Oh lixinho bom



















O lixo é cultura também.
Que o digam estas enciclopédias empoeiradas que alguém deitou fora.

Ainda sou do tempo em que as enciclopédias eram vendidas porta-a-porta, eram um investimento para o futuro e as pessoas pagavam em prestações por serem tão caras.

... olha o que o Google lhes fez!

Pois achei-as no lixo e trouxe para casa, sem qualquer pudor. Bem, com a laaaaarga experiência de apanhadora de coisas do lixo, já perdi os fricotes há muito tempo.
Quando alguém vem aqui a casa e vê alguma coisa mais "original", escapa sempre a pergunta: "Veio do lixo?" - hahahah

Como diz o ditado: "O lixo de um pode ser um tesouro para outro."
E, para mim, o conhecimento é um tesouro.
Não me importo nada com a questão da "imagem social", uhhh... o que é que as pessoas vão pensar... Eu quero lá saber! A vida ensinou-me que, se eu penso bem, basta isso.
Os outros podem pensar o que quiserem. É assunto deles, não meu.

Umas vezes, sou eu que trago coisas. Outras, sou eu que coloco coisas que já não quero para que alguém aproveite. E aproveitam sempre. É a energia a fluir.

Certo, Aramis?

Nas páginas da sabedoria,



Japamala





Um japamala é composto por 108 contas de madeira que servem de guia na entoação de mantras ou orações, formando uma corrente de energia. Não é preciso seguir uma religião em particular para fazer uso do Japamala, basta compreender o seu significado.

Japa = repetição/sussurrar
Mala = corrente/colar.

A sua utilização regular aumenta a capacidade de concentração, clareia e serena a mente, acalma a ansiedade, facilita a ascensão para estados meditativos e, por conseguinte, para o contacto com os planos divinos.

De acordo com os escritos dos Vedas, o 108 é o número em que se divide o tempo entre passado, presente e futuro. O diâmetro do Sol tem 108 vezes o diâmetro da Terra.

Como utilizar?
Segura-se o Japamala com uma mão, mantendo-se os dedos mínimo, anelar e médio unidos, com o Japamala apoiado sobre o dedo médio. O polegar puxa as contas na nossa direcção, uma para cada mantra entoado. Começa-se sempre a partir da conta mais próxima do Meru (a "vassourinha" vermelha). Considera-se que Meru simboliza Deus, pelo que nunca se passa por cima dele. Assim, quando chegamos ao Meru, se quisermos continuar, temos de voltar atrás.

Quanto mais utilizar o seu Japamala, mais ele absorverá a sua energia, tornando-se um objecto sagrado, um talismã que atrairá sorte, protecção, abundância, plenitude, concentração e realização espiritual. 

Sob os auspícios de 108 mantras,

Hazel

As 101 Músicas Mais Escaldantes dos Anos '80


Pfff, que pivete... hoje este blog tresanda a naftalina.

Vamos carregar na maquilhagem, vestir uma jaqueta com chumaços nos ombros (ou não) e viajar no tempo até aos anos '80!

A selecção que se segue foi feita por mim. Disponham dela como entenderem.

Sem qualquer ordem de preferência (clicar nos nomes para escutar):

1. Thriller - Michael Jackson
2. Summer of  '69 - Bryan Adams
3. Livin' on a prayer - Bon Jovi
4. Money for nothing - Dire Straits
5. Dirty Dancing Time of my life
6. Forever Young - Alphaville
7. Take my breath away - Berlin
8. What a Feeling - Irene Cara
9. Girls on film - Duran Duran
10. Purple rain - Prince

11. Take on me - A-ha
12. Express yourself - Madonna
13. Call me - Blondie
14. I Want to know what love is - Foreigner
15. Wonderful life - Black
16. Cover me - Bruce Springsteen
17. Slave to love - Bryan Ferry
18. Chris de Burgh - Lady in red
19. Don't leave me this way - The Communards
20. I just died in your arms tonight - Cutting Crew

