Coisas fixes que já quase toda a gente fez, menos eu.


Eu nuncaaaaaa...

... fui às festas dos santos populares de Lisboa. Mas gostava. Sardinhas, vinho e bailarico incluídos!

... dancei à chuva. Acho que há previsões de precipitação para daqui a duas semanas.

... fui ao Porto. Já estive várias vezes para ir, mas houve sempre algum imprevisto. Será que o Porto não me quer? Riscado! Feito em 30 de Maio de 2016.

... ​comi percebes. Os "understands" são esquisitos e, aparentemente, difíceis de encontrar, mas deliciosos, segundo aqueles que já provaram. Parecem patinhas de monstros marinhos, que se chupam. iaics!, que macabro. Mas não se pode ficar na ignorância.  Riscado da lista! Feito em 5 de Maio de 2016.

... fingi ser uma turista e visitei Lisboa. No Verão, de chapéu de palha e máquina fotográfica pendurada ao pescoço, pelas colinas, elevador da Bica e com passeio de eléctrico.

... fui à Feira da Ladra. Logo eu, que gosto tanto de ver tralhas e velharias. Quero mesmo ir, antes de eu própria me tornar uma velharia.

... fiz uma aula de Ballet. Mas ainda é tempo de experimentar. Não sei é fazer um carrapito com o cabelo.

... fiz Yoga na praia ao nascer do dia. Nem Yoga, nem nada, agora que penso bem!

... lavei o cabelo num rio. Nesta, não devo ser a única a dizer nunca. Mas é algo romântico que sempre quis experimentar (até levo o shampoo e condicionador comigo! Ah!).

... fui a uma reunião da Tupperware. Vamos manter isto assim.

... fui a um cinema drive in. Isso faz-me sempre lembrar os filmes americanos, onde os jovens imberbes faziam marotices no banco de trás do carro enquanto "viam" o filme. E quem está aqui a julgá-los. Eu não.


Fazei também a vossa lista, senhoras e senhores. E sonhai sonhos pequeninos; pois é nos pequenos momentos que encontramos a felicidade.

Regressarei a este post para riscar os itens da lista que concretizar!

À espera da chuva (ou dos percebes - whatever comes first),
Hazel

Faróis de Nevoeiro : Atravessar a Metade Escura do Ano.


Nos tempos antigos, dividia-se o ano em duas metades: a metade clara e a metade escura. Duas partes opostas que os Deuses costuraram usando a linha do Equador.

Na metade clara do ano, tudo é luz, expressão e expansão. O horizonte sem fim, sob o vôo planado das aves migratórias que estendem as asas aquecidas pelo Sol, é tão nítido e límpido quanto a certeza no amanhã. Como é fácil sonhar e alimentar a esperança quando conseguimos ver o que está mais à frente.

As tardes caleidoscópicas do Verão seduzem-nos com a ilusão da eternidade, mas a espada de vento frio do cavaleiro-negro-Inverno acaba por roubar-nos o calor e a luz. Perde-se a clareza do horizonte oculto pela névoa, para que o procuremos - assim como tudo o resto - dentro de nós.

Quando não vemos o que está à frente, receamos. Duvidamos. E está bem assim.
É preciso recear e duvidar, para desafiar as certezas. E é preciso ter certezas para confrontá-las com a dúvida e o receio. Algures no meio da viagem, estará a linha do Equador, o meio do espelho.

Mergulhamos no lago sombrio da metade escura do ano, onde a luz fraqueja e as águas gelam. O silêncio das pedras, outrora aquecidas pelo Sol de Verão, dá lugar ao lamento do frio que se agasalha com um manto de musgo verde.

Não há como fugir à sombra para viver num eterno Verão. Se assim fosse, o ciclo de renovação da Natureza cessaria. Deixaria de existir a morte que antecede o renascimento. E morrer não é fácil. Dói muito.

Acabamos por sucumbir para tão logo renascer na divina fracção de segundo em que compreendemos que lágrimas são a chuva do Inverno da alma que vem para regar a terra, escorrendo através das folhas secas das certezas caídas, e alimentando as árvores que se elevam numa nudez tão crua e delicada como aquela em que nos encontramos perante o espelho de nós mesmos.

Retornaremos à luz após atravessarmos o vale das sombras. Os atalhos, horizontes e candeias perdem-se ao longe no nevoeiro como ecos difusos do pensamento. Nesta estação dada à introspecção, preservemos, assim como a semente que aguarda nas profundezas da terra, o silêncio e a paciência, e confiemos na alquimia que transforma o quase-nada a que nos rendemos na promessa do que está para vir com o regresso da metade clara do ano.

Na linha do Equador,

Hazel

Uma página solta no diário de uma mãe


O meu filho este ano anda na mesma escola onde estudei. No dia da apresentação, não pude deixar de sentir uma certa estranheza quando pensei: agora venho aqui como mãe, não como aluna. Senti-me como o Marty McFly, numa viagem ao futuro, ao ver-me, agora crescida, e com um filho pela mão.

Uma mãe -  contudo - que ainda ouve os AC/DC alto, toca uma guitarra eléctrica imaginária e tem uma tatuagem no braço. A tradição já não é o que era, graças aos Deuses. A-ha!

De vez em quando, ainda sonho que estou atrasada a caminho da escola, subo as escadas a correr, entro na sala de aulas onde está a decorrer um teste escrito para o qual não estudei, e acabo por não conseguir fazê-lo, porque já terminou o tempo. Há mais de 20 anos que tenho sempre o mesmo sonho, na mesma sala.

