A Magia da Noite das Bruxas

As Bruxas estão prontas para a celebração.
As vassouras foram sacudidas, os caldeirões areados e as velas ungidas.

Tudo foi limpo; a casa, as almas e os corações.
Amanhã será um dia cheio de Magia e solenidade.

Dancemos! Abracemos os que nos amam!
Estamos a celebrar o fim de um ciclo da Terra e o começo de outro.
O Sol terminou a sua missão e despede-se. Até breve!, diz ele.

Vistamo-nos a rigor, e preparemos a mesa com os melhores talheres e a mais especial toalha.
Que não faltem as romãs, a sopa de abóbora e milho, e que a nossa ceia seja embalada por música e salpicada de sorrisos.

O véu que separa os mundos estará mais fino do que nunca.
Aproveitemos a conjunção mágica para enviar mensagens de Amor e de Paz para os nossos entes queridos que partiram, e que, nesta noite de magia, virão visitar-nos.

Coloquemos velas do lado de fora das janelas para iluminar o seu caminho.
Na minha janela, haverá velas acesas, para que tenham Luz, penas brancas, para que os Anjos estejam por perto e maçãs, o símbolo da vida eterna.

Desejo a todos os amigos, ouvintes e leitores da Casa Claridade uma "Noite das Bruxas" cheia de Paz e Alegria. Será amanhã, na noite de 31 de Outubro para 1 de Novembro.
Feliz Samhain!
Hazel usou uma luva de cozinha para pegar na aranha.

Tudo o que é pequeno tem graça

Isto nem post é. É um mini-post. Hoje, tudo é pequenino. Porque a magia não está nas coisas grandes, mas nos pequenos detalhes...

Pequenas delicadezas que fazem da nossa vida algo de diferente e especial...

Esta mini-mini-mini-caneca é do L., e está na cozinha.
Ele vai juntando lá dentro as sementes das maçãs que come ao longo da semana.
Quando está cheia, vamos todos a Sintra, o L. leva as suas ferramentas de jardinagem (oferta da tia K.), e planta as sementes num lugar à sua escolha.

Ternuras de um menino de 4 anos... que já plantou mais árvores do que muitos adultos.

Mini-gaita-de-beiços. E toca mesmo. É minha, de estimação, e não entra lá o cuspo de mais ninguém, a não ser o meu.
Foi-me oferecida por um pianista há muitos anos atrás.

Mini-banco de madeira. Oferta do Senhor Lixus.
Está à disposição das Fadas, para quando me quiserem visitar.

Mini-Dicionário da Língua Portuguesa. Não é um encanto?
Apesar de ter outros grandes, consulto-o muitas vezes. Vamos combinar: tem outra graça.

O post termina aqui... Eu bem disse que era "mini".

Gengibre mágico

Esta coisa esquisita e enrugada é uma raiz de gengibre.

O gengibre, pelo seu formato semelhante ao do corpo humano, tem uma grande simbologia e inúmeras aplicações mágicas...

Há quem faça magias de protecção antes de iniciar uma viagem, atando fitas amarelas nas protuberâncias do gengibre, beijando cada nó, e guardando numa caixa.

Há quem o reduza a pó e o queime para atrair o Amor, a Coragem, a Vitória...

Há quem o use nos cozinhados.

Há quem use raizes de gengibre penduradas nas janelas e em jardins para atrair as Fadas.
(pessoalmente, acho que até podemos ter um kilo de gengibre na janela, que as Fadas jamais nos aparecerão se não nos considerarem merecedores de tal privilégio!)

Gosto de gengibre, acho que é misterioso - já é um bom motivo para tê-lo.

O gengibre proporciona-nos sabedoria, coragem, auto-confiança e traz estabilidade às casas onde se encontra. Confere uma aura de protecção.

Esta raiz de gengibre está há mais de um ano na minha janela da sala, e aquele broto no topo nasceu do nada, qual arco e flecha deste soldado da Terra, filho da Mãe-Natureza, vigilante e pronto a disparar com força sobre as más influências vindas de fora.

Xô, más energias! Xôôôôô!!!!

A cozinha da Hazel...

... ou seja, minha!

A minha casa conta histórias. Os objectos falam com quem os observa com os olhos do coração, conversam entre si, e alguns são tão trocistas que até riem baixinho quando passamos por eles.

Venha conhecer alguns deles...



Se desconhece o conceito "Shabby Chic", cá está um bom exemplo:


<- Nota que em algumas partes da cadeira de verga a tinta branca já saiu?
Pois isso é "Shabby Chic"!
(trad. livre: "Desmazelado-Chique"!)

Consiste em assumir as imperfeições dos objectos e o ar desgastado; em não ter tudo novo e perfeito; em apreciar o encanto e beleza das marcas do tempo e do uso.

Não podia deixar passar sem fotografar a barra alfazema desta almofada! Como uma cor sugere tão bem um cheiro... consegue senti-lo?

É uma almofada de quarto que passou para a cozinha, por não ter par e por ser demasiado bonita para ficar escondida numa gaveta.






Olha a vela a condizer!













Este relógio dos Três Porquinhos é-me muito querido.

