Avançar para o conteúdo principal

Acordar tão cedo que ainda é ontem


4:56, e eu a pé. Não por alguma urgência imparável intestinal, mas porque as 4 horas de sono que dormi hoje foram o suficiente. Ponto de exclamação. Os meus olhos abriram como janelas para o mundo, sem a névoa pesada que os volta a fechar quando tenho sono.
Então, calcei as pantufas e lancei-me ao dia.

Fui à janela olhar para o céu. Ainda escuro, salpicado de estrelas. Não há carros a passar, apenas o vento frio, o galo de alguma casa ao longe que anuncia a chegada do dia, e o ponteiro dos segundos do relógio da cozinha, que marcha num compasso perfeito e implacável como um soldado que nunca se cansa.

Talvez me tenha tornado sonâmbula, e ande para aqui de pijama e tranças pela casa julgando-me acordada. Preparo um chá de frutos vermelhos, e bebo-o devagarinho, para ter a certeza que isto não é um sonho.

Rio-me sozinha, pensado que é mais sensato não ir à casa-de-banho - vai que estou mesmo a sonhar? Não, estou acordada. É a sério... Que bênção, um dia enorme pela frente!

Vou preparar tudo para me sentar a meditar no local exacto onde o Sol me vai banhar quando o dia nascer.

De pijama às riscas,

Cronista, Viajante no Tempo, Terapeuta, Taróloga, Tradutora, Professora.

Comentários

Enviar um comentário

Obrigada pelo seu comentário ♥