21. Girls just want to have fun - Cyndi Lauper
22. Talk to me - Stevie Nicks
23. Blue Jean - David Bowie
24. Baby Jane - Rod Stewart
25. Sledgehammer - Peter Gabriel
26. Private Dancer - Tina Turner
27. Never gonna give you up - Rick Astley
28. Alive and kicking - Simple Minds
29. True - Spandau Ballet
30. Touch me (I want your body) - Samantha Fox

31. Nothing's gonna stop us now - Starship
32. Dancing with tears in my eyes - Ultravox
33. Jump - Van Halen
34. Careless Whisper - Wham!
35. Is this love - Whitesnake
36. Sweet child o'mine - Guns n' Roses
37. Maneater - Daryll Hall & John Oates
38. One Night in Bangkok - Murray Head
39. Broken Wings - Mr. Mister
40. Moonlight shadow - Mike Oldfield

41. A little respect - Erasure
42. Tarzan Boy - Baltimora
43. I am the man who will fight for your honor - Peter Cetera
44. Love Bites - Def Leppard
45. You keep me hangin'on - Kim Wilde
46. The heat of the moment - Asia
47. De Do Do Do De Da Da Da - The Police
48. Road to nowhere - Talking Heads
49. Luka - Suzanne Vega 
50. Another one bites the dust - Queen

51. Still loving you - Scorpions
52. Personal Jesus - Depeche Mode
53. I owe you nothing - Bros
54. Everytime you go away - Paul Young
55. Boys - Sabrina
56. You're my heart, you're my soul - Modern Talking
57. Sign your name - Terence Trent D'arby
58. Love in an elevator - Aerosmith
59. You shook me all night long - AC/DC
60. With or without you - U2

61. Need you tonight - INXS
62. Mama - Genesis
63. Sweet Dreams - Eurythmics
64. White wedding - Billy Idol
65. I love rock n' roll - Joan Jett and the Blackhearts
66. Addicted to love - Robert Palmer
67. Just like heaven - The Cure
68. Start me up - Rolling Stones
69. Solid - Ashford and Simpson
70. Let's get physical - Olivia Newton-John

71. Sleeping my day away - D.A.D.
72. The Look - Roxette
73. Walk like an egyptian - The Bangles
74. Lover why - Century
75. Relax - Frankie goes to Hollywood
76. A woman like you - Russ Ballard
77. Africa - Toto
78. Caribbean Queen - Billy Ocean
79. Nowhere fast - Fire Inc.
80. Eye of the tiger - Survivor

81. Self Control - Laura Branigan
82. Classic - Adrian Gurvitz
83. Poison - Alice Cooper
84. The winner takes it all - ABBA
85. Gimme all your lovin' - ZZ Top
86. Senza una Donna - Zuchero
87. Rattlesnakes - Lloyd Cole & The Commotions
88. The whole of the moon - Waterboys
89. Against all odds - Phil Collins
90. I'm your man - Leonard Cohen

91. Always the sun - The Stranglers
92. Do you wanna funk - Sylvester
93. Der Kommisar - Falco
94. I want candy - Bow Wow Wow
95. Wicked game - Chris Isaak
96. Karma Chameleon - Culture Club
97. I don't want a lover - Texas
98. Drive - The Cars
99. April Skies - The Jesus and Mary Chain
100. Free fallin' - Tom Petty
101. Woodpeckers from space - Videokids

Consegui!
As 101 músicas mais emblemáticas dos anos '80 - na minha opinião.

[bem sei que muitas ficaram de fora; foi uma década de boa música]

Hazel

Fazer pontaria

... hmmmmmmmm...

Deram-me isto para fazer chichi lá para dentro.

E eu estou aqui a olhar para este um tubinho, que é pouco mais largo que uma caneta, e a pensar que podia ser pior - vai que era do tamanho de uma palhinha.

Sempre a ver as coisas pelo lado positivo, hã?