Comprei-o quando era solteira, há uns 98 anos atrás, a um vendedor ambulante.

E cá está ele, ainda a funcionar na perfeição e a reconfortar-nos com a sua presença mágica.








Tive, durante muitos anos, uma revista de viagens guardada por causa desta foto.

Até que finalmente me lembrei de agarrar numa tesoura e recortá-la para poder vê-la todos os dias, porque me faz bem.

Faz-me sorrir, traz-me boa-disposição e lembra-me que a vida não deve ser levada assim tão a sério.
Não é divertida?

É uma velha cubana, vestida com cores alegres, a fumar charuto, e feliz da vida. Quero ser assim quando for da idade dela. Com ou sem charuto. :)




<- Vê onde coloquei a foto da cubana? Aqui mesmo por cima do fogão, para vê-la enquanto cozinho.



















Boneca de porcelana trazida de Paris.

Infelizmente, passou a minha meninice guardada na caixa, para não se estragar. Por isso, está assim: nova e enfadada.

Pois deitei a caixa fora e restitui-lhe a liberdade! - Ouviste, bonequita? Estás livre!


É realmente muito bonita e delicada.

Tenho que pensar num nome para ela. Alguma sugestão?

Espero que tenham gostado da visita guiada pelo coração da minha casa, a cozinha.

Guia dos Sonhos - T


Tabaco - Mau augúrio. Possibilidade de surgirem problemas a nível profissional, devido a pessoas pouco escrupulosas, que esperam um momento de fraqueza da sua parte para se aproveitarem. Dificuldades nas relações amorosas e familiares, devido à sua personalidade.

Taberna - Lufada de ar fresco na sua vida social. Convites de pessoas interessantes.

Tábua - Se está a serrá-la, significa obstáculos, entraves. Se junta uma tábua a outras, chegou o momento certo para se associar profissionalmente a outras pessoas.

Talho - Bom presságio, se estiver cheio. Se estiver sem carne ou pessoas, terá decepções.

Tangerinas - Lucros.

Tapeçaria - Tecer uma, é um bom augúrio, pois indica que está no bom caminho. Os seus projectos terão sucesso graças à sua dedicação. Se a tapeçaria for grossa e com belos detalhes, indica abundância, prosperidade.

Tapetes - Bem-estar, conforto. Possibilidade de mudar para uma casa melhor, ou de melhorar a actual.

Tartaruga - Indica um período de pausa, de impasse. Os negócios e a vida afectiva ficam em suspenso. Depois de ultrapassada esta fase, virá a compensação, em que sentirá satisfação em todos os campos da sua vida.

Táxi - Mudança para melhor. Boas perspectivas.

Teatro - Se a acção decorre num ambiente agradável, indica benefícios futuros. Se, pelo contrário, o ambiente for de drama, pressagia acontecimentos tristes.

Tecidos - Se forem de boa qualidade e bonitos, significa que se avizinham tempos de grandes êxitos; se estão sujos e em mau estado, indicam decepção, frustração.

Teia de aranha - É um aviso. Muita cautela com os seus adversários.

Telefone - Boas notícias. Irá estabelecer relações positivas e agradáveis, que lhe irão trazer benefícios. Lucros nos negócios.

Telhado - Símbolo da protecção. Se cai, é mau presságio. Subir por ele, indica que deve ter cuidado, pois está a arriscar-se demais em algum campo da sua vida. Passear num telhado indica triunfo.

Tempestade - Dificuldades financeiras devido a mudanças imprevistas. Desavenças familiares.

Terra - Se o terreno estiver cultivado, indica prosperidade. Se estiver abandonado, é sinal de fracasso. Se se vir coberto de terra, prediz humilhações e perdas financeiras.

Terramoto - Grandes abalos na vida afectiva e psíquica. Necessidade de alcançar estabilidade e vencer inseguranças e desequilíbrios.

Tesoura - Conflitos e separações.

Testamento - Preocupações devido a disputas familiares e dificuldades nos negócios. É uma fase que deve ultrapassar com muita calma e paciência.

Tigre - Se for feroz, significa que está rodeado de pessoas que ameaçam os seus planos. Os prejuízos serão menores, se sonhar que o mata.

Tijolos - Ver um, prediz estabilidade e segurança a nível profissional. Ver muitos, indica que vencerá as dificuldades e que tudo está bem.

Tília - Símbolo de tranquilidade e amizade. Significa que é estimado pelos seus amigos.

Tinta - Se a usa para escrever, pressagia a chegada de notícias importantes. Se for outra pessoa a usá-la para escrever, será vítima das más intenções de alguém. Se a tinta cai, indica surpresas desagradáveis.

Tiros - Graves aborrecimentos, que devem ser enfrentados com coragem.

Toalha - Se estiver limpa, as relações familiares estão numa fase favorável. Se se apresenta suja, pressagia problemas relacionados com a economia doméstica.

Tocha - Se estiver acesa, pressagia situações favoráveis, ganhos financeiros e felicidade. Se a vê apagar-se, indica tristeza, perda de amigos ou imprevistos na sua relação amorosa.

Torre - Deve resguardar-se e não expôr as suas fraquezas aos seus conhecidos, para que não se aproveitem delas.

