Coisas fixes que já quase toda a gente fez, menos eu.


Eu nuncaaaaaa...

... fui às festas dos santos populares de Lisboa. Mas gostava. Sardinhas, vinho e bailarico incluídos!

... dancei à chuva. Acho que há previsões de precipitação para daqui a duas semanas (piscar de olho para o Marco!).

... fui ao Porto. Já estive várias vezes para ir, mas houve sempre algum imprevisto. Será que o Porto não me quer? Riscado! Feito em 30 de Maio de 2016.

... ​comi percebes. Os "understands" são esquisitos e, aparentemente, difíceis de encontrar, mas deliciosos, segundo aqueles que já provaram. Parecem patinhas de monstros marinhos, que se chupam. iaics!, que macabro. Mas não se pode ficar na ignorância.  Riscado da lista! Feito em 5 de Maio de 2016.

... fingi ser uma turista e visitei Lisboa. No Verão, de chapéu de palha e máquina fotográfica pendurada ao pescoço, pelas colinas, elevador da Bica e com passeio de eléctrico.

... fui à Feira da Ladra. Logo eu, que gosto tanto de ver tralhas e velharias. Quero mesmo ir, antes de eu própria me tornar uma velharia.

... fiz uma aula de Ballet. Mas ainda é tempo de experimentar. Não sei é fazer um carrapito com o cabelo.

... fiz Yoga na praia ao nascer do dia. Nem Yoga, nem nada, agora que penso bem!

... lavei o cabelo num rio. Nesta, não devo ser a única a dizer nunca. Mas é algo romântico que sempre quis experimentar (até levo o shampoo e condicionador comigo! Ah!).

... fui a uma reunião da Tupperware. Vamos manter isto assim.

... fui a um cinema drive in. Isso faz-me sempre lembrar os filmes americanos, onde os jovens imberbes faziam marotices no banco de trás do carro enquanto "viam" o filme. E quem está aqui a julgá-los. Eu não.


Fazei também a vossa lista, senhoras e senhores. E sonhai sonhos pequeninos; pois é nos pequenos momentos que encontramos a felicidade.

Regressarei a este post para riscar os itens da lista que concretizar!

À espera da chuva (ou dos percebes - whatever comes first),
Hazel

Faróis de Nevoeiro : Atravessar a Metade Escura do Ano.


Nos tempos antigos, dividia-se o ano em duas metades: a metade clara e a metade escura. Duas partes opostas que os Deuses costuraram usando a linha do Equador.

Na metade clara do ano, tudo é luz, expressão e expansão. O horizonte sem fim, sob o vôo planado das aves migratórias que estendem as asas aquecidas pelo Sol, é tão nítido e límpido quanto a certeza no amanhã. Como é fácil sonhar e alimentar a esperança quando conseguimos ver o que está mais à frente.

As tardes caleidoscópicas do Verão seduzem-nos com a ilusão da eternidade, mas a espada de vento frio do cavaleiro-negro-Inverno acaba por roubar-nos o calor e a luz. Perde-se a clareza do horizonte oculto pela névoa, para que o procuremos - assim como tudo o resto - dentro de nós.

Quando não vemos o que está à frente, receamos. Duvidamos. E está bem assim.
É preciso recear e duvidar, para desafiar as certezas. E é preciso ter certezas para confrontá-las com a dúvida e o receio. Algures no meio da viagem, estará a linha do Equador, o meio do espelho.

Mergulhamos no lago sombrio da metade escura do ano, onde a luz fraqueja e as águas gelam. O silêncio das pedras, outrora aquecidas pelo Sol de Verão, dá lugar ao lamento do frio que se agasalha com um manto de musgo verde.

Não há como fugir à sombra para viver num eterno Verão. Se assim fosse, o ciclo de renovação da Natureza cessaria. Deixaria de existir a morte que antecede o renascimento. E morrer não é fácil. Dói muito.

Acabamos por sucumbir para tão logo renascer na divina fracção de segundo em que compreendemos que lágrimas são a chuva do Inverno da alma que vem para regar a terra, escorrendo através das folhas secas das certezas caídas, e alimentando as árvores que se elevam numa nudez tão crua e delicada como aquela em que nos encontramos perante o espelho de nós mesmos.

Retornaremos à luz após atravessarmos o vale das sombras. Os atalhos, horizontes e candeias perdem-se ao longe no nevoeiro como ecos difusos do pensamento. Nesta estação dada à introspecção, preservemos, assim como a semente que aguarda nas profundezas da terra, o silêncio e a paciência, e confiemos na alquimia que transforma o quase-nada a que nos rendemos na promessa do que está para vir com o regresso da metade clara do ano.

Na linha do Equador,

Hazel

Uma página solta no diário de uma mãe


O meu filho este ano anda na mesma escola onde estudei. No dia da apresentação, não pude deixar de sentir uma certa estranheza quando pensei: agora venho aqui como mãe, não como aluna. Senti-me como o Marty McFly, numa viagem ao futuro, ao ver-me, agora crescida, e com um filho pela mão.

Uma mãe -  contudo - que ainda ouve os AC/DC alto, toca uma guitarra eléctrica imaginária e tem uma tatuagem no braço. A tradição já não é o que era, graças aos Deuses. A-ha!

De vez em quando, ainda sonho que estou atrasada a caminho da escola, subo as escadas a correr, entro na sala de aulas onde está a decorrer um teste escrito para o qual não estudei, e acabo por não conseguir fazê-lo, porque já terminou o tempo. Há mais de 20 anos que tenho sempre o mesmo sonho, na mesma sala.

Depois da escola ter sido demolida e reconstruída, tinha alguma curiosidade em ver como são as salas de aula agora, em pleno séc. XXI.

Quando entrei para a apresentação, durante uma fracção de segundo, o mundo parou.
Era exactamente a mesma sala de aula dos meus sonhos.
Que momento twilight zone! Quão estranho é isto? Ainda não estou em mim.
Apetecia-me dizer a toda a gente: "Hey, esta é a sala com que tenho andado a sonhar nos últimos 20 anos! Já posso acabar o raio do teste?"
Mas não vou envergonhar o meu filho já no começo do ano lectivo.

