Fadas, Pássaros e a Donzela-sem-nome

domingo, janeiro 31, 2016

A noite é a senhora de todos os sonhos e pesadelos, assombros, deslumbramentos e horrores; guardiã das criaturas misteriosas, negras, doces e venenosas. As árvores assumem silhuetas sinistras e observadoras com braços magros que se alongam infinitamente para agarrar os mais incautos. 

O gemido dos fantasmas que se deslocam através da neblina ecoa com a aragem fria e insinuante que serpenteia nos pescoços alvos e nus, onde o sangue quente lateja nas veias e atiça o apetite sôfrego dos vampiros, que escorrem saliva de desejo. O medo pressente os movimentos subtis, apenas perceptíveis pelo olhar vigilante da coruja. 
A loucura anda à solta de mãos dadas com as almas penadas.

Quando o último grão de areia desliza pela ampulheta, o vento muda de direcção e todos os círculos abertos na areia da praia se unem num só, criando uma passagem onde a cortina da realidade se desfaz. Os pássaros já o haviam pressagiado quando forraram o tecto do céu tornando o dia noite, em resposta ao chamado dela

O veludo negro das horas nocturnas é trespassado pela luz delicada que se faz soberana abrindo caminho através das trevas. As árvores voltam a endireitar os ramos que perseguem quem foge e todas as criaturas tenebrosas se dissolvem como fumo no ar. 

Tudo se encontra suspenso, cristalizado no tempo. O silêncio denso que a envolve e a clara percepção de uma presença sobrenatural que a observa de perto despertam-na do sono. 

Senta-se na beira da cama, os cabelos escorrem como serpentes adormecidas nos ombros despidos e o olhar húmido prende-se na beleza translúcida e hipnótica de duas fadas envoltas num halo de luz etérea que se deslocam através do ar, ao seu encontro.

A donzela-sem-nome sucumbe 
inebriada de magia numa doce espiral de oblívio que ascende deixando para trás absolutamente tudo o que conhecia deste mundo. 
Quem tem um encontro com as fadas, morre e volta a nascer meio-humano, meio-feérico, sem jamais esquecer o que viu. Nunca mais se volta a ser o mesmo. 

A ponte de arco-íris entre este mundo de prazeres vãos e o outro de luz, claridade e silêncio, uma vez traçada, mantém-se para sempre. E as fadas regressam, em sonhos, para sossegar o medo de imaginar que são delírios ou sintomas de insanidade e, assim, confundir o ego demasiado frágil para admitir que elas são tão reais quanto uma partícula de ar: leves, flutuantes, subtis, inalcançáveis e, contudo, verdadeiras.

Neste pacto selado pelo amor e sem que alguma palavra houvesse sido proferida, estabelecido para toda a eternidade entre a donzela-sem-nome e as duas fadas, estas estenderam o seu halo de luz em seu redor, coroando-a com ervas e flores e tornando-a a terceira fada. E os anos passaram mais devagar para ela do que para as outras pessoas, mantendo sempre uma aparência mais jovem do que a idade, que se perdeu nos confins do tempo.

Desde então, as mãos delicadas e translúcidas das fadas desataram nós na teia-de-aranha, enviaram serpentes guardiãs que rastejam invisíveis em torno da donzela-sem-nome, sempre fiéis e vigilantes, e os seus lábios de néctar de madressilva sussurraram-lhe palavras sem som, que apenas podem ser escritas, mas nunca faladas.

Quando a noite regressa com os seus assombros, demónios e outras criaturas tenebrosas, as fadas estão sempre no intervalo dos caminhos. Às vezes, surgem luzes azuis na ponta dos dedos da donzela-sem-nome, e à sua volta. Um dia, ela resolveu escrever para recordar quando os anos ultrapassarem a distância da memória. 


Sobre as asas das fadas,
Hazel

PODERÁ TAMBÉM GOSTAR DE LER

1 COMENTÁRIOS

Obrigada pelo seu comentário ♥