Touro - Se o persegue, indica perigo de sérias intrigas. Se o apanha ou mata, os seus problemas chegarão ao fim. Se apenas o vê pastar, é sinal de prosperidade.

Travesseiro - Sucesso e conforto em casa. Fim dos problemas que o incomodavam.

Trapézio - Dificuldades, perda do apoio das pessoas próximas. Prejuízos financeiros.

Tribunal - Problemas familiares.

Trigo - Símbolo de abundância e fertilidade. Tudo correrá bem. Sucesso próximo.

Trovão - Transtornos familiares e profissionais. Avizinha-se uma época confusa, mas que será passageira. Tudo será superado brevemente.

Túmulo - Fim de uma etapa e início de outra que será muito longa e desfavorável.

Índice (clique nos itens):

- Guia dos Sonhos - L
- Guia dos Sonhos - M
- Guia dos Sonhos - N
- Guia dos Sonhos - O
- Guia dos Sonhos - P
- Guia dos Sonhos - Q
- Guia dos Sonhos - R
- Guia dos Sonhos - S
- Guia dos Sonhos - T
- Guia dos Sonhos - U
- Guia dos Sonhos - V
- Guia dos Sonhos - X
- Guia dos Sonhos - Z
- Introdução

Pronto, pronto... já passou.

Fui tomada de assalto por uma descomunal diarreia de origem nervosa, que me levou a passar boa ("boa", que é como quem diz má) parte do dia sentada no trono real.

Para verem o poder da mente; estando o cérebro bem no topo do nosso corpo, é capaz de dar ordens expressas ao intestino, lá nas profundezas, para se contorcer e trabalhar que nem um doido! E ele obedece. O sacana.

Neste momento em que vos escrevo, todos os meus chiliques e achaques evaporaram-se.
Não estou mais nervosa, ansiosa nem acagaçada. A diarreia foi-se. Tenho o intestino grosso mais aliviado (e limpo, pois) do mundo, disso estou certa. Sou uma mulher renovada.

Dá-me isto uma vez por ano. E porquê?

Apesar de ser uma mulher independente, decidida, depilada e bem-informada, tenho um medo, um horror, um pavor inexplicável das consultas de...
Bem, voltemos à história; onde é que eu ia? Ah! No trono real.

Ora, passei, quase praticamente, do trono para a marquesa da Dra. Pipis, e sem antes tomar o meu cálice de vinho do Porto para ajudar a relaxar. Esqueci-me, caramba!

Rezei para que, de tão nervosa que estava, não me desse também um ataque de gases, para grande humilhação minha e riscos de intoxicação da Dra. Pipis. Mas o meu corpo teve clemência da minha cabeça desvairada e, de qualquer das formas, o intestino já tinha dado o seu dia como terminado.

Foi isso. Fui fazer a revisão anual à minha lóló. Ela já não via os óculos pendurados na ponta do nariz da Dra. Pipis a espreitar lá para dentro há um ano (sendo que a minha lóló não liga ao Calendário Gregoriano, e cada ano dela são uns 18 meses dos nossos).

O importante é que está tudo bem. Ufffffffffff.....
E afinal não doeu TANTO como eu esperava (e receava).

Fiz uma tempestade num copo de água, dirão alguns?
Sim, fiz.
E para o ano que vem, faço outra - estamos combinados!

Casa quente e acolhedora no Inverno

Já houve dias de frio em que entrei em casa com a sensação de entrar num frigorífico.

O L. nasceu em Janeiro (mês mais invernoso que possa existir), e a minha grande preocupação nos meses anteriores foi transformar esta casa num lugar quentinho e acolhedor.
E consegui! Até dispensámos o aquecedor.

Como os dias de frio se avizinham, aqui vão alguns truques para que também aqueça a sua casa de forma natural:

- Sofás em tecido!

Nunca-jamais-em-tempo-algum compre sofás de pele; são frios e desconfortáveis no Inverno (e no Verão, colam-se ao corpo).

- Almofadas e mantas!

Mesmo que coloque as mantas apenas penduradas no braço do sofá, vá por mim, são mais um elemento para ajudar a aquecer a sua casa. E fica tão acolhedor, não fica?

- Paredes pintadas em tons quentes!

A cromoterapia funciona. Este tom laranja-claro é um autêntico casaquinho de malha que vestimos à nossa sala, e que nos "abraça" nos dias frios de Inverno.

- Cortinas de tecido!

Claras, para deixar passar o Sol.
Logo de manhã, abra as cortinas e deixe que o Sol invada e aqueça a sua casa durante o dia inteiro.

Quando passo na rua, reparo que as outras janelas têm quase sempre as cortinas corridas - assim, o Sol não entra.
Talvez se perca um pouco em privacidade, mas ganha-se muito em conforto.

Depois do pôr-do-Sol, volte a fechar as cortinas, para manter a temperatura.

- Caixas das persianas isoladas!

Observe a foto. Consegue ver, ali por cima da janela, a caixa da persiana forrada de corticite?

Este é o ponto mais vulnerável das casas, por onde se perde muita temperatura. Para isolar, compre alguns metros de corticite (vende-se em rolos e é barato), desaparafuse a tampa, corte a corticite à medida com um x-acto*, e cole com cola de contacto.