Agora tudo é controlado através da internet, palavra desconhecida no meu tempo.
Os quadros negros de ardósia onde se escrevia com giz deram lugar a imaculados quadros brancos, com projector de imagens ligado ao computador do professor.

(Onde terão ido parar as centenas e centenas de quadros de ardósia que havia pelas escolas do nosso país todo, alguém sabe?)

Já ninguém passa bilhetinhos por baixo da mesa. Os telemóveis proliferam. Pergunto-me se ainda se escreverão mensagens nas portas das casas-de-banho. Provavelmente, não.
Quem é que precisa de uma porta para escrever, quando existe o facebook? Haha!

Os alunos alinham-se em fila sobre uma risca branca pintada no chão e seguem ordenados para a sala de aula atrás do professor. Não sei como me sentir em relação a isso. Por um lado, compreendo a necessidade de organização, por outro, pareceu-me ter ouvido uma voz longínqua cantar dentro de mim o refrão "All in all, you're just another brick in the wall".

O primeiro passo para a formatação requerida por uma Sociedade onde tudo deve ser ordeiro e obedecer a um estereotipo ideal. Talvez seja eu que sou uma bota-de-elástico, por ainda sonhar com o Peter Pan e a Terra do Nunca, onde não existem linhas rectas, mas vôos em espiral. Perdoem-me pelo desalinhamento.

Curiosamente, desde o dia em que vi materializada a sala que visitei em sonhos durante mais de 20 anos... nunca mais sonhei com ela.

Ao som de Pink Floyd,
Hazel

Com os Parafusos todos bem Apertados

O calor do momento são as engrenagens da vida em sobreaquecimento, por estarem há demasiado tempo a rodar na mesma direcção. Ferro escaldante que bate contra ferro incandescente num movimento já gasto, estafado, mas demasiado célere para conseguir travar.

Um grão de areia que cai no ponto certo de ebulição faz saltarem faíscas e provoca explosões, emoções e palavras corrosivas que queimam e derretem o metal.

As engrenagens fumegantes perdem velocidade. O fumo preto risca o céu azul matutino.
Tudo se desencaixa, tudo se desmonta. Inúmeras peças pequeninas que se soltaram rodam pela rua fora, sem destino. O metal estala de alivio ao arrefecer.

Silêncio.

A máquina da vida, que é perfeita, volta a ser cuidadosamente aparafusada por hábeis e pacientes mãos. O vento sopra morno e as engrenagens recomeçam a rodar, desta vez, numa direcção diferente.

O monstro obsoleto onde o cotão se empastava em óleo queimado e malcheiroso é agora uma primorosa reinvenção steampunk, onde as rodas dentadas giram reluzentes com o ritmo da música. No calor do momento, mudam-se destinos.

No centro da roda dentada,
Hazel

Mensagem numa Garrafa


Tenho um caderno velho que me acompanha sempre. É o meu caderno das ideias.
Escrevo muito lá, mas a maior parte dos meus gatafunhos nunca chega a sair do papel. Alguns, estão há anos entregues ao esquecimento, entalados entre a página anterior e a seguinte à espera de um dia ganharem vida ao serem lidos em voz alta.

No outro dia, levei o caderno para a praia, não fosse dar-se o caso de me surgir uma ideia luminosa como as tardes de Agosto e precisasse urgentemente de anotá-la antes que alguma nuvem trapaceira a levasse. Escrevinhei umas frases soltas, que me iam nascendo saltitantes e aleatórias como as pulgas-da-areia.

As ideias acabaram por fugir com a corrente para longe, e eu resolvi mergulhar no fundo do mar e reler os apontamentos que estavam para trás no meu caderno. Foi quando encontrei algo que um dia escrevi para mim, com o objectivo de ser uma espécie de mensagem numa garrafa, enviada pelos mares do tempo para o meu próprio futuro, caso um dia precisasse de um mapa de tesouro que me trouxesse de volta a mim mesma.

Dizia assim, a minha mensagem na garrafa:

O meu vazio é a minha sombra. Às vezes, tenho de me encontrar com ele.
Faz parte de mim também. Neste vazio, onde tudo cabe, posso ser tudo o que eu quiser. Posso fazer tudo o que eu quiser. Porque sou livre. Enfim, livre!
E, para ser feliz, preciso de salpicar este vazio com umas pitadas ocasionais de:

uma dose de aventura
mistério
riso
alegria
entusiasmo
comida saborosa
vinho tinto
cheiro de terra, árvores e plantas
vento morno
dançar
sonhar
verde, muito verde!
Sol
alongamentos
estudo e descobertas
viajar

Não precisa ser tudo ao mesmo tempo. Nem sei se aguentaria tanta felicidade. Pode ser um destes ingredientes de cada vez.

Quando estiver triste e me esquecer, basta-me vir aqui, e reler a minha mensagem na garrafa.

A velejar ao sabor do vento,
Hazel

Colaboração com programa de rádio

Lá do outro lado do oceano, no Brasil, existe um programa de rádio infantil chamado Vitrolinha da Rua, que tem o apoio da TV UFPB/TV BRASIL. 

Nesta rádio, contam-se histórias infantis, lendas, há trava-línguas, música, poesia e muita, muita magia. Este é um projecto inclusivo, desenvolvido a pensar nas crianças cegas.

Há algumas semanas, esta vossa escriba, que tem alma de Peter Pan, foi convidada para colaborar com a Vitrolinha, fazendo a narração de uma história infantil.

Sendo eu portuguesa, concebida, nascida e criada em Portugal, tive algum receio que a minha pronúncia talvez não fosse bem compreendida ou apreciada.

Mas o projecto é tão delicioso e cheio de amor, que resolvi mergulhar de corpo e alma... e o resultado desta união entre Portugal e Brasil não poderia ter sido mais divertido e encantador!

Partilho convosco o programa, com o título "A casa da bruxa", que pode ser escutado online, ou podem também fazer download e levar para ouvir no carro com os vossos gaiatos.

