Palavras e Expressões Alentejanas

segunda-feira, março 07, 2016


Um destes dias, peguei no lápis e no meu caderno de pensamentos, e comecei a reunir uma lista de palavras e expressões alentejanas com que cresci. Ai que bem que soube! Esta vossa escriba não nasceu no Alentejo, mas a parte que vai desde as costelas flutuantes até às unhas dos pés é feita de 50% de genes alentejanos.

Com respeitosas desculpas por algum palavreado que poderá constranger alguns mui nobres leitores de trato mais cerimonioso - que os alentejanos de outrora chamavam tudo pelos nomes, ou então inventavam designações mais castiças - atrevo-me a partilhar este pequeno acervo de expressões coloquiais das terras do além Tejo, resgatado dos recantos mais poeirentos da minha memória, assim como algumas histórias:

Levas um par de nalgadas nã' tarda.
Foi logo a primeira expressão que me lembrei, porque levei muitas. Os alentejanos não usam a palavra "rabo". Só para os animais. Os humanos têm nalgas. Nalgadas são palmadas no rabo.

Pantomineiro (pronuncia-se pant'minêro).
Mentiroso. Aldrabão. Aquele que diz pantominices.

Estás aqui, estás a levar uma estampilha.
Bofetada. Também levei, especialmente da minha professora primária, que estava na menopausa e, para aliviar os picos de fúria, fazia o gosto ao dedo a esbofetear os miúdos que se esqueciam de fazer os trabalhos de casa (e eu era dolorosamente esquecida...).

Caga-te, porca.
Adoro esta. Tem tanto de embaraçoso quanto de cómico. Já não a oiço há anos.
É o equivalente ao "gaba-te, cesto", quando alguém tem a mania da superioridade e gosta de se vangloriar. Digo-a muitas vezes mentalmente.

Vou à da Conceição.
Ir "à da" é ir a casa de alguém que, geralmente, nunca é muito longe. No entanto, se a casa for longe, numa outra cidade a vários quilómetros de distância, nesse caso já se dizia "vou visitar a Conceição". Dizia-se sempre "à da", e nunca "à do", a menos que se tratasse de um homem que vivesse sozinho.

Cagalosa.
Havia uma vizinha alentejana com quem eu costumava ir para a praia de Carcavelos quando era pequena. Era uma mulher simpática, mas, benza-a a Deusa, muito bruta.

Na época, não sabia nadar. Ela obrigava-me a ir para a água; levava-me ao colo e deixava-me cair quando vinham as ondas e eu não tinha pé. Acabava por ir ao fundo, em pânico com a água a entrar-me pelo nariz e pela boca. Quando ela me agarrava e voltava a tirar da água, ria-se e dizia sempre "Ah, cagalosa!". - Eu ficava danada.

Cresci zangada com ela, porque passou um Verão inteiro a brincar aos afogamentos comigo e ainda tinha o desplante de me chamar cagalosa, porque sabia que me arreliava. Fingia que não a via quando passava na rua e, mesmo assim, ela exclamava sempre um sonoro e denunciador "OLH'Á CAGALOSAAA!".

Ainda hoje, se ela me encontrasse, me chamaria assim. E se na adolescência eu me encolhia de vergonha pela embaraçosa saudação, hoje tenho saudades de ouvi-la.
Mas da boca desta senhora. Que ninguém se atreva a chamar-me cagalosa. haha!
Quase me esquecia de referir o significado da palavra. Um cagaloso é alguém medroso.
[Esta vossa escriba já não tem medo da água, mas ainda sou cagalosa com as ondas, especialmente as do Guincho, que são bravas!]

Anda lá que n'a morres de coice de boi.
Deixa lá que isso não te vai fazer mal (quando temos medo que um determinado alimento nos vá fazer mal).

Rodilha = Pano de limpar a loiça. Ou roupa amarrotada.
Amolar = Arreliar. Aborrecer.
Assomei-me à janela. = Espreitei pela janela.
Titarada = Macacada. Confusão. Palhaçada.
Gaiato. Ou gaiata. = Criança. Rapaz ou rapariga novos.
A dormir e a caçar ratos. = A fingir que está a dormir.

Temos a porca nas ervilhas.
O equivalente a "está o caldo entornado". Ou ao igualmente ameaçador "mau, mau..."

Temos a burra nas couves. = Idem anterior.

Porra madrinha, que se caga a noiva.
Equivale a "porra", mas mais refinado, como se pode v(l)er. Expressão de espanto, admiração.

Parece que saíste do cu do burro. = Tens a roupa toda amarrotada.
Eu pareço sempre saída do cu do burro, porque não passo a ferro há muitos anos.

Foi prender o burro. = Amuou, fez birra.
Está com o grão na asa. = Está bêbedo.
Isso traz água no bico. = Ter segundas intenções.
Testo = Tampa (da panela, por exemplo).
Chocolatêra = Cafeteira.
Aventar = Deitar fora.
Canalha = Grupo de miúdos.
Astro = O céu. Exemplo: "O astro hoje está carregado, vem lá trovoada."
'tou cá com uma lanzêra. = Estou cá com uma preguiça/moleza.
Magano = Maroto, traquinas.
Zorra = Raposa
Ametade (pronuncia-se com os dois "ás" abertos) = Metade.

Cagando e andado (nem acredito que escrevi isto),

Hazel

PODERÁ TAMBÉM GOSTAR DE LER

3 COMENTÁRIOS

  1. Adorei todas.. como nunca passo minhas roupas e vivo amarrotada, sabeis qual eu ri mais, ahahaha. um grande abraço!

    ResponderEliminar
  2. Que delícia! Cresci com várias destas expressões, eu que passava férias com os meus avós alentejanos. Além do testo e da chocolatêra, havia uma outra. Certa vez a minha avó pediu-me para ir buscar uma sertã. Eu, menina de Lisboa sabia lá o que era uma sertã...! "Ai filha da minha alma, uma menina de 14 anos que não sabe o que é uma sertã!" - disse-me abanando a cabeça. Foi buscar a dita e veio com uma frigideira na mão, haha!

    ResponderEliminar
  3. O que eu já me ri... é que aqui no Montijo ainda se diz a maioria destas expressões! :)

    ResponderEliminar

Obrigada pelo seu comentário ♥