Todas as minhas janelas têm 3 camadas de corticite sobrepostas coladas nas tampas das persianas. O calor mantém-se cá dentro, além de isolar muito bem os sons vindos da rua.
Aconselho vivamente, se deseja aquecer realmente a sua casa.

É muito fácil de fazer; lembro-me de ter feito isso quando estava de barrigão (e com um forte instinto de ninho), e sem a mínima dificuldade.
(para os curiosos: aquela "coisa" ali pendurada é apenas um pedaço de gengibre, para atrair boas energias)

- Móveis!

Casas vazias tornam-se desconfortáveis e frias.

Coloque os móveis, preferencialmente, nas paredes a Norte (a zona mais fria), e disponha-os de forma que não impeçam a entrada da luz solar.

Os livros, além de serem excelentes isoladores acústicos, também mantêm a temperatura. Este cantinho da sala é onde o L. se senta a mexer e remexer nos seus livrinhos, que estão nas prateleiras mais baixas, e onde nos sentamos no tapete a jogar e fazer puzzles com ele.

- Tapetes!

Bem sei que é mais uma coisa para aspirar, mas não há como um tapete debaixo dos pés para nos sentirmos quentes e confortáveis num serão de Inverno.

Além de aquecerem (porque o frio também vem do chão), isolam o som.

*Trad. Brasil: X-acto = estilete

Um bocadinho da minha sala

Um dia, ainda me lembro de mudar a sala para a cozinha, a cozinha para a casa-de-banho, e a casa-de-banho para o quarto.

O caso é bicudo, vão por mim.
Eu explico: imagine que eu decido mudar um único candeeiro de lugar - isso é sempre o começo de uma revolução decorativa...:

... eu coloco o candeeiro em outro canto, a seguir mudo a mesa, viro o sofá, desvio a estante, e quando dou por isso, já mudei a casa inteira. Uma coisa de loucos. Só por causa de 1 (um!) candeeiro.

Ontem tive uma dessas crises sado-masoquistas, e passei a tarde a jogar xadrez comigo mesma, usando os móveis quase todos da casa.

Depois de ter feito o merecido cheque-mate, e enquanto não volto a jogar novamente, satisfaço um pouco da curiosidade aos mais bisbilhoteiros [eu tenho Statcounter - sei as pesquisas que fazem aqui... oh oh]; aqui vai o cantinho da televisão (nota-se que o objectivo é escondê-la com as plantas*?):



Alguns destes livros têm mais de 100 anos. Gosto de colocar estes testemunhos do passado em lugares de destaque - porque não? Acho um encanto aquelas folhas amarelas.

*As plantas têm a capacidade de filtrar as radiações electro-magnéticas que os aparelhos eléctricos emanam, e, assim, protegerem-nos dos seus efeitos nocivos.

Nota: Se vencerem o desafio que vos lanço, na próxima semana, mostro mais fotos.
O desafio é: tenho um macaco na sala; onde está?

Panquecas

[No final deste post, terei salvo muitos pequenos-almoços sem graça, sobremesas, a reputação de tantas donas-de-casa, e sei lá mais o quê.]

Esta é a receita mais democrática que conheço; fácil, barata, rápida, saborosa e alimentícia.
Ora... então, não sentem a energia com que escrevo? O vigor com que pressiono cada letra do teclado deve-se a um pequeno-almoço delicioso e substancial, meus caros leitores!

As panquecas servem para:
- um lanche com as amigas, com chá a acompanhar;
- impressionar a namorada/mulher/companheira/relação colorida;
- sobremesa de um almoço em que a sogra foi convidada;
- pequeno-almoço;
- ceia;
- desenrascar, quando não há nada descongelado nem tempo para cozinhar (com esta última, aposto que captei a vossa atenção).

Ingredientes:
- 2 canecas de farinha
- 1/4 de caneca de açúcar
- 1 colher de chá de fermento
- 3 ovos inteiros
- 1 caneca de leite
- 1/4 caneca de óleo

Deite tudo para uma tigela e mexa bem, com uma varinha de arames ou um garfo (fácil, não?).

Coloque uma frigideira pequena no lume, e deite uma colher de café de margarina para untar o fundo.

Quando a frigideira aquecer, deite, com uma concha de servir sopa, uma porção do preparado que fez.

Com uma espátula, vire-a do outro lado, assim que ganhar esta cor.

Cá está a quantidade aproximada de panquecas que vai fazer. Lindas!!
(fotos tiradas à noite)

E agora vem aí a melhor parte: o recheio.

Abra o seu frigorífico e despensa e, com autênticos olhos de lince, tire tudo o que encontrar de interessante:


- manteiga
- creme de chocolate para barrar
- canela e açúcar em pó
- compotas
- chantilly
- mel

Delicie-se. Bon appétit!

Nota importante:
Pode fazer as suas panquecas de véspera e guardar para comer na manhã seguinte ao pequeno-almoço (e assim pode ficar mais tempo na cama e ter um bom pequeno-almoço na mesma - digam lá se não sou vossa amiga!).