Quando ouvirem a pronúncia de Portugal (a partir do minuto 16)... já sabem quem é! grin emoticon



No espírito da Formiga-Rabiga,
Hazel

As Rosas de Heliogábalo - Alma-Tadema

"As Rosas de Heliogábalo" - 1888
Ninguém diria que este quadro, pintado pelo holandês Sir Lawrence Alma-Tadema, tão belo, delicado, leve e perfumado, na verdade, é um retrato perfeito da malvadez requintada.

Heliogábalo é o cognome atribuído post mortem ao jovem imperador romano Marco Aurélio Antonino. Tornou-se Imperador aos 14 anos de idade, foi assassinado aos 18.

Os seus quatro anos de poder (e últimos de vida) foram marcados pela excentricidade e escândalos sexuais e religiosos. Casou-se 5 vezes, uma das quais, com uma virgem vestal. Teve vários amantes do sexo masculino, usava maquilhagem e prostituía-se. Ofereceu uma fortuna ao médico que pudesse operá-lo de forma a ter órgãos sexuais femininos.

O quadro "As Rosas de Heliogábalo" eterniza um banquete onde se vê o Imperador em segundo plano, deitado juntamente com alguns dos seus favorecidos, a observar com deleite os restantes convidados enquanto estes são asfixiados com milhares de violetas, rosas e outras flores que caem inesperadamente de um tecto falso.

Um assassinato perfumado, premeditado por um Imperador caprichoso, intoxicado pelo próprio poder e pelo sentido de beleza até no mais vil e traiçoeiro dos actos.

Sobre o perfume das flores,

Hazel

"Segure-me aqui a Língua desta Menina."


Foi na Primavera tensa de 1999 que uma malfadada espinha de carapau me escorregou através da glote e se espetou bem lá no fundo da garganta.

[Isto não é uma metáfora. Se é sensível a descrições de teor demasiado humano, cru e visceral, não leia mais. Embora não seja dos posts com maior "violência gráfica" que escrevi. 
Há piores.]

Tentei tossir, mas ela não saiu. Comi pedaços de pão inteiro, na esperança de empurrá-la pelo aparelho digestivo abaixo, e-depois-logo-se-via, sempre com a memória daquela tia-avó que um dia foi parar ao Hospital com uma espinha de bacalhau atravessada no reto.

O pão não resultou. A espinha estava ali para ficar. Nessa noite, deitei-me com o desejo que a espinha demoníaca desaparecesse milagrosamente e, na manhã seguinte, tudo não tivesse passado de um sonho menos bom.

A manhã chegou e, com ela... a Espinha. Agora, em letra maiúscula, como se escreve o nome das coisas que ganham uma personalidade própria. Tomei duche com a Espinha. Vesti-me com a Espinha. Fui trabalhar com a Espinha. E, após as advertências dos colegas, que me alertavam para a possibilidade de começar gangrenar - eu perdoei-lhes, a sério que sim!, dei-me por vencida e fui para o Hospital.

A funcionária da triagem parecia farejar algo embaraçoso no motivo da minha ida às Urgências, quiçá digno de notícia no "Correio da Manhã", a avaliar pelo meu aspecto saudável e, ao mesmo tempo, tremendamente envergonhado. Não, não tinha objectos estranhos entalados nas cavidades anal nem vaginal! Apre!

- Tenho uma espinha espetada na garganta - disse eu, baixinho, baixinho.
- Tem o quêêê? - rosnava a redonda senhora, de dentro do guichet. A fina arte da velhacaria consiste em fazerem-nos repetir alto e em bom som, numa sala cheia de pessoas curiosas e atentas (ou que a nossa timidez assim nos faz parecer), o motivo do nosso embaraço. [Agora que olho para trás no tempo, constato como era introvertida na época.]

- TENHO UMA ESPINHA ESPETADA NA GARGANTA! - respondi, mais alto, para satisfação da curiosidade mórbida que me rodeava - E porra para isto tudo! - isto não disse, mas pensei, intercalado por impropérios também ditos mentalmente, que não me atrevo a reproduzir aqui.

Fui atendida pelo Otorrinolaringologista, um senhor de bigode fininho, com uma calma anestésica e uma paciência infinita. O Sr. Dr. espreitou cá para dentro e decidiu mentalmente quais os instrumentos de tortura que iria utilizar em mim. Chamou um enfermeiro para ajudar:
- Segure-me aqui a língua desta menina.

Gene Simmons - Kiss
O jovem enfermeiro chegou e, com um pedaço de gaze, puxou-me a língua cá para fora com força. Ai Senhores. Senti-me como o vocalista dos Kiss, mas sem as pinturas faciais, o cabedal preto e o talento para cantar.

Entretanto, o Sr. Dr. Otorrinolarin.... (isso, isso), segurava uma pinça que seria suficientemente grande para agarrar na parte mais larga da tromba de um elefante. E era aquilo que ele ia enfiar-me goelas abaixo. Jurei a mim mesma nunca mais comer peixe. "Nunca mais como peixe, nunca mais como peixe, nunca mais como peixe."

Conforme a pinça zoológica me adentrava a faringe, percebi no quão parecidos os humanos podem ser com os gatos em espasmos pré-vómito de bolas de pêlo. Julguei que fosse vomitar na cara do médico do bigode fininho e do enfermeiro que me continuava a puxar a língua como se esta fosse elástica. Pensei que depois disto ia ficar tão comprida como a passadeira vermelha dos Óscares do Cinema. Ou bifurcada como as das serpentes!

Foram várias as tentativas de chegar até à Espinha. As lágrimas escorriam-me pelos cantos dos olhos, enquanto eu pensava, tentando encontrar algum lado positivo naquilo, "Vai que ela tinha ficado espetada à saída..."

Por fim, a super-pinça conseguiu apanhar a diaba da espinha. Agora, volta a ser espinha em letra minúscula. Na minha imaginação, depois de 24 horas com ela enterrada nas minhas carnes macias, tenrinhas e indefesas, esperava uma espinha gigante. Tinha menos de 1 centímetro. Muito pequenina. Mas velhaca, bem velhaca, a danada.

