Difícil de entender, difícil de explicar | Casa Claridade

16/03/12

Difícil de entender, difícil de explicar

Eu não venho com um livro de instruções. Não sou fácil de entender e também não me é fácil explicar-me. Nunca serei totalmente de ninguém.

É preciso terem a serenidade necessária para conseguirem partilhar-me com a minha solidão.
Preciso de ir para depois regressar, como os pássaros que voam livres pelo azul dos céus, para depois retornarem aos parapeitos das janelas soalheiras.

A solidão não é uma coisa má, e só pensa isso quem não se sente confortável consigo mesmo. Eu gosto muito de mim. Preciso de estar comigo, conversar comigo, saber a minha opinião sobre os mais diversos assuntos e até pedir conselhos a mim mesma. Acho que posso mesmo dizer que sou a minha melhor amiga.

Sou uma viajante que se desloca continuamente entre os dois mundos, o meu, e o das restantes pessoas. Gosto de ir, e encontrar-me lá à espera de mim. E é nestas viagens que faço sem transportar bagagem, que mantenho o equilíbrio e a alegria de viver.
Eu disse que não era fácil entenderem-me.

Beijos introspectivos,
Hazel