Limpeza energética da casa

Mas o que é que se passa aí pelo mundo fora?
Têm-me chovido emails de pessoas a pedir ajuda para expulsar as más energias de casa.
Após a turbulência que para aqui houve ontem, parece-me o momento ideal para este post!

As limpezas energéticas servem para, tal como a própria expressão o indica, limpar as más energias, e afastar eventuais entidades não-corpóreas.

A fase lunar mais indicada é a Lua Minguante - esta em que estamos actualmente, portanto.

Existem várias formas de limpar as energias de uma casa; ensino-vos a minha. Qualquer pessoa o pode fazer. Alimente-se bem, para estar ancorado, e sinta-se com Força. Vamos a isso:

Comece por retirar os sapatos com que veio da rua (porque trazem energias exteriores). Pode calçar uns chinelos de trazer por casa ou ficar descalço.

Lave as suas mãos em água corrente.
Coloque uma música com uma boa vibração sonora a tocar (sons de harpa, cânticos tibetanos, etc. - as da Casa Claridade também servem!) suficientemente alto para que se oiça em toda a casa.

Abra todas as janelas.
Concentre-se. Faça uma pequena oração; invoque os seus guias de Luz, Anjos protectores, o Santo da sua devoção... Peça protecção e auxílio na limpeza energética da sua casa.

Acenda um pau de incenso de arruda (se preferir, pode queimar a arruda num defumador).
Percorra primeiro as divisões dos fundos, no sentido anti-horário, com o incenso na sua mão direita, fazendo movimentos circulares, também no sentido anti-horário.

Faça esse procedimento em todas as divisões, desde os fundos até à porta de entrada.
Deixe o resto do incenso a queimar no seu hall de entrada.

Agora, pegue numa vassoura que nunca tenha sido utilizada para varrer (até pode fazê-la, com vários ramos de giestas ou urze atados a um tronco) e varra todas as divisões da sua casa, desde os fundos até à entrada, sem tocar com a vassoura no chão - estará a varrer as energias inferiores.
Quando chegar à entrada da sua casa, bata 3 vezes com a vassoura na parede, do lado da rua.

Pegue num sino ou num espanta-espíritos e faça-o tocar em todas as divisões.

Termine utilizando o elemento Água. Salpique água mineral em todas as divisões (nos quartos, salpique as camas e na sala e cozinha, as mesas de refeições), fazendo uma pequena oração, consoante a sua fé. Mantenha sempre pensamentos apaziguadores, durante todo o processo.

Lave novamente as suas mãos, e agradeça aos seres de Luz que o ajudaram.


Especialmente para os leitores do Brasil

Como sabem, sou portuguesa e escrevo-vos directamente de Portugal.
Contudo, a maior parte dos meus leitores é do Brasil.


Na Casa Claridade não existem países, fronteiras, raças, religiões, classes sociais, orientação sexual, ou qualquer outra distinção entre os leitores. Para mim, são todos igualmente importantes, estimados e respeitados.


Por isso, sinto-me no direito de denunciar e criticar um vídeo que assisti e não gostei.
Se aquilo era suposto ter alguma piada, eu não me ri. E bem tenho sentido de humor.

Considerei ignorar o vídeo, como faço com as coisas de mau gosto, mas mudei de ideias.
Apenas porque não quero que as pessoas se deixem levar pela fraca e duvidosa opinião de uma mulher arrogante, mal-educada e que cospe para cima dos monumentos nacionais.

Refiro-me à actriz brasileira Maitê Proença, que veio a Portugal e aproveitou para andar a passear com uma equipa de filmagens atrás e fazer pouco dos portugueses, da História de Portugal e até dos monumentos.

Cliquem AQUI para assistir ao vídeo e ver como não exagero.

Desde sempre, os portugueses têm o maior carinho pelo povo do Brasil, ao qual tantas vezes apelidam de "país-irmão". A taxa de imigração de brasileiros em Portugal é altíssima. Ouve-se a alegre pronúncia do Brasil em cada supermercado, cada café, cada rua.
Os brasileiros encontram facilmente emprego em Portugal. Tanto quanto vejo, são respeitados, estimados e tratados como iguais. Para que conste.

Por isso e muito mais não consigo compreender a atitude desta vossa compatriota.
Pelamordedeus, alguém que lhe dê um par de estalos!

Se, porventura, estas palavras chegarem até aos olhos dessa tal de Maitê, aqui vai:

Maitê, minha cara, tens urgentemente que voltar para a escolinha e aprender as regras básicas da boa-educação. Tens mesmo.

1. Visitar um país estrangeiro é o equivalente a visitar a casa de alguém. Não devemos criticar aquilo que lá encontramos. Nem gozar. Nem cuspir. É suposto portarmo-nos com educação, até porque as pessoas que lá vivem apercebem-se de que somos de fora e é inevitável que depois pensem que os habitantes do nosso país são todos como nós;

2. Não se cospe em monumentos, meu anjo! Ah, que coisa tão feia. Então, isso faz-se?! Quando esse monumento foi feito, ainda nem sequer existias. Tremenda falta de respeito!;

3. Os portugueses não são burros. Tu é que revelaste uma grande falta de inteligência por gozares com a placa do número 3 invertido, sem sequer pensares que aquilo poderia significar alguma coisa. Depois de pesquisar e questionar quem sabe, aqui trago o resultado:

O número 3 invertido passa a ser um "E", e é chamado de "poder do 3". Esta letra representa um olho (de Hórus). Simboliza Marte. Representa talento. Representa guerra. Representa também a Estrela de David.