Após esse episódio, em 1999, estive, de facto, vários meses sem comer peixe. Depois, gradualmente, voltei a comer peixe. A minha zanga, em particular com os carapaus, durou muitos anos. Olhava para eles com um desprezo que mais ninguém entendia, a não ser eu e a minha glote, que ainda guardava memórias funestas.

Raramente comi carapaus depois disso e, as poucas vezes que o fiz - sempre a contragosto - era porque estava em casa de alguém, e não tinha mesmo como fugir ao maledeto peixe, mais perigoso que um tubarão branco.

Até esta semana. De volta a 2015, após 16 anos, comi carapaus assados no forno.
E, olhem... gostei. Tenho que admitir: estavam deliciosos.
Carapaus, estão perdoados!

A sentir-me um autêntico carapau-de-corrida,
Hazel

Dentro do meu Candeeiro mora um Fantasma


O candeeiro da minha mesa-de-cabeceira é uma antiguidade e, por isso, faz mau contacto. Todas as noites, quando o desligo, ele volta a acender-se sozinho. Eu volto a desligá-lo, e ele reacende-se. E torno a desligar, até ele acabar por aceitar que é hora de dormir. A maior parte das vezes, ele reacende-se umas sete ou oito vezes seguidas.

É assim todas as noites, nos últimos anos. Mas agora ele ficou caprichoso. Durante a madrugada, várias horas depois de o ter desligado, sou acordada pelo clarão no quarto. Abro os olhos e lá está ele, teimoso, aceso.

Tem sido sempre à mesma hora. Ele é uma antiguidade, e as antiguidades são assim.
Fazem mau contacto e têm as suas vontades e pertinências.

Só hoje reparei que ele nunca se reacende de dia. Nunca aconteceu, mesmo.
Aliás, quando o ligo de dia consigo sempre desligá-lo à primeira. Concluo que o maroto é um noctívago. Prefere brincar comigo à hora em que o Sol dorme e os mistérios e assombros tomam conta do mundo.

Podia trocar-lhe os fios e o interruptor, para que ele funcionasse como os candeeiros modernos, máquinas perfeitas e infalíveis, sem estes humores e contornos excêntricos de personalidade que assustariam muitas pessoas. Mas... eu gosto dele assim.  
smile emoticonsmile emoticonsmile emoticon
(Mantenho-vos informados, caso ele se lembre de me surpreender com novas habilidades!)

Encantada com antiguidades caprichosas,

Hazel

Manifesto Anti-Galo de Barcelos

A Lenda do Galo de Barcelos
Reza a lenda que tinha havido um crime, e um galego que estava de passagem tornou-se o principal suspeito. Foi condenado à forca. Desesperado, o homem implorou que o levassem ao juiz. Este, encontrava-se a jantar com os amigos. Sobre a mesa, estava uma travessa com um galo assado. O galego, insistindo na sua inocência, disse:

"É tão certo eu estar inocente, como certo é esse galo cantar quando me enforcarem."

Ainda assim, a condenação foi em frente. No momento do enforcamento, o galo assado levantou-se da travessa e cantou. O juiz, tomando consciência de que tinha cometido um erro, correu para o condenado e retirou-o da forca que, graças a um nó mal feito, não o matara.
------------------------------------------------

Desde o séc. XVI, o Galo de Barcelos tornou-se um símbolo nacional. De Norte a Sul do país, várias gerações de artesãos portugueses - quase se diria possuídos pelo espírito do galo cantante - não têm feito outra coisa ao longo destes últimos cinco séculos, senão galos de Barcelos.

Meus senhores, o bicho está em todo o lado. Em estatuetas de todos os tamanhos e géneros, aventais de cozinha, azulejos, pratos, canecas, copos, travessas, brinquedos, tabuleiros, bordados, caixas, joalharia, almofadas, toalhas, canetas, saca-rolhas, guardanapos, tapetes, cortinas, relógios, porta-chaves, livros para colorir, bijuteria, colchas, talheres, tecidos estampados... ad nauseam!

Nem sei como não está na bandeira nacional, em lugar da esfera armilar.

Esta semana, estava a folhear as promoções dos supermercados e lá estava ele na secção de têxteis: panos da loiça estampados com o Galo de Barcelos, por 1€.

Com tantos padrões que existem, pelo amor da piriquita. Riscas, bolinhas, axadrezado, vichy, cornucópias, losangos, chevron. As modas passam, mas o velhaco do Galo sobrevive a tudo. Pudera, pois se ele cantou depois de ter sido assado, qual zombie de penas estorricadas.

Se houver alguém em Barcelos que esteja a ler isto, peço encontrem outro símbolo. Um pintainho, um perú, um gafanhoto - o que quiserem. Mas concedam descanso ao galo!

Há cinco séculos - repito, cin-co-sé-cu-los - que o vemos em todo o lado. Todos conhecemos o Galo de Barcelos, desde que nascemos; aliás, já o aturamos desde há não sei quantas encarnações antes desta. Por isso, num momento de profundo e galináceo desvario, resolvi escrever este Manifesto Anti-Galo de Barcelos.

O Galo de Barcelos é chato.
O Galo de Barcelos nem sequer sabe cantar, porque é desafinado.
O Galo de Barcelos não passa de um frango que foi mal assado.
O Galo de Barcelos é fatela e piroso.
O Galo de Barcelos é um garganeiro que ocupa o espaço todo e não deixa as outras lendas serem também dignamente representadas em panos-da-loiça-a-1-euro.
O Galo de Barcelos cheira mal das patas! E tem a crista despenteada!
O Galo de Barcelos merece paz e descanso! E nós também! Dele!


Tenho a certeza que vem nas profecias do Nostradamus que os panos da loiça do Galo de Barcelos serão os últimos sobreviventes após o fim do mundo. Quem viver, verá!

