Avançar para o conteúdo principal
A mostrar mensagens com a etiqueta Tarot

A Vendedora de Ovos

A SENHORA-GALINHA usa quase sempre o mesmo kispo cor-de- papas-de-aveia , a condizer com o tom das asas das suas galinhas. Roliça e muito baixa, encontro-a sempre sentada em doce pacatez sobre um banquinho que desaparece debaixo das saias, dando a ideia de estar a chocar os ovos que …

O Último Dia

« O bservo sem emoção o burburinho de gente desinteressante que se arrasta com pachorra de réptil anafado sob o Sol vespertino, esquecendo-me da minha própria existência. Como um fantasma. Ninguém nota a minha presença. Nem eu. Tudo é temporário. Sei que um dia voltarei a encontrar-m…

Monstros Debaixo da Cama

N ÃO ACREDITO EM DEUS. Mas sei que Deus existe; disso não duvido, benza-me Deus. Existe para aqueles que acreditam n’Ele. Quem diz Deus, diz o Diabo . A crença numa ideia torna-a real, verdadeira. Qualquer ideia. Os monstros debaixo da cama são palpáveis para os que neles creem, e vêm…

A Origem do Dia dos Namorados

O DIA 14 DE FEVEREIRO, conhecido actualmente como "Dia dos Namorados", é uma celebração pagã associada ao início da época de acasalamento na Natureza.  Na Roma antiga, dava pelo nome de Lupercalia , a festa em honra de Lupercus, o Fauno (Pã, na Grécia), divindade regente das…

Diário de Bordo do Navegante Solitário

P EDE-SE À LOUCURA  que, se um dia chegar, não se faça anunciar. Que tome conta de mim sem que eu o saiba, para que, ao marchar desalinhada dos demais, os julgue a eles descompensados (além de descompassados e destrambelhados), e a mim sã.  Nada poderia ocorrer de mais lamentável senão…

A Dama do Pechiché

O s frasquinhos de perfumes pecaminosos ocupavam quase todo o pechiché, reluzentes, tentadores. Uma serpente filiforme de odor amadeirado esgueirava-se sinuosa de uma tampa mal encaixada e evolava pelo ar, penetrando as narinas; incitando a destapar e cheirar o conteúdo de todos os vidr…

Mortinho por Viver

A i. Pois não é que esta vossa escriba encontrou um defunto a viver no seu roupeiro? Tinha-o guardado há tanto tempo que me esqueci dele. Lá estava, bem direitinho como compete aos defuntos, com o típico e expectável saco de plástico preto a envolvê-lo. Tal não poderia continuar, não s…

Borboletário

A s curvas do meu corpo macio insinuam-se numa dança ondulante e silenciosa à medida que me movo com languidez, inconspícua por entre a folhagem que emoldura a paisagem límpida e orvalhada da manhã. Ocasionalmente, uma folha ou outra roçam-me a pele nua. Alimento incessantemente o …

O Deus Mitra das Calças Coçadas

E NCONTREI DEUS dentro de mim. Afinal não parece o Gandalf . Nem barba tem, o velhaco, excepto um punhado de pelitos manhosos que lhe escurecem o buço, formando um bigode ralo e insolente. Dei com ele entre a minha terceira e a quarta vértebra, sentado a ler um livro virado de cabeça…

Conte-me a sua História

N ão fosse a escassez de topete para tal arrojo e sentar-me-ia na Baixa Lisboeta com a tabuleta “Todas as pessoas têm uma história. Conte-me a sua” , à espera que alguém se sentasse à minha frente e o fizesse. Pelo-me por uma boa história. Quando era gaiata, entrei num livro e nunca…

Boneca de Porcelana

V EIO DE PARIS, bien sûr . Os cabelos cor de trigo sarraceno emolduravam-lhe o rosto róseo e delicado, com olhos redondos e inocentes, sobrancelhas eternamente espantadas e lábios pequeninos, cheios de segredinhos tentadores. O vestido era uma harmonia de azul e alfazema, remetendo aos…

Cantar de Galo

A inda o galo não abriu o gasganete para cantar os bons-dias e já se ouve o velho tractor a andar para-cá-e-para-lá. De ceroulas arrepanhadas até aos sovacos e olhos esbugalhados das noites mal dormidas, o homem anda desnorteado com o trabalho. «Havia de ir ali pedir um tractor empre…

Medo do que os Outros Possam Pensar

A lzira preferia morrer a sujeitar-se ao vexame insuportável de se separar do marido, que desprezava secretamente, mantendo durante toda a vida um casamento falecido, sem jamais suspeitar que o objecto da afeição do seu consorte era o Peixoto do talho. O Peixoto, robusto e hirsuto, n…

No Creo en Brujas, pero que las hay, las hay.

S EMPRE ME INTRIGARAM aquelas castanhas engelhadas, mais velhas do que eu e que nunca ganhavam bicho, no fundo das gavetas da roupa. É por causa das bruxas , dizia sem mais esclarecimentos a minha mãe. Lá em casa, ninguém gostava de bruxas. Pantominices!, É tudo uma pantominice , saí…

A Princesa Ranhosa, um Conto de Fadas Moderno

E RA UMA VEZ uma bela princesa que vivia numa torre de apartamentos remodelados ali para os lados das florestas luxuriantes de Mem Martins, mesmo antes de chegar a Sintra. Bela é como quem diz: a voz de bagaço, o buço que lhe crescia junto aos cantos dos lábios, o acne, as olheiras pro…

Laboratório do Amor

O amor é urgente, desajuizado e ridículo. Eventualmente, causa até um bocado de nojo, podendo mesmo chegar a induzir em gregorianos espasmos pré-vómito aos que, frustrados nas suas ilusões, deixaram de acreditar porque o tomaram por uma âncora que estanca a fragata em alto mar, quando…

Tão Pequena e Tão Ladina

O s carros colam-se uns aos outros numa longa e fumegante serpente de chapa e vidros eléctricos ali mesmo à saída do bairro. Saem pela direita os que apanham a auto-estrada, fazem pisca para a esquerda os que seguem pela Marginal. Estão todos parados agora; vejo alguns a enfiar o ded…

«Quem Boa Cama Fizer, Nela se Há-de Deitar»

A inda parece que a oiço, cítrica e com um travo amargo de laranja seca; profética, com uma intuição que roçava o sobrenatural. Uma autêntica bruxa que, no entanto, desprezava bruxas e as desacreditava. Mas que as havia, havia — sempre haverá. Continuo sem compor pela manhã o delici…

Cuspir ou Engolir

«S e houver alguém que se oponha, que fale agora ou cale-se para sempre.» A gaveta da cozinha deslizou para fora e uma mão pesada tacteou por uma faca afiada que emergiu, gélida e reluzente, reflectindo a luz mortiça da lâmpada fluorescente e uns olhos raiados de sangue. A casca do li…

Beldade de Labaredas Pintadas

O Tragédias olhou em frente, mordeu o lábio inferior e contraiu o esfíncter como se isso o fizesse encolher e passar despercebido ao carro da polícia parado no cruzamento com a Rua Artilharia 1. Safou-se, o marialva de cabelo lambido. Por segundos de distracção policial quase era m…