Depois da escola ter sido demolida e reconstruída, tinha alguma curiosidade em ver como são as salas de aula agora, em pleno séc. XXI.

Quando entrei para a apresentação, durante uma fracção de segundo, o mundo parou.
Era exactamente a mesma sala de aula dos meus sonhos.
Que momento twilight zone! Quão estranho é isto? Ainda não estou em mim.
Apetecia-me dizer a toda a gente: "Hey, esta é a sala com que tenho andado a sonhar nos últimos 20 anos! Já posso acabar o raio do teste?"
Mas não vou envergonhar o meu filho já no começo do ano lectivo.

Agora tudo é controlado através da internet, palavra desconhecida no meu tempo.
Os quadros negros de ardósia onde se escrevia com giz deram lugar a imaculados quadros brancos, com projector de imagens ligado ao computador do professor.

(Onde terão ido parar as centenas e centenas de quadros de ardósia que havia pelas escolas do nosso país todo, alguém sabe?)

Já ninguém passa bilhetinhos por baixo da mesa. Os telemóveis proliferam. Pergunto-me se ainda se escreverão mensagens nas portas das casas-de-banho. Provavelmente, não.
Quem é que precisa de uma porta para escrever, quando existe o facebook? Haha!

Os alunos alinham-se em fila sobre uma risca branca pintada no chão e seguem ordenados para a sala de aula atrás do professor. Não sei como me sentir em relação a isso. Por um lado, compreendo a necessidade de organização, por outro, pareceu-me ter ouvido uma voz longínqua cantar dentro de mim o refrão "All in all, you're just another brick in the wall".

O primeiro passo para a formatação requerida por uma Sociedade onde tudo deve ser ordeiro e obedecer a um estereotipo ideal. Talvez seja eu que sou uma bota-de-elástico, por ainda sonhar com o Peter Pan e a Terra do Nunca, onde não existem linhas rectas, mas vôos em espiral. Perdoem-me pelo desalinhamento.

Curiosamente, desde o dia em que vi materializada a sala que visitei em sonhos durante mais de 20 anos... nunca mais sonhei com ela.

Ao som de Pink Floyd,
Hazel

Com os Parafusos todos bem Apertados

O calor do momento são as engrenagens da vida em sobreaquecimento, por estarem há demasiado tempo a rodar na mesma direcção. Ferro escaldante que bate contra ferro incandescente num movimento já gasto, estafado, mas demasiado célere para conseguir travar.

Um grão de areia que cai no ponto certo de ebulição faz saltarem faíscas e provoca explosões, emoções e palavras corrosivas que queimam e derretem o metal.

As engrenagens fumegantes perdem velocidade. O fumo preto risca o céu azul matutino.
Tudo se desencaixa, tudo se desmonta. Inúmeras peças pequeninas que se soltaram rodam pela rua fora, sem destino. O metal estala de alivio ao arrefecer.

Silêncio.

A máquina da vida, que é perfeita, volta a ser cuidadosamente aparafusada por hábeis e pacientes mãos. O vento sopra morno e as engrenagens recomeçam a rodar, desta vez, numa direcção diferente.

O monstro obsoleto onde o cotão se empastava em óleo queimado e malcheiroso é agora uma primorosa reinvenção steampunk, onde as rodas dentadas giram reluzentes com o ritmo da música. No calor do momento, mudam-se destinos.

No centro da roda dentada,
Hazel

Mensagem numa Garrafa


Tenho um caderno velho que me acompanha sempre. É o meu caderno das ideias.
Escrevo muito lá, mas a maior parte dos meus gatafunhos nunca chega a sair do papel. Alguns, estão há anos entregues ao esquecimento, entalados entre a página anterior e a seguinte à espera de um dia ganharem vida ao serem lidos em voz alta.

No outro dia, levei o caderno para a praia, não fosse dar-se o caso de me surgir uma ideia luminosa como as tardes de Agosto e precisasse urgentemente de anotá-la antes que alguma nuvem trapaceira a levasse. Escrevinhei umas frases soltas, que me iam nascendo saltitantes e aleatórias como as pulgas-da-areia.

As ideias acabaram por fugir com a corrente para longe, e eu resolvi mergulhar no fundo do mar e reler os apontamentos que estavam para trás no meu caderno. Foi quando encontrei algo que um dia escrevi para mim, com o objectivo de ser uma espécie de mensagem numa garrafa, enviada pelos mares do tempo para o meu próprio futuro, caso um dia precisasse de um mapa de tesouro que me trouxesse de volta a mim mesma.

Dizia assim, a minha mensagem na garrafa:

O meu vazio é a minha sombra. Às vezes, tenho de me encontrar com ele.
Faz parte de mim também. Neste vazio, onde tudo cabe, posso ser tudo o que eu quiser. Posso fazer tudo o que eu quiser. Porque sou livre. Enfim, livre!
E, para ser feliz, preciso de salpicar este vazio com umas pitadas ocasionais de:

uma dose de aventura
mistério
riso
alegria
entusiasmo
comida saborosa
vinho tinto
cheiro de terra, árvores e plantas
vento morno
dançar
sonhar
verde, muito verde!
Sol
alongamentos
estudo e descobertas
viajar

Não precisa ser tudo ao mesmo tempo. Nem sei se aguentaria tanta felicidade. Pode ser um destes ingredientes de cada vez.

Quando estiver triste e me esquecer, basta-me vir aqui, e reler a minha mensagem na garrafa.

A velejar ao sabor do vento,
Hazel