É preciso ter tomates

quinta-feira, julho 27, 2017


1. Nasceram-me dois tomates. Que orgulhosa fiquei do reluzente e tentador par que se me insurgiu por entre os arbustos viçosos. Todas as manhãs os contemplava com regalo desejando que crescessem mais, mas os velhacos eram de raça pequena.

Acabei por comer um, o outro dei-o ao meu gaiato. Como nunca antes tinha tido tomates, não soube o que fazer quando uma praga de insectos me fez murchar o tomateiro. Rais’parta. Desmoralizada, deitei tudo fora e tirei os tomates da cabeça que, mau grado o sumarento fracasso agrícola, constituíram saborosa e tenrinha aprendizagem.

2. Transviada nos rigores matematicamente exactos e frios dos números, suspirei durante anos pela elasticidade das hipérboles, a delicadeza dos eufemismos e o encanto fantástico das prosopopeias. 

Traí as folhas quadriculadas com os cadernos de linhas quando reuni uma lista das editoras em Portugal. Enviei candidaturas para todas. Foram centenas. Sem qualquer cunha ou experiência comprovada na época; apenas cara-de-pau e a fé de que tinha de haver um lugar para mim no mundo das letras, mesmo que fosse na última fila. Uma editora respondeu. Após traduzir algumas páginas de teste em inglês, recebi o meu primeiro trabalho: realizar a revisão da tradução de um livro inteiro, que concluí antes do prazo previsto. Foi a primeira semente de várias frutas que vim a colher.

3. «Tens de plantar tomates», disse. A minha amiga, incrédula com o inusitado conselho espiritual, continuava a lamentar-se que já não suportava o emprego onde trabalhava há mais de vinte anos (e do qual não saía porque achava que não valia a pena procurar outro). «Devias plantar tomates», insisti. Às vezes, falo por parábolas como o outro hipster barbudo que tornou o esqui aquático um desporto bíblico.

Plantar tomates é uma experiência de valor incalculável pela qual todos deveriam passar. Ora, passo a explicar: é necessário comprar um vaso ou floreira espaçoso. Depois, vários litros de terra. Da boa, claro — não sejam sovinas. Por fim, em qualquer mercado local se pode adquirir por pataca-e-meia um pé de tomateiro para plantar. 

Trazemo-lo para casa e depositamo-lo na terra com amor e esperança, como quem aconchega um bebé nos lençóis. Certificamo-nos que o tomateiro recebe boa luz solar. Regamo-lo frequentemente. Espetamos um pau comprido onde o tomateiro se possa apoiar à medida que for crescendo (homessa, o Quim Barreiros é tolo se não aproveitar esta frase para um dos seus êxitos de Verão.). Cuidamos e vigiamos; os tomates acabarão por nascer.

Esta semana, o arcano Valete de Ouros diz-nos que não podemos ter tomates se não plantarmos tomates, e às vezes é preciso ter tomates para os plantar. Os lamentos não fazem nascer tomates, mas mais razões para lamentar. Plantando, tudo dá.

Hazel
Consultas em Oeiras e online

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1642
Foto: Os próprios, os meus tomates

PODERÁ TAMBÉM GOSTAR DE LER

2 COMENTÁRIOS

  1. Sou testemunha que: se plantando tudo dá! Foi assim que comecei a minha plantação de lavandas... tudo começou com o seu açúcar aromatizado de lavanda, lembra? Tinha que ser sem agrotóxico... aí, só plantando... um bom domingo, beijos!

    ResponderEliminar

Obrigada pelo seu comentário ♥