O maior luxo... ao alcance de todos

Vamos simplificar...

Sinceramente, para que serve ter umas 5 almofadas a decorar a cabeceira da cama, se todas as noites temos o trabalho de tirá-las para dormir?, e, de manhã, toca a colocar tudo lá outra vez? Para quê, alguém sabe?

O lado masculino e prático em mim diz-me que isso só serve para perder tempo, ou para impressionar as visitas. Ou para ficar bem nas fotografias das revistas, sei lá.

Cá em casa, isso não se pratica.
O quarto serve para repousar (além de outras coisas não mencionáveis neste blogue familiar), não para receber visitas.

Por isso, a cama está sempre igual. Dispenso os rococós decorativos, a favor de apenas 2 almofadas: as que usamos para dormir.

O maior luxo que existe na minha vida (logo a seguir aos longos banhos de água quente) é, na hora de deitar, apenas precisar de levantar um bocadinho as roupas da cama, e deixar-me escorregar lá para dentro. Seguido de um longo e grato suspiro. Ah.....

Não preciso de mais nada.
A simplicidade e praticidade constituem, para mim, o derradeiro luxo.
Uma cama pronta a utilizar faz-me muito feliz.

7 soluções para dormir bem (parte 1)

Sente que não está a descansar o suficiente à noite?
De manhã, acorda já cansado? E rabugento, que já ninguém o atura?
Tem pesadelos recorrentes?

Se respondeu "sim" a, pelo menos, uma destas perguntas, então talvez isto lhe interesse. Passamos um terço das nossas vidas a dormir, logo, o local onde descansamos e nos regeneramos é de extrema importância. Risque os seguintes itens da lista de medidas:

1. Mantenha o quarto limpo e arrumado. Não tenha qualquer dúvida que dormir num quarto desarrumado e cheio de tralha interfere com o seu descanso. Não se esqueça de fechar as portas do roupeiro durante a noite.

2. Evite aparelhos eléctricos no quarto. Os aparelhos eléctricos geram um campo electromagnético que "polui" energeticamente o ambiente e prejudica a sua saúde e o descanso. Nada de telemóveis, computadores ou televisões! No meu quarto, apenas tenho candeeiros e um despertador que está o mais afastado que consegui da cama.

3. Sapatos não entram no quarto. Os sapatos transportam sujidade física e energética vinda da rua e de todos os sítios onde anda.

4. Tire os "monstros" de baixo da cama. É mesmo verdade que existem monstros debaixo da cama: são as suas tralhas! Não deve existir nada a não ser ar debaixo do sítio onde dorme.

5. Sacuda os cobertores e coloque as almofadas a apanhar Sol. Sempre que puder.

6. Coloque o colchão à janela. Não basta aspirar o colchão e virá-lo com regularidade. O colchão precisa de respirar, de apanhar Sol, para renovar a energia.

7. Areje o quarto todos os dias. Assim que acordar, abra a janela e deixe que o Sol entre e o ar se renove. Dormir num local com pouca qualidade de ar fará com que o afluxo de oxigénio ao cérebro seja pobre e se sinta sempre cansado.

Depois disto tudo, só me resta desejar-lhe bons sonhos!

[Parte 2 para breve!]

Sob os auspícios de Morfeu,
Hazel

Amuletos para bons sonhos

Num post antigo, dei vários conselhos para as pessoas que sofrem de pesadelos.

Matéria que domino; os pesadelos foram uma constante nas minhas noites por mais de 10 anos.

Felizmente, extinguiram-se, e há muito tempo que o meu sono é tranquilo e regenerador.

Hoje quis partilhar convosco os meus pequenos amuletos de sonhos felizes, que sempre tenho pendurados no candeeiro do meu lado da cama.

Vêm a concha vermelha dentro do círculo preto, com fios pendurados? É um caçador de sonhos.

Quando o penduramos sobre a zona onde dormimos, os maus sonhos são detidos pelos nós e missangas da teia, enquanto que as penas permitem que os bons sonhos fluam.

