Laboratório do Amor


O amor é urgente, desajuizado e ridículo. Eventualmente, causa até um bocado de nojo, podendo mesmo chegar a induzir em gregorianos espasmos pré-vómito aos que, frustrados nas suas ilusões, deixaram de acreditar porque o tomaram por uma âncora que estanca a fragata em alto mar, quando o segredo está nas velas que a fazem deslizar, engolindo céu, sol, estrelas, mar e vento.

É uma carga de trabalhos, disso não há dúvida. Não se pode amar em part-time, ou tirar férias do amor. É um trabalho para escravos que se deixam capturar de livre vontade e que apenas podem ser remunerados com amor. Quem for mal pago, começa a desmazelar-se no serviço.

Nada sabendo de comprovado sobre tão misterioso e hermético tema, reservado aos poetas e aos loucos, e incluíndo-me nos últimos (primeiro, porque não sei rimar e segundo, porque só alguém sem juízo poderia, nos tempos que correm, atrever-se a amar), publico o resultado de uma longa e minuciosa pesquisa realizada em laboratórios da-mais-fina-e-excelsa-qualidade sobre as transformações dos vinte aos quarenta anos nas artes de l’amour:

Aos vinte anos, já sabemos o que queremos — ou julgamos saber.
Aos quarenta, sabemos o que não queremos.

Aos vinte, preocupamo-nos em agradar à família.
Aos quarenta, que se lixe o que pensa a tia, a prima ou o periquito. Quem sabe da nossa vida somos nós, ora.

Aos vinte, acreditamos em príncipes encantados.
Aos quarenta, voltamos a acreditar neles, porque no intervalo conhecemos sapos — e se há sapos, tem de haver, pelo menos, um príncipe (segundo dados avançados pelo cientista Walt Disney).

Aos vinte, não temos medo de amar.
Aos quarenta, somos uns cagarolas, cheios de miaúfa, mas amamos na mesma.

Aos vinte, julgamos que vamos viver para sempre e que não precisamos de dormir.
Aos quarenta, não temos tempo a perder e só fazemos uma directa em troca de amor eterno.

Aos vinte, confiamos.
Aos quarenta, desconfiamos.

Aos vinte, não gostamos de ouvir conselhos.
Aos quarenta, desejaríamos ter quem no-los pudesse dar.

Aos vinte, temos a pele esticada e viçosa.
Aos quarenta, temos que aproveitar antes que isto caia tudo (!), benza-nos Afrodite.

Aos vinte, achamos que já sabemos tudo.
Aos quarenta também.

Se o digníssimo e marotíssimo leitor tiver idade compreendida entre os vinte e os trinta, já sabe com que contar quando chegar aos longínquos quarenta. Estatísticas e experiências laboratoriais indicam que tudo tem a tendência a melhorar, apesar de às vezes parecer que não.

Se tiver entre quarenta e cinquenta, venham de lá esses ossos num sentido e compreendido abraço. Força aí.

Se tiver mais de sessenta, peço que colabore neste estudo, a bem do destino da Humanidade e da preservação de tão raro e valioso bem — l’amour — enviando para o meu email a sua história de vida e de amor para ser apreciada pelos nossos cientistas-do-amor.

Esta semana, o arcano Dois de Copas abraça-nos como uma balada dos anos 80, inspirando-nos a encontrar o amor, primeiro dentro de nós, depois nos olhos de alguém. Abençoados os que já o encontrámos. Boa sorte aos que o procuram.

Hazel
Consultas em Oeiras e online

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1652
Ilustração: Kaz, licença CC0

Tão pequena e tão ladina


Os carros colam-se uns aos outros numa longa e fumegante serpente de chapa e vidros eléctricos ali mesmo à saída do bairro. Saem pela direita os que apanham a auto-estrada, fazem pisca para a esquerda os que seguem pela Marginal.

Estão todos parados agora; vejo alguns a enfiar o dedo no nariz, outros a tirar as remelas dos olhos, lacrimosos com a luz dura e cortante da manhã; outros ainda, a perscrutar o nada, suspensos no vazio existencial para onde nos atiram as filas de trânsito.

Estendem-se alguns olhares conformado-entediados no passeio de calçada onde caminha em passo ligeiro, como se estivesse prestes a fazer uma travessura, a vizinha do prédio ao lado do meu. Velhinha, franzina e de cabelo ralo e escuro, sempre de sorriso doce e olhos ladinos. Mora sozinha, nunca aceita boleias.

O ronronar do ralenti dos motores é interrompido pelo inusitado chiado de metal das rodas do seu carro-saco de ir ao supermercado. Não sei se é ela que leva o carro, se o carro que a leva a ela.

— Olá, menina.
— Boa tarde, menina.
— Bom dia, menina.
— Adeus, menina.
A voz assenta-lhe como uma luva: baixa e matreira, mas cheia de genica.

Não se passa nada. É apenas a velhinha fura-vidas a passar em compasso certo à hora que os pássaros alisam as penas e se ouvem os passos das primeiras crianças a caminho da escola. Os ocupantes da gigante serpente de chapa poluente carregam na buzinha como quem estala um chicote para atiçar os da frente a andar.

Ficamos a vê-la ir embora pela rua fora, sem nunca parar, sem jamais abrandar. Talvez seja mesmo o carro-saco de tecido axadrezado que a leva, movido por uma força desconhecida, como um cão fiel que fez o mesmo percurso mais vezes do que se consegue lembrar.

Descobri-lhe o segredo no outro dia, quando a vi passar com o carro-saco mal fechado. Olhei de soslaio e deliciei-me ao descobrir que não são compras que ela transporta lá dentro. O carro-saco vai cheio de vida. Por isso, sei que a velhinha ladina vai viver para sempre — ou até arrumar o carro-saco e se esquecer de onde o deixou.

Esta semana, o arcano O Carro inspira-nos a não ficar parados atrás dos outros como um autómato que é conduzido por alguém. É tempo de encher o nosso carro-saco de vida e seguir-lhe o encalço. Mais do que seguir, perseguir. Com ardor e determinação. Quatro-piscas ligados!, este veículo vai sair do tracejado da estrada para fazer uma manobra inesperada.

Hazel
Consultas em Oeiras e online

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1651
Foto: violetta, licença CC0

Peter Pan mora em Lisboa


Num quarto andar sem elevador, com intermináveis degraus de madeira antiga que rangem como uma velhinha cansada e rezingona apesar da leveza com que os seus ténis pretos os sobem todos os dias no regresso a casa.

Na solidão do seu quarto de paredes tristes e nuas, a porta pintada a branco-casca-de-ovo separa-o dos horrores do mundo tornando aquele singelo quadrado de chão uma ilha silenciosa e flutuante no céu lisboeta, palco de uma peça de teatro onde não existe público nem aplausos, mas apenas um actor que se sujeita a cumprir o papel que escreveu para si mesmo com a resignação paciente de quem cumpre um propósito de vida desconhecido.

Deixou de fumar, mas acendeu um cigarro e deixou-o consumir-se sozinho sobre o cinzeiro velho enquanto os seus olhos cor-de-mel viajam para lá dos riscos e marcas na pintura da parede, cicatrizes de outras vidas que ali foram felizes e infelizes conforme as circunstâncias o foram permitindo. 

Derrama no papel todo o sangue que lhe percorre o coração, numa transfusão feita em tinta azul de caneta Bic laranja. Escreve em caligrafia minúscula, tímida e insegura, como se falasse baixinho com receio de ofender as inquisidoras margens vermelhas da folha pautada. Cada verso do poema um minucioso trabalho de joalharia, onde palavras, métrica, ritmo e significado compõem uma filigrana perfeita.

Os dedos longos e draculinos dobram o papel e escondem-no no fundo de uma gaveta. Ali se encontra a sua vulnerabilidade, a sua nudez, a fragilidade e toda a magia da Terra-do-Nunca. Todo o conteúdo do seu coração, que é apenas um, como a vida, esta, é apenas uma; e um amor como aquele que o invade, que lhe permite esvaziar desta forma o coração e ainda assim, mantê-lo a transbordar sangue e esperança sem cessar, é apenas um também.

Na manhã seguinte, Pan, o Peter, acorda antes do Sol e desce a escadaria velha e queixosa em passos ligeiros. No bolso das calças, o papel dobrado que tirou apressadamente da gaveta. Como sempre, foi o primeiro a chegar ao escritório.

Transcreveu o poema para o computador, releu-o mais vezes do que alguma vez admitiria, censurou-se pela falta de qualidade que achava ter e enviou-o. Peter Pan estava apaixonado. Esperou ansiosamente durante aquilo que lhe pareceu demorar horas, dias, semanas, meses. Dez minutos depois, o tão desejado som de notificação de mensagem. Ela gostou. Talvez o seu poema não fosse tão mau assim. Talvez tudo fizesse finalmente sentido.

E fez. O poema foi publicado pela Chiado Editora na Antologia de Poesia Contemporânea “Entre o Sono e o Sonho”. O lançamento será no próximo Sábado. Peter estará lá, ainda incrédulo e tímido, a falar baixinho como a sua caligrafia. Assina com o nome Diogo Ribeiro — porque ninguém acreditaria que o Peter Pan mora em Lisboa.

Esta semana, o arcano Valete de Copas inspira-nos a nunca deixar de seguir o nosso coração e os nossos sonhos. No fim de tudo, é o que realmente importa. O mundo é dos que amam.