Além do significado esotérico, o 3 invertido é ligado ao aliviar de stress e ansiedade.
Uma técnica de oratória para controlo dos ouvintes muito usada pela Maçonaria é usar este poder do 3 invertido ou olho, dividindo a oratória em 3 tópicos, pois o cérebro de quem ouve assimila melhor do que se for em 2 ou 4.

Aquela placa de 3 invertido poderá unicamente representar uma moradia Judaica, uma forma de dizê-lo ao mundo sem que a maioria das pessoas entenda.
[Obrigada pela ajuda, Bruno Fehr.]

Nem de propósito... encontrei nos meus arquivos estas fotos de Sintra. Apreciem, queridos leitores de além-mar, a verdadeira Sintra, não uma ruela recôndita e escura que essa senhora para lá descobriu, ignorando todo o esplendor que existe à volta (o que seria quase o equivalente a um português ir ao Brasil e limitar-se a filmar as favelas e gozar - curiosamente, nunca vi alguém fazer isso) .

Finalizo afirmando que continuo a amar loucamente o povo do Brasil, com quem sinto grande afinidade (com excepção da Maitê Proença, até que ela peça desculpas ao nosso país e venha limpar o cuspo que cá deixou).

E agradeço por sempre me tratarem tão bem. Obrigada. Sejam também muito bem-vindos.

Os segredos dos Duendes

Os Duendes são elementais da Terra. São seres maravilhosos e muito interessantes.
Protegem o lar e trazem alegria; são divertidos, travessos e enérgicos como as crianças.

Se tiver a sorte de escolher o Duende certo (existem muitíssimos Duendes, cada um com a sua personalidade), saiba que terá um fiel aliado para o resto da sua vida.


Não existe como enganar um Duende, ou qualquer outro elemental. Eles não vêem o nosso exterior; vêem-nos por dentro, a nossa verdadeira essência.

Se dentro de si existe genuína boa-vontade, Amor e respeito pela Mãe-Natureza; se não poluir, se encarar cada planta e cada fruto como dignos de reverência e uma parte mágica de um todo... então, talvez consiga conquistar a amizade dos Duendes.

Não é um caminho fácil, nem de receitas rápidas. Deve vir do âmago de si directamente para as suas acções.

Os Duendes são um pouco peculiares.
Se o acharem merecedor, farão magia acontecer na sua vida. Deixar-lhe-ão dádivas em lugares onde muitos outros humanos passam, mas só os seus olhos as conseguirão ver.
Em sua casa, não faltará abundância de alimentos.

Nunca se esqueça de agradecer e mimar o seu Duende. Diga-lhe "obrigado" baixinho ao ouvido e ofereça-lhe uma parte da sua colheita.

Vêem esta pequena maçã verde? Está ali há muitos meses e ainda não apodreceu. Os Duendes têm a estranha capacidade de manter por longo tempo os frutos que lhes damos.

Por vezes, fazem-nos algumas travessuras: são as chaves de casa que desaparecem, um apontamento que jurávamos ter colocado numa gaveta e depois já não o encontramos... isso é obra dos Duendes.

Existe sentido de humor na Natureza. Encaremos isso como uma brincadeira de crianças, talvez até um teste para avaliar a nossa capacidade de manter a boa-vontade.

A Camilha Mágica

É sempre nos dias em que os meninos têm mais vontade de ir brincar ao parque que aquelas travessas das nuvens cinzentas e invernosas se lembram de espremer cá para baixo todas as gotas de chuva que conseguem...

Para grande aborrecimento do Menino, a tarde ainda mal tinha começado, o parque estava cheio de lama, e iria ter de passar o dia todo fechado em casa sem um amiguito com quem brincar.

Foi para o quarto dos pais. Sempre tivera um fascínio especial por esta divisão da casa. Achava que os pais escondiam algum tesouro por debaixo do soalho. Ou que haveria fadas e duendes a espreitar detrás dos móveis.

Amuado por ninguém lhe dar atenção, levantou as saias da camilha para sentar-se lá debaixo a pensar na vida.

Conforme levantou o tecido branco e imaculado, sentiu um calafrio a passar-lhe pelos seus bracinhos de criança. Ali... havia magia. Ah, se havia!

Assim que se sentou nas traves da camilha, apanhou um valente susto; esta, elevou-se do chão e começou a voar aos círculos pelo quarto. Agarrou-se com força, e sem dizer palavra.
De repente, a janela abriu-se sozinha e a camilha saiu disparada a voar pelos céus com o Menino lá dentro.
Olhava para as pessoas cá em baixo, mas ninguém reparava nele - estaria invisível?

A camilha voou alto e levou-o para muito longe.
Passaram por um bosque, e o Menino viu várias bruxas a dançar como doidas à volta de um caldeirão que deitava labaredas azuladas e tão altas, que quase iam queimando as saias da camilha.