Estou, então, a considerar se arranjo uma pinça gigante para segurar o tubo enquanto faço mira e tento acertar-lhe.

Ou se uso umas luvas.

Ou se arranjo um frasco mais largo e depois vazo o chichi aqui para dentro - como se faz com os perfumes.

Ou se mijo os dedos todos e pronto.

Perdida em divagações escatológicas,



Flor-de-Maio, porque não te chamas Flor-das-Fadas?

É que bem podia ser esse o seu nome, dada a beleza das suas flores. Parecem pequenas Fadas, com os seus vestidos cor-de-rosa.
Ou sou eu que hoje acordei fru-fru?

O seu nome técnico é (preparem-se para se cuspirem todos a tentar pronunciá-lo):
Schlumbergera truncata.

Mas é vulgarmente conhecida como Flor-de-Maio, Cacto-da-Páscoa, Cacto-de-Natal ou Flor-de-Seda.

Propaga-se por estaca. Ou seja, tira-se um grupo de 2 ou 3 dos seus segmentos e coloca-se na terra. Fácil, hã?

Todas as minhas plantas têm uma história de vida muito atribulada, mas esta foi diferente.
Para variar, não a apanhei no lixo. A sério!

Ah! A minha fama de apanhadora de coisas do lixus é tal, que agora ninguém acredita.
Quando mudei para a casa onde vivo actualmente, encontrei-a abandonada no cantinho da varanda, muito triste, cabisbaixa e empoeirada.

Limpei-a, trouxe-a para a cozinha e fui cuidando... até que ela me presenteou assim.
As flores são mesmo a forma da Natureza celebrar a vida.
Quase posso ouvir a flor-de-Maio gritar "iupiiiii!! weeeeeee!!!"
























Dançando com as Fadas,



Escrever com pena

É sem pena nenhuma que hoje escrevo sobre escrever com pena. :)

Esta foi a solução que encontrei para as canetas que estou sempre a perder.

Podia amarrar uma caneta com uma corda à mesa, como se faz nos guichets de consultórios médicos. Podia.

Mas, homessa, que espécie de escriba seria eu, com uma caneta atada a um cordel? Não podia ser. Foi então que olhei para um molho de penas que tenho ali pendurado num prego na parede e se fez luz.

[Olhem que eu não arranco penas às aves, que é lá isso. São penas que vou apanhando do chão quando levo o L. ao parque. Tendo em conta que o L. já tem 8 anos, imaginem! Dava quase para juntar todas e construir um pato.]

Uma caneta de pena é muito fácil de fazer:

Corta-se a pontinha da pena e depois enfia-se a carga de uma caneta Bic (deviam pagar a publicidade) lá para dentro. Se a carga for comprida demais, corta-se até servir. O ideal é que a carga já esteja meio gasta, para não derramar tinta.


















E nunca mais perdi a caneta!

Nas asas da escrita,
Hazel


Bolo de Chocolate


Para que o seu bolo de chocolate saia perfeito, deve começar por colocar esta música a tocar na cozinha. Agora, sim. Estamos prontos!

Ingredientes para o bolo:
- 300 g de açúcar
- 150 g de manteiga
- 200 g de farinha
- 100 g de chocolate em pó
- 7 ovos

Misturar o açúcar com a manteiga derretida.
Juntar as gemas, a farinha e o chocolate misturado num pouco de água.
Adicionar as claras em castelo.
Depois de mexer bem, vai ao forno a 180º numa forma untada e enfarinhada.
Não se esqueça de pré-aquecer o forno, senão...

Ingredientes para a cobertura de chocolate:
- 100 g de chocolate de culinária em barra
- 200 g de manteiga
- 2 ovos inteiros
- 100 g de açúcar pilé

Misturar numa panela em banho-maria o chocolate e a manteiga até derreter, mexendo de vez em quando. Juntar o açúcar e os ovos. Mexer sempre, de forma a fazer o creme.
Derramar sobre o bolo e depois decorar com amor!