Horrorizada com a descoberta de um pano da loiça do Galo de Barcelos no fundo de uma das gavetas da minha cozinha,
Hazel

Uma noite de loucos no Hospital Júlio de Matos

Neste último Sábado à noite, estive no Hospital Júlio de Matos.
Fui de livre e espontânea vontade, sem vestir um casaco branco, sabem, daqueles em que nos podemos abraçar a nós mesmos, e que são moda nos hospitais psiquiátricos. haha!

E, olhem, deixem que vos diga: foi uma estadia de loucos...

Tudo começou quando enviei uma foto de um antigo guarda-jóias meu que, caso fosse aceite, passaria a fazer parte de um dos cenários vintage da peça de teatro com o nome "E morreram felizes para sempre".

Em troca, se a candidatura fosse aprovada, eu receberia bilhetes VIP para assistir à mesma peça. Eles aceitaram!

Às 22:00, dei por mim, e mais umas vinte pessoas, fechados numa sala pequena, velha, mal iluminada e cheia de tubos de ensaio, no antigo hospital psiquiátrico.

Foram-nos entregues máscaras cirúrgicas e explicadas as regras. É proibido retirar a máscara durante a peça inteira, falar, andar de mãos dadas, tirar fotografias, filmar e mexer nos actores. Casacos e malas devem ficar no bengaleiro. Todos vão de mãos a abanar, retirados da sua zona de conforto.

É permitido circular livremente, mexer nos cenários, abrir gavetas, armários, portas, baús, livros, ler relatórios médicos, e bisbilhotar tudo o que quisermos. Tudo mesmo.

Todos os convencionalismos ficaram lá fora. A maçaneta da porta mexe-se sozinha, causando um silêncio perturbador na sala onde esperamos o início da peça, sem percebermos de imediato que ela já tinha começado, como uma charada perfeita.

A abertura violenta da porta que dá acesso ao interior escuro do hospital, faz-nos ter mais adrenalina do que sangue a percorrer as veias. De máscaras cirúrgicas colocadas, todos perdem as máscaras sociais e observam sem pudores o que se está a passar a um milímetro da própria pele arrepiada de emoção, abrem e remexem em gavetas, ou sentam-se numa poltrona de veludo vermelho-sangue dentro de um quarto impregnado de perfume de lavanda onde um casal se veste para ir a uma festa. Os cenários estão repletos de pistas.

Nesta viagem no tempo, somos transportados para o ano de 1949, em que o Dr. Egas Moniz recebe o Prémio Nobel da Medicina pela sua maquiavélica invenção da lobotomia.

Algumas das pessoas que estavam a assistir foram levadas para salas fechadas com personagens, ou puxadas para o meio da cena, tornando-se parte activa nela (esta vossa escriba, infelizmente, não teve essa sorte!).

A curiosidade é-nos constantemente espicaçada (cheguei a ver um rapaz rastejar por uma passagem secreta dentro de um roupeiro que o levava para outra sala), levando-nos a perseguir as personagens ao longo de cenas recheadas de mistério, loucura, erotismo, pancadaria, dança, sentido de humor e uma dose constante de ironia. Nenhuma palavra é dita pelos actores durante a peça. E, no entanto, conseguimos acompanhar tudo.

Sentimo-nos como fantasmas que descem as escadarias a correr e caminham a passo apressado através dos corredores escuros e cheios de nevoeiro do "hospital dos malucos" - como é vulgarmente conhecido - a meio da noite.

Várias histórias interligadas desenrolam-se em simultâneo nos diferentes cenários, levando-nos a observar diversos pontos de vista para cada situação. Que belíssima metáfora.

Os actores desta peça de teatro imersível tiveram um desempenho irrepreensível.

Os cenários são riquíssimos, mexendo-nos com os sentidos. Diferentes cheiros em cada sala, cortinas de veludo, toucadores, livros velhos, perfumes antigos, um esqueleto, um picador de gelo (para as lobotomias!), chávenas que abanam sozinhas sobre cómodas, candeeiros com abat-jours de franjas...

Regressamos para casa no fim da peça a reviver mentalmente tudo o que se passou, como se o nevoeiro dos corredores do hospital, de alguma forma mágica, nos acompanhasse, e passamos dias a fio a tirar conclusões atrás de conclusões. Talvez tenhamos sido sujeitos a uma lobotomia, mas sem o picador de gelo, e bem-sucedida...

Agradeço à Produção pela oferta dos bilhetes e pela experiência vivida, e regressarei em Setembro, para continuar a charada.

Na plena posse das minhas faculdades,
Hazel

A Lenda e a Simbologia da Dança dos 7 Véus


A origem da enigmática e fascinante "Dança dos Sete Véus" é tão difusa e volúvel quanto o é todo o Mistério Feminino. Ainda que exista uma ideia (errada) de que é uma espécie de striptease, tal não poderia estar mais longe da verdade.

A Dança dos Sete Véus é uma forma de arte riquíssima em simbologia mágica onde se faz uma teatralização do processo iniciático.

A lenda da descida aos Submundos pela Deusa Babilónica Ishtar (Senhora do Amor, da Fertilidade e da Guerra), poderá estar na origem desta dança:


Ishtar viajou através do reino dos mortos para resgatar o seu amado Tammuz. Teve de atravessar 7 portais, cada um guardado por 7 demónios.

Para poder passar cada portal, foi-lhe exigido que deixasse ficar um dos seus pertences que representava um atributo de que ia prescindindo: beleza, fertilidade, amor, saúde, magia, poder e o domínio sobre as estações do ano.

Todas as jóias e véus que levava iam ficando para trás ao longo da descida. Quando passou o último portal, estava completamente nua.

O cair dos véus representa o revelar dos mistérios outrora ocultos, a abertura da visão, o despertar da consciência.

Simboliza também a troca inevitável imposta pelo eterno girar da Roda da Fortuna: é preciso deixar ir, abdicar do que nos é precioso, desapegando-nos da ilusão de posse, para conquistar algo grandioso.

