O Twist do Fundão


«Está com sorte, ainda há dois lugares livres», grasnou o senhor da bilheteira em voz laringofaríngea, «ficam é ao fundo». Entrei no autocarro já com o estômago embrulhado enquanto levava à boca um comprimido Vomidrine que engoli com um resto de água já tépida. Enfiei as malas no compartimento superior.

A placa que indicava a saída do Fundão passava ao meu lado, seguida das árvores que corriam à beira da estrada, os postes de electricidade onde os pássaros compunham pautas de música e as flores nas varandas que acenavam em despedida.

Nem dez minutos tinham passado e já estava disposta a vir a pé até Lisboa. O meu almoço subia e descia pelo esófago, qual teleférico do Parque das Nações. Ainda há quem acredite que a Terra é redonda. Pois nem redonda nem plana, ficais vós a saber. Garanto-vos que o planeta Terra é uma gigante espiral, tal como as molas das canetas de pressão, que se sobe quando se viaja ali para os lados do Fundão e desce quando regressamos a Lisboa — percurso este, acompanhado pelo estômago e seu conteúdo que dançam desencontrados em passo de twist, com luzes psicadélicas.

O motorista conduzia como um louco, ou como alguém a quem teriam sido diagnosticadas duas semanas de vida e, portanto, não havia muito a perder naqueles altos e baixos da Cova da Beira.

Tacteei nos bolsos por um singelo saco de plástico ou um portal espaço-temporal que me livrasse daquele tormento, mas apenas encontrei os bilhetes já amarrotados e um mísero lenço de assoar. Uma gota de transpiração escorria na parte de trás do pescoço.

À minha frente, pareceu-me ver os dois homens que estavam sentados — «Ai mais uma curva, agora é que é», mas sustive o vómito com um auto-controle olímpico — escorregarem pelo banco para colocar as cabeças a salvo, tão indefesas e asseadinhas, abençoados, do refluxo de pizza quatro-estações, mousse de chocolate (mal empregue) e café. Raios partam o Vomidrine, que não fez efeito.

Encolhi-me e aguentei o melhor que pude, entre solavancos e travagens indutoras de fazer o estômago vir parar-me às mãos. Havia de apresentar queixa do motorista. Aquilo não se fazia, transformar um autocarro no tambor de uma máquina de lavar roupa em centrifugação. Aliás, quando saísse, iria mandá-lo para o pénis. Até havia de lhe deixar cair a mala de viagem em cima dos pés — e não ia pedir desculpa. 

Ah grande velhaco, que lhe enfio o guarda-chuva no, olha, será que vi bem, ou é isto uma alucinação causada pelos ácidos gástricos? Lisboa. Ah Lisboa boa. Ai, finalmente cheguei. Ai obrigada, senhor motorista, Deus-Nosso-Senhor o cubra de bênçãos. Estive quase para beijar o chão, onde entretanto já desaguava um rio de vomitado e desespero de outras duas passageiras dobradas para a frente com as mãos apoiadas no autocarro.

Esta semana, o arcano Dois de Ouros mostra-nos que a vida às vezes sacode-nos, tira-nos a terra, o equilíbrio — e até a lucidez. Sentimo-nos como um par de calças de pijama às voltas dentro de uma máquina de lavar com uma perna enrolada nos lençóis e a outra sugada pelas toalhas de banho. Perdemos o chão. Mas não podemos perder a cabeça.

Hazel
Consultas em Oeiras e online

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1643
Foto: StockSnap, licença CC0