Bigodinho retorcido e olhos malandros

quinta-feira, novembro 24, 2016



Uma gota de água gelada escorria lentamente ao longo do copo alto de vidro. Aníbal, de bigode negro retorcido, ria-se com gosto e semicerrava os olhos de mafarrico com as piadas atrevidas da menina Ivone; baixinha, roliça, de vestido rodado com flores estampadas e cabelo castanho, era a graça em pessoa. Ai menina Ivone, menina Ivone, você tira-me do sério, ronronava Aníbal. Ela ria-se. As velhinhas na mesa ao lado abanavam os leques com indignação ante a pouca-vergonha que se passava ali, aos olhos de todos, espalhando no ar uma nuvem de cheiro a naftalina e a perfume que já passou o prazo de validade.

Os dois cubos de gelo ficaram a dançar em espirais no copo de Ginger Ale, bebido até meio. De mão dada e passo apressado, Aníbal do bigodinho retorcido e a menina Ivone saíram sem olhar para trás, movidos pelo arrebatamento que urge ser saciado. Um dos leques inquisidores caiu ao chão, fazendo o empregado tropeçar quando se aproximou da mesa para conferir se a conta foi paga. As marcas de batom rosa-quente riam-se provocadoras no guardanapo abandonado.

Ai Aníbal. Ai menina Ivone. Os ais sucediam-se à medida que a roupa lhes ia desaparecendo dos corpos e os dois se entrelaçavam no sofá da sala, aconchegados pela colcha de patchwork onde se manteve enroscado o gato Tareco que viu, aos solavancos, tudo o que a natureza tem de mais cru, belo e escandaloso.

O candeeiro no tecto da vizinha de baixo, que era viúva e muito religiosa, dançava de um lado para o outro. Benzeu-se enquanto suspirou de saudades do falecido, que nunca lhe faltou nos deveres matrimoniais, apesar de ter a mania das limpezas e uma obsessão por números ímpares. Sabia a abençoada senhora que era sempre uma vez, três, ou, em dias de festa, cinco vezes.

No andar de cima, o vestido da menina Ivone tinha voado sobre o abat-jour de franjas, as calças de Aníbal jaziam no chão e os dois tinham percorrido todo o glorioso caminho desde a entrada até às catacumbas da existência humana.

- Sai da frente! Olha para este, deve ter a mania que é taxista em Lisboa.
- Com licença, abram alas, se faz favor.
- Olha lá, eu estava primeiro, julgas que és mais esperto que os outros?
- Os cães ladram e a caravana passa!

E foi assim que o espermatozóide mais rápido passou à frente de todos, porque não parou para perder tempo a discutir.

Trinta anos depois, Frederico - Fred para os amigos - o espermatozóide feito homem, estava a dirigir o seu próprio negócio, uma startup hipster na área das telecomunicações. Aníbal deixou de usar bigode, mas mantinha o mesmo olhar malandro. A menina Ivone, agora de cabelo grisalho e curto, passava as tardes a fazer colchas de patchwork que vendia nas feiras de artesanato por bom dinheiro. E todos eles foram um dia o espermatozóide mais veloz, o vitorioso.

Esta semana, o arcano Seis de Paus recorda-nos o segredo para vencer todos os problemas, batalhas e corridas: não perder tempo a discutir ninharias e seguir sempre em frente, sem olhar para trás!

Hazel
Consultas em Oeiras e online

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1608
foto: Nat Farbman

PODERÁ TAMBÉM GOSTAR DE LER

5 COMENTÁRIOS

  1. Olá :) Enviamos um convite para o teu email.
    Contamos contigo? :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá! Não recebi nenhum email vosso. Poderiam, por favor, reenviar para: casaclaridade@gmail.com

      Obrigada

      Eliminar
    2. Podes por favor confirmar no spam? Pode ter ido para lá :)

      Eliminar
    3. Não encontro nada. Podem reenviar?
      casaclaridade@gmail.com

      Eliminar

Obrigada pelo seu comentário ♥