei nele e guardei-o. Mas ele já estivera fechado durante demasiado tempo, e não era justo que voltasse a cair no esquecimento.

Então, decidi mudar o seu destino, e levá-lo para um lugar onde fosse verdadeiramente valorizado e apreciado: o Museu do Brinquedo. E lá foi!

Segundo os especialistas do Museu, ele já tem mais de 80 anos.
Está, neste momento, na oficina de restauro, para que depois encontre o seu lugar no sótão das bonecas, ou faça parte das exposições itinerantes (jamais imaginou ele, depois de tantos anos esquecido num baú, que ainda havia de passear muito!).

Deixo, desde já, o meu agradecimento público ao Museu do Brinquedo pelo carinho com que receberam o boneco.

Ofereceram-me uma visita livre e autorizaram-me a fotografar, permitindo, assim, que os leitores que me acompanham de longe apreciem os encantos dos brinquedos antigos através dos meus olhos. Muito obrigada pela gentileza, Museu do Brinquedo!


Comecei a visita no 3º andar, o sótão das bonecas, onde vi os mais lindos e encantadores brinquedos de sempre.

Vejam os fogões, o frigorífico, as loiças, as bonecas de trapos...









Esta velhota era muito engraçada.
E as panelas... ai, as panelas...












Olhem só as loiças! E o louceiro...!
Não dá vontade de ser criança de novo?

















O chá das bonecas. Todas tão giras!









Aqui, os bebés pequeninos. Tudo minúsculo e absolutamente perfeito.











Fiquei apaixonada por esta cómoda com toalha de rendas e as escovas antigas.

Os brinquedos eram feitos com uma mestria, uma perfeição...







Mobília alentejana pintada à mão. Apeteceu-me endireitar aquela vela, mas tudo está dentro de vitrines.










Casa de bonecas do séc. XVII. Antigamente, os brinquedos eram muito mais interessantes.








Bela e misteriosa.
Estava lá bem ao fundo, mas não escapou ao meu olhar.














Este rapaz que passeava o cão parecia vivo.
Um brinquedo cheio de personalidade.
















Era o meu grande sonho de infância... uma casinha de bonecas assim, cheia de pormenores.











O piquenique das bonecas. Com todos os detalhes, cheios de "frufrus" e delicadeza.













Baldes da praia e regadores em metal. Dariam belas peças de decoração vintage, não é?















Recriação de um cenário de praia.














Olhem tanta bonecada gira!
Passei uma boa meia-hora a contemplar.
Gostei muito da que estava no topo, à esquerda, com a roupa azul. Não é linda?











Bonecos alemães e franceses.
Cheios de magia...










Que máximo as bonecas-almofada com ar malandro e sorridente!

E notem a boneca de saia castanha, à direita, com as mãos sobre o peito. Tão querida.







Instrumentos musicais!









Para não dizerem que não pensei nos leitores-meninos...
Motas de lata cheias de cor e movimento. No 2º andar.







Centenas e centenas de Dinky Toys...











Esta carruagem pertenceu ao Rei D. Manuel. Foi achada dentro de uma cómoda vendida num leilão.








Carruagem com bonecos, cheia de detalhes deliciosos.










Uma boneca num triciclo.

















Eh, tanta cangalhada! Esta foi uma das vitrines que mais apreciei.
Bonecos, loiças, máquinas de costura... eu sei lá!






De tudo o que vi, esta bonequinha triste no baloiço foi a minha preferida.

Fiquei encantada com ela. Não me canso de contemplar a sua foto. Queria tê-la...!












Olhem só as loicinhas antigas, em miniatura! É uma delícia o pormenor com que eram feitas.








Novamente a pensar nos leitores-meninos: comboios!












Terminamos a visita com estes viajantes cheios de determinação que achei um encanto.






Ficaram tantas fotografias por tirar...