Depois, tomaram outra direcção e voaram... por cima do Jardim Zoológico!
O Menino fez uma festa na cabeça da girafa mais alta, que o observou com os seus olhos pestanudos e incrédulos, enquanto mastigava folhas verdes.

O vento soprava forte, os cabelos do Menino andavam para cá e para lá e as orelhas zumbiam.
Estava a ficar cheio de frio e a pensar na torta de maçã que a mamã tinha ficado a fazer.

Mas a camilha continuava a voar, e desta vez, encaminhava-se para um rio. Passava junto aos barcos, mas os marinheiros também pareciam não ver nada. Uma gaivota pousou na camilha, ainda com a pontinha de um rabo de peixe no bico, e voou com o Menino até lhe apetecer.

Depois, a camilha começou a perder altitude. E desceu tanto, tanto, que as saias já roçavam no rio. Um sapo saltou para o colo do menino e a camilha voltou a subir em grande velocidade, desta vez, a fazer o caminho inverso.

Voltaram a passar pela zona dos barcos, depois junto à girafa pestanuda, a seguir pelas bruxas, que desta vez já não dançavam, mas comiam bolos e bebiam sidra, e voltou a entrar pela janela do quarto dos pais, retomando exactamente o lugar de onde tinha saído.

- Mas que barulho foi este?, disse a mamã, que entrou de rompante no quarto.
Encontrou o Menino a dormir profundamente debaixo da camilha, encolhido com frio.

- Olha... está aqui um sapo! Mas como é que veio aqui parar? Bem, amanhã vamos ao parque e colocamo-lo no lago dos nenúfares. Acorda, filho! Estás gelado; acho que apanhaste uma constipação, mesmo sem saíres de casa.

O Menino sorriu, mas nada disse.
"Para a próxima, visto um casaco!", pensou, com um sorriso maroto.

[Protegido por Direitos de Autor.]

Hazel responde... (a inveja)

Anónima disse...
"Olá Hazel, adoro seu blogue e gostaria de algumas dicas de proteção contra pessoas invejosas (cunhada). Tudo que eu compro ou que ganho ela fica de olho.

Quando vem em minha casa, dá uma geral em tudo que tenho e se há algo de novo não sossega enquanto não descobre onde comprei.

Preciso me proteger desta gente, o que eu faço?"





Querida Anónima,
Já falei sobre o tema da inveja num post mais antigo. Peço que o consulte aqui, para complementar esta resposta.

A inveja é a pior doença espiritual que existe.
É uma espécie de dor que o invejoso sente pelo sucesso alheio.
Umas vezes, somos invejados por pessoas que nem conhecemos. Outras, por pessoas muito próximas, inclusive dentro do próprio seio familiar.

Na minha opinião, se pressentimos aquele desagrado mal disfarçado vindo de um invejoso sempre que damos um passo em direcção ascendente, isso significa que essa pessoa só estará satisfeita se fracassarmos; só quando o nosso brilho pessoal se apagar o invejoso deixará de se sentir ameaçado.

E agora pergunto:
- Que benefício traz à nossa vida uma pessoa invejosa?
- Devemos perdoar?
- A inveja terá verdadeira cura?

Uma pessoa que a visita e inspecciona a sua casa com o típico olhar invejoso, está a lançar más energias, deixando o ambiente negativado, e a sugar a sua energia vital.
Não é uma visita bem-vinda, portanto, a meu ver.

Mas devemos perdoar. Sim... devemos. Atenção: perdoar não é o mesmo que consentir.
O perdão é apenas para nosso benefício, para que não entremos em sintonia com as baixas vibrações, e para manter a nossa aura limpa.
Não sinta mágoa ou ressentimento pela inveja da sua cunhada, pois assim estará a criar empatia com a vibração que vem dela, e a abrir um canal para seja profundamente atingida.

O facto de perdoarmos não implica, contudo, que continuemos a lidar com essa pessoa.

Não conheço cura para os invejosos. É, infelizmente, um mal que está demasiado enraizado em muitas pessoas para que se consiga eliminar facilmente. Vivemos num mundo de aparências, de ostentação, de competição... e a inveja é como um lobo esfomeado que espreita a cada esquina.

Voltemos à sua cunhada, e vejamos as alternativas:

1. Confrontá-la com a realidade, e dizer-lhe francamente o que sente.
Afianço-lhe, contudo, que a pior coisa que pode acontecer a um invejoso é ver-se desmascarado. Geralmente, reagem muito mal.

2. Continuar a fingir que não percebe, mas a sentir que as suas energias são sugadas e a sua casa negativada. Creio que é o que tem feito, não é? E não resultou, caso contrário, não estaria à procura de uma solução.

3. Afastamento. Sinceramente, acho que é a alternativa mais saudável.
Compreendo que isso possa causar apreensão, afinal, família é família. Mas nem sempre os sentimentos mais nobres provêm daqueles que estão ligados a nós por elos familiares.

Não estou a sugerir que se zangue ou corte relações com a sua cunhada, atenção!
Isso é desnecessário.