Hazel
Consultas em Oeiras e online

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1649
Ilustração: Eyvind Earle 

Sabes que és um (neo) Pagão quando


Santinho!
Se alguém espirra, não dizes "Santinho!" nem "Jesus!". Seria, no entanto, apropriado dizer "Sagrado Pentagrama!", o que faria as delícias de qualquer pagão constipado.

Pentagrama
Usas ou usaste um pentagrama ao peito. Se fores ousado, talvez o tenhas tatuado numa parte escandalosa e pudibunda do teu corpo.

Altar
Tens um altar pagão em casa, com velas, cristais, pauzinhos, folhas e frutas. Sabes o que é um athame, mesmo que não tenhas.

Vidas passadas
Claro que te recordas das tuas vidas passadas e claro que foste um poderoso mago ou sacerdotisa. Quem se atrever a duvidar disso, não merece ser teu amigo.

Magos versus Muggles
Para ti, existem dois tipos de pessoas no mundo: os que acreditam em Magia. E os cépticos / leigos / muggles, esses bambis ingénuos, desinformados do que verdadeiramente se passa no mundo.

Vertentes do Paganismo
Os que acreditam em Magia, classifica-los em vários subtipos de acordo com as diferentes correntes: Wicca, Druidismo, Stregheria, Helenismo, Xamanismo, Asatru, Dianismo, Odinismo e outros.

Varinha mágica
Tens uma varinha mágica — e não é de moer a sopa.

O Natal
O Natal cristão é um enfado para ti, ovelha negra e incompreendida da família, mas lá vais tolerando com a ajuda dos presentes e dos doces.

Abraçar árvores
Abraças árvores. As árvores são sagradas para ti.

Animal de poder
Tens um animal de poder, que pode ser uma pantera, um falcão, um urso ou qualquer outro de grande imponência. O que muito entristece outros elementos do reino animal, que se sentem rejeitados, como o gafanhoto, a louva-a-deus ou a formiga-de-asas. É uma injustiça.

Crenças
Acreditas em elementais, deuses, semideuses, seres desencarnados, atlantes, unicórnios, e até simpatizas com O Meu Pequeno Pónei.

Fases da Lua
Sabes sempre quando há Lua Cheia, e tens os teus rituais lunares que nem sempre fazes porque não há tempo, mas no-mês-que-vem-não-falha.

Festa sem parar
Sentes-te mais afortunado que os outros que só celebram o Natal e a Páscoa, enquanto tu tens, pelo menos, 8 (oito!) festas ao longo do ano sem contar com os Esbats, seu grande maganão!

Capa com capuz
Tens uma capa com capuz e sentes-te um autêntico Merlin (ou Viviane) quando a vestes. Se pudesses, usava-la até para ir comprar pão ao supermercado.

Viagens espirituais
As tuas viagens de sonho têm de incluir Stonehenge, Escandinávia ou o Oráculo de Delfos (acuso-me!). Se não tiveres dinheiro para ir a Stonehenge, vais ali aos Almendres, e já é bem bom!

Nudez
Se és pagão, já celebraste, pelo menos, um ritual vestido de céu. Com ou sem companhia.

Um Deus com cornos
Acreditas num Deus Cornífero e sabes que ser cornífero não é vergonha nenhuma lá nas instâncias celestiais porque não significa que a Deusa tenha andado a pular a cerca.

Natureza
De bom grado trocas uma ida ao shopping por uma tarde no bosque (a não ser que os cristais estejam em saldos na loja esotérica que fica ali ao lado da Zara).

Livro das Sombras
Tens um Livro das Sombras que mais ninguém pode ver (Mas também, quem é que quer ver? Ninguém quer saber.).

Poderes
Acreditas que tens super poderes (o meu, por exemplo, é mexer as orelhas).

Música
Gostas de Lorena McKennitt, Omnia, Daemonia Nymphe, Dead Can Dance, Luar na Lubre, Wardruna. Roberto Leal faz-te sangrar dos ouvidos.

Outros pagãos
Reconheces logo quando encontras outro pagão.

Sinais do Universo
Acreditas em sinais do Universo, que está sempre a comunicar contigo-e-só-contigo, porque a tua missão de vida é a mais importante de todas.

Estações do ano
Celebras as mudanças de estação do ano, enquanto os outros não. A-ha!

Podes (quase) tudo
Não existem pecados, mandamentos, Diabo ou Inferno para ti. É um regabofe pegado, apostam os católicos, enquanto dão por si a transgredir o 10º mandamento.

Politeísmo
És politeísta e tens um deus ou uma deusa preferida que é quase uma espécie de teu alter ego. Seu vaidoso.

Reconhecimento de almas
Quando gostas de alguém, é porque já estiveram juntos em vidas passadas. E quando não gostas, também estiveram juntos — mas nesse caso o/a sacana lixou-te.

Nome mágico
Tens um nome mágico. Que pode, ou não, ser secreto.

Fazer amor
Se és pagão, tens de fazer amor na Natureza. Mesmo correndo o risco de apanhar carraças atrás das orelhas.


Não gostas que te contradigam ou que façam graçolas em relação às tuas crenças.

Esta escriba bem sabe que está a arriscar a pele e, em sua defesa, invoca a Lei tríplice, traça o sagrado pentagrama e implora por clemência fazendo-se rodear de um círculo de sal grosso e uma vela acesa em cada quadrante. Benza-me a Deusa!

Esta escriba é também neopagã, helénica de coração, druida de vivência. Com um sentido de humor algo insolente que deverás perdoar quando abraçares uma árvore e transmutares a energia negativa em positiva. Que assim seja. Que assim se faça.

A correr pela floresta descalça até ao pescoço,

Hazel

«Quem boa cama fizer, nela se há-de deitar»


Ainda parece que a oiço, cítrica e com um travo amargo de laranja seca; profética, com uma intuição que roçava o sobrenatural. Uma autêntica bruxa que, no entanto, desprezava bruxas e as desacreditava. Mas que as havia, havia — sempre haverá.

Continuo sem compor pela manhã o delicioso leito onde Morfeu todas as noites me engole inteirinha com languidez, gula e oblívio, sem conseguir já deslindar se será por indolência ou insolência tardia; se por inofensivo e inconsequente exercício da liberdade de escolha; se por consideração ao bem-estar dos ácaros que se comprazem em deitar-se na minha almofada a ler o jornal de patinhas traçadas com os cobertores meio caídos; ou se pelo hábito de quatro décadas a defender que é bem mais prazeroso desfazer uma cama do que fazê-la — interpretem como quiserem, seus malandrões, bem vos conheço.

O infame provérbio sempre me apoquentou, dada a fatalidade que lhe é inerente, aprisionando-nos para sempre às nossas escolhas, negando-nos o direito de mudar de ideias, num castigo inevitável e eterno digno de Némesis grega.

Ovelha ronhosa (e ranhosa também, mas só mais lá para meados da Primavera, quando começam as alergias) que sou, continuo a desafiar a norma instituída. Longe vão os tempos em que se acreditava que as coisas eram como eram e nada se podia fazer senão carregar-uma-cruz-às-costas sem hipótese de redenção ou salvação, em resultado de um provérbio cruel e ditatorial.

Porque quem boa cama fizer, nela se há-de deitar — OU NÃO.
A qualquer momento, podemos sempre trocar os lençóis frios de algodão por outros aconchegantes de flanela, até mesmo a meio da noite. Ou ir buscar mais um cobertor.

Ou tirar tudo, atirar pela janela soltando um grito de Tarzan (não o Taborda, mas o outro) e dormir em cima do colchão. Ou virar os pés da cama para a cabeça e dormir de pernas para o ar. Ou, em vez de deitar, ficar sentado, de cócoras, de pé ou com um pé na cama e outro no chão. Podemos reformular tudo a qualquer momento, apesar de termos sido programados para acreditar que estamos condicionados.

Esta semana, o arcano O Imperador confronta-nos com a autoridade cega a que fomos (e somos) tantas vezes sujeitos, as verdades ‘inquestionáveis’, as normas, o dever de encaixar e obedecer sem questionar regras que não sabemos já quem criou e porque o fez, mas que vão sendo papagueadas de geração em geração perpetuando uma herança de medo da mudança e de submissão.

Mudam-se os tempos, actualizem-se os provérbios.
Não façam a cama: reinventem-na.

Hazel
Consultas em Oeiras e online

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1648
foto: Pexels, licença CC0

Reprogramação com Reiki


A Reprogramação com Reiki é uma técnica de cura que se destina ao tratamento de traumas, fobias, baixa auto-estima, padrões de comportamento causadores de sofrimento, auto-limitações resultantes de experiências de violência física e psicológica, abusos sexuais (*) e outros.

A memória do indivíduo mantém-se inalterada, contudo, a inserção de novas informações através de Pararregressão irá permitir-lhe regressar ao seu quotidiano sem a dor que o acompanhava e que condicionava as suas escolhas, ou com um nível de dor francamente mais reduzido, o que, em última análise, resultará numa maior qualidade de vida, segurança, liberdade e auto-confiança.

Esta terapia é realizada com o paciente deitado (vestido) e de olhos fechados.
Não existe qualquer contacto físico entre terapeuta e paciente.

Locais: Carcavelos e Oeiras
Valor: 50 € (*)
Marcações/informações: casaclaridade@gmail.com

(*) Esta terapia é gratuita para indivíduos que tenham sido vítimas de abusos sexuais.

Hazel Evangelista
Mestrado em Reiki Essencial

Cuspir ou Engolir


«Se houver alguém que se oponha, que fale agora ou cale-se para sempre.»
A gaveta da cozinha deslizou para fora e uma mão pesada tacteou por uma faca afiada que emergiu, gélida e reluzente, reflectindo a luz mortiça da lâmpada fluorescente e uns olhos raiados de sangue. A casca do limão caiu delicadamente sobre a bancada.