O caçador de sonhos é um mandala de cura muito antigo, criado pelos xamãs nativos norte-americanos. Eu acredito no seu poder. E já tenho o meu há muitos anos.

A primeira vez que dormi com o caçador de sonhos, recebi avisos que modificaram o curso da minha vida. Tornou-se um grande aliado.

Penduradas no dossel, estão duas pequenas almofadas de tecido branco, feitas por mim.
A grande está cheia de alfazema, que é uma planta mágica com propriedades calmantes e purificadoras. Perfeita para colocar no quarto! E cheira muito bem.

A almofada pequena contém arruda (toda a bruxa que se preze...!) - outra planta com fortes poderes mágicos. Serve para afastar as coisas negativas e os maus espíritos.

E um anjo de prata muito antigo. É tão pequeno que mal se consegue ver na foto - está por cima da almofada maior. Protecção e embalo...

Não dispenso os meus amuletos de bons sonhos.
Todos funcionam em pleno.

Hospital de Corações


ACABEI DE INVENTAR  ESTE NOME. Quem está doente do corpo vai para o hospital “comum”, quem está doente da cabeça vai para o hospital psiquiátrico e quem está doente do coração vai para o Hospital de Corações.

É um edifício semelhante aos outros por fora, mas com pessoas mais simpáticas e cuidadosas. Todo o staff usa sapatinhos de lã, roupa colorida e também faz parte do equipamento um medidor de dores de coração em vez do vulgar estetoscópio. Neste serviço curam-se mágoas, angústias, tristezas e desgostos de amor.

Os corredores são forrados de algodão até ao tecto e o chão tem relva macia e perfumada. Nas enfermarias, os pássaros trazem gotas de madressilva no bico que vão depositando mililitro a mililitro nas feridas expostas. Aqui o Betadine não tem serventia.

Os pacientes magoados são aconchegados em lençóis de asa de pássaro e fecham os olhos durante muito tempo até se sentirem capazes de voltar a abri-los sem perigo de desidratação devido aos ribeiros que deles transbordam em águas contaminadas. É preciso limpar, secar, repousar e, acima de tudo, abrandar o ritmo dos batimentos cardíacos que cavalgam desenfreadamente pelos campos pedregosos da dor.

Na hora das refeições, serve-se tempo em modestos tabuleiros. Puré de tempo com escalopes de tempo, salada de tempo e, para beber, tempo espremido. Os pacientes não gostam do cardápio, mas é o único que realmente pode ajudar. A dieta do tempo, além de desinteressante e insípida, ainda tem a terrível desvantagem de ter de ser seguida durante muito tempo.

Não existe roupa para os pacientes no Hospital dos Corações. Andam nus, despojados de tudo o que possa causar ainda mais peso para além daquele que já transportam. Apenas as asas de pássaro servem de agasalho nas noites mais frias e solitárias, onde se ouve o eco do choro e o gemido da dor abafado nas almofadas. Mas há-de passar, tudo passa um dia, com a ajuda do Doutor Passarinho. Ei-lo a entrar agora no gabinete de medidor de dor de coração pendurado no bico para auscultar mais uma paciente que acabou de dar entrada.

Chama-se Hazel e vai ficar na cama cinco, junto à janela. Um bando de pássaros-enfermeiros faz-se acompanhar dos auxiliares em sapatinhos de lã para ajudar a recolher as águas que lhe escorrem dos olhos. A cura vai demorar. Submetida à dieta do tempo, a paciente debate-se e implora por uma anestesia geral ou a eutanásia, mas ambas lhe são recusadas. Terá de aguentar. Terá de conseguir.

O arcano Três de Espadas diz-nos que por muito que doa, um dia tudo acabará por passar. Quando? Não sei. Mas não pode haver tempestade que dure para sempre.

Hazel
Consultas em Cascais, Oeiras e online
Tarot | Reiki | Regressão | Reprogramação Emocional | Terapia Multidimensional
Marcação: casaclaridade@gmail.com

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1688
foto: Comfreak, licença CC0