O meu conselho é no sentido de proteger a sua casa, afastando dela alguém que não fica feliz por si, e que sempre que a visita deposita umas gotas do poderoso veneno a que chamamos de "inveja".

Existem recursos para proteger o seu lar, conforme indico no outro post sobre a inveja, mas o mais saudável e eficaz é mesmo não ter de lidar com essas pessoas.

O nosso tempo de vida é demasiado precioso para desperdiçá-lo; não entre em sintonia com vibrações inferiores, não se consuma em ressentimentos e fuja de pessoas negativas.

Espero tê-la ajudado. Insisto novamente para que clique nas hiperligações e leia os posts que indiquei.

Castanhas de Sintra

A Serra de Sintra tem surpresas e mistérios escondidos ao virar de cada árvore.
São muitos os que a visitam; mas poucos os que verdadeiramente a apreciam.

Acho que aquilo de que mais gosto na Serra é o facto de haver mais árvores do que pessoas.
As árvores escutam e observam-nos silenciosamente. Os seus ramos cantam baixinho ao sabor do vento. Recarregam-nos as energias, e sempre, sempre retribuem a nossa amizade.

É no meio da Natureza que por vezes encontro o meu conforto e amparo. A Mãe-Natureza é já a única mãe que tenho...

Nesta cesta estão alguns ouriços de um castanheiro que encontrei em Sintra.

Desenganem-se os que pensam que são fofinhos. Isto pica que se farta.

Mas lá que são bonitos, são (para quem não sabe, as castanhas nascem dentro dos ouriços)...

Estas castanhas foram das mais deliciosas que já provamos. Todas alegre e dolorosamente (picam, lembram-se?) colhidas por mim.

Aproveito para me antecipar às más-línguas e informar que não colhi as castanhas de propriedade privada, mas de terrenos públicos. A Serra de Sintra é muito grande e eu conheço-a bem.
Sei em que zonas da Serra existem deliciosas amoras, refrescantes pêras, figos e... mais não conto!

Resolvi transferir para outro lado o musgo que outrora decorava este prato, e decorá-lo com os ouriços.

Tentei acender as velas para a foto ficar mais bonita, mas o pavio já está muito fundo, e queimei os dedos quando tentava lá enfiar os fósforos!

Nota mental: comprar um isqueiro daqueles compriiiiiiiidos, de cozinha.


Os Seres Encantados que vivem comigo

Alguém consegue adivinhar de que são feitos estes maravilhosos seres mágicos?
Ah... vou ali e já venho! Bem podia esperar sentada que acertassem!

<- Primeiro, esta. Será uma bruxa ou uma fada? Voa com graciosidade pelas paredes. Reparem no detalhe do pézinho levantado. Tem umas vestes esvoaçantes e um estranho e compridíssimo chapéu.


Olhem como é simpática e sorridente!
Ri-se baixinho, quando passamos por ela.









Esta já não é tão simpática.
É mais do género tímido.
Aprecia o recolhimento e a solidão.

É a ninfa deste vaso, que apenas emerge com as brumas da manhã.









Misteriosa e silenciosa...

Um raro sorriso sumido, escondido pelas plantas.



(A propósito, aconteceu um fenómeno muito engraçado com esta planta - ficou verde!
Antes era vermelha. Vejam aqui.)




Bem, vou revelar agora de que são feitos estes seres: de magia...!

A bruxa (ou fada) voadora é uma folha seca de uma maçaroca de milho que colhi este Verão.
E os cabelos da ninfa do vaso são apenas as barbas do milho envoltos numa noz.

Foi tudo obra da Mãe-Natureza, a verdadeira e grande artesã.
Eu, pouco fiz; apenas desenhei os seus olhos e bocas com canetas de colorir.

Não deixe a Água apagar o Fogo.


Se o seu fogão fica perto do lava-loiças - como é o meu caso - então, temos um conflito feio, em termos de Feng Shui.

O fogão representa o elemento Fogo, e o lava-loiças, o elemento Água.
Fogo e Água, demasiado perto um do outro, criam uma desarmonia energética.

A zona do fogão é o coração da casa; simboliza a capacidade de manter a alimentação da família, ou, em última análise, a prosperidade.

Portanto, os desequilíbrios de energias nesta área podem implicar, a médio-longo prazo, dificuldades financeiras.

Vamos, então, resolver isto (sim, o caso é bicudo, mas tem solução!):

Basta que coloque, entre o fogão e o lava-loiças, um objecto que represente o elemento Madeira, para quebrar o fluxo e reestabelecer o equilíbrio de energias.

Exemplos de objectos do elemento Madeira: plantas verdes e altas, troncos de árvore, estatuetas de madeira, colheres de pau, etc..

Eu tenho o meu velho saleiro de madeira (vamos combinar: velho, porém muito digno e charmoso!), e as colheres de pau. Há aqui Madeira mais do que suficiente!!

A pedra que vêm na foto é apenas um extra. Foi uma pedra que encontrei na praia e que é metade branca e metade cinzenta. Chamo-lhe a minha pedra Yin-Yang e também está ali para ajudar a harmonizar, embora apenas as colheres de pau já bastassem.

Não me digam que achavam que eu tinha as colheres de pau e o saleiro perto do fogão só porque era mais prático!