O silêncio sepulcral foi interrompido pelo som da torneira a encher o fervedor de aço inoxidável. Um riscar de fósforo. Sentou-se à espera que o chá acabasse de ferver enquanto limpava demoradamente a sujidade das unhas com a ponta da faca e a imaginava a escarafunchar por entre a terceira e a quarta vértebra do sacana do Ermelindo. Teria de fazer força para perfurar a pele e de fazê-lo com agilidade suficiente para evitar que ele se conseguisse defender a tempo. O cretino havia de revirar os olhos e esticar o pernil em minutos.

Espremeu o limão como quem expele o próprio desdém e juntou o sumo ao chá acabado de ferver. Adoçou com mel, mexeu com a colher e levou a caneca aos lábios. Estendeu o jornal à frente, sobre a mesa. Na primeira página, pareceu-lhe ler o título “Engoliu uma espada e foi parar às urgências”, mas a tosse e a febre causada pela garganta inflamada turvavam-lhe a visão e o entendimento; devia ser uma espécie de alucinação. Que importa, as notícias nunca trazem nada de novo.

Fechou o jornal, engoliu o resto do chá e arrastou os chinelos até à cama. Há sapos que nem um homem com goelas de pelicano consegue engolir. Quando se obriga a isso, fica ferido por dentro, as palavras que quis dizer e não lhe saíram para não maçar os outros queimam-lhe as vísceras. Não admira que tivesse ficado com a garganta neste estado.

A noite foi um tormento de ranho, suor e pesadelos que se dissiparam com a luz limpa e fresca da manhã. A febre tinha passado, mas a tosse ainda persistia. Na mesa-de-cabeceira encontrava-se a faca, testemunha silenciosa do plano homicida da noite anterior, que agora se revelava ridículo e tresloucado.

Esta semana, o arcano Ás de Espadas recorda-nos que se tivermos de escolher entre ficar mal com os outros e ficar mal connosco, mais vale optar pela primeira. Afinal, somos nós que nos aturamos a nós mesmos desde o primeiro até ao último dia.

«Bom dia. Quero falar com o Ermelindo, se faz favor.
Sim, é urgente.»

As mãos seguravam o telefone firmes como as de um cirurgião. A vontade também. Teria de encontrar um novo emprego. Aliás, dois empregos, para suportar a indemnização que iria ter de pagar ao ex-sócio a quem acabara de enviar para a genitália da respectiva tia. De mãos a abanar, alma lavada e com a tosse finalmente curada, o homem que tinha engolido uma espada jurou a si mesmo que nunca mais se deixaria rebaixar por ninguém.

Hazel
Consultas em Oeiras e online

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1647
foto: Free-Photos, licença CC0

Beldade de labaredas pintadas


O Tragédias olhou em frente, mordeu o lábio inferior e contraiu o esfíncter como se isso o fizesse encolher e passar despercebido ao carro da polícia parado no cruzamento com a Rua Artilharia 1. Safou-se, o marialva de cabelo lambido. Por segundos de distracção policial quase era mandado parar por circular sem farol traseiro na mota e com o escape meio solto, a dar-a-dar, montado à pressa como fazia todas as manhãs para ir trabalhar.

«Esta ninguém m'a tira», pensava enquanto dava um estalo de satisfação com a língua. Depois de, nos últimos três anos, lhe terem roubado pela calada da noite quatro motorizadas seguidas que muito suou para pagar, tomou medidas drásticas — e criativas. A última aquisição, uma Honda CG 125 vermelha, antiga mas com umas labaredas desenhadas que lhe davam estilo e personalidade, era todos os fins de dia desmontada num tempo record de dezasseis minutos. Os gaiatos da rua sentavam-se no passeio a apreciar a velocidade com que as peças saíam, de olhos brilhantes e cronómetro na mão.

A porta de casa escancarava-se como se esta acabasse de ser invadida por uma trovoada trôpega com cheiro a cerveja e uma cacofonia metálica de escape, amortecedores, espelhos, faróis, manetes de travão, selim, depósito e tudo o que conseguisse enfiar dentro da cozinha, para garantir que o pouco da beldade-com-labaredas que pernoitasse na rua não valeria aos larápios o esforço de partir correntes e cadeados, e ainda lá estaria ao raiar do dia.

Os gritos e o vernáculo desesperado do Tragédias à procura das peças eram o despertador da Rua da Bica todas as manhãs nos dias de semana; era uma cómica tragédia, porque nunca encontrava as peças todas. Desmontar era fácil, mas voltar a montar a Honda era outra conversa. «Ai homem, tu matas-me!», os chinelos da Edite, que começava o dia a correr afogueada com os faróis apertados contra o peito montanhoso para não caírem ao chão, ouviam-se apressados escada-acima-escada-abaixo no prédio.

«‘té logo!» Lá ia ele. Dobrava a esquina triunfante por ter levado a melhor aos ladrões, ainda que isso implicasse ter todos os dias o fadário de desmontar e montar a motorizada.

Esta semana, o arcano 7 de Espadas surge-nos como um vil malandro à espera da ocasião que o revelará patife sem coração, capaz mesmo de tentar preencher o próprio vazio com a segurança do colchão alheio, por maldade ou mesquinhez de alma empobrecida que nunca conseguirá, por isso, encontrar um vislumbre de luz.

Resta-nos, tal como o genial e persistente Tragédias, separar por peças toda a nossa estrutura, reinventar-nos, recriar-nos diariamente. Todos os dias são dias para começar de novo.

Hazel
Consultas em Oeiras e online

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1646
foto: Free-Photos, licença CC0

Agosto, mês de desgosto


Um novelo de cotão, um pedaço de Chocapic, um papel de rebuçado bola-de-neve amachucado e uma lasca de coração. O meu. Homessa, o que uma pessoa descobre quando muda o sofá de lugar.

Reuni o bocado de coração aos outros que se encontravam esparsos como fragmentos de navio naufragado; debaixo da cama, dentro do copo das escovas de dentes, caídos no fundo do frigorífico. Cheguei mesmo a encontrar um pedaço do ventrículo inferior esquerdo a balançar no candeeiro da sala. Andei a juntá-los com paciência para ver se conseguia consertar com cola-tudo, mas ficaram a faltar bocados. Desnorteada, deitei tudo fora. Já diziam os antigos, cacos só trazem infelicidade.

De maneira que andei uma data de dias por aí sem coração. O sangue circulava por especial favor do cérebro que veio fazer as vezes do órgão cardíaco, mas que me moía o juízo com reclamações por estar a fazer o trabalho do outro.

Onde é que desencanto agora um coração novo, indaguei aos meus botões e ao fecho-éclair da saia. Apareceram corações de papel, de loiça e até de pano — que não tinham serventia. O meu teria de ter sangue, nervoso miudinho, veias, força, alma, paixão, ganas.

Agarrei no pano do pó, no espanador-de-penas-verdes e na esfregona, e pus-me a limpar o espaço desabitado junto aos pulmões. Lavei, esfreguei, tirei as teias-de-aranha abandonadas e até pendurei quadros novos. Mas nada ali morava além do vazio silencioso e de uma dormência em sentir fosse o que fosse. Nem uma mosca se ouvia. Receei estar a tornar-me, agora sim, uma besta. A ser, pelo menos, seria uma besta limpinha e organizada. Daquelas que até dobram o pijama e o guardam debaixo do travesseiro.

Azedo e impiedoso, o arcano 3 de Espadas ensina-nos, esta semana, que não somos um par de sapatos para ficar arrumados numa caixa. Bem sabemos que os sapatos guardados vão sempre magoar-nos os pés e mordê-los como se tivessem dentes. E isso é que não.

Para meu espanto, no outro dia, quando encostei a cabeça no travesseiro, ouvi um barulho que se tinha tornado quase desconhecido. Alguém a martelar nas paredes?
A música dos vizinhos? Kizomba (o horror)? Um carro a buzinar? Não, não podia ser.

Ga-gum, ga-gum, ga-gum, insistia o barulho. Pelas abençoadas banhas na barriga de Afrodite, querem lá ver que. Que isto. Que isto é. Um. Coração? Dentro do travesseiro? Acendi o candeeiro da mesa-de-cabeceira de olhos arregalados.

Não, o travesseiro não tinha nada lá dentro. Ai Senhores. Deitei as mãos ao peito, os ribeiros a escorrerem-me pelos olhos, quando descubro que era cá dentro, aqui (páro de escrever e espeto um dedo no peito como se vós que me ledes pudésseis ver), um coração a bater, vindo de dentro de mim. Novinho em folha, acabado de nascer.
‘que pariu! Renasceu, o safado. Renasceu. Tudo passa. Também isto passará.
E passou. Adeus, Agosto; vai, que já vais tarde.

Hazel
Consultas em Oeiras e online
Email: hazelclaridade@gmail.com

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1645
Foto: Gere, licença CC0

O Twist do Fundão


«Está com sorte, ainda há dois lugares livres», grasnou o senhor da bilheteira em voz laringofaríngea, «ficam é ao fundo». Entrei no autocarro já com o estômago embrulhado enquanto levava à boca um comprimido Vomidrine que engoli com um resto de água já tépida. Enfiei as malas no compartimento superior.

A placa que indicava a saída do Fundão passava ao meu lado, seguida das árvores que corriam à beira da estrada, os postes de electricidade onde os pássaros compunham pautas de música e as flores nas varandas que acenavam em despedida.