Seja no mundo dos homens, seja no dos Deuses, não existem espaços vazios; há que pagar um preço por cada degrau evolutivo da longa escadaria da ascensão espiritual. Para andar para a frente, tem que se deixar algo para trás.


A ascensão faz-se para baixo e não para cima - é no mergulho nos submundos que nos despimos das máscaras sociais e encaramos o nu visceral da Verdade, regressando, assim, à Essência. Como uma semente que precisa das profundezas da terra para poder germinar, e só assim consegue romper a superfície do solo em direcção ao Sol.

Abreviando a lenda, que é extensa, Ishtar revela a sua verdadeira essência e une-se a Tammuz, tornando-se a guardiã das chaves dos portais, que abrem apenas para os Iniciados.

É-me inevitável olhar para esta representação da Deusa Ishtar sem associá-la à carta de Tarot "O Mundo".

Na carta XXI (21 = 3 ciclos de 7), "O Mundo", vemos uma mulher (os Mistérios e o atravessar dos portais são assuntos eternamente ligados ao sexo feminino; as mulheres são, em si, o portal da vida e da morte), nua (porque está na sua essência e, portanto, dispensa artifícios), e que segura as duas varinhas (detém as chaves do Conhecimento).

O véu que serpenteia o corpo nu, uma alusão ao Conhecimento desvendado. Tal como Ishtar, acompanhada pelos 4 guardiões. A derradeira representação da Iniciação.

Diz-se que os sete véus correspondem às sete cores do arco-íris, as sete notas musicais, as sete virtudes os sete vícios, os sete planetas, os sete chakras: vermelho, laranja, amarelo, verde, azul-claro, violeta (ou azul-índigo) e branco.

O número 7 é considerado o número da perfeição, por ser a soma do 3 (Céu/Espírito) com o 4 (Terra/Matéria); ou seja, a fusão dos mundos. A Totalidade.

Idealmente, as cores dos véus são as dos sete chakras principais, e a retirada de cada véu é acompanhada de movimentos corporais com ondulações e/ou marcações na zona do corpo que é revelada e que corresponde ao chackra que é "descoberto".

Respondendo à pergunta que paira na mente dos mais púdicos, a verdadeira nudez é um conceito mais profundo que um corpo sem roupa. Não existe nudez física na Dança dos Sete Véus. Os véus vão caindo, mas a roupa permanece vestida. Porque é a alma que se desnuda, e não o corpo.

A vossa escriba, pela lente de Marco Dinis Santos 

No limiar dos portais,

Hazel

O sábio do lago dos lótus





- Mamã, quero fazer alguma coisa contigo, diz o L., cheio de enfado porque os brinquedos já não brincam como antigamente quando era pequenino.

A paciente mamã levou a cangalhada toda dos trabalhos manuais para a mesa da cozinha e sentou-se a desenhar um velho chinês a andar de barco num lago de flores de lótus.

Com lápis-de-cor, pétalas de flores secas (os lótus), folhas secas (o chapéu e as folhinhas nas montanhas), cartão (o barco), um pau de fósforo dos compridos (o remo), pedaços de penas (a gaivota), lãs (cabelo e barba) e outras minhoquices que fui acrescentando, o quadro foi aparecendo aos poucos.

Sua Alteza não estava a colaborar. A resignada mamã foi pintando e colando.
Sua Alteza levantou-se da mesa rabugento e chato, e eu julguei que tivesse ido buscar mais algum ingrediente para colar ao desenho. E nunca mais voltava...

Deve ter ficado com sono pelo movimento suave do barco no lago dos lótus; a surpreendida mamã foi encontrá-lo a dormir profundamente.

Afinal, o que Sua Alteza queria fazer comigo era dormir uma boa sesta!

Com os dedos cheios de cola,
Hazel

O Feitiço da Serpente


[Ficção - maiores de 18 anos]

O manto escorregou-lhe ao longo das costas nuas em direcção ao chão, no entanto, parecia que ainda continuava sobre si. Quase se poderia contar o ar partícula a partícula. Havia uma electricidade no ambiente semelhante àquela que se sente antes de uma trovoada. Os seus pés caminhavam através das lajes pretas e brancas, como uma peça de xadrez que desliza ao longo do tabuleiro. Silencioso e inexorável como a Torre e, contudo, directo e fatal como a Rainha.

O som oco do bambu tocava a melodia ordenada pelo vento quente que se esgueirava por uma janela no extremo oposto, e era quebrado por pesadas cortinas de veludo cor de sangue, que se moviam subtilmente revelando fantasmagóricas formas femininas que dançavam à sua passagem.

Toda a sala parecia um útero profundo, macio e enigmático, que aguardava a sua chegada com a inevitabilidade de uma velha profecia. O fumo do incenso serpenteava à sua volta, entontecendo-o, embriagando-o. As imagens começaram a aparecer em flashes, inexplicavelmente sincronizadas com o pulsar do sangue nas suas veias dilatadas pela mistura da excitação e do medo.

Através das cortinas de fumo, revelou-se o corpo de uma mulher, que se movia de forma sinuosa como uma serpente, dançando lentamente ao ritmo dos bambus. A Deusa. A Bruxa. Aquela que Tudo Vê. Sentiu-se capaz de sacrificar a sua própria vida para poder perpetuar aquela visão, de se oferecer para ser seu escravo. De matar ou de morrer.

Engoliu em seco, enquanto uma gota salgada de suor lhe escorria pelas têmporas. Os olhos ardiam-lhe e desfocavam-se numa névoa que mal lhe permitia ver. Totalmente submisso, de corpo nu, transpirado e a latejar de medo e desejo, mal conseguia pensar com clareza.

Talvez fosse tudo um sonho, uma alucinação, ou uma obsessão que foi longe demais. Os cabelos longos, escuros e ondulados da mulher beijavam-lhe provocadoramente os seios como serpentes vivas, lânguidas e famintas.

Deu um passo em frente, movido pelo desejo que não se consegue conter e nos leva a saltar para o abismo só pelo prazer de voar. É na loucura que está a razão.