Com bigodes de chocolate,

Hazel


Querido filho,


Hoje é o teu dia de anos. Estás um menino crescido e a mamã está muito orgulhosa de ti.

Já tens 8 anos, sabes ler, escreves bilhetes para a mamã, e hoje a mamã está muito feliz por poder escrever este bilhete e tu já o conseguires ler. Há muitas pessoas que também conseguem ler este bilhete no computador delas, e muitas estão em outros países tão longe que só se pode ir de avião.

Mas é para ti que hoje escrevo, meu príncipe.
Para te dizer que és o meu melhor amigo, e a mamã todos os dias é feliz porque tu existes.
Quando começaste a nascer, estava tanto nevoeiro que parecia que o mundo se encheu de algodão-doce para te receber. Vieste com os primeiros raios de Sol pela manhã.
E tudo ficou mais bonito, mais especial por teres chegado.

Todos os dias cresces mais um bocadinho, especialmente quando comes sopa, e um dia vais ficar mais alto que a mamã. A mamã vai ser mais velhinha, vai continuar a voar de vassoura e quando tiveres os teus filhos também os levo para a cama de vassoura como às vezes te levo quando te portas bem. E sabes porquê? Porque a mamã é assim mesmo, e tu gostas da mamã assim como é. E isso faz a mamã feliz.

Obrigada, filho, por me teres escolhido a mim para ser tua mamã quando estavas à espera de nascer. Parabéns pelos teus 8 anos! O teu presente está escondido. Tens de usar o mapa do tesouro que está debaixo da tua almofada para o encontrar.

Amo-te.
Mamã

Este vídeo é para ti.


Sexta-feira Zen

Às vezes, perdemo-nos na corrida dos ponteiros do relógio.
Deixamo-nos enlear pelos fios do novelo do tempo e, quanto mais nos debatemos, mais aprisionados ficamos. Então, temos de parar. Ficar quietos, apenas a escutar a nossa própria respiração e o pulsar do sangue bombeado pelo coração.

É então que os nossos olhos se reabrem e vislumbramos os finos raios de ouro que o Sol faz penetrar através dos fios que pareciam amarrar-nos os pulsos e os tornozelos, mas afinal nem estavam tão apertados assim.

Soltamo-nos do emaranhado dos fios do tempo, que ordenamos numa bola perfeita para depois tricotar, com a mestria das agulhas de sabedoria, numa colcha de momentos, emoções, histórias, suspiros, começos, remates, mudanças de cor.

É o que faço todas as sextas-feiras. Desligo as fontes de distracção exterior (computador, televisão) e fico apenas a escutar a minha voz interior. 24 horas de estado zen.

Com o pulsar do coração,

Encantamento contra pesadelos

Este encantamento tem origens muito antigas; vem do tempo em que se acreditava que os pesadelos eram obra dos demónios e espíritos nocturnos que atormentavam as pessoas durante o sono.

Para ter uma noite tranquila, colocava-se os sapatos lado a lado junto à cama, um virado para cima e outro para baixo.

Havia a crença de que Mahr*, o espírito maléfico que subia para as camas e oprimia as pessoas durante os seus sonhos, teria de calçar os sapatos antes e, caso estes estivessem trocados, ele ficaria bloqueado.

Na versão original deste encantamento que tem sobrevivido ao longo de séculos, também se colocava uma faca ou outro objecto cortante de ferro debaixo da cama, para protecção, mas essa parte não recomendo - vai que alguém aí é sonâmbulo - fiquemo-nos pelos sapatos!

[Espero não ter contribuído para aumentar os terrores nocturnos de ninguém...]

Mahr é o nome que no Norte da Europa se dá aos espíritos nocturnos. Este termo forma a raiz de diversas palavras europeias para designar sonhos com pesadelos; nightmare em inlglês, maren em dinamarquês, nachtmar em alemão, cauchemar em francês.

Sob os auspícios de Morfeu,