Nem dez minutos tinham passado e já estava disposta a vir a pé até Lisboa. O meu almoço subia e descia pelo esófago, qual teleférico do Parque das Nações. Ainda há quem acredite que a Terra é redonda. Pois nem redonda nem plana, ficais vós a saber. Garanto-vos que o planeta Terra é uma gigante espiral, tal como as molas das canetas de pressão, que se sobe quando se viaja ali para os lados do Fundão e desce quando regressamos a Lisboa — percurso este, acompanhado pelo estômago e seu conteúdo que dançam desencontrados em passo de twist, com luzes psicadélicas.

O motorista conduzia como um louco, ou como alguém a quem teriam sido diagnosticadas duas semanas de vida e, portanto, não havia muito a perder naqueles altos e baixos da Cova da Beira.

Tacteei nos bolsos por um singelo saco de plástico ou um portal espaço-temporal que me livrasse daquele tormento, mas apenas encontrei os bilhetes já amarrotados e um mísero lenço de assoar. Uma gota de transpiração escorria na parte de trás do pescoço.

À minha frente, pareceu-me ver os dois homens que estavam sentados — «Ai mais uma curva, agora é que é», mas sustive o vómito com um auto-controle olímpico — escorregarem pelo banco para colocar as cabeças a salvo, tão indefesas e asseadinhas, abençoados, do refluxo de pizza quatro-estações, mousse de chocolate (mal empregue) e café. Raios partam o Vomidrine, que não fez efeito.

Encolhi-me e aguentei o melhor que pude, entre solavancos e travagens indutoras de fazer o estômago vir parar-me às mãos. Havia de apresentar queixa do motorista. Aquilo não se fazia, transformar um autocarro no tambor de uma máquina de lavar roupa em centrifugação. Aliás, quando saísse, iria mandá-lo para o pénis. Até havia de lhe deixar cair a mala de viagem em cima dos pés — e não ia pedir desculpa. 

Ah grande velhaco, que lhe enfio o guarda-chuva no, olha, será que vi bem, ou é isto uma alucinação causada pelos ácidos gástricos? Lisboa. Ah Lisboa boa. Ai, finalmente cheguei. Ai obrigada, senhor motorista, Deus-Nosso-Senhor o cubra de bênçãos. Estive quase para beijar o chão, onde entretanto já desaguava um rio de vomitado e desespero de outras duas passageiras dobradas para a frente com as mãos apoiadas no autocarro.

Esta semana, o arcano Dois de Ouros mostra-nos que a vida às vezes sacode-nos, tira-nos a terra, o equilíbrio — e até a lucidez. Sentimo-nos como um par de calças de pijama às voltas dentro de uma máquina de lavar com uma perna enrolada nos lençóis e a outra sugada pelas toalhas de banho. Perdemos o chão. Mas não podemos perder a cabeça.

Hazel
Consultas em Oeiras e online

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1643
Foto: StockSnap, licença CC0

É preciso ter tomates


1. Nasceram-me dois tomates. Que orgulhosa fiquei do reluzente e tentador par que se me insurgiu por entre os arbustos viçosos. Todas as manhãs os contemplava com regalo desejando que crescessem mais, mas os velhacos eram de raça pequena.

Acabei por comer um, o outro dei-o ao meu gaiato. Como nunca antes tinha tido tomates, não soube o que fazer quando uma praga de insectos me fez murchar o tomateiro. Rais’parta. Desmoralizada, deitei tudo fora e tirei os tomates da cabeça que, mau grado o sumarento fracasso agrícola, constituíram saborosa e tenrinha aprendizagem.

2. Transviada nos rigores matematicamente exactos e frios dos números, suspirei durante anos pela elasticidade das hipérboles, a delicadeza dos eufemismos e o encanto fantástico das prosopopeias. 

Traí as folhas quadriculadas com os cadernos de linhas quando reuni uma lista das editoras em Portugal. Enviei candidaturas para todas. Foram centenas. Sem qualquer cunha ou experiência comprovada na época; apenas cara-de-pau e a fé de que tinha de haver um lugar para mim no mundo das letras, mesmo que fosse na última fila. Uma editora respondeu. Após traduzir algumas páginas de teste em inglês, recebi o meu primeiro trabalho: realizar a revisão da tradução de um livro inteiro, que concluí antes do prazo previsto. Foi a primeira semente de várias frutas que vim a colher.

3. «Tens de plantar tomates», disse. A minha amiga, incrédula com o inusitado conselho espiritual, continuava a lamentar-se que já não suportava o emprego onde trabalhava há mais de vinte anos (e do qual não saía porque achava que não valia a pena procurar outro). «Devias plantar tomates», insisti. Às vezes, falo por parábolas como o outro hipster barbudo que tornou o esqui aquático um desporto bíblico.

Plantar tomates é uma experiência de valor incalculável pela qual todos deveriam passar. Ora, passo a explicar: é necessário comprar um vaso ou floreira espaçoso. Depois, vários litros de terra. Da boa, claro — não sejam sovinas. Por fim, em qualquer mercado local se pode adquirir por pataca-e-meia um pé de tomateiro para plantar. 

Trazemo-lo para casa e depositamo-lo na terra com amor e esperança, como quem aconchega um bebé nos lençóis. Certificamo-nos que o tomateiro recebe boa luz solar. Regamo-lo frequentemente. Espetamos um pau comprido onde o tomateiro se possa apoiar à medida que for crescendo (homessa, o Quim Barreiros é tolo se não aproveitar esta frase para um dos seus êxitos de Verão.). Cuidamos e vigiamos; os tomates acabarão por nascer.

Esta semana, o arcano Valete de Ouros diz-nos que não podemos ter tomates se não plantarmos tomates, e às vezes é preciso ter tomates para os plantar. Os lamentos não fazem nascer tomates, mas mais razões para lamentar. Plantando, tudo dá.

Hazel
Consultas em Oeiras e online

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1642
Foto: Os próprios, os meus tomates

O fantasma cor-de-rosa


Sentei-me a beberricar uma chávena de café com os meus fantasmas. No rádio toca Cyndi Lauper para distrair a melancolia e lá fora o Sol ondula como uma sereia de fogo por trás de um véu vaporoso de nuvens brancas.

Antes de eu ter nascido, a minha avó herdou da sua prima uma toalha de linho antiga. A dita senhora era referida como “excêntrica”. Vivia sozinha numa casa abafada e silenciosa, morbidamente arrumada; cristalizada no tempo, onde já nem as aranhas faziam teia. As janelas tinham redes para filtrar o atrevimento invasivo dos mosquitos — e da vida.

A única companhia que tinha era o espírito da sua falecida irmã, por isso nunca se sentava a meio do sofá, mas no canto, de forma a que esta pudesse ocupar o espaço que continuava vazio ao seu lado.

O fantasma não foi invejoso. Aguardou pacientemente, com a mansidão de quem sabe que o fim sempre acaba por chegar. A prima Rosa partiu muito velha e totalmente ignorante dos prazeres-de-alcova: virgem. Vestiram-na toda de cor-de-rosa, a cor do seu nome e da feminilidade nunca explorada na carne, como era tradição.

A toalha de linho, com mais de cento e cinquenta anos, passou grande parte da existência guardada como uma relíquia no fundo de um baú com bolas de cânfora, no sótão da casa onde cresci. Ninguém lhe tinha particular afeição. A minha avó não a usou. A minha mãe também não. Ficou reservada para mim, à espera que tivesse idade suficiente para recebê-la.

Sei agora que a prima Rosa não era louca. Apenas via o que os outros não conseguiam vislumbrar por estarem tão apegados à matéria e aos seus egos. Reconforta-me ter sido a sucessora da velha toalha de linho e talvez de alguma da sua excentricidade.

Não me incomodam os fantasmas. Vejo-os sentados à mesa a observarem-me em silêncio, testemunhas de uma vida que aprendeu resignadamente a aceitar as ausências. A música toca alto na cozinha para eu ter a certeza que não sou também um fantasma.

Seria divertido poder dizer que a toalha de linho está assombrada e muda de lugar durante a noite, mas nunca aconteceu. Tive-a por muito tempo sobre a minha secretária, onde tantas vezes lanço as cartas de Tarot, abrindo o livro da vida, para mim e para os outros. Há uns meses, guardei-a no fundo de uma gaveta, onde talvez repouse por uns cinquenta anos à espera da sua sucessora que um dia nascerá, daqui a duas gerações.

Esta semana, o arcano 10 de Espadas vagueia à nossa volta como um fantasma misterioso, soprando no vazio que todas as almas transportam, reclamando um lugar para se sentar ao nosso lado. Não devemos deixar que os nossos fantasmas fiquem por muito tempo — ou corremos o risco de encontrar redes nas nossas janelas a filtrar-nos a vida e o ar novo.

Hazel
Consultas em Oeiras e online

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1641
Foto: junko, licença CC0

A Ratinha


Lá vai a Ratinha toda espevitada. Viram-se cabeças à sua passagem, desviam-se os prédios meio decrépitos, inclinam-se os degraus da Bica, debruçam-se os candeeiros da rua. Não há quem não se espante ao vê-la, tão viva e airosa.

O Elias do talho conhece-a bem, esse magano, assim como a Virgínia florista que nunca mais recuperou do susto quando lhe entrou na loja para elogiar o esmero com que esta lhe tinha composto o arranjo de coroas imperiais.

À sua maneira, a Ratinha é uma lenda viva que um dia foi uma vizinha comum, como tantas outras; baixinha e bombástica como uma pequena mulher-nitroglicerina, sempre com a ponta do lenço a espreitar do bolso para limpar o ranho à canalha, as mãos calejadas de tantas escadas varrer e a preocupação diária de ter o jantar do marido pronto a horas.

Sofria dos nervos e de pés chatos. Pelava-se por grão com mão-de-vaca. Não ela, o marido. E não podia ser grão de lata, tinha que ser do outro, o raio do homem era minhoquinhas. A boa Ratinha, que na época era chamada pelo seu nome de nascimento, o qual nem eu nem ninguém já se lembra, pôs o grão a cozer na panela-de-pressão, danada com a vida, com os pés, com a vizinha do rés-do-chão-esquerdo e com o gaiato do meio que tinha arranjado chatices na escola.

A pressão da panela subia e o crescendo do apito ia acompanhando os seus gritos que se ouviam ao fundo da rua. O miúdo saiu cabisbaixo depois do ralhete e a Ratinha voltou a entrar na cozinha no fatídico momento em que uma pele de grão entupiu o pipo da panela, a pressão acumulou até ao limite e CABUM!, deu-se uma violenta explosão de grão, molho a ferver e pedaços de mão de vaca que voavam em todas as direcções. Foi fatal para a Ratinha. Parou-lhe o coração.

O funeral foi igual a tantos outros. O padre celebrou as Exéquias, as vizinhas choraram com gosto, os gaiatos estavam inconsoláveis e o Elias do talho, que sempre fora seu admirador, depositou uma coroa de rosas-cor-de-rosa escandalosa e denunciadoramente maior que as restantes, mas já nada disso importava.

Eis que era chegado o momento rude e frio de se atirar com uma pá de cal antes de fechar a tampa do caixão. Assim que a cal lhe cai em cima do rosto lívido, a Ratinha dá um salto do caixão como se tivesse acabado de receber a descarga eléctrica de um relâmpago, para grande horror de todos.

Ficou com os olhos mirrados e arrepanhados, pequeninos como os de um rato, queimados pela cal, mas estava mais viva e satisfeita que nunca. Quem lá estava, não esqueceu; muitos nem pregaram olho nessa noite. Saiu a cambalear do cemitério, directa para casa e a primeira coisa que fez foi atirar com o que restava da panela de pressão pela janela. Nunca mais se enervou, nunca mais se comeu grão naquela casa.

Esta semana, o arcano 10 de Paus alerta-nos para as panelas de pressão que ameaçam explodir a qualquer momento, esgotando-nos a paciência, a energia e o tempo. Porque nem todos podem ter a sorte da Ratinha, é mais sensato respirar fundo, descomprimir, e o resto que espere.

Hazel
Consultas em Oeiras e online

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1640
Foto: Leroy_Skalstad, licença CC0

A caixa de música


Cravei a faca de um dos lados e torci-a para a frente e para trás até destruir sem remorsos a caixa de música. A pequena e delicada bailarina que rodopiava como Terpsícore, a musa, caiu para o chão na sua lividez de plástico sem vida, desabitada de alma e de calor. Voltei a enfiar a ponta da faca e desencaixei o mecanismo que tocava “Speak softly love” da saga “O Padrinho”, que guardei no bolso como um tesouro.

O Domingos era um homem peculiar, excêntrico, uma criança de humores voláteis e efusivos num corpo adulto, enorme e espaçoso como um Buda (nem sempre) sorridente. Mau grado o seu temperamento irascível, recebia-me sempre com um afecto e uma alegria que me faziam estalar as costelas no seu abraço exagerado, sentido e cilíndrico.

Os livros amontoavam-se nas prateleiras. Romances, poesia, ficção científica, erotismo, ocultismo, até mesmo pornografia. Não havia assuntos tabu, tudo era legítimo, digno de existir, intocado pela peneira da moral e da hipocrisia. No armário de portas de vidro, os bibelots inúteis acumulavam-se às dezenas: os patinhos de porcelana, as nossas-senhoras-de-Fátima, chávenas de chá desirmanadas, amuletos exóticos, toda uma série de quinquilharia que coleccionava, incluindo uma estatueta do Diabo.

«Mas, se reparares, estão todos de frente 
para dentro de casa, 
só o Diabo é que está virado lá para fora, 
para o lado da janela», e ria-se com satisfação. 

As suas histórias de fantasmas e outros assombros nunca me cansavam, e ele deleitava-se por ter quem lhas escutasse com o mesmo prazer que as contava. Gabava-se que, quando novo, era forte como um touro, corajoso e — espante-se — pouco modesto. Fazia apostas com os amigos que o levavam a atravessar o cemitério de uma ponta à outra pela calada da noite.

Numa dessas brincadeiras, desafiaram-no a derrubar a porta de uma casa assombrada onde ninguém conseguia entrar. De lanterna em punho, deu-lhe vários encontrões sem que esta cedesse. Na derradeira investida, a porta abriu-se abruptamente e o bom Domingos estatelou-se no chão da casa.

A lanterna apagou-se — e não tornou a acender. Se tinha entrado em grande velocidade, mais depressa ainda se pôs ao largo, e acabaram-se ali as apostas. Ria-se muito. Nunca soube se estas histórias foram mesmo vividas ou produto do seu sentido de humor que fazia as delícias do meu. Que importa.

Escondida à entrada da enfermaria, com receio que alguém me visse suspensa entre o choque e a fragilidade, observei ao longe o que restava do meu amigo. Respirei fundo e acabei por entrar em silêncio, mal tocando com os pés no chão. Conversámos sobre banalidades. A comida era má. O que caía bem era um copo de vinho branco. As enfermeiras eram simpáticas. «Gosto muito de si, Senhor Domingos, sabe disso, não sabe?», «Lá estás tu, o Senhor está no céu».

Meti a mão ao bolso e retirei o mecanismo da caixa de música, «para pôr a tocar quando vier a noite, se se sentir sozinho.» Olhámo-nos com tristeza. Sabíamos que nunca mais nos veríamos. Nessa noite, quando já estava deitada, ouvi a música tocar dentro de mim. Soube que ele estava a escutá-la naquele momento. No dia seguinte, partiu. Nunca mais tive uma caixa de música. Nunca mais tive um amigo assim.

Esta semana, o arcano 5 de Copas ensina-nos que, apesar de todas as perdas que nos vão despedaçando ao longo da vida, não temos o direito de parar. A melhor forma de honrar os momentos bons é recordá-los com amor e dar-lhes continuidade em nós, com o que nos resta. Mesmo que tenhamos de terminar de escrever uma crónica a sorrir e a chorar ao mesmo tempo.

Hazel
Consultas em Oeiras e online

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1639
Fotos: Luiz-Jorge-Artista e 422737, licença CC0 

A vida louca


As sevilhanas de vestidos rodados e cintura estreita ganhavam vida dançando à minha volta num baile hipnótico de pássaros e flores de todas as cores. Debaixo do chapéu-de-palha que me protegia dos quarenta tórridos graus de Sol alentejano, os meus olhos tímidos e curiosos — sob inexplicável feitiço, ou quiçá motivado pelas elevadas temperaturas — viam os pássaros de papel descerem em vôo picado para me virem pousar nos ombros com chilreios de alegria. 

As flores bailavam em espirais que se elevavam pelo ar ao compasso da música contagiante. Os homens de patilhas farfalhudas e calças-à-boca-de-sino bebiam cerveja fresca e faziam gracejos que escapavam à minha compreensão, enquanto as mulheres de sandálias às tiras se abanavam com leques e refrescavam a sede com Sumol. A fronteira que separava Portugal de Espanha desaparecia; éramos um só, com primos que hablaban castellano, uma bisabuela chamada Esperanza e pais que falavam português.

Tinha cinco anos, cabelo curto e um espanto maior do que eu perante todas as flores que forravam as ruas de maravilha, de encanto e de fantasia alegórica. O som das castanholas e o peito cheio de ganas de viver ficaram para sempre num baú forrado com tecido de cores garridas que guardei na arrecadação das memórias doces. Um dia. Um dia vou ser assim como aquelas mulheres de papel colorido, sorriso largo, cabelos compridos, a música nas ancas, saia rodada e sapatinhos de atrevimento. 

Ainda não regressei às festas de Campo Maior, mas este Verão reencontrei a magia das sevilhanas de papel a dançar-me nos olhos enquanto subia a Calçada da Bica, em Lisboa, com as fitas de bandeiras coloridas a ziguezaguear o longo rectângulo de céu entre as duas filadas de prédios baixos de onde espreitam varandas com xailes de franjas, vasos com manjericos, estendais com cuecas penduradas que ali se tornam obras de arte e rapazes debruçados de cigarro pendurado na ponta dos dedos. Ali estava o meu baú metade português, metade espanhol, escancarado junto à linha do eléctrico.

Admiradora confessa dos filmes de Pedro Almodovar; simples, crus e intensos, onde os dramas da existência são vividos pelas personagens com lágrimas, garra, desespero, volúpia e pinceladas de vermelho; onde a tristeza, as tentações e a dor pintam os lábios de cor-de-sangue e se unem numa trégua para dançarem de mãos dadas como a melancolia portuguesa se tempera de paixão ali junto à fronteira com Espanha, descubro com prazerosa surpresa que em qualquer rua onde encontrarmos flores, música a tocar e todas as maravilhas que o Verão tem para oferecer, a vida pode mesmo, por instantes, ser tão bela como um filme espanhol.

Esta semana, o arcano 4 de Paus desafia-nos a sair de casa para dançar e encontrar o conforto e o suco da vida junto daqueles que nos fazem sorrir e rodopiar. Sai um Sumol ali para a mesa 11!

Hazel
Consultas em Oeiras e online

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1638
foto: na Calçada da Bica

Fátima, Futebol, Fado e Fogo


A morte ergueu-se da terra escura e caminhou implacável por entre a rectidão austera das árvores que aguardaram o fim com dignidade e sacrifício, fornecendo oxigénio até ao derradeiro segundo. Levou tudo à frente como uma besta cega, surda e muda. Famílias, floresta, animais, casas, carros. Sem fazer distinções entre bons e maus, ateus e religiosos, crianças e adultos; como as epidemias medievais que varriam localidades inteiras, deixando para trás a sombra do desamparo, do vazio e da revolta.

Após a breve euforia nacional com o trio divino: a visita do Papa (Fátima); a vitória da Selecção Nacional (Futebol); não é bem Fado, mas o primeiro lugar na Eurovisão (Fado), enfrentamos uma inesperada e catastrófica quadratura com o Fogo que nos derrubou o ânimo e lançou no cadafalso da melancolia tipicamente portuguesa.

Apontam-se responsáveis, especula-se e acusa-se como no tempo da caça-às-bruxas, onde a falta de verdade, a manipulação da informação e a indignação nos intoxicam o discernimento. Os doutores da peste envergam actualmente, em lugar das lúgubres máscaras com o bico longo, máscaras anti-fumos e fardas de Bombeiro, do INEM, da Protecção Civil, fazendo o que podem até à exaustão, perdendo tantos deles também as suas vidas.

Se outrora a causa das epidemias era a falta de higiene e de redes de esgotos, hoje a diferença não é tanta assim, se avaliarmos bem. É notório que os hábitos de asseio melhoraram consideravelmente, contudo a higiene dos valores humanos encontra-se pela hora da morte, começando na putrefacção dos interesses económicos associados aos incêndios e na corrupção associada à plantação de eucaliptos, e terminando nas fétidas reportagens sensacionalistas onde se explora gratuita e escandalosamente a desgraça alheia para fazer disparar os gráficos de audiências.

O esgoto encontra-se a céu aberto, senhoras e senhores, é vê-lo e cheirá-lo. Todos os anos o enfrentamos sem solução à vista. Andamos sempre às voltas com os mesmos assuntos, com as mesmas reacções, como uma criança num carrocel comandado por alguém que não vemos, permanentemente surpreendida apesar de estar num círculo que se repete ad nauseam.

Esta semana, o arcano A Morte leva-nos numa viagem rocambolesca e reveladora às agruras da existência, em busca do silêncio e de um caminho que se não vê — mas que tem que aparecer algures no meio das cinzas.

Nada faz sentido. Não há justiça. Invente-se um país novo. Se faz favor, alguém que desligue a ficha deste carrossel para que possamos sair dele.

Hazel
Consultas em Oeiras e online

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1637
foto: Pexels, licença CC0

«Faz-me impressão o trabalho. Ô-o-ô.»


Estava aqui a pensar escrever uma história em torno de um preguiçoso convicto e dedicado, verdadeiro profissional no exercício do ócio; uma narrativa lenta, sem ritmo, onde nada aconteceria e o dito preguiçoso estaria inerte desde a primeira à última linha. Um monumental tédio que começaria com um pachorrento arrastar de chinelos pelo chão peganhento da cozinha e uma mão macia e indolente que se estenderia para abrir a gaveta das tralhas.

Todas as cozinhas têm uma gaveta dessas, para onde se atiram parafusos que aparecem caídos no chão até que se descubra aonde pertencem, uma bisnaga de pomada para as picadas de insecto com a tampa mal enroscada, algumas molas da roupa, rolhas de cortiça, tampas órfãs de caixas Tupperware, jornais velhos para limpar os vidros e — ora, ali está ela — uma corda.

Enfastiado com a própria existência, tencionaria suicidar-se num Domingo à tarde com a televisão a transmitir um daqueles documentários sobre a vida sexual dos primatas e a tábua de engomar aberta no centro da sala. A corda para se enforcar encontrar-se-ia mesmo ao fundo da gaveta, emaranhada.

«Que maçada, ter de tirar tudo cá para fora. 
Depois faço isso. Suicido-me para a semana.»

Prosseguiria existindo, com preguiça de viver e de morrer, numa casa cheia de pó, frascos vazios ao fundo da banheira-revestida-de-sarro — , comida fora de prazo no frigorífico, um calendário de há dezassete anos pendurado na cozinha e um relógio parado.

Tinha um emprego, no entanto: era funcionário público no Registo Civil, onde tratava dos cartões de cidadão. O expediente fechava às 16:00, mas às 12:00 já não havia senhas para os utentes, que reclamavam sem que isso o afectasse. Eles não entendiam a sua necessidade de repouso.

O preguiçoso era preguiçoso porque era mais fácil assim. Estava seguro. Era como se nunca tivesse saído do útero materno. Chegou a apaixonar-se algumas vezes, mas as relações dão trabalho para se conquistar e ainda mais para se manter. Tentara declarar os seus sentimentos à Inês e à Isabel (tinha uma inexplicável fixação por mulheres com nomes começados por I), mas chegava imperdoavelmente atrasado aos encontros — quando comparecia.

Não morreria virgem. Era, porém, um desastre nas artes de alcova, onde a outra interveniente teria de estar o tempo todo em-cima-do-acontecimento para que este acontecesse — se é que me entendem.

Que vontade de espetar alfinetes nas nádegas desse lamentável mandrião para acicatá-lo, não fosse o indivíduo uma personagem inventada que ganhou vida nas páginas de um caderno velho arrastadamente manuscrito a Bic laranja, numa tarde quente passada na varanda onde um enxame de moscas esvoaçava como pensamentos dispersos.

Esta semana, o arcano Cavaleiro de Ouros espreita languidamente por entre os cobertores desejando que ninguém o mace. A preguiça é um luxo; como qualquer outro, severamente criticado, mas maliciosa e secretamente cobiçado. Resta-nos perdoar (guardar ressentimento dá mais trabalho).

Ainda bem que não escrevi esta história. Daria muito trabalho e hoje tenho que ir ao Registo Civil — levantar o meu cartão de cidadão.

Hazel
Consultas em Oeiras e online
Email: hazelclaridade@gmail.com

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1636
foto: Wokandapix, licença CC0

Crónica de um funeral vivido pelo morto


A maçaneta da porta gira devagarinho e todos dão um passo atrás. Mal respiram, os cretinos, com medo que o camarada aqui da sala ao lado se tenha levantado do caixão. Afinal era o padre que tinha ido à casa-de-banho contígua, deixando-os à espera enquanto foi enviar para inglório e fétido destino final o almoço feito pela sua discreta afilhada.

Nem lavou as mãos e agora está a dar um passou-bem ao artolas do Artur. Bem feito, que esse caloteiro ficou a dever-me dinheiro. Agora é que vejo bem daqui de cima, que grande calva de Santo António tem este magano. Vinte anos de amizade e nunca tinha reparado; o tipo é um homem grande — embora não seja grande homem.

Lá vem a minha sogra, toda de preto-corvo por fora e laranja-euforia por dentro, directa ao esquife como uma seta para me pespegar os lábios franzidos na testa fria-e-húmida da saliva de tantos beijos carregados de obrigação e fingimento.

Rais’parta a velha, deixou-me sujo de batom. Oh Alzirinha, anda cá e limpa-me a testa, não me deixes ir assim para a eternidade. Bem lhe ponho a mão no ombro, mas ela aconchega o casaco arrepiada com as correntes-de-ar e não me vê. Coitadinha, com a camada de sedativos que tem em cima, se olhar para o que resta de mim até me deve confundir com o forro de veludo.

Vou puxar os pés ao Artur esta noite, quando se for deitar. Que desplante, a deitar os mirones à minha Alzirinha, cheio de gulodice. Não só lhe puxo os pés como lhe dou um esticão no fecho-éclair das calças para lhe entalar o farfalho, conta com isso, pá. Cá está o Barata, bom homem. Obrigado pelas rosas brancas, amigo. Um espinho crava-se-me nas mãos, mas não sinto nada.

“Cristo, o Bom Pastor, o conte entre as suas ovelhas.” A voz do Padre, recitando o Ritual das Exéquias por este lobo-feito-ovelha absolvido pelos rigores da morte, ecoa nas paredes frias sem que ninguém lhe preste atenção. As mãos trémulas cobrem-me o rosto com um pano branco como se eu fosse um presente-surpresa para oferecer ao-de-lá-de-cima, que nunca me atendeu os pedidos. Há-de apanhar um susto quando me vir com esta marca de batom na testa. “Por onde andaste? Na má vida, entregue às devassidões do Satã?”, indagará, rodeado de anjinhos rechonchudos, sem sexo nem malícia.

Adeus, amigos. Lá vem a tampa. Até que enfim arranjaram tempo para me visitar. Desculpem não ter bebidas para oferecer. Vou ter saudades vossas, grandes cabrões. Que bom ver-vos todos. Até o sacana do Artur. Toma conta da minha Alzirinha e cuidado aí com a velha, que já matou este com o marisco estragado.

Esta semana, o arcano 5 de Copas recorda-nos que somos todos cadáveres adiados, já o dizia Ricardo Reis, pleno de lucidez. Vamos morrendo um pouco a cada golpe do destino, e às vezes damos por nós a caminhar como os vivos, a trabalhar como eles, e até poderíamos sentir-nos como os vivos, não fosse a pedra de gelo que nos entorpece o coração para nos evadirmos de certas agruras que o acometem.

No entanto, em boa verdade vos digo, nunca nos encontramos tão agarrados à vida como quando vemos a morte com os próprios olhos e percebemos que afinal estávamos vivos — mas não tínhamos dado conta.

Hazel
Consultas em Oeiras e online

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1635
foto: AmberAvalona, licença CC0

Comer em Silêncio


O silêncio, observado por comunidades religiosas no mundo inteiro, tem por finalidade concentrar toda a atenção no acto da alimentação, sem dispersão de energia.

Assim, a digestão requer uma menor actividade na área do plexo solar, tendo como resultado uma considerável economia energética e nervosa de que os exercícios contemplativos e meditativos precisam para que sejam genuinamente frutíferos.

Shhh,

Hazel
Foto: worak, licença CC2.0

Plantas do demo


Debrucei-me para a frente sem vergonha nenhuma dos vizinhos e apanhei os dois vasos que alguém deitou para o contentor do lixo na curva à entrada da minha rua. Um com túlipas cor-de-rosa, o outro com jacintos lilases. Ah que belas flores. Obrigada, vizinhos!, pensei com desfaçatez. Cheia de amor e cuidados, trouxe as novas hóspedes para casa e instalei-as junto com as extrovertidas begónias, a orquídea pachorrenta que tem preguiça de florir e as saintpaulias pequeninas e vivaças. Foi um festim. Nunca há plantas demais aqui em casa — ou onde quer que seja. Se fosse eu a mandar nisto, ordenava que o mundo fosse completamente forrado de relva para que as pessoas pudessem andar descalças.

Reguei-as durante dias, semanas, meses, encantada com as inverosímeis cores das suas pétalas e a inacreditável longevidade das flores. Inacreditável, disse eu, e disse bem, pois nenhuma das flores dava sinais de estar cansada de viver. Seria gratidão vegetal? Poderia ser da luz, da água? Ou de mim? De sobrolho franzido, suspeitei que talvez pudesse ser de mim. Não por deter algum particular talento para imortalizar plantas, mas devido a uma astigmática inaptidão para desconfiar delas.

Com grandes sentimentos de culpa por cometer tamanha atrocidade com as folhinhas eternamente verdes — impossivelmente verdes, essa é que é essa — tentei partir-lhes um pedaço para testar. Nada aconteceu. Tentei com mais força. Ainda nada.

Incrédula, puxei uma pétala e constatei, com grande espanto, que andei meses (meses, senhores, meses!) a regar duas plantas artificiais que só podem ter sido fabricadas pelas mãos engenhosas do Belzebú, e que me enganaram, não só a mim, mas também ao meu gato que também lá foi tentar mordiscar uma folha sem qualquer sucesso. Podia sentir o gerânio da marquise a rir-se de mim em todas as flores, trocista. A hortelã virava as folhas para lá, com descrédito.

Após a escandalosa descoberta, superei o preconceito que sempre tive com plantas artificiais. Fiquei com elas na mesma (fazer o quê?), sem saber o que me espera depois disto. Um galo de Barcelos, um ‘naperom’ sobre a televisão, uma couve Bordallo Pinheiro?

Esta semana, o arcano 10 de Espadas leva-nos a avaliar com atenção aquilo que nos rodeia e a tomar consciência da quantidade de plantas que existem por aí sem vida e que continuamos a alimentar convictos que ainda podemos recuperá-las. Quem diz plantas, diz projectos. Ou relações. Ou sonhos. Vamos pensar nisso. Agora, com licença, que vou ali encher o regador na torneira da banheira.

Hazel
Consultas em Oeiras e online
Email: hazelclaridade@gmail.com


Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1634
foto: vaso das túlipas cor-de-rosa que, entretanto, já mudou de lugar 😊

O fio do tempo - parte II


Fiquei suspensa por um fio como uma aranha de pernas longas, a baloiçar para um lado e para o outro, desde a crónica escrita na edição anterior deste jornal. O fio do tempo tem brincado às escondidas, serpenteando através do mecanismo do relógio de parede, ora espreitando, ora ocultando-se por trás das rodas dentadas. 

Os braços sinuosos que tecem a trama do tempo trabalham com misterioso ardil; cortam o fio de uns e logo de seguida abrem as mãos de dedos draculinos libertando delicados novelos de fio de algodão que descem pelas encostas verdejantes, para deleite dos que aguardam pacientemente ao longo de nove luas.

O ribeiro prateado que desagua pelos olhos brilhantes segue uma inesperada direcção quando o calor de um sorriso o recebe. Não podes parar. O tempo é um príncipe eterno que caminha com um pássaro renascido no peito. O ponteiro dos segundos marca a contagem decrescente para que o novelo de fio alvo e macio esteja pronto a desenrolar-se devagarinho estendido pelo cordão umbilical de um bebé.

Pelas barbas de Zeus, desviai os olhos da barriga desta vossa escriba, que se encontra já fora de prazo-de-validade para tal laçada. O contributo ao mundo está rematado com o meu gaiato travesso e meigo que vai, também ele, percorrendo o fio do tempo com ténis número 38. Se houver algum volume abdominal que dê azo a suspeitas, desfaçam-se já as mesmas: é, por certo, flatulência!, que às vezes sucede quando me esqueço do motivo pelo qual tinha deixado de comer papas-de-aveia. Nada que uma infusão de funcho e hortelã não possa resolver com dignidade.

O bebé que aí vem é da minha amiga Liliana, que me pediu para assistir e acompanhar o nascimento. Esta vossa corajosa escriba, que se desfalece quando alguém corta um dedo numa lata de atum, aceitou tamanha honra grata e prontamente, sem hesitar — a minha amiga que não leia isto, ai senhores, e se ler, que fique tranquila, porque as técnicas de respiração que hão-de servir para uma, servirão para a outra. Força na peruca, estamos juntas nisto. 

Dizia o outro cavalheiro: “Para os amigos, tudo”. Serei amiga, irmã, mãe, confidente, treinadora de basket, malabarista, domadora de leões e tudo o que mais for preciso para ajudar o fio do tempo a nascer triunfante.

Esta semana, o arcano 8 de Paus diz-nos que não há tempo a perder nem fio a desperdiçar. Urge viver. Desatam-se nós, caminha-se para a frente. O milagre do impossível torna-se possível quando menos se espera, mais depressa do que se imagina. Como o choro de um bebé acabado de nascer.

Hazel
Consultas em Oeiras e online

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1633
desenho: cortesia de Diogo Ribeiro

O fio do tempo


De braços abertos à largura do horizonte, procuro o equilíbrio apesar das línguas sibilantes de vento que me lambem o corpo, ora amparando, ora levando-me a oscilar. Caminho descalça sobre o fio retesado que une o nascimento à morte.

Os primeiros passos, ansiosos e apressados, frustravam-se pela lentidão com que o fio do tempo se desenrolava à minha frente iludido de eternidade. Quando julguei que tinha chegado a um ponto de segurança, sentei-me no fio e deixei-me ficar como um pássaro pousado nos cabos que unem os postes de electricidade — mas o fio do tempo estagnou e os meus pés arrefeceram.

Retomei a caminhada, passando por labirínticos enleios, nós apertados e laços desfeitos. O ritmo da passada abrandou, contudo, o fio do tempo passou a fugir-me debaixo dos pés como os riscos da auto-estrada. Quanto mais ele me foge, mais devagar caminho — numa vã tentativa de levar a melhor ao tempo.

A urgência e a curiosidade foram superadas pela consciência da tesoura afiada segura por mãos velhas e ossudas que em misteriosa hora cortará a outra ponta do fio sem piedade, tornando insignificantes todos os enleios, todos os laços, todos os nós. Nada disto importa.

Olho em frente para não cair. Os pés tremem, o vento uiva, mas olho em frente, ainda que de olhos embaciados como a escotilha de um navio sovado pelas ondas do mar. Não posso cair. Não posso. Não posso cair, porque se caio, não páro de cair mais fundo do que o chão, mais fundo do que a Terra, mais fundo do que os infernos dantescos até ser engolida por um buraco negro e cessar de existir.

O que se passa é que perdi uma amiga. A implacável tesoura, sem aviso prévio, cortou-lhe o fio da vida, levando-a inesperadamente a empreender a derradeira viagem rumo à imensidão etérea. O meu mundo ficou subitamente mais pobre, mais baço, mais cinzento-tabaco. A rede de segurança que me sustenta ficou com um buraco impossível de remendar. E agora, se eu cair, o que é que me agarra?

Esta semana, o arcano 2 de Copas leva-nos a reflectir sobre as ligações que estabelecemos uns com os outros, onde, como dizia a canção de Rui Veloso, “muito mais é o que nos une do que aquilo que nos separa”.

Nem o fio do tempo, nem a gélida tesoura conseguirão apartar-nos daqueles que amamos. Apenas a falta de amor o poderá alguma vez fazer. E que esse nunca nos falhe. Que o consigamos demonstrar a tempo, por palavras e actos, enquanto o fio ainda está inteiro. Até sempre, Ana Paula Boturão (1963-2017). Obrigada por tudo.

Hazel
Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1633
Foto: detapo, licença CC0

Crime organizado entre panelas e peúgas


Há ali uma falha na massa entre dois azulejos ao lado do fogão por onde já vi deslizar silenciosamente um tentáculo da Máfia siciliana. A minha cafeteira é uma ladra contrabandista. Coloco-lhe a água em baixo, o café no depósito central, enrosco a parte de cima e acendo o lume. A gangster octogonal colabora sem oferecer resistência, como uma boa e honesta cafeteira acima de qualquer suspeita.

A água ferve e sobe, percorrendo a secção onde se encontra o café, até chegar ao compartimento superior — dizem os vrai connaisseurs que o café é mais saboroso se subir em vez de descer, por algum misterioso motivo. No entanto, mal desligo o lume, ela — a velhaca — chupa o café de volta e fica com ele no andar de baixo.

Não será pela necessidade de beber o meu café-levanta-mortos que a chupista o rouba, mas certamente porque a Cosa Nostra chega a todo o lado. Uma pouca-vergonha pegada com sotaque italiano.

Mais ao fundo da cozinha, insuspeita junto à janela, encontra-se a sua comparsa, a máquina de lavar roupa. Essa é mais imprevisível na metodologia criminosa. Em breve reconstituição do último crime ocorrido, dirigiu-se esta vossa escriba com o alguidar da roupa para lavar na anca direita (toda a gente sabe que as ancas das mulheres servem para encaixar o alguidar), ajoelhou-se junto à máquina de lavar e colocou a roupa lá dentro: um pijama axadrezado, camisolas do gaiato, calças de ganga, dois vestidos, toalhas de banho, todo um arsenal de cuecas pretas e, por fim, as cobiçadas peúgas. Lembro-me perfeitamente de ter colocado para lavar aquele par de meias castanho-escuras com gatinhos que comprei para 'o meu filho' (e que acabaram por ficar para mim).

Regulo a máquina para o programa da roupa escura e vou aos meus afazeres. Quando a dissimulada mafiosa termina de lavar, retiro a roupa do seu interior e, com grande espanto, constato que apenas se encontrava uma (1!) das meias dos gatinhos. Rodei o tambor, inspeccionei a roupa toda, mas a infeliz meia desapareceu como se nunca tivesse existido, deixando órfã a irmã gémea. O desaforo não acaba aqui: apareceram, não uma, nem duas, mas três outras meias pretas que não coloquei para lavar.

É do demo: roubou-me uma meia e deu-me outras três que tinha furtado noutras lavagens em troca, como quem permuta reféns menos valiosos por outros que interessam mais.

Estou profundamente indignada com a patifaria que se está a passar na minha cozinha. Tanto a cafeteira quanto a máquina de lavar são membros executantes da Máfia, essas filhas-da-mãe que não têm outro nome — bem, ter, têm, mas vou abster-me por decoro.

Esta semana, o arcano 5 de Espadas surge-nos bruscamente como um gangster sem coração para nos levar as meias, o café e o bom-senso, numa batalha perdida onde ninguém é genuinamente vencedor.

Por vezes, o melhor é agir com distanciamento e não dar confiança à malandragem. Como vou fazendo com os atrevimentos dos mafiosos da cozinha: ignorar, evitar conflitos e conferir a roupa suja que se lava.

Hazel
Consultas em Oeiras e online
Email: hazelclaridade@gmail.com

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1632
Foto: andreas160578, licença CC0

Pista: 38.693449,-9.309771


Está decidido. Amanhã vou fugir. Já tenho a mala pronta. Caderno e lapiseira para algum rasgo de inspiração que possa surgir desavisadamente, uma muda de roupa para o caso de precisar de dormir fora, lápis preto para os olhos — terão de me perdoar a vaidade —, escova de dentes e desodorizante (pretendo ser uma fugitiva digna e asseadinha), e um telemóvel desligado. Acreditem em mim, vou fazê-lo. Dixit. Ninguém sabe; nem às paredes que me rodeiam confidenciei tão inusitado plano.
É segredo absoluto.

Não fujo à polícia. Tenho as contas em dia, actividade profissional legalizada, e apenas uma multa de estacionamento à espera de perdão divino, bem como o cartão de cidadão fora de prazo por casmurrice minha — porém, nada que justifique uma busca policial pela singela pessoa que vos escreve. Também não fujo de algum desgosto ou tristeza. Todos sabemos que a tristeza, quando quer apanhar alguém, agarra-o pelos artelhos e já nem à casa-de-banho o desgraçado consegue ir condignamente.

É do tempo que fujo, esse grande garganeiro. A mim não engana ele. Então, ainda há meia dúzia de dias nasci, até me lembro de estarem todos à espera que acabasse a “Gabriela, Cravo e Canela”, que estreava em Portugal, para fazerem o meu parto e agora, sem mais nem menos, diz que amanhã se completam quarenta anos que aqui estou? A areia da ampulheta gigante que mede a passagem do tempo anda certamente a ser desviada lá para as praias de São Pedro de Moel.

Chegados a este parágrafo, credes, amáveis leitores, que esta seja talvez uma crónica como as outras e que tudo isto é uma inocente metáfora. Contudo, sabem aqueles que me conhecem de perto que não gosto de fazer anos, é uma data que me causa sempre uma ansiedade irracional que me leva a desligar o telemóvel e a esconder-me em casa como quem se prepara para uma catástrofe nuclear. Por algum motivo, fico sempre assim no dia do meu aniversário, e esforço-me por fingir que estou contente para não ser uma bota-de-elástico desmancha-prazeres.

Amanhã vou estar mais velha, mais flácida, mais sábia e ajuizada (pelos vistos, nem ao menos isso!) e um ano mais perto da morte. Uhu, que emoção. Assim, este ano, porque a idade é um estatuto e só se faz quarenta anos uma vez, decidi celebrar o meu aniversário de forma a que nunca mais esqueça, mesmo que um dia o Alzheimer me apanhe desprevenida, e fazer algo que realmente me divirta: uma charada.

O meu bilhete de fuga é, justamente, esta crónica e a primeira pista para alguém me encontrar é a sequência de números que está no título. Quando encontrarem o local, terão de responder a um enigma (o enigma será entregue apenas directamente no local, e não por telefone). Quem responder correctamente, terá outra pista onde poderá ser dada a minha localização. Os corajosos que conseguirem encontrar-me, receberão de presente uma leitura de Tarot. Boa sorte! 😃

Hazel
Consultas em Oeiras e online

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1631

A cereja no topo

Os meus olhos fogem-lhe para as cuecas; procuro não olhar, mas é inevitável. Vocês também olhavam se aqui estivessem. Fotografo em palavras, correndo o risco de vos apresentar uma foto tremida: barba esparsamente semeada, cabelo rebelde a bater nos ombros, lábios trocistas. Um Jim Morrison do século XXI, de pernas longas e magras, calças justas quase a cortar a circulação sanguínea, negligentemente caídas como se acabasse de sair da casa-de-banho e se tivesse esquecido de puxá-las para cima (a minha avó também andava assim por vezes, como estes mancebos de agora, mas devido à demência e não à moda).

‘Senha R65’, pisca o monitor pendurado junto ao tecto, para onde todas as cabeças se viram como cágados a espreitar de fora da água cada vez que o sinal sonoro dispara. Levanta-se o jovem Morrison, caminhando com atitude felina, apesar dos passos de estreita amplitude, presos pelo gancho das calças ao nível dos joelhos. Todos os olhos entediados pela espera se lhe repousam nas nádegas sem que isso lhe cause qualquer beliscão. Seguro e confiante, exibe com desfaçatez o arredondado nalgal contornado pelas cuecas de elástico puído, com padrão de xadrez azul-turquesa-toalha-de-cozinha-mediterrânica.

Assina aqui, rabisca ali, molha o dedo na tinta, carimba este papel, depois aquele, compõe o cabelo para a foto. Vamos medir a altura, diz a senhora do Registo Civil na voz monocórdica e computorizada de quem repete as mesmas frases há mais de vinte anos. Algo muda subitamente nele. Há ali um torpor, uma emoção renovada.

Encosta-se à parede onde está a régua e apercebo-me dos espantosos ténis de sola de porta-aviões. Estica-se o máximo que pode levantando discretamente os calcanhares do chão, como quem não quer a coisa, enquanto sorri com a satisfação matreira de quem acaba de enganar o sistema em bicos-de-pés e cuecas de fora — debaixo das barbas de todos. Bem somado, deve ter ganho mais uns sete centímetros de altura. Para ele, um metro e oitenta não devia ser suficiente.

‘Senha R66’, fecha-se um jornal e levanta-se um homem baixo e compenetrado. Os mesmos procedimentos, assina, molha o dedo, fotografa, mede. A régua desce a pique até cerca de metade da altura para apurar a altura do senhor, que levava sapatos rasos e tinha os calcanhares pacificamente assentes.

O arcano 9 de Copas leva-nos a reflectir sobre a necessidade de estar grato e de valorizar o que temos. Querer sempre mais é estar desfasado do aqui e do agora, com a atenção focada um passo à frente do espaço que realmente ocupamos, num estado de carência e de gulodice insaciável; mesmo que nos oferecessem aquele pedaço de bolo que julgamos precisar, seria uma grande frustração se não houvesse uma cereja no topo — embora saibamos que um bolo não deixa de ser um bolo ainda que não tenha a cereja vermelha.

‘R67’, chegou a minha vez. Capricho na assinatura. Um metro e sessenta e nove (sem intenções maliciosas, garanto-vos por tudo o que há de mais sagrado). As sandálias rasas também não se afastam um milímetro do chão.

Hazel
Consultas em Oeiras e online

Crónica semanal publicada no Jornal O Ribatejo, edição 1630
imagem vectorial, licença CC0