Beijou com devoção os seus pés brancos e suaves como uma delicada flor de lótus. Ousou olhá-la nos olhos de ágata-de-fogo, que o aprisionaram num transe hipnótico. Entregou-se. Sentiu-se asfixiar, enquanto o prazer lhe invadia o corpo. Estava a ser devorado pela serpente. O seu sibilar penetrava-lhe os ouvidos como uma corrente eléctrica. Nada mais importava. Ali estava tudo.
O Alfa e o Ómega. A Grande Iniciação.

Gradualmente, todos os seus dedos foram sendo sugados, os lóbulos das orelhas, o pescoço, os mamilos, o sexo, a ponta da língua. E tudo ficou completamente escuro.

...

Quando acordou, tinha os seus lençóis enrolados à volta das pernas. Sentou-se na beira da cama, confuso. Teria sido tudo um sonho?

O seu coração disparou quando olhou para baixo e se deparou com uma pequena tatuagem de uma serpente que apareceu misteriosamente no interior da coxa esquerda...

- Fim -

Sob os auspícios da Serpente,

Hazel

Pelas ruas do meu bairro


Ainda eu usava totós com laçarotes de cetim e meias de renda branca até aos joelhos, e já a Drogaria Costa, no Largo de S. Domingos de Rana, era antiga.

Foram muitas as vezes que ali fui, pela mão da minha mãe, para comprar uma vassoura, um escorredor, um globo de vidro para o candeeiro da sala, querosene, parafusos, ou qualquer outra utilidade doméstica.

Ali havia de tudo, e as pessoas tantas vezes chegavam a fazer fila até à rua. Nesse tempo, ainda não existiam as "lojas dos chineses", nem o Leroy Merlin.


Os anos passaram e quase todo o comércio tradicional foi, aos poucos, desaparecendo como pó numa tarde de vento quente. Excepto esta loja, a mais antiga da localidade. E, quanto a mim, a mais especial.


Hoje precisei de comprar um insecticida para os tapetes (que os meus gatos têm andado pulguentos!), e resolvi ir lá.

Enchi-me de coragem, venci a timidez e, depois de pagar a minha conta, pedi autorização à senhora para fotografar a sua Drogaria.

Conhecendo-a de vista praticamente desde que nasci, apercebi-me de que só hoje, pela primeira vez, perguntei o seu nome.

A Dona Irides, 76 anos, não queria ser fotografada. Esta senhora, que percebe de torneiras, parafusos, decapantes, tintas, ceras, e toda a parafernália que se possa imaginar numa drogaria, no fundo, é a alma deste lugar. É dela que provém todo o encanto, toda a magia.

Por isso, correndo o risco de ser chata, insisti. Aceitou uma fotografia acompanhada pela sua filha Paula, enquanto conversámos sobre os velhos tempos.



A Drogaria já existia antes de ter sido comprada pela Dona Irides e o seu (já falecido) marido. Desde há 40 anos que esta senhora, bem-disposta e com um sorriso, atende os pedidos de quem lá vai, tendo sempre um conselho útil a dar.


Enquanto as suas sábias mãos me mostravam como se monta uma ratoeira, explicava de que forma os ratos mais espertalhões, depois de roubarem o tentador pedaço de queijo, conseguem escapar.


A sua filha Paula, de 40 anos, a mesma idade da Drogaria Costa, contou-me que sabe tocar piano e, com a genuína doçura e ternura de uma criança, perguntou se me podia dar um beijo.
Claro que sim!



Estas paredes contam histórias de um tempo em que havia menos de tudo. Menos lojas grandes, menos canais de televisão, menos aparelhos electrónicos. Mas, em compensação, havia mais simplicidade, mais olhos-nos-olhos, mais calor humano.

A Drogaria Costa não tem página de Facebook. Por isso, fui lá directamente fazer "like", à boa maneira tradicional. Cheguei lá, olhei nos olhos das pessoas e disse que gosto deste sítio, e que é especial para mim! Assim mesmo.




Obrigada, Dona Irides!
Obrigada, Paula!

Dentro da máquina do tempo,

Hazel

"Mamã, eu quero mais liberdade!"



O L. está insatisfeito porque lhe limito o tempo passado no computador a jogar "Minecraft". Num suspiro vindo lá do fundo da alma, clama:

- Mamã, eu quero mais liberdade!

Ora, foi com uma afirmação semelhante que D. Afonso Henriques começou isto tudo. Também queria jogar "Minecraft", e criar um país. Olhem no que deu.

Some things never change.  smile emoticon

Saudações da Rainha-Mãe,
Hazel

O Grande Livro das Plantas de Interior


Publicação de 1982. O livro que toda a dona-de-casa esmerada e airosa tinha de ter.
Um clássico que sempre vi pelas casas portuguesas, junto de outros tomos da literatura doméstica, como o "Livro de Pantagruel", "O Grande Livro dos Lavores", os da Filipa Vacondeus e, escondida no meio deles, a revista "Maria" - a tal que todas compravam, mas nenhuma admitia, aham...

Eu não sou dona-de-casa. Sou dona-de-mim. Nem sou esmerada, mas sou um bocadinho airosa. E adoro plantas! Nunca o tive, mas sempre desejei, que o livro é velhinho, mas bom!

Hoje, encontrei-o à venda em 2ª mão. Peguei nele lentamente com as duas mãos, com a devoção de quem pega numa relíquia sagrada. Até acho que os meus pés se elevaram um bocadinho do chão, enquanto um coro de anjinhos barrocos entoava AAAAHHHH...

O tão desejado livro das plantas, ali, à minha espera. Custou 2€. E aqui está ele, ao meu colo. Não fosse amanhã acordar com a cara espalmada, e estava quase capaz de o usar como almofada, só para não me separar de tão precioso tesouro.

Em suspiros,
Hazel

7 plantas resistentes e fáceis de ter em casa

Se não tem um jardim, ou mesmo uma varanda, sonha com um pouco de Natureza dentro de casa, mas acha que é impossível, isto é para si!

Reuni as 7 plantas mais resistentes que conheço. Todas sobrevivem dentro de casa, desde que haja um pouco de luz natural, água e amor. São tão resistentes, que quase poderíamos chamar a esta lista "o Chuck Norris do reino vegetal". Vejamos as instruções:

1. Clorofito (chlorophytum comosum)

Não deve ser exposta a luz directa, ou as folhas ficam queimadas. Requer regas frequentes e abundantes.
Se tiver gatos, terá de pendurá-la num lugar alto, pois eles adoram comer as suas folhas!
2. Violeta (saintpaulia ionantha)

Requer luz indirecta.
As regas devem ser regulares, mas não abundantes.

Não regar a planta directamente; a água deve ser colocada no prato por baixo do vaso.



3. Dracaena (dracaena deremensis)

Também dispensa luz directa. As regas devem ser regulares, mas pouco abundantes.
4. Jibóia (epipremnum aureum)

As folhas ficam queimadas se estiver sob luz directa. As regas devem ser frequentes e abundantes. Sobrevive também apenas em água, sem terra.

Como é uma trepadeira, deve ser usada uma estaca para que ela possa apoiar-se.

5. Lírio-da-Paz (spathiphylum wallisii)

Manter protegido de luz directa.
Requer regas frequentes e abundantes.

Além das regas, ela fica muito feliz se receber umas borrifadelas de pulverizador com água.



6. Yucca (yucca sp.)

Necessita de luz directa de uma janela.
As regas devem ser regulares, mas não abundantes.
Convém deixar a terra secar um pouco entre regas.






7. Espada-de-São-Jorge (sansevieria trifasciata)

A mais resistente de todas. Tolera luz directa, assim como meia-sombra. Resiste a regas abundantes, assim como a regas espaçadas.

Se deixar morrer uma Espada-de-São-Jorge... o melhor para si são mesmo as plantas de plástico!

Dois conselhos que se aplicam a todas as plantas: sempre que houver folhas ou flores secas, corte-as com uma tesoura, para que os nutrientes cheguem ao resto da planta.

Quando as folhas tiverem pó, limpe-as com um pano húmido (há quem use leite, mas a água é suficiente para limpar as plantas), de ambos os lados, para que as plantas consigam respirar. A excepção é a violeta, que tem folhas frágeis e peludas; neste caso, basta retirar o pó usando cuidadosamente uma escova de dentes velha.

Se seguir as minhas instruções, não há como falhar!

Directamente da minha selva em vasos, para o mundo,
Hazel

Sagrado Feminino - As Mulheres que me Acompanharam

Agradeço publicamente às maravilhosas mulheres que me acompanharam ao longo do último mês, celebrando o Sagrado Feminino.

Deixo aqui a minha homenagem a todas vós, partilhando um pouco de cada uma e daquilo que esta experiência vos trouxe:

 
Heloísa de Mesquita Inoue
Goiânia, Brasil

"O sagrado feminino despertou a esperança e trouxe de volta o que há de melhor em mim, o meu olhar terno e sereno, ou seja, trouxe de volta a mulher que dormia em mim!"













Sara
Porto, Portugal

"O que me fica deste mês é a sensação de liberdade! Ser mulher e sentir-me mais mulher é também sentir-me livre! Livre de roupa e livre de preconceitos, leve e fresca como este maravilhoso mês de Maio. Obrigada, Hazel, por mais este desafio que partilhei contigo!"










Rita C.
Carcavelos, Portugal


"Para mim este Sagrado Feminino foi um regresso à minha Mónada..."












Rosa Araújo
Almeirim, Portugal

"Considero-me uma pessoa feminina por natureza e de bem comigo mesma, mas muitas vezes acabo por vestir a 1ª coisa que me aparece na frente, o que ao longo deste mês não aconteceu e dei por mim a prestar mais atenção ao meu corpo. Tal como a Hazel, este ano senti-me a celebrar o meu aniversário prolongadamente. Os 50 são um marco importante, por isso valeu a pena!"








Diana Araújo
Norwich, UK

"Maio - mês que me levou a casa, a Portugal. Por entre surpresas, fadas e flores, iniciei esta celebração com a minha mãe. Há um mundo único e mágico das mulheres, que nos une e fortifica, que nos dá asas e lugares seguros."










Lénia Carlos
Cascais, Portugal

"Com esta experiência descobri que se quero, consigo. Por isso basta querer! Estes 31 dias foram vividos com muito entusiasmo, disciplina e em comunidade com as outras mulheres. Descoberta: tenho muitas saias e vestidos que não usava. Adorei!"








Lieve Tobback
Lousã, Portugal

"Em 2010, acompanhava a Casa Claridade à distância. Lembro-me tão bem das invenções dos visuais diários, esperava todos os dias pela fotografia. Este projecto de vestidos e saias, esta celebração do feminino inspirou-me na altura. Soltou algo em mim. Comecei a ver-me como a mulher que sou. E comecei a usar vestidos e saias.

Este mês de Maio decidi entrar no desafio proposto. Ainda estou a reflectir sobre e a digerir este mês que passou. Foi um mês intenso. De descobertas. Lindo. O facto de fotografar-me todos os dias e publicar esta fotografia, fez-me pensar no que vestir em vez de "enfiar o trapinho que estivesse mais à mão".
Também não houve pijamadays este mês, hehehe. Cuidei mais de mim, olhei mais para mim. Acho que nunca me olhei tanto ao espelho! Fiquei mais "vaidosa" ao longo deste mês e continuo a pensar em formas diferentes de combinar os vestidos e saias que tenho. Aprendi a sair da minha concha e assumir-me, como mulher e como pessoa. Sinto-me mais segura de mim, sinto-me mais bonita. Esta minha caminhada ainda tem muito por onde andar mas sinto que resgatei o meu ser, o meu sagrado feminino. Grata, por tudo."


Missão cumprida!
Em conjunto, resgatámos o Sagrado Feminino, a união entre mulheres, a amizade, o respeito, a confiança, a individualidade de cada uma. Obrigada a todas, do fundo do coração!

Em profunda